Busca

Categoria: Pesquisa e Desenvolvimento


16:55 · 07.03.2014 / atualizado às 16:55 · 07.03.2014 por

Para comemorar o Dia Internacional da Mulher, neste 8 de março, a Kaspersky Lab realizou uma pesquisa que descobriu as razões por que as mulheres se comportam de forma mais segura ao usar a internet.

Um relatório sobre as diferenças de gênero no comportamento de segurança online mostra que os homens tendem a correr mais riscos, enquanto uma atitude mais segura tomada pelas mulheres promete uma vida mais longa – elas vivem em média seis anos a mais do que os homens. Estudos mostram que o estilo de vida tem uma maior influência sobre as diferentes expectativas de vida do que genes ou hormônios.

De acordo com um estudo europeu, as mulheres usam a internet na mesma quantidade que os homens, porém elas acessam de maneira diferente. Um relatório desenvolvido pela Kaspersky Lab e pela Universidade de Wuerzburg (Alemanha) mostra que homens tendem a procurar por entretenimento, jogos e conteúdo sexual, enquanto as mulheres olham para a comunicação e interação com amigos ou parceiros românticos.

“Duas vezes mais homens do que mulheres relataram diferentes tipos de ataques de malware durante o período do estudo. As mulheres geralmente são mais responsáveis, obedientes e sexualmente reprimidas, assim, dependendo do gênero, determinadas funções são realizadas, levando a diferenças estereótipo”, afirmou o professor Dr. Frank Schwab, psicólogo de mídia da Universidade de Wuerzburg, em comunicado à imprensa.

Então quem está certo – será que grandes riscos trazem mesmo grandes recompensas?

Quando se trata de assumir riscos, as mulheres estão felizes em deixar isso para os homens. Por que elas se colocariam em perigo quando há homens dispostos a correr todos os riscos? O comportamento feminino não só parece ser mais seguro em um mundo online, mas também mais promissor em termos longevidade. Além disso, o papel mais cuidadoso desempenhado pelas mulheres leva a um comportamento mais comunicativo e atencioso, tanto online quanto offline. Em termos de tomada de risco, elas parecem escolher o caminho mais razoável, o que resulta em prevenção de riscos e em um estilo de vida mais seguro.

“Há um aumento do risco de infecção ao visitar certos tipos de site – incluindo sites pornográficos e de jogos de azar. Não é o conteúdo desses sites, por si só, que os torna menos seguro, mas o fato de que eles atraem um elevado número de visitantes – e onde há visitantes, haverá criminosos. Isto fornece os cibercriminosos um grande número de vítimas potenciais. A psicologia humana também desempenha sua função; as vítimas desses sites geralmente estão menos dispostas a reclamar de uma infecção contraída ao utilizá-los, do que reclamar de um site de banco”, explica David Emm, pesquisador de segurança da Kaspersky Lab.

A segurança, no entanto, continua a ser um tema importante para todos, mas especialmente para os homens, que têm uma tendência a esquecer ou ignorar os riscos. Em geral, o software antivírus deve ser instalado em qualquer dispositivo conectado à internet.

17:02 · 17.09.2013 / atualizado às 17:02 · 17.09.2013 por

A IBM anunciou hoje os finalistas da etapa Brasil do SmartCamp, evento anual de seu programa global de empreendedorismo, no qual as startups selecionadas apresentam soluções que podem contribuir para um planeta mais inteligente.

Durante o ano de 2013, o programa avaliou mais de 300 startups em todo Brasil e selecionou cinco finalistas, responsáveis pelo desenvolvimento de soluções de tecnologia em importantes áreas como finanças, turismo, agrobusiness e educação.

O SmartCamp será realizado no dia 3 de outubro, no Rio de Janeiro, e reunirá empreendedores, investidores e acadêmicos. Os dois vencedores do SmartCamp Brasil irão participar da final Latino Americana, no México, e concorrerão a uma vaga para competir na final mundial do programa, que acontecerá no Vale do Silício, na Califórnia, junto com as empresas vencedoras de outras partes do mundo, competindo pelo título “IBM Global Entrepreuner of the Year”.


Conheça os finalistas:


BovControl

A empresa auxilia pecuaristas na tomada de melhores decisões, através de tecnologias móveis, cloud computing e análise de big data, com inovação aberta  por meio de crowdsourcing. O produtor rural, através do painel do pecuarista, acessa relatórios on-line, preparados por algoritmos do BovControl com base nos dados coletados por celulares e tablets utilizados em campo.


Geekie

Com base no conceito de aprendizagem adaptativa,  a empresa desenvolveu tecnologia capaz de personalizar o estudo de acordo com o indivíduo e suas características. Com isso, o aluno é continuamente desafiado e incentivado levando em consideração suas capacidades, para que sua evolução seja constante. As soluções integradas são fornecidas para as escolas de acordo com as necessidades dos gestores, professores e alunos.

