Categoria: Games


11:05 · 15.07.2019 / atualizado às 11:06 · 15.07.2019 por

A Riot Games e a Ubisoft, desenvolvedoras de games e organizadoras de alguns dos mais importantes torneios de esportes eletrônicos do Brasil, formalizaram na última sexta-feira, 12 de julho, o apoio à decisão da senadora Leila Barros (PSB-DF) de dar continuidade ao debate acerca do PL 383/2017, que prevê a regulamentação dos esportes eletrônicos no País.

Assim como a parlamentar, ambas as empresas defendem que o projeto de lei em questão volte ao debate, com o objetivo de que todos os envolvidos nesse ecossistema (desenvolvedores, organizadores, jogadores profissionais, clubes e torcedores) possam, de fato, ser ouvidos durante a concepção de normas futuras.

Já há correntes no Senado contrárias ao e-Sport por considerar que a violência mostradas no jogo seria prejudicial para os jovens e não poderia ser considerado um esporte.

O blog não concorda com essa premissa de que o e-Sport divulga violência. Acreditamos que é uma modalidade interessante, apesar de que a prática de esportes longe de computadores ser, para nós, algo ainda mais interessante para a saúde e para uma vida mais integrada na sociedade.

07:40 · 08.07.2019 / atualizado às 07:41 · 08.07.2019 por

Com apenas alguns cliques e poucos segundos, crianças e adolescentes acessam diversos mundos, seja assistindo a um vídeo ou cumprindo missões em games. No entanto, esse uso mais facilitado e frequente da tecnologia, sem dúvida, pode promover muito mais do que momentos de entretenimento. Quando usada de forma consciente e produtiva, a tecnologia abre portas para universos de possibilidades.

Pensando nisso, a rede de escolas codeBuddy, especializada em programação e robótica (não tem sede em Fortaleza), lançou o desafio Change the World – Game XP, no qual jovens, a partir de 7 anos e que completem 17 até o último dia de inscrição, vão apresentar soluções para problemas reais por meio de games ou aplicativos sobre áreas que impactam toda a sociedade, como: saúde, educação, meio ambiente, acessibilidade, segurança, negócios, empresas e energia limpa. Serão três categorias – para participantes de 7 a 9 anos, de 10 a 13 anos e de 14 a 17 anos – e cada uma terá um vencedor.

Os concorrentes, que podem ser de qualquer Estado e não precisam ser alunos da codeBuddy, devem ter seus projetos inscritos aqui até 8 de julho, incluindo um vídeo de até um minuto que defenda a ideia do projeto.

“Esse exercício de usar a tecnologia para criar, e não apenas para consumir, é um estímulo para o desenvolvimento de diversas habilidades, como a criatividade, além de ajudar a preparar a nova geração para um futuro cada vez mais tecnológico”, diz o Diretor da codeBuddy, Eduardo Honzak.

O desafio vai contar com jurados técnicos para a definição dos projetos vencedores, que vão ganhar dois passaportes para a Game XP – o primeiro e maior game park do mundo, montado no Parque Olímpico da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, e repleto de atrações dos dias 25 a 28 de julho. Se os escolhidos forem de fora do Rio, vão ter direito também a duas passagens aéreas de ida e volta para viajar e curtir o evento com um responsável maior de idade como acompanhante.

07:48 · 28.06.2019 / atualizado às 06:51 · 28.06.2019 por

Depois de colocarem o Brasil no posto de terceiro maior mercado de games do mundo, os jogadores brasileiros podem comemorar mais um feito: no primeiro trimestre de 2019, foram suas compras de desktops que amenizaram a queda do mercado de computadores no país. Essa é uma das conclusões do estudo IDC Brazil PCs Tracker Q1/2019, que contabilizou a venda de 1,268 milhão computadores nos três primeiros meses de 2019, volume que é 5% menor do que o registrado no mesmo período do ano passado. Desse total, 381 mil foram desktops e 887 mil foram notebooks, retração de 4% e de 6%, respectivamente, em comparação ao primeiro trimestre de 2018.

