Busca

Categoria: Internet das Coisas


11:13 · 16.06.2016 / atualizado às 11:15 · 16.06.2016 por
Com cerca de 17 mil metros quadrados, o prédio da SAP Labs é referência em sustentabilidade. Foto: SAP/Divulgação
Com cerca de 17 mil metros quadrados, o prédio da SAP Labs é referência em sustentabilidade. Foto: SAP/Divulgação

A SAP Labs Latin America, primeiro e único centro de desenvolvimento de aplicações e serviços de suporte da SAP na América Latina, celebra no dia 16 de junho 10 anos de atuação no Brasil. Localizado em São Leopoldo (RS), no Tecnosinos, o laboratório é resultado de um investimento de R$ 100 milhões da SAP no País. Iniciou as atividades com um grupo de 20 profissionais e, hoje, conta com mais de 700 colaboradores, focados em pesquisa, desenvolvimento e suporte das soluções da multinacional.

Apenas nos primeiros 6 meses de 2016, 110 colaboradores novos foram contratados, mantendo um ritmo de crescimento superior aos anos anteriores e indo no contraponto do atual momento de crise econômica do Brasil. A expansão acontece a partir da abertura de novas áreas de negócio como a Cloud Advisory Office, focada em clientes da plataforma HANA Enterprise Cloud, Solution Delivery Center, que realiza a entrega de serviços para clientes premium e Digital Farming and Agricultural Applications, área que desenvolve soluções de Internet das Coisas para agricultura de precisão. “O segredo do nosso desempenho, mesmo num cenário de crise no Brasil, é uma equipe altamente motivada e eficiência operacional, além de um grande potencial de desenvolver soluções inovadoras”, destaca Dennison John, presidente do Labs Latin America.

07:27 · 26.04.2016 / atualizado às 07:27 · 26.04.2016 por
Desenho de Wilgengebroed
Desenho de Wilgengebroed

A indústria da tecnologia vem há algum tempo tratando da tendência da Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), onde aparelhos do dia-a-dia também passarão a se comunicar com a internet e uns com os outros. Os aparelhos de sua cozinha podem fazer as vias de seu nutricionista pessoal? Certamente, ainda não, mas irão fazê-lo em breve, garantem os especialistas.

Itens que vão desde o refrigerador – passando pelo carro e até os termostatos das casas – estão ficando mais inteligentes, além de estarem conectando-se à Internet e também uns aos outros. Este cenário está começando a mudar a maneira como as famílias em todo o mundo estão vivendo. E, apesar de hoje objetos habilitados pela Internet das coisas já estejam sendo comercializados, essa tecnologia passará a permear ainda mais a vida das pessoas no futuro, especialmente em suas casas.

Graças à demanda dos consumidores, as ofertas de casas inteligentes estão se expandindo rapidamente – de geladeiras a aparelhos de entretenimento, até sistemas de climatização inteligentes. Especialistas na vanguarda da tecnologia concordam que a Internet das coisas tem o potencial de revolucionar completamente a maneira como interagimos com aparelhos de casa e até entre nós mesmos.

Na cozinha, por exemplo, “seremos capazes de receber em nossos smartphones informações sobre os produtos que estão para acabar na despensa e precisam de reposição. Também poderemos consultar remotamente a geladeira para ver seu conteúdo, seja via smartphone, tablet ou computador”, diz Arthur Ziviani, membro sênior do IEEE e pesquisador sênior do Laboratório Nacional de Computação Científica.

Já o Dr. Yu Yuan, membro sênior do IEEE e CEO da Motiveware Tecnology, faz uma previsão – “em breve, uma máquina inteligente ou até mesmo um robô, irá assumir as tarefas da cozinha como cozinheiro, ajudante e nutricionista”, afirma. Yuan acredita também que essas mudanças vão tornar a utilização de eletrodomésticos mais fácil e conveniente. Especialistas do IEEE alertam, no entanto, que, apesar de tudo isso ser emocionante, para que a Internet das coisas alcance seu pleno potencial, um único padrão de comunicação será necessário para que os produtos de diferentes empresas possam se comunicar entre si.

Outra preocupação para a crescente indústria de casas inteligentes é a questão da segurança dos dados e privacidade, pois os riscos são grandes. “Há preocupações de segurança em tudo relacionado à IoT, até mesmo em uma lata de lixo inteligente, pois alguém poderia adentrar o sistema e ver, por exemplo, que não houve lixo descartado nos últimos dias, assumindo que não há ninguém em casa e a partir daí, planejar um roubo”, diz Webb.

Embora ainda haja barreiras à adoção massificada da Internet das coisas, os especialistas esperam que a tecnologia de casa inteligente, se torne em breve totalmente integrada, melhorando a maneira como vivemos.

