Categoria: Facebook


15:01 · 04.10.2019 / atualizado às 15:01 · 04.10.2019 por

O Facebook lançou, nesta quinta-feira, 3, o Threads, um aplicativo de mensagens entre grupos de amigos para você enviar fotos e vídeos diretamente para pequenos grupos. Também será possível enviar mensagens e seu status, se está comendo, por exemplo.

O app não irá substituir o Direct, serviço de mensagens que já vem no Instagram. Porém, ele vai tentar ser um serviço para o grupo mais íntimo que você têm naquela rede social. O objetivo é deixar estas pessoas mais cientes do que você está fazendo e onde está.

Apesar de ter sido lançado tanto para Android quanto iOS. O modo de uso é bem simples. Depois da configuração, que é bem funcional, é só começar a usar. Achei totalmente desnecessário o aplicativo. Talvez encontre um público que gosta de montar grupinhos e queira interagir com eles, mas não vi nenhuma necessidade e já o desinstalei, inclusive.

07:01 · 03.10.2019 / atualizado às 07:56 · 02.10.2019 por

O Banco do Brasil foi a primeira instituição financeira a realizar atendimento com chatbot nas redes sociais, quando passou a atender pelo Facebook Messenger em fevereiro de 2018. Um ano depois, veio o atendimento pelo WhatsApp. Agora, o BB amplia a sua estrutura de curadoria de conteúdo para o chatbot. Chamado de Escola de Robô, o local abriga 50 funcionários, em São Paulo, que ensinam o assistente virtual a responder aos pedidos e dúvidas de clientes e usuários. Isso também vale para o público interno.

“A união das pessoas com a inteligência artificial amplia nossa capacidade de prestar um atendimento de excelência aos nossos clientes, com agilidade nas respostas e resolutividade. Não por acaso, decidimos implantar a nossa Escola de Robô dentro do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC). Essa complementariedade entre o atendimento das pessoas e do bot vem se mostrando uma fórmula de sucesso”, comenta Carlos Motta, vice-presidente de distribuição de varejo.

O vice-presidente reforça a importância e a necessidade de constante aprimoramento do repertório da curadoria e resolutividade do bot. Segundo ele, um dos grandes desafios é desenvolver a ferramenta a ponto de os clientes terem o sentimento de estar sendo atendidos sempre por uma pessoa.

Os números de atendimento pelo assistente virtual, em dias de pico, chega a atender mais de 10 mil clientes no WhatsApp. Mais de 50% dos usuários têm suas demandas totalmente atendidas pelo bot, garante a instituição que resultado que isso gera ganhos de eficiência e aumento na satisfação dos clientes. Isso permite a concentração de esforços para as demandas de maior complexidade, com atendimento inicial pelo robô e conclusão por um funcionário do Banco.

Considerando todos os canais que o chatbot atua, são realizados uma média de 6,6 mil atendimentos por dia. Nesse ritmo, o Banco ultrapassará 1 milhão de atendimentos até o final do ano. Até o final de agosto, o bot do BB já conversou com mais de 720 mil usuários. Foram 600 mil apenas por WhatsApp e os outros 120 mil atendimentos pelo Facebook e Twitter.

No último mês de agosto, foram mais de 187 mil atendimentos realizados pelo WhatsApp, com efetividade apurada em 72% (bot respondeu corretamente ou transbordou corretamente para o atendimento humano). O robô está sempre recebendo novidades. O último foi em meados de setembro, quando o assistente começou a pedir feedback dos clientes quanto às respostas dadas. Até agora, o índice de respostas consideradas adequadas pelos clientes está em 68% e, nos casos em que não consideram satisfatórias são convidados a dar sugestão em uma frase de como o bot pode melhorar. Todas essas informações são geridas pela equipe da Escola de Robô.

Canais de atuação

O assistente do BB está presente no Facebook Messenger, no WhatsApp, no Twitter e no Google Assistente. Abaixo, todas as transações que o bot realiza.