 

Intoo

Intoo é uma plataforma on-line que permite às pequenas e médias empresas obterem a cotação de crédito de capital de giro e antecipação de duplicatas de diversos bancos e instituições financeiras.  A plataforma é também uma importante ferramenta de inteligência de negócios e prospecção de novos clientes para os bancos e instituições financeiras.
Nativoo

A tecnologia de inteligência artificial desenvolvida organiza o conteúdo de viagens em massa disponibilizado na internet, personalizando o roteiro de acordo com as preferências dos viajantes. A plataforma cria itinerários com base na análise de centenas de possibilidades e oferece sugestões adequadas aos turistas.

 

Simbio

Simbio é uma rede viva de negócios que conecta empresas e pessoas através de um sistema de gestão simples na nuvem, gratuitamente.  O sistema cria uma rede online de negócios, que permite a otimização de transações entre seus  participantes. A ferramenta é focada nas áreas de educação, finanças e gestão administrativa.

17:11 · 21.08.2013 / atualizado às 17:11 · 21.08.2013 por

A IBM está lançando no Brasil um desafio voltado aos estudantes. O projeto “Lead with IBM – Students for a Smarter Planet” propõe aos jovens pensarem sobre questões que o mundo enfrenta atualmente e apresentarem um vídeo sobre o assunto escolhido. A iniciativa foi lançada para que os participantes tenham a oportunidade de debater sobre soluções para melhorar a vida da sociedade e construir um planeta melhor. Os estudantes ainda conhecerão mais sobre a IBM e poderão se candidatar a vagas de estágio na empresa.

Os Estados Unidos, Polônia e África já participaram desse projeto global, que chega agora ao Brasil. As inscrições estão abertas e vão até o dia 30 de setembro.

Os vídeos devem ter 2 minutos de duração, com foco na estratégia “Smarter Planet” (Planeta mais inteligente), abordando um desafio que o mundo enfrenta hoje, descrevendo o problema escolhido, as novas tendências e oportunidades da sociedade que o influenciaram na escolha, e por que essa é uma questão importante para ser resolvida. Após enviarem o vídeo, os participantes receberão um brinde e serão convidados a se candidatarem às oportunidades de estágio na IBM.

Para participar, acesse o link: http://brazil.smarterplanetchallenge.com/

 

13:52 · 17.04.2013 / atualizado às 13:52 · 17.04.2013 por

O professor Nabor das Chagas Mendonça está entre os 16 premiados na quarta edição do “Software Engineering Innovation Foundation Awards 2013” (Seif 2013), premiação do grupo de Ciência da Computação da Microsoft Research Connections. Nabor é pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Informática Aplicada (PPGIA) da Universidade de Fortaleza (Unifor).

A premiação da Microsoft tem como objetivo apoiar projetos de pesquisa em sua fase inicial. Os principais critérios de seleção são o potencial de impacto da pesquisa e a experiência prévia do candidato na área do projeto. O Seif 2013 contou com um dos prêmios dedicado a projetos de pesquisadores vinculados a instituições de pesquisa brasileiras.

O projeto elaborado por Nabor das Chagas, intitulado “Cloud Detours: Non-Intrusive Code Transformations to Support Automatic Software Adaptation to the Cloud”, propõe soluções automatizadas para apoiar a migração de software e aplicações para o novo paradigma da computação em nuvem. Ele competiu com outras 140 propostas de diversas partes do mundo.

“O projeto já está em pleno desenvolvimento. Recentemente, eu e os outros pesquisadores envolvidos no projeto tivemos nossa primeira reunião, na qual definimos o nosso cronograma de trabalho e as atividades a serem realizadas nas próximas semanas”, afirma o professor. Além de Nabor, fazem parte do projeto um aluno do Mestrado em Informática Aplicada da Unifor, Michel Vasconcelos, e dois pesquisadores da FIC, o professor Paulo Henrique Maia e o aluno de Sistemas de Informação Davi Monteiro.

De acordo com o pesquisador, o projeto foi concebido originalmente como um possível tema de pesquisa para um de seus alunos de mestrado. A intenção dele foi elaborar uma proposta competitiva e que estivesse dentro das linhas de interesse da Microsoft. “Além disso, como um dos prêmios seria exclusivamente para projetos de pesquisadores brasileiros, achava que as minhas chances seriam um pouco melhores do que se tivesse que disputar com todo mundo. Mas, sinceramente, não esperava estar entre os ganhadores, o que me deixou bastante feliz com o prêmio”, disse Nabor das Chagas.

Segundo o professor, que concorreu ao prêmio pela primeira vez, a Microsoft incentiva os pesquisadores premiados para que disponibilizem publicamente os resultados de seus projetos, para maior benefício da comunidade acadêmica bem como de empresas e organizações em geral.

O premiado é bacharel em Processamento de Dados pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM); mestre em Ciência da Computação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); e Ph.D. em Computação pelo Imperial College London, da Inglaterra.

Outro brasileiro premiado é Marcelo d’Amorim, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com o projeto “Human-Centric Test Generation”.

A lista completa com os projetos premiados em 2013 está disponível neste link.

Cada um dos vencedores receberá US$ 25 mil da Microsoft Research Connections, valor que será repassado diretamente à instituição na qual o projeto será executado, na forma de um auxílio de pesquisa a ser administrado pelo seu proponente.