09:14 · 12.12.2014 / atualizado às 07:44 · 12.12.2014 por
Desenho de Wilgengebroed
Desenho de Wilgengebroed/Creative Commons

Com a chegada das festas de final de ano e o aumento do uso de dispositivos de Internet das Coisas (IoT) – como luzes de natal controladas remotamente, fechaduras, sistemas de alarme e câmeras, os cibercriminosos voltam sua atenção à baixa proteção desses aparelhos para obter acesso remoto às residências e reunir dados sobre as pessoas que vivem nesses lares.

Para evitar que sua casa se torne vulnerável a ataques de criminosos virtuais, a Symantec alerta para a necessidade de atenção ao instalar dispositivos domésticos inteligentes e também para que se certifique que as definições de configuração são seguras. Além disso, compartilha dicas de segurança para o uso desse tipo de aparelho.

– Somente permita a administração remota dos dispositivos a partir da Internet se ela realmente for necessária;

Defina senhas fortes para os dispositivos, modificando estas informações dependendo do tipo de uso do equipamento;

Opte pela criptografia WP2, uma das mais seguras do mercado, para proteger a sua rede Wi-Fi;

– Antes de comprar, busque marcas confiáveis no mercado, que invistam na segurança de seus produtos.

15:10 · 10.12.2014 / atualizado às 15:47 · 10.12.2014 por

carasdesmartwatchNesta quarta, 10/12, o Google anunciou uma novidade para os donos de relógios inteligentes Android Wear: agora, eles poderão customizar a “cara” do seu dispositivo. Os usuários poderão escolher diferentes tipos de mostradores a partir de uma biblioteca com dezenas de opções. São mostradores projetados por designs renomados, como Rebecca Minkoff e Craig Ward, por marcas mundialmente conhecidas, como Porshe, e até mesmo inspirados em games famosos, como Pac Man e Plants vs. Zombies.

Segue uma lista de alguns dos mostradores que já estão disponívies:

○ Ciao Manhattan Nails
○ Craig Ward
○ Meu Malvado Falvorito
○ EA Plants vs. Zombies
○ Hugh Turvey
○ Medicom BE@RBRICKS
○ Pac Man
○ Porsche
○ Rebecca Minkoff
○ RedBull
○ Santa Tracker
○ Specialized
○ Surfline
○ The Hundreds
○ Un Petit Monde

Veja a relação completa dos mostradores para os relógios inteligentes aqui.

DespicableMe_FeatureImage_1024x500

Também foi criada uma nova API para facilitar o trabalho de desenvolvedores que queiram criar “novas caras” para os relógios Android Wear. Portanto, em breve, devem surgir mais mostradores para os usuários escolherem e se divertirem.

Além disso, com o novo app de controle do Android Wear ficou fácil escolher, baixar e usar um mostrador diferente todo dia. No Brasil, é possível encontrar relógios inteligentes da LG, Samsung e da Motorola.

09:43 · 02.12.2014 / atualizado às 11:16 · 02.12.2014 por

TecnoUma nova versão dos óculos inteligentes do Google, prevista para ser lançada no ano que vem, será alimentada por tecnologia da Intel, de acordo com reportagem do “The Wall Street Journal” nesta segunda-feira (1º).

O chip da fabricante de microcomputadores substituirá o processador de sua rival Texas Instruments, utilizado na primeira versão do Glass, disse o jornal, citando fontes anônimas.

Segundo a publicação, a nova versão provavelmente terá bateria mais durável. Atualmente, o aparelho aguenta cerca de um dia -ou poucas horas dependendo das funcionalidades utilizadas- antes de precisar de uma nova recarga.

Representantes do Google, da Intel e da Texas Instruments não comentaram o assunto.

Alardeado como um dos maiores representantes do futuro da computação, o Glass vive um momento de estagnação, enquanto desenvolvedores, marcas e mesmo funcionários do Google abandonam projetos ligados ao aparelho vestível.

Segundo levantamento da agência “Reuters“, nove de 16 dos principais programadores de aplicativos voltados para os óculos inteligentes desistiram dos programas em que trabalhavam desde que o aparelho foi lançado para desenvolvedores em 2012.

O plano da Intel, conforme pontua o “WSJ”, é promover o uso do aparelho em redes hospitalares e indústrias de construção, entre outros ambientes de trabalho contemplados pelo programa “Glass at Work” -iniciativa do Google que incentiva o uso dos óculos por funcionários que utilizam as mãos para trabalhar, mas precisam de informação.

Apesar disso, o Google ainda vê o Glass como um dispositivo destinado ao consumidor geral. De acordo com o jornal, dos cerca de 300 funcionários da companhia que trabalham no desenvolvimento dos óculos, menos de 5% estão focados no Glass at Work.

Fonte: FolhaPress