Twitter – informações gerais e transbordo para o SAC;

Facebook Messenger – informações gerais, transações e transbordo para o SAC;
a) Questionário de Perfil do investidor
b) Simulador de Investimento
c) Consulta Código IBAN;
d) Saldo de conta corrente;
e) Extrato de conta corrente;
f) Extrato de poupança;
g) Saldo de poupança;
h) Saldo de CDB;
i) Extrato de fundos de investimento;
j) Rastreio de cartão;
k) Fatura de cartão;

Whatsapp – informações gerais, transações, transbordo para CRBB, agência de relacionamento e help desk. Hoje conta também com a opção de envio de mensagem de voz, reconhecimento de imagem para pagamentos, negociador de dividas e opção de personalização do nome do bot;
a) Transferência entre contas;
b) Recarga de celular;
c) Consulta Código IBAN;
d) Saldo de conta corrente;
e) Extrato de conta corrente;
f) Extrato de poupança;
g) Saldo de poupança;
h) Saldo de CDB;
i) Extrato de fundos de investimento;
j) Rastreio de cartão;
k) Fatura de cartão;
l) Liberação de cartão;
m) Pagar ou receber;
n) Saque sem;
o) Recarga de Metrô SP;
p) Pagamento IPVA;
q) Envio 2º via do código de barras do cartão;
r) Envio PDF da fatura do cartão;
s) Pagamento de boletos e convênios;

Google Assistente – informações gerais e opção de emissão de senha para atendimento na agência e localização de dependência mais próxima à localização do cliente.

06:13 · 02.10.2019 / atualizado às 13:17 · 01.10.2019 por

Este final do ano conta com uma programação diversa de festivais de música, principalmente em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro. Por conta da emoção em assistir aos shows de alguns dos seus artistas favoritos, são inúmeras as postagens de ingressos nas redes sociais com informações que trazem os dias e a hora que as pessoas estarão em determinado local, que os usuários deixam passar alguns cuidados com a cibersegurança.

O grande ponto com esse tipo de publicação, de acordo com os especialistas de segurança da Kaspersky, é que as pessoas postam fotos de ingressos de eventos futuros e esquecem de esconder os dados de identificação, como códigos de barra e caracteres especiais. Nesses casos, pessoas mal-intencionadas podem usar a informação das imagens para falsificar o ingresso – seja para revendê-los ou ir ao evento por conta da vítima. “É normal que grandes eventos atraiam a atenção de cibercriminosos. Não é preciso criar uma paranoia, mas é importante tomar alguns cuidados”, afirma Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky.

Outra ameaça muito comum neste período são os sites falsos que visam roubar o dinheiro das pessoas que querem assistir seu artista favorito. Eles podem ser acessados por meio de anúncios falsos no Google e Facebook.

Pensando nisso, a Kaspersky separou algumas dicas para comprar ingressos pela internet de forma segura:

  • Não exponha informações e de identificação do ingresso na internet. Caso queira comemorar a compra de um ingresso nas redes sociais, é importante embaçar todas as informações, como dados pessoais e o código de barra ou QRCode.
  • Checar a procedência do ingresso. É importante certificar-se que se a empresa que está realizando a venda do ingresso é a indicada pela organizadora do evento ou do festival. Esses dados são oferecidos no site da entidade que detém os direitos de realização do show ou do espetáculo.
  • Verificar quem é o dono do site. Encontrou um site desconhecido com ofertas de ingressos tentadoras? Antes de comprar, consulte a lista do Procon e também o Registro.br, na sessão “Whois”, que informa quem registrou o site. Golpistas geralmente usam endereços de e-mail gratuitos para registrar o domínio (Hotmail, Gmail etc.).
  • Desconfiar de mensagens SMS e anúncios no Facebook. Essa é a mais nova modalidade dos golpistas, que têm usado especialmente as redes sociais para disseminar golpes. Duvide de supostas ofertas recebidas por SMS. Para confirmar se a oferta exibida na rede social é real, entre no site oficial da venda de ingresso e busque o produto anunciado.
07:44 · 25.09.2019 / atualizado às 07:44 · 25.09.2019 por

Por AFP

O Facebook anunciou nesta segunda-feira, 23, a compra de uma empresa que pesquisa como controlar computadores e outros dispositivos com a mente. Através desta aquisição, a startup CTRL-labs passará a formar parte do “laboratório de realidade” do Facebook com o objetivo de aperfeiçoar a tecnologia e convertê-la rapidamente em um produto de massa, disse Andrew Bosworth, vice-presidente da divisão de realidade virtual e aumentada da rede social, com sede na Califórnia.