“O desktop personalizado pelo próprio usuário, configurado para rodar seus jogos preferidos, é o caminho mais rápido e econômico de entrar no mundo dos games, e neste começo de ano foi o responsável por um volume importante de máquinas no mercado de consumo”, diz Wellington La Falce, analista de pesquisa da IDC Brasil. Já o setor de notebooks não teve um consumidor doméstico com o mesmo apetite dos gamers, mas no segmento corporativo teve relevância maior e suavizou a queda no resultado total de vendas de PCs. As vendas de notebooks para o usuário doméstico caíram 8% no primeiro trimestre de 2019. “Viemos de dois anos seguidos de alta, com forte crescimento nas vendas de portáteis. É natural, portanto, uma demanda menos agressiva. Além disso, tem a questão preço. Os notebooks ficaram, em média, 14% mais caros, consequência do fim dos incentivos da Lei de Informática e do dólar mais alto”, pondera o analista da IDC Brasil.

La Falce lembra também que, independente da categoria – desktop ou notebook -, nos primeiros meses do ano é comum um volume de vendas menor, pois o consumidor costuma comprar bens de maior valor no Natal e muitas vezes acumula essas dívidas com despesas típicas do início de ano, como IPVA, IPTU, material escolar etc. Ainda assim, o mercado de consumo teve um melhor desempenho do que o mercado corporativo. No primeiro trimestre de 2019, das vendas de 1,268 milhão de computadores, 810 mil foram para o usuário doméstico e 458 mil para as empresas. “A queda do mercado de computadores no setor corporativo foi de 6%, movimento puxado para baixo pelo governo, que retraiu 30% em relação ao primeiro trimestre de 2018. Tivemos não apenas uma troca de governo, mas uma mudança radical de gestão e o período de avaliação antes de novos investimentos já era esperado”, afirma La Falce.

Além das vendas mais fracas para o setor público, o mercado de computadores no primeiro trimestre de 2019 foi impactado também pelo freio no ímpeto do empresariado. “O novo governo começou, mas não com a rapidez esperada para a retomada da economia. O governo está claramente preocupado com as contas públicas e com a Reforma da Previdência, mas hoje o mercado está estagnado. E estagnação também gera instabilidade e insegurança para investimentos”, analisa La Falce. “Em cenários estáveis o mercado de computadores cresce. Foi assim em 2017, por exemplo, quando o mercado cresceu 15%”, lembra.

Em termos de preços, o IDC Brazil PCs Tracker Q1/2019 mostra que, em média, os computadores para o usuário doméstico ficaram 10% mais caros do que no primeiro trimestre de 2018, provocando um aumento de 7% na receita e um faturamento de cerca de R$2 milhões. No mercado corporativo, o preço médio ficou 21% mais alto e o faturamento foi de cerca de R$1,4 bilhão, 15% maior do que no mesmo período do ano passado. Segundo o analista da IDC, a alta de 21% deve-se, basicamente aos notebooks, que ficaram 14% mais caros no período, e à retração do governo, já que o ticket das compras deste setor é mais baixo e puxa a média do corporativo para baixo.

Insubstituível

Para a IDC Brasil, o cenário para os próximos meses não deve sofrer mudanças significativas e a projeção para 2019 é de um crescimento de 1%, com vendas de 5.600 milhões de unidades de computadores.

Segundo La Falce, os gamers suavizaram a queda do mercado de PCs no primeiro semestre e tudo indica que seguirão comprando desktops e contribuindo para os resultados do setor de consumo. O mercado educacional também deve reagir aos impulsos de inovação e renovar o parque instalado, assim como a preocupação com a segurança de dados e a preparação para a adequação à LGPDP deve provocar uma atualização de máquinas nas instituições de ensino. O governo, por sua vez, ainda que retome as compras no segundo semestre, deve ser de forma conservadora. E o setor privado, embora dependente de decisões do governo que injetem ânimo e segurança, deve reagir mais rapidamente. “O computador continua insubstituível. O consumidor final até pode investir em outros devices, mas as empresas sabem que nenhum dispositivo gera a mesma produtividade de um PC”, diz o analista da IDC. Além disso, completa La Falce, com o fim do suporte ao Windows 7, as empresas precisarão de novos computadores, capazes de rodar o Windows 10.

06:15 · 28.06.2019 / atualizado às 12:11 · 28.06.2019 por

Comprometimento na comunicação e na interação são características do Transtorno do Espectro Autista (TEA). O diagnóstico pode ocorrer ainda na infância. Como forma de retirar essas crianças do isolamento social, as tecnologias podem ser aliadas do processo terapêutico. Com esse objetivo, surgiu o projeto de extensão Tecnologia Educacional para Crianças Autistas (TECA), do Curso de Engenharia da Computação do Campus da UFC em Sobral. O objetivo principal é produzir jogos educativos para crianças de 4 a 10 anos de idade.

Um deles é um aplicativo para celulares do sistema operacional Android que leva o mesmo nome do projeto. No site de divulgação do jogo, é possível conhecer mais sobre as metodologias de ensino e tratamento próprios para esse público. De acordo com o coordenador do TECA, Prof. Alexandre Fernandes, o app tem a finalidade de ajudar no desenvolvimento da criança, ensinar noções de cores, animais e atividades da vida cotidiana.

“É um jogo para estimular a socialização porque usa a técnica da realidade aumentada e no qual a criança é encorajada a buscar objetos e tirar fotos do ambiente”, explica o professor. Um dos principais focos do aplicativo é retirar as crianças autistas do isolamento social. Para isso, foram criadas fases nas quais outros participantes devem entrar para que se possa avançar no jogo.

O TECA atende hoje as crianças com autismo assistidas pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Sobral. Os bolsistas tiveram de conhecer melhor a rotina dessas crianças para desenvolver o trabalho. Todo o contato dos estudantes e do coordenador do projeto com elas foi intermediado pela psicóloga Shyrlane Souza. De acordo com a profissional, foi essencial essa convivência para que os extensionistas tivessem a sensibilidade de montar os jogos a partir das necessidades de cada uma.

Em breve na Google Play

Atualmente, a equipe está desenvolvendo a segunda fase do jogo, que terá diversas melhorias e aprimoramentos, com base nas sugestões e opiniões do questionário. Em breve, o aplicativo será disponibilizado para download de forma gratuita. Uma das preocupações, segundo o Prof. Alexandre, é a de que um maior número de pessoas seja atendida. Por isso, a escolha do sistema operacional Android, mais acessível. “O nosso foco não é fazer só ensino, pesquisa e extensão, mas de fato colocar esse produto de forma livre para qualquer pessoa”, ressalta.

Tela do aplicativo TECA

 

13:22 · 24.06.2019 / atualizado às 14:17 · 24.06.2019 por

A WB Games e a Niantic (a mesma que fez parceria com a Nintendo para lançamento de Pokémon GO) anunciam o lançamento de Harry Potter: Wizards Unite que teve início nos EUA, Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia e apenas dois dias depois o game chegou ao Brasil. O esperado game de realidade aumentada é co-distribuido e co-desenvolvido pela Niantic e pela WB Games sob os cuidados da Portkey Games e será lançado em diversos outros países nos próximos dias. Os jogadores podem baixar o game na App Store para o iPhone, no Google Play para Android e na Samsung Galaxy Apps Store para dispositivos Samsung.

“Hoje marca o início de uma jornada incrível para os fãs do Mundo Bruxo, abrindo portas virtuais para aventuras ao redor do planeta”, disse John Hanke, fundador e CEO da Niantic. “Tudo o que aprendemos sobre realidade aumentada e design de jogos do mundo real nos últimos sete anos foi colocado neste jogo”, conclui.

Harry Potter: Wizards Unite

“Estamos muito satisfeitos por fazer parceria com a Niantic, líder do mercado de jogos de realidade aumentada, em Harry Potter: Wizards Unite e criar uma experiência mágica e imersiva no mundo dos bruxos para nossa marca Portkey Games”, disse David Haddad, presidente da Warner Bros. Interactive Entertainment . “Se você é um bruxo ou bruxa que sempre sentiu que a magia estava ao seu redor, a combinação de narrativa com tecnologia de ponta de Harry Potter: Wizards Unite™ permitirá que você viva essa fantasia”, afirma.

Harry Potter: Wizards Unite é construído em cima da Niantic Real World Platform e criado usando o design de jogos e a experiência em criação de conteúdo da WB Games San Francisco. Como novos recrutas da Força-Tarefa do Estatuto do Sigilo, os jogadores investigarão a atividade mágica caótica que está revelando a magia no mundo dos trouxas e trabalharão juntos para solucionar o mistério dessa calamidade. Os jogadores poderão explorar seus bairros e cidades do mundo real para descobrir artefatos misteriosos, lançar feitiços, encontrar animais fantásticos e personagens icônicos ao longo do caminho.

07:33 · 21.06.2019 / atualizado às 12:36 · 19.06.2019 por

Uma pesquisa da Kaspersky mostrou que cibercriminosos estão aproveitando a crescente onda do e-sport para distribuírem malware via cópias falsas dos jogos mais conhecidos. Mais de 930 mil jogadores foram vítimas desses ataques entre junho de 2018 e junho de 2019. Mais de um terço dos ataques consentram-se em apenas três jogos.

Os videogames fazem parte de nossas vidas há algum tempo, mas a capacidade da internet acelerou seu crescimento e sua evolução. Atualmente, cerca de uma em cada dez pessoas do mundo é um jogador online. Segundo a empresa de segurança digital, da mesma forma que outros tipos de entretenimento digital, os videogames são vulneráveis ao uso indevido, como violações de direitos autorais e pirataria via torrents, mas eles enfrentam outra ameaça crescente: o uso fraudulento de sua marca para distribuição de malware. Ainda de acordo com a Kaspersky, muitos dos principais videogames ficam hospedados em plataformas de distribuição digital e nem sempre elas conseguem detectar se os arquivos carregados nelas são legítimos ou amostras de malware disfarçadas.

Os pesquisadores da Kaspersky examinaram os arquivos infectados detectados em 2018 e no início de 2019 e o principal jogo usado nos golpes foi o ‘Minecraft’. O malware mascarado com esse jogo foi responsável por cerca de 30% dos ataques, com mais de 310 mil usuários atingidos. Em segundo lugar ficou o ‘GTA 5’, com mais de 112 mil alvos e ‘Sims 4’ ocupou o terceiro lugar, com quase 105 mil usuários atacados.

Os pesquisadores também descobriram criminosos tentando enganar os usuários para baixar arquivos maliciosos que se passavam por jogos não lançados. Foram observados pelo menos dez jogos em pré-lançamento, sendo que 80% deles referiam-se a FIFA 20, Borderlands 3 e Elder Scrolls 6.

“Há meses observamos que os criminosos exploram o entretenimento para pegar os usuários de surpresa, sejam séries de programas de TV populares, estreias de filmes importantes ou videogames conhecidos. Isso é fácil de explicar, pois as pessoas ficam menos atentas quando querem apenas relaxar e se divertir. Se um usuário não espera encontrar malware em algo divertido que usou por anos, não é preciso uma ameaça avançada para que o vetor de infecção tenha êxito. Todos devem ficar alertas, evitar plataformas digitais não confiáveis e ofertas suspeitas, além de instalar uma solução de segurança e realizar verificações regularmente em todos os dispositivos usados para jogar”, afirma Maria Fedorova, pesquisadora de segurança da Kaspersky.

Para evitar ser vítima de malware disfarçados de jogos, a Kaspersky recomenda algumas medidas:

• Só use serviços legítimos com reputação comprovada.
• Preste mais atenção à autenticidade dos sites. Não acesse aqueles que permitem baixar jogos até estar seguro de que são legítimos e que seu endereço começa com ‘https’. Antes de iniciar o download, confirme se o site é genuíno, conferindo o formato da URL e a ortografia do nome da empresa;
• Não clique em links suspeitos, como aqueles que oferecem a oportunidade de jogar um jogo que ainda não foi lançado.
• Use soluções de segurança confiáveis e que tenha um Modo Gamer, função que congela as tarefas rotineiras para que o processamento seja totalmente dedicado ao jogo. As únicas ferramentas que operam em segundo plano são aquelas responsáveis pela proteção contra mensagens de phishing, roubo de credenciais ou ataques de rede.

08:31 · 20.06.2019 / atualizado às 13:36 · 19.06.2019 por

A Microsoft anunciou mais um recurso de acessibilidade, dessa vez voltado para o mercado de games: são 4 novos jogos Eye First – que são jogados apenas com o movimento dos olhos – para o Windows 10. O primeiro deles é o Tile Slide, um quebra-cabeça que desafia os jogadores em várias dificuldades; já o Match Two exercita a sua memória para vencer as inúmeras partidas; depois, o Double Up usa contas matemáticas para treinar o seu pensamento lógico; e, por último, o Maze, que provoca o jogador a achar o caminho ideal para o seu cachorrinho.

“A Microsoft está reinventando esses quatros títulos populares para o controle ocular pensando em novas formas de incluir todas as pessoas nas diversões do dia a dia. Pessoas com dificuldades de fala e/ou mobilidade podem enfrentar limitações na hora de jogar alguns jogos, por isso é importante que estejam incluídas na diversão”, informa comunicado da empresa.

08:27 · 20.06.2019 / atualizado às 08:33 · 18.06.2019 por

A Warner Bros. Interactive Entertainment e a NetherRealm Studios revelaram a Kombat League de Mortal Kombat 11, um novo modo de classificação ranqueada sazonal, em que os jogadores podem competir para ganhar recompensas exclusivas no jogo. A Kombat League já está disponível como uma atualização gratuita para todos que adquiriram Mortal Kombat 11.

>>>Mais cadenciado e estratégico, Mortal Kombat homenageia o Nordeste e traz a velha porradaria de volta

No novo modo, os jogadores lutam em partidas ranqueadas durante uma temporada de quatro semanas para progredir através de nove níveis, subindo nas posições que vão de “Aprendiz” a “Deus Ancião”. Os competidores serão recompensados com itens exclusivos no jogo para cada classificação desbloqueada.

Além disso, é possível ganhar itens cumprindo várias missões diárias e de temporada. Quando uma temporada expira, uma nova começa imediatamente com novas recompensas e incentivos. O sistema de matchmaking otimizado da Kombat League garantirá que os jogadores sejam correspondidos com oponentes no mesmo nível de habilidade. Como parte da atualização, um novo medidor foi adicionado dando aos jogadores uma rápida olhada em suas chances de ganhar contra um adversário no início de cada partida. Shang Tsung foi apresentado na última terça, 18. Ele foi o primeiro dos seis lutadores incluídos no Pacote de Kombate de Mortal Kombat 11.

Em Mortal Kombat 11, a história continua após a derrota do deus ancião, Shinnok, e revela Kronika, a guardiã do tempo, que deseja acima de tudo manter o equilíbrio entre o bem e o mal, não importando as consequências. Para estabelecer esse equilíbrio entre os reinos, Kronika só vê uma opção: apagar toda a história e recomeçar o tempo. Através dessa narrativa, os jogadores tomam o papel de vários kombatentes do passado e do presente que precisam unir forças para derrotarem os exércitos de Shao Kahn e resolver a crise temporal.

O Brasil recebeu edição exclusiva com a dublagem em português brasileiro e a skin do Kano Kangaceiro, disponível gratuitamente em todas as edições nacionais do game. Também está disponível em formato físico a Edição Premium em steelbook — que inclui o Passe de Temporada — e quantidades limitadas da Kollector’s Edition com a réplica da máscara do Scorpion. Além disso, foi confirmado no país o lançamento do jogo para Nintendo Switch: em formato físico em quantidade limitada da edição regular ou em formato digital nas edições regular e Premium, através da loja oficial da Nintendo com preço em reais. As edições para Nintendo Switch também estão totalmente em Português do Brasil.

07:07 · 16.06.2019 / atualizado às 14:22 · 11.06.2019 por

As duas primeiras capturas de tela e a primeira arte oficial de Sonic at the Olympic Games – Tokyo 2020 foram reveladas. Sonic at the Olympic Games – Tokyo 2020 será disponibilizado para dispositivos mobile apenas, o que é lamentável.

O lançamento do game está programado para o outono brasileiro de 2020. Você se juntará ao time Sonic para uma variedade de eventos recheados de ação nos Jogos Olímpicos. O gamer poderá enfrentar outros jogadores ao redor do mundo!

O jogo virá nos seguintes idiomas: Português do Brasil, Inglês, Chinês tradicional, Coreano, Francês, Italiano, Alemão, Espanhol, Russo e Holandês.

06:56 · 15.06.2019 / atualizado às 10:50 · 11.06.2019 por

A Electronic Arts (EA) e os parceiros da Zoink Games, Glowmade e Hazelight Studios anunciaram três novos projetos independentes para consoles e PC. Lost in Random é o próximo jogo da Zoink após Fe, oferecendo puzzles e combates. RustHeart é a estreia da Glowmade no EA Originals, onde os jogadores poderão desenvolver uma amizade com um corajoso herói robô. Hazelight segue com sua expertise após o sucesso de A Way Out em uma nova experiência cooperativa que será nomeada no futuro.

“Continuamos a conectar inovação e criatividade em diferentes jogos, vindos dos melhores estúdios independentes, para uma audiência de jogadores pelo mundo”, disse Matt Bilbey, EVP Strategic Growth. “Queremos oferecer, aos nossos jogadores, conteúdos extensos, de alta qualidade, com o melhor acesso possível. Seja se juntando a nós para jogar títulos grandes da EA, como Apex Legends, um dos mais de 160 jogos disponíveis de mais de 85 parceiros de conteúdos com a nossa assinatura no Origin Access ou pelos inovadores títulos EA Originals como A Way Out, temos algo cativante para oferecer”, disse Bilbey.

Sea of Solitude

EA Originals dá suporte a estúdios em crescimento, mostrando jogos para mais jogadores, em todas as plataformas. Seguindo o desempenho de Unravel da Coldwood Studios, a marca cresceu e marcou recordes com o vencedor do BAFTA A Way Out da Hazelight e Fe da Zoink, abrindo caminhos para jogos como Sea of Solitude da Jo-Mei Games lançando em 5 de julho de 2019. O sucesso destas parcerias expandiu a colaboração com novos estúdios independentes, como o recém anunciado RustHeart da Glowmade e o novo Parceiro da EA, Velan Studios, para mais títulos no futuro.

A EA está oferecendo mais jogos através de seus serviços por assinatura. Com EA Access lançando em julho no PlayStation 4, somando aos serviços do Xbox One e PC, a EA irá oferecer assinaturas em mais plataformas que qualquer outra empresa do ramo. O Origin Access da EA para PC dá aos jogadores um catálogo de jogos para PC, com mais de 160 jogos de mais de 85 parceiros de conteúdo, com uma média de 80 pontos no Metacritic. A biblioteca contém jogos de estúdios vencedores de prêmios como o 11bit, que irá lançar Frostpunk e Moonlighter no serviço no futuro, os indie como Pyre da Supergiant Games, novos lançamentos como Tropico 6, Mutant Year Zero, Breathedge, junto com franquias da EA como Battlefield e Fifa.

Zoink Games

Lost in Random da Zoink é outra aventura e ação fantástica do estúdio que te levou ao título EA Originals, Fe. Lost in Random dá um novo sabor ao jogo, numa mistura de estratégia e ação, explorando noções de mudança e possibilidades, ambientado em um mundo belissimamente escuro e vívido.

Glowmade

Um RPG de ação cooperativo, RustHeart acompanha o jogador e seu companheiro robô feito à mão numa aventura por um multiverso alienígena vibrante. RustHeart da Glowmade é sobre o simples prazer de criar em um ambiente cooperativo: uma mistura de RPG de ação, invenções do jogador e tinta spray.

Hazelight Studios

Hazelight Studios continua a consolidar sua reputação entregando experiências inesperadas com história e cooperação, seguindo o sucesso do título EA Originals, A Way Out. Retornando com um título completamente novo, o jogo ainda não anunciado da Hazelight promete dar aos jogadores um novo conceito nos desafios de trabalhar em equipe.

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Na Rede

Tendências, novidades e novos produtos para quem é apaixonado por tecnologia. Comportamento digital e redes sociais também em pauta. Por Daniel Praciano.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags