Busca

Categoria: Banda larga móvel


07:36 · 13.07.2017 / atualizado às 08:06 · 13.07.2017 por
Loja da Vivo no Shopping Iguatemi Fortaleza

A Vivo lançou, no último dia 12 de julho, as novas ofertas de internet para os clientes de planos Controle. A mudança vai trazer mais dados para as ofertas a partir de R$ 39,99 sem alterar os preços praticados. Todas as opções vão receber um acréscimo de 500MB na quantidade de dados disponíveis no ciclo.

“A Vivo passa a oferecer ainda mais dados ao cliente e mais autonomia para acesso à internet e serviços digitais como GoRead, Kantoo, NBA, que também fazem parte da oferta, ou um de nossos outros 80 apps à disposição dos clientes”, explica Marcio Fabbris, vice-presidente B2C da Vivo. As alterações fazem parte do processo de transformação digital liderado pela Vivo, que oferece novas experiências (que vão muito além da conectividade) aos clientes.

Novos planos
A Vivo oferece aos clientes cearenses upgrade na franquia de dados nos planos Controle a partir de R$ 39,99. Os outros benefícios das ofertas como minutos para outras operadoras e serviços digitais não sofrem alterações.

Os clientes do plano de R$ 39,99 passam de 2GB para 2,5GB de internet. Já os clientes do plano de R$ 49,99, passam de 2,5GB para 3GB para acessar a internet. E por fim, aqueles que optam pelo plano de R$ 64,99, passam a ter 3,5GB, ao invés de 3GB.

Esperança

Minha esperança é que este aumento de dados para o cliente não resulte tão cedo em aumento de preço. A próxima mudança bem que poderia ser permitir que dados que sobraram em um ciclo fossem utilizados em até 2 ciclos seguintes. Seria algo bem interessante. Que tal Vivo?

12:20 · 07.07.2017 / atualizado às 12:20 · 07.07.2017 por

A Anatel liberou o licenciamento de estações do serviço de telefonia móvel (Serviço Móvel Pessoal – SMP) na faixa de 700 MHz para mais 156 cidades brasileiras. Com isso, agora já são mais de 1,8 mil cidades aptas a utilizar essa faixa para a prestação da banda larga móvel, dentre elas 12 capitais: Aracaju/SE, Boa Vista/RR, Brasília/DF, Campo Grande/MS, Cuiabá/MT, Fortaleza/CE, Macapá/AP, Natal/RN, Palmas/TO, Recife/PE, Rio Branco/AC, Teresina/PI.

O licenciamento de estações na faixa de 700 MHz, nesse momento, é fruto do trabalho realizado no âmbito do Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired) para a antecipação do desligamento do sinal analógico de televisão em algumas localidades e consequente liberação dessa faixa para utilização das operadoras do serviço móvel em tecnologia de quarta geração (4G).

Para possibilitar a convivência harmônica entre os serviços de televisão e de telefonia móvel, a Anatel realiza estudos de viabilidade técnica nos municípios a serem liberados para evitar interferências entre os serviços. Tal estudo é aprovado pelo Gired, grupo presidido pela Agência e que conta com a participação da Secretaria de Radiodifusão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, além das associações representativas das empresas de radiodifusão e das prestadoras de serviços de telecomunicações vencedoras do processo licitatório da Anatel que conferiu o uso da faixa de 700 MHz.

A partir da aprovação do Gired, a Entidade Administradora do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV inicia um estudo preventivo de mitigação de eventuais interferências e, após o encerramento dessa atividade, a Anatel libera o licenciamento das estações.

Todo o trabalho vinculado à migração para o sistema digital de TV está inserido em um contexto maior de política pública governamental que tem por objetivo proporcionar a melhoria da qualidade do sinal de televisão para os brasileiros e, também, possibilitar maior qualidade, velocidade de conexão e cobertura para o serviço de banda larga móvel proporcionadas pela telefonia 4G na faixa de 700 MHz, permitindo, assim, a inclusão digital para a população enquadrada nas classes C, D e E no País.

10:52 · 06.07.2017 / atualizado às 11:02 · 06.07.2017 por
Instalação de mais antenas de celular seria uma boa saída para melhorar a qualidade do sinal 3G e 4G

Projeto de lei do senador Dario Berger (PMDB/SC) de número 110/2017, altera a Lei Geral de Telecomunicações (LGT), acrescentando ao artigo 3º o inciso que estabelece que os usuários podem acumular e usufruir a qualquer momento o saldo do volume de dados de sua conexão à internet banda larga móvel não consumido no mês contratado.

Segundo a justificativa do senador de Santa Catarina, as operadoras cobram um valor adicional quando o usuário ultrapassa a franquia contratada, suspendendo o serviço quando o pagamento não é feito. Porém, o inverso não acontece. E seria aí que esta modificação na LGT entraria. “Quando o consumidor consome menos que o volume de dados adquirido, esse saldo simplesmente some. Não pode ser aproveitado pelos usuários nos meses posteriores, em benefício das operadoras”, conclui documento do projeto de lei.

O texto já foi aprovado pela Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) do Senado. Porém, sofreu uma emenda que limita o acúmulo de franquia de internet de “a qualquer tempo” para “em até dois meses”.  O senador Otto Alencar (PSD/BA) sugeriu o prazo máximo de dois meses. Ele explicou que a mudança foi necessária para impedir que uma infinidade de saldos mínimos tivesse que ser administrada, diminuindo com isso a oferta de planos mais acessíveis.

“Por isso, é relevante determinar o prazo de dois meses, porque uma proposta boa como essa poderia ser inviabilizada, prejudicando justamente os mais pobres, por meio da diminuição da oferta de planos mais baratos”, justificou.

A iniciativa é válida e acho justo que possamos aproveitar estes dados, quando sobram, no mês seguinte. A mudança para fixar em até 2 meses o aproveitamento também é coerente. Mas o medo é que tal possibilidade onere os demais planos. Afinal, as operadoras não irão arcar com isso sem querer ter algum ganho em cima disso, não é verdade?

Com informações da Agência Senado