“Sabemos que há maneiras mais naturais e intuitivas de interagir com dispositivos e tecnologia e queremos desenvolvê-las”, disse Bosworth ao anunciar o acordo.

Diferentemente de outros sistemas que buscam a comunicação entre o cérebro e as máquinas mediante implantes cerebrais, este sistema de controle funciona simplesmente com uma pulseira.

Segundo Bosworth, a pulseira decodifica impulsos elétricos como os que o cérebro envia aos músculos da mão para realizar determinados movimentos, como ‘clicar’ um mouse ou apertar um botão.

A pulseira traduz então estes impulsos em sinais que um dispositivo é capaz de compreender, permitindo assim o controle mental do aparelho, segundo o Facebook.

Facebook não revelou o valor da aquisição, mas a imprensa especializada fala em um negócio de US$ 500 milhões.

09:32 · 24.09.2019 / atualizado às 09:33 · 24.09.2019 por

Por AFP

Facebook, Twitter, Google e outros gigantes da tecnologia criaram uma estrutura independente consagrada a reforçar sua luta contra os conteúdos extremistas na Internet, anunciaram nesta segunda-feira.

Essa iniciativa é resultado do trabalho de um consórcio criado em 2017 por Facebook, Microsoft, Twitter e Google (via YouTube). Amazon, assim como as plataformas LinkedIn (propriedade da Microsoft) e WhatsApp (Facebook) se uniram à nova organização.

Esta terá como objetivo “frustrar as tentativas cada vez mais sofisticadas de terroristas e extremistas violentos de utilizar as plataformas digitais”.

Há vários meses, o Facebook multiplicou iniciativas para combater o “ódio e o conteúdo extremista na internet”.

Na terça-feira passada, o grupo dirigido por Mark Zuckerberg anunciou que teria recrutado policiais de ambos os lados do Atlântico para educar suas ferramentas de inteligência artificial a fim de deter as retransmissões de vídeo de ataques extremistas ao vivo em sua plataforma.

A rede social foi muito criticada por demorar 17 minutos para interromper o vídeo ao vivo de um supremacista branco que atacava uma mesquita em 15 de março em Christchurch, na Nova Zelândia, onde matou 51 muçulmanos.

13:15 · 15.09.2019 / atualizado às 13:16 · 11.09.2019 por

O mercado de desenvolvimento de jogos está em crescente ascensão no Brasil e, para incentivar artistas locais a criarem mais, a Xbox Brasil lançou nesta segunda-feira, 9 de setembro, o Concurso Cultural de Fan Art. Ao longo das próximas semanas, fãs e criadores interessados em participar terão o desafio de criar uma FanArt (ilustração 42cm x 29,7cm) que faça referência direta a um destes cinco jogos de Xbox: Keen, Spaceline Crew, Aritana 2, Dandara e Dandy Ace.

A FanArt poderá abordar personagens, cenas, temas ou outros elementos do universo do jogo escolhido. Para participar é preciso que o artista compartilhe as suas ilustrações no perfil pessoal do Twitter, Facebook ou Instagram marcando a hashtag #XboxBRFanArt, lembrando que o perfil deve ser aberto ao público para que estejam concorrendo a um console Xbox One X e assinaturas anuais do Xbox Game Pass Ultimate.

O tema central serão jogos independentes brasileiros, com apoio dos estúdios: Cat Nigiri (Keen); Coffeenauts (Spaceline Crew); Duaik (Aritana 2); Long Hat House (Dandara); Mad Mimic (Dandy Ace). A Xbox Brasil escolherá os TOP 10 e colocará para voto popular nas redes sociais de Xbox Brasil. Os três primeiros colocados serão impressos e presenteados como brindes na Brasil Game Show 2019. O vencedor do concurso receberá um Xbox One X, já o segundo e terceiro lugar, respectivamente, levarão para casa um ano de assinatura do Xbox Game Pass Ultimate, serviço de assinatura de jogos da Xbox.

“Há alguns anos começamos o engajamento com a comunidade de desenvolvedores no Brasil. É uma satisfação enorme poder contribuir para o desenvolvimento desse ecossistema. Já fizemos grandes avanços desde o lançamento do primeiro título brasileiro para Xbox em setembro de 2015 e temos boas expectativas para o futuro. Sem dúvida, continuaremos dando apoio a comunicação destes parceiros”, comenta Bruno Motta, gerente sênior de Xbox Brasil.

De acordo com dados da Microsoft, o Xbox Game Pass está tendo um papel importante para aumentar o acesso e a visibilidade dos jogos indies para o público. Por meio do serviço, Xbox registrou um aumento de 40% no número de games que as pessoas jogam – além de experimentarem 30% mais gêneros diferentes do que costumam jogar. Um jogo independente lançado no Xbox Game Pass tem em média seis vezes mais jogadores do que os que não entram no catálogo da plataforma.

Para participar

Publique a arte em seu perfil pessoal do Facebook, Twitter ou Instagram com a hashtag #XboxBRFanArt – a publicação não pode ser privada. Caso a plataforma escolhida seja o Instagram, é importante que o participante saiba que não serão aceitos posts publicados por meio da plataforma “Instagram Stories”. Cada participante pode inscrever neste concurso quantas FanArts desejar.

Quando: das 0h de 09/09 às 23h59 de 22/09

O resultado desta promoção será divulgado por meio das redes sociais oficiais de Xbox BR (Facebook e Twitter) a partir do dia 3 de outubro de 2019.

13:16 · 05.09.2019 / atualizado às 13:16 · 05.09.2019 por

Facebook Dating chegou ao Brasil em abril deste ano e traz hoje novas funcionalidades e atualizações. Entre as novidades, o recurso permitirá que as pessoas adicionem suas publicações do Instagram ao perfil de encontro delas no Facebook Dating e, até o fim do ano, será possível também compartilhar seus Stories.

O recurso torna mais fácil conhecer pessoas e começar conversas com base em suas preferências e interesses, a partir de uma experiência separada dentro do aplicativo do Facebook.

Crush Secreto agora com seguidores do Instagram

A partir de hoje, as pessoas também poderão criar listas de Crush Secreto no Facebook Dating com seus seguidores do Instagram. O recurso, que já existia para os amigos do Facebook, funcionará da mesma maneira para o Instagram e permitirá investir em potenciais relacionamentos com pessoas que fazem parte do seu ciclo de amigos e seguidores.

A ferramenta permite selecionar até nove pessoas e se o crush for recíproco, ou seja, também adicionar a pessoa à lista de crushes secretos, será um match. Mas, se a pessoa que foi marcada como crush não estiver no Facebook Dating, não criar uma lista de Crushes Secretos ou não for recíproco, ninguém saberá que o nome da pessoa foi adicionado à sua lista.

Mais novidades: Stories

Até o fim do ano, será possível ainda integrar os seus Stories do Facebook e do Instagram no perfil do Dating. Com esse formato, queremos ajudar as pessoas a se expressar de diferentes formas, em vez de apenas a partir de um perfil estático. A funcionalidade permitirá mostrar o lado mais autêntico de cada um, além de ajudar a conhecer alguém melhor.

Disponibilidade

O Facebook Dating já está disponível em 19 países: Argentina, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Cingapura, Colômbia, Equador, Filipinas, Guiana, Laos, Malásia, México, Paraguai, Peru, Suriname, Tailândia, Uruguai e Vietnã. O recurso chega hoje aos Estados Unidos e estará disponível na Europa até o início de 2020.

12:43 · 04.09.2019 / atualizado às 12:52 · 04.09.2019 por

O brasileiro é reconhecido internacionalmente como um indivíduo hiperativo em redes sociais e aplicativos de mensageria. O País está entre os mercados com maior quantidade de usuários e com maior engajamento entre os principais serviços do gênero no Ocidente. Trata-se de um fenômeno de hiperssocialização virtual que impacta a sociedade de inúmeras maneiras, para o bem e para o mal, seja na produtividade, na política ou nas relações pessoais. Por isso é tão interessante a pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box – Mensageria no Brasil. Que mostrou que o WhatsApp segue rei entre os apps de mensagem, mas que os demais estão crescendo.

Esta pesquisa independente, produzida por uma parceria entre o site de notícias Mobile Time e a empresa de soluções de pesquisas Opinion Box, traz, nesta edição, resultados obtidos através de entrevistas com 2.102 brasileiros com mais de 16 anos de idade, que acessam a Internet e possuem celular, respeitando as proporções de gênero, idade, renda mensal e distribuição geográfica desse grupo. As entrevistas foram feitas on-line entre 17 e 25 de julho de 2019. Esta pesquisa tem validade estatística, com margem de erro de 2,1 pontos percentuais e grau de confiança de 95%.

Dados

Nos últimos anos, esta pesquisa revelou o tamanho da popularidade do WhatsApp no Brasil, o recente crescimento do Instagram, a gradual queda do Facebook Messenger e uma certa estagnação do Telegram. Nesta edição, porém, houve reviravoltas. Todos os aplicativos monitorados aumentaram sua presença na base brasileira de smartphones na comparação com seis meses atrás, com destaque para Facebook Messenger, Instagram e Telegram.

Até fevereiro passado, a popularidade do Facebook Messenger vinha caindo gradativamente. O relatório daquele mês indicava que o app de mensageria estava presente em 69% dos smartphones de internautas brasileiros, seu mais baixo patamar na série histórica desta pesquisa.

Mas o app voltou a crescer e apenas seis meses depois ganhou 10 pontos percentuais: agora está instalado em 79% dos smartphones de internautas do País. No mesmo intervalo de tempo, a proporção de usuários do Messenger que abrem o app todo dia ou quase todo dia subiu de 62% para 66%. Também foi notado um crescimento na variedade de conteúdos enviados por esse canal, com destaque para a troca de mensagens efêmeras, também conhecidas como “stories”: subiu de 17% para 23% a proporção de usuários ativos mensais (MAUs, na sigla em inglês) do Messenger que produzem ou veem tais mensagens efêmeras. O Facebook tem estimulado bastante o uso desse recurso, especialmente no celular, o que pode ser um dos fatores que ajudaram o Messenger a reverter sua tendência de queda no Brasil.

A proporção de MAUs do app que trocam imagens, por sua vez, subiu de 47% para 52%, e aqueles que enviam ou recebem mensagens de áudio passou de 28% para 32%. Com maior engajamento e diversidade de conteúdos, consequentemente, aumenta a fidelidade do brasileiro ao aplicativo.

O Instagram também registrou um crescimento expressivo em seis meses, passando de 65% para 72% a proporção de internautas brasileiros com smartphone que possuem o app instalado. O percentual de sua base que abre o app todo dia ou quase to dia, porém, permaneceu inalterada em seis meses: 84%. Note-se que esse percentual é mais alto que o do Facebook Messenger. Ou seja, embora a base instalada do Instagram seja um pouco menor, o app tem uma proporção maior de usuários ativos diários.

O Telegram, por sua vez, aumentou em seis pontos percentuais a sua penetração no Brasil em seis meses, subindo de 13% para 19% a proporção de internautas brasileiros com smartphone que possuem o app instalado. A mídia gerada pelo escândalo do hackeamento de celulares de autoridades, em vez de afastar os brasileiros do Telegram, aparentemente causou um impacto positivo para o app de mensageria. Foi a primeira vez que ele cresceu acima da margem de erro na série histórica da pesquisa. Além disso, aumentou a proporção de MAUs do Telegram usando todos os tipos de conteúdo que podem ser trocados pelo app. O destaque está no envio de mensagens de áudio, que ganhou 11 pontos percentuais: passou de 42% para 53% os MAUs do Telegram que declaram se comunicar com mensagens de áudio pelo app.

O aumento da popularidade do Facebook Messenger, do Instagram e do Telegram não aconteceu às custas do WhatsApp. Este continua sendo o canal de mensageria mais popular do País, presente em 98% dos smartphones e com 98% dos seus usuários declarando que o abrem todo dia ou quase todo dia. Na verdade, o WhatsApp em seis meses até aumentou em um ponto percentual a sua penetração, variação que está dentro da margem de erro.

Portanto, o que se percebe com os dados coletados desta vez é que o brasileiro mantém-se fiel ao WhatsApp, mas ampliou a diversidade dos canais que utiliza para mensageria móvel, aprofundando ainda mais o seu comportamento de hiperssocialização virtual.

Pagamento com WhatsApp

O recente anúncio do Facebook de criação de uma criptomoeda, a Libra, e de uma carteira digital, a Calibra, reacendeu as expectativas de que o WhatsApp inclua uma funcionalidade de pagamentos no futuro, como já acontece na Índia. O recurso tem grande atratividade entre os brasileiros: 56% dos MAUs do WhatsApp declaram que gostariam de realizar pagamentos e transferências de dinheiro através do WhatsApp. A proporção é ainda maior
entre homens (62%) do que entre mulheres (50%).

O interesse em transformar o WhatsApp em uma carteira digital tem mais aderência entre os mais jovens. 59% dos MAUs com 16 a 29 anos de idade gostariam desse recurso. O percentual cai para 56% no grupo de 30 a 49 anos e para 50%, entre aqueles com 50 anos ou mais.

Quando perguntados qual seria a fonte do dinheiro para pagamentos via WhatsApp, 47% dos MAUs interessados nesse recurso dizem que gostariam de ter uma conta bancária virtual criada dentro do próprio app de mensageria. A proporção é maior entre os usuários das classes C, D e E (50%) do que entre aqueles das classes A e B (41%), provavelmente porque muitos dos primeiros hoje são desbancarizados. Outros 30% dos MAUs interessados em usar o WhatsApp para pagamentos prefeririam associá-lo à sua conta bancária atual e 23%, a um cartão de crédito.

09:49 · 14.08.2019 / atualizado às 09:49 · 14.08.2019 por

Por AFP

Segundo a agência France Press (AFP), o Facebook pagou centenas de terceirizados para transcrever fragmentos de conversas de alguns usuários, revelou na última terça-feira, 13, a agência Bloomberg, embora a rede social tenha negado durante muito tempo agir desta forma para melhorar o direcionamento de seus anúncios ou páginas de informação.

>>>Microsoft admite que escuta conversas de usuários do Skype

Em um comunicado enviado à agência financeira, o Facebook reconhece ter transcrito áudios de conversas com a autorização dos usuários, mas afirma ter posto fim a essa prática.

“Assim como a Apple e o Google, desde a semana passada congelamos a prática de ouvir áudios feita por pessoas”, alegou a rede social.

Consultado pela AFP, o Facebook não respondeu imediatamente.

O Facebook explicou que estava autorizado a transcrever conversas pelos usuários de seu aplicativo Messenger.

Os terceirizados verificavam se a inteligência artificial da rede estava interpretando corretamente as mensagens.

Segundo a Bloomberg, os empregados encarregados da transcrição estavam preocupados com as implicações éticas de seu trabalho, não estavam informados sobre a origem dos áudios nem sobre o uso que a empresa de Mark Zuckerberg fazia deles.

As gigantes Amazon, Apple e Google, todos vendedores de assistentes de voz, já haviam reconhecido fazer o mesmo para melhorar as respostas de seus aplicativos. A Apple e o Google anunciaram que abandonaram esta prática nas últimas semanas.

A Amazon, por exemplo, oferece a seus clientes a opção de bloquear o uso de suas conversas com Alexa, a inteligência artificial que impulsiona seus assistentes de voz Echo.

O Facebook, que acaba de pagar uma multa recorde de US$ 5 bilhões às autoridades federais dos Estados Unidos por mau uso dos dados privados de seus usuários, negou durante muito tempo ouvir as conversas de seus usuários para orientar melhor seus anúncios ou tornar suas páginas mais atrativas.

09:24 · 13.08.2019 / atualizado às 09:54 · 13.08.2019 por

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Na Rede

Tendências, novidades e novos produtos para quem é apaixonado por tecnologia. Comportamento digital e redes sociais também em pauta. Por Daniel Praciano.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags