Busca

Categoria: Tecnologia vestível


01:20 · 28.11.2016 / atualizado às 06:55 · 28.11.2016 por
Da esquerda para a direita: ZenWatch 2 e ZenWatch 3 chegam juntos ao mercado nacional
Da esquerda para a direita: ZenWatch 2 e ZenWatch 3 chegam juntos ao mercado nacional

Finalmente a Asus está trazendo seus smartwatches (relógio inteligente) para o Brasil. E resolveu trazer logo suas duas últimas gerações. O Asus ZenWatch 2 tem tela de 1,45 polegadas Amoled com Gorilla Glass 2.5D, processador Snapdragon 400 Quad-Core de 1,2 GHz. Tem 4GB com frame em aço inox e traseira em plástico. Pesa 50 gramas e tem 11,8mm. Bateria com 290 mAh com QuickCharger. Tem Wi-Fi bgn + Bluetooth 4.1. Ele tem caixa de som e é resistente a água e poeira (certificação IP67).

O relógio inteligente mais novo da família é o Asus ZenWatch 3 com tela Amoled de 1,39 polegadas com Gorilla Glass 2.5D. Ele tem processador Snapdragon Wear 2100 – já pronto para aparelhos wereables – Quad-Core 1,2 GHz com 4GB. Ele é totalmente em aço inox com 40 gramas de peso e 10,7mm. Tem bateria com 340 mAh e QuickCharger que recarregará o seu relógio inteligente em cerca de uma hora. Tem Wi-Fi bgn + Bluetooth 4.1. Ele tem caixa de som e é resistente a água e poeira (certificação IP67). Isso quer dizer que pode ser molhado, mas não deve, visto que a pulseira de couro não é muito amiga de água e suor.

Nós recebemos o ZenWatch 3 para testar e vamos analisar ele passo a passo, ok? O relógio inteligente da Asus é leve, bonito e elegante. Essas são as primeiras impressões do ZenWatch 3, o mais novo smartwatch da Asus. O aparelho chega ao Brasil com preço sugerido de R$ 1.799. Os concorrentes, também com sistema operacional Android, já estão no mercado há algum tempo e não empolgaram tanto nos testes feitos por mim há mais de 1 ano.

Moto 360 Sport, o mais novo, tem preço sugerido de R$ 1.999. A diferença dele para o da Asus é que é um modelo esportivo, voltado para quem curte vida fitness. Ele traz uma pulseira emborrachada e contador de batimentos cardíacos coisa que o ZenWatch 3 não tem. Usa Android Wear e funcionam com qualquer smartphone Android.
Samsung Gear S2 Classic é similar ao ZenWatch 3 com pulseira de couro, mas traz leitor de batimentos cardíacos e GPS. Custa R$ 100 a mais que o produto da Asus, mas não é tão bonito e elegante quanto o produto de Taiwan. E há o S2 com pulseira emborrachada e leitor de batimentos cardíacos no mesmo preço do ZenWatch 3. Bonito, mas não tão luxuoso quanto o produto rival. Ambos porém, só funcionam em parceria com smartphones Samsung, visto que usam sistema operacional Tizen.

Sony Smartwatch 3 é também um Android Wear com recurso de GPS como o ZenWatch 3 e custa entre R$ 999 e R$ 1.299. De todos era o que tinha o design menos atraente. Mas ele pode ser usado longe do celular para corridas. Porém, a pulseira de couro pode ser um empecilho para o usuário, como deverá ser para quem tem um produto da Asus. Sugestão para usuários Asus é trocar a pulseira de couro por uma emborrachada. Além dos produtos oficiais e voltados para smarts, ele aceita pulseiras comuns que podem ser compradas e instaladas em qualquer relojoeiro.

ZenWatch 3 é um gadget bem elegante
ZenWatch 3 é um gadget bem elegante

Algo interessante notar é o posicionamento da Asus. Ela não quer entrar na disputa com smartwatches esportivos. O ZenWatch 3 está na categoria de um produto fashion, de luxo, que traz características para ajudar no dia a dia com recursos tecnológicos que vamos citar a frente. Porém, acredito que nada impediria ter um GPS e um leitor de batimentos cardíacos incluso. Segundo a Asus, isso poderia atingir em cheio a bateria do aparelho, reduzindo a vida útil durante o dia. Mas acho que valeria a pena. Afinal, o relógio permite trocar a pulseira facilmente e aí era só botar um modelo emborrachado.

Comparando com o trio já citado (veja matéria que fizemos em 2015 aqui), o ZenWatch 3 é o mais luxuoso. Apesar do S2 Classic ser muito bonito, o aço inox do aparelho da Asus o supera em beleza e sofisticação. A pulseira de couro fecha o conjunto beleza. Mas vamos pensar em termos de “smart”.

Com o relógio da Asus eu consegui atender e fazer ligações mesmo quando meu telefone estava em outro quarto fechado. A qualidade é boa, tanto para quem fala quanto para quem escuta. O problema é que, como isso é feito no viva voz, barulhos externos podem atrapalhar a comunicação. Para escutar melhor, tenha sempre um fone de ouvido bluetooth para a experiência ser melhor.

O Google Now ajuda muito, mas quando há alguma oscilação na rede, pode ficar complicado para o software entender sua voz, mesmo que você fale lentamente. Mas isso também foi notado nos outros smartwatches testados no ano passado. Responder SMS e WhatsApp é bem simples, mas, assim como no trio de 2015, foi um pouco complicado responder a e-mails por voz. É mais simples usar o smartphone para isso.

Marina Ruy Barbosa aparece em peça publicitária da Asus com um ZenWatch 3 no pulso
Marina Ruy Barbosa aparece em peça publicitária da Asus com um ZenWatch 3 no pulso

Com relação aos apps de exercício físico, o Asus ZenFit complementa o relógio. Como ele não tem GPS, se quiser se exercitar com ele terá que seguir com o smartphone no bolso. Feito isso, para batimentos cardíacos, instale o ZenFit no celular e toque seu dedo na lente do aparelho. Pronto. Você terá os seus batimentos cardíacos analisados. Com relação a marcar os demais exercícios, calorias e qualidade do sono, tudo já é possível com o próprio relógio. E as análises destes dados poderão ajudá-lo a ter uma vida mais saudável aliado, claro, a consultas a médicos e nutricionistas e a uma dieta rica em alimentos saudáveis. Dessa forma, ele não é independente do smartphone para prática de exercícios, mas pode ser para atender e fazer ligações – desde que já tenha os contatos cadastrados.

Falando ainda mais de recursos, o smartwatch tem 3 botões. O do meio é o power. Acima está o botão para a opção de treino. Nele você pode escolher entre algumas opções como caminhada, corrida, sentar e flexão. O último botão é para economizar bateria. Uma ótima ideia para não transformar o smartwatch é enfeite e sim em relógio. Ele corta a parte “smart” e poupa a bateria ajudando a ela durar mais tempo.

Software e desempenho

ZenWatch 3 é uma peça de moda de qualidade e muito bonita que até pode ser usada para esportes, mas com algumas adaptações
ZenWatch 3 é uma peça de moda de qualidade e muito bonita que até pode ser usada para esportes, mas com algumas adaptações

O ZenWatch 3 traz recursos como uma integração profunda com a ZenUI, o FoneHelper, monitoramento de atividade física e câmera remota. No primeiro você pode indicar pessoas para ligação de emergência com mensagem pré-programada. O segundo é para te manter em atividade física com o smartphone perto de você. E o último, também chamado de Remote Camera, é um dos recursos mais populares do ZenWatch e permite que os usuários vejam o visor da câmera do smartphone em seus pulsos. Isto os deixa livres para enquadrar e fotografar em ângulos criativos em situações onde é difícil de ver a tela do smartphone, como ao fotografar um show com o smartphone sobre sua cabeça. Testamos esse recurso e ele funcionou muito bem.

Com relação ao desempenho, o smartwatch se mostrou bem rápido e ágil. Um pouco mais fluído do que os modelos Androids testados em 2015, inclusive. Talvez isso também tenha relação de estarmos falando da combinação perfeita, ou seja, relógio e celular da mesma empresa, no caso a Asus. Mas isso também deve ter relação com o processador Snapdragon Wear 2100, feito exatamente para aparelhos vestíveis como o ZenWatch 3.

Design
Além do design externo do aparelho, internamente ele pode ser ainda melhorado ou não, vai depender do seu bom gosto ou falta dele. Você pode criar faces para o seu ZenWatch. Pode customizar totalmente ou simplesmente colocar a foto do filho ou da esposa (ou de ambos) para embelezar ainda mais seu aparelho.

Preço
A questão do preço é uma análise delicada. O valor do ZenWatch 3 fica na média dos já testados (R$ 1.799) e é bem inferior aos modelos da Apple. Porém, mesmo assim, é muito dinheiro. Ele é uma peça de design, de luxo e beleza que traz bons recursos para o seu dia a dia. Mesmo assim, é o preço de um bom smartphone, como, por exemplo, o Zenfone 3 da própria Asus de 64 GB de armazenamento interno e 4 GB de memória RAM. Aí você decide o final. Se tiver o valor, o relógio foi o melhor que testamos no mundo Android.

10:24 · 09.11.2014 / atualizado às 14:37 · 06.11.2014 por
Smartwatches como o Moto 360 deveriam carregar dados da saúde do usuário
Smartwatches como o Moto 360 deveriam carregar dados da saúde do usuário

Uma pesquisa recente da GfK realizada na China, Alemanha, Coreia do Sul, Reino Unido e EUA, indica que as pessoas desses países veem potencial no uso de smartwatches para ‘carregar’ bilhetes de transporte público ou como chave de segurança de seus computadores e contas online. A capacidade de transmitir dados sobre a saúde por meio de um smartwatch também é de interesse para a maioria das pessoas. Nos Estados Unidos e China, há abertura para a utilização de smartwatches como carteiras de identidade e sistema de pagamento, embora os europeus sejam muito mais hesitantes em relação a estas funções. GfK é uma empresa de estudos de mercado de origem alemã, criada em 1934, com sede em Nuremberg. É a maior empresa do do ramo na Alemanha, e a quinta em termos mundiais

Estes são os resultados de um estudo internacional no qual a GfK perguntou a 1.000 proprietários de smartphones em cada mercado, se eles estariam interessados ​​em realizar funções específicas através de um smartwatch, considerando que poderiam salvar e enviar seus dados com segurança.

O estudo revela que smartwatches têm potencial para uma ampla gama de usos. Reunir atividades esportivas, navegação, ligação e aplicativos são as principais aplicações que os consumidores pesquisados ​​estão interessados​​ atualmente. Em razão do smartwatch ser utilizado no pulso, ele também pode servir como documento de identidade, portador de bilhete de viagem ou para fazer pagamentos no caixa.

Smartwatches podem carregar dados sobre a saúde

Quase a metade de todos os entrevistados nos cinco países diz que estaria interessado ​​em usar um smartwatch para fornecer seus dados pessoais de saúde aos médicos ou hospitais – por exemplo, durante a consulta com um médico ou em uma situação de emergência médica. No entanto, as pessoas nos diferentes países diferem muito quanto até que ponto estão preparadas para confiar informações confidenciais sobre sua saúde a um smartwatch; 69% dos entrevistados na China disseram que estão interessados ​​nisso, contra apenas 50% nos EUA e 43% na Coréia do Sul. Os consumidores europeus são mais hesitantes, com cerca de um terço dos entrevistados no Reino Unido expressando interesse e apenas um quarto na Alemanha. Os homens são um pouco mais abertos a esta ideia do que as mulheres, e a diferença entre faixas etárias é ainda mais acentuada, sendo que o interesse no uso de um smartwatch para dados sobre a saúde aumenta com a idade.

Asiáticos e americanos veem potencial nos smartwatches como bilhetes de viagem

As descobertas da GfK também mostram que smartwatches têm claro potencial como bilhetes de viagem. Pouco menos da metade dos entrevistados nos cinco países diz que gostaria de usar um smartwatch para esta finalidade. Chineses (63%), coreanos (54%) e norte-americanos (41%) foram os mais interessados​​. Os consumidores europeus foram novamente mais reticentes, com apenas 32% dos entrevistados no Reino Unido e 31% na Alemanha dizendo que usariam um smartwatch como bilhete de viagem.

Gerações mais velhas abertas ao uso de smartwatches para identificação on-line

Com o aumento nos níveis de crimes cibernéticos, há um desejo geral de melhorar a segurança e isso se reflete nos resultados da GfK. No geral, 45% dos entrevistados disseram que estariam interessados ​​em usar um smartwatch como identificação segura para acessar computadores pessoais ou contas online. O interesse por essa função aumenta com a idade, com 42% das pessoas com idades entre 16-29, subindo para 46% entre pessoas de 30-49 anos e 48% entre aqueles com mais de 50 anos. Em relação a cada país, a China mostra maior interesse nesta função, com mais de dois terços (68%) dizendo que gostaria de usar um smartwatch como identificação segura em seus computadores. Eles são seguidos pelos EUA, com pouco menos da metade (49%), Coreia do Sul, com 37% e Reino Unido, com 33%. A Alemanha novamente se mostra mais hesitante, com apenas um quarto de todos os alemães entrevistados dizendo que gostaria de usar um smartwatch como identificação segura em seus computadores.

Chineses gostariam de usar smartwatches como carteira de identidade

Nos cinco países, 38% dos entrevistados dizem que estariam interessados ​​em usar um smartwatch como carteira de identidade, quando viajam para o exterior ou para apresentar às autoridades. Mais uma vez, a China e os EUA estão mais abertos a essa ideia, com 57% e 41%, respectivamente, seguido pela Coreia do Sul e Reino Unido, com 33% e 28%. Os alemães são novamente os mais críticos; apenas um quinto diz que usaria um smartwatch como carteira de identidade.

Pagamento por smartwatch? Apenas os EUA e a China estão interessados ​​no momento

O pagamento móvel, ou seja, o uso de um smartphone para pagamento no caixa com a tecnologia Near Field Communication (NFC), não se mostrou muito popular até agora. Na teoria, o uso de um smartwatch no caixa seria ainda mais prático do que ter que sacar o smartphone; mas apenas 35% dos entrevistados em todos os cinco países pesquisados ​​estão interessados nesta facilidade no momento. O potencial real para isso está na China, onde o interesse aumenta para 54% dos entrevistados, comparado com 40% nos EUA e apenas 28% na Coreia do Sul e 27% no Reino Unido. Na Alemanha, apenas 20 por cento dos entrevistados dizem que usariam um smartwatch para fazer pagamentos.

smartwatchegrafico

12:12 · 11.10.2014 / atualizado às 11:21 · 09.10.2014 por
AppleWatch
Quem comprar um AppleWatch poderá usar o app do Hoteis.com

A Hoteis.com, empresa global em hospedagem on-line, é uma das primeiras empresas da indústria de turismo a lançar app para dispositivos wearable. Agora, os clientes que possuem smartwatches passam a contar com tecnologia de ponta que traz mais eficiência e praticidade para planejar as viagens. Entre os recursos estão o envio de notificações pouco antes de fazer o check-in no hotel, a possibilidade de conferir detalhes da reserva, imagens do hotel e endereço.

“Nossas notificações para dispositivos wearable fazem a experiência de viajar ainda mais perfeita”, comentou Daniel Craig, diretor sênior de Mobile para a marca Hoteis.com. “Sabemos que nossos clientes procuram cada vez mais diferentes formas de facilitar o planejamento de viagens e nosso negócio é ouvir e respondê-los o mais rápido possível”.

Ainda de acordo com o executivo, esse lançamento reforça uma tendência natural de que os usuários estão aderindo cada vez mais ao mobile. Dados da Hoteis.com mostram o crescimento da demanda neste segmento no mundo todo. Na América Latina, por exemplo, o Brasil encabeça a lista com um aumento de 102%, seguido da Colômbia, com 83%, e México com alta de 78%. De maneira geral, uma em cada quarto reservas são feitas por dispositivos móveis (smartphones e tablets) e quase 70% das transações são feitas com dois dias de antecedência.

Hoteis.com em versão móvel

Os aplicativos da Hoteis.com oferecem aos clientes acesso a mais de 325 milhotéis. São 20 mil ofertas de última hora, mais de 11 milhões de opiniões de usuários e quartos de hotel de última hora perto a sua localização. Ainda via app, os clientes têm a opção de pagar no momento da reserva ou quando chegam ao hotel, o que lhes permite administrar melhor o orçamento da viagem e suas preferências. Outra funcionalidade oferece aos viajantes acesso fácil à conta para verificar reservas futuras, atuais e passadas, sem a necessidade de estarem conectados à rede.

12:16 · 02.10.2014 / atualizado às 12:18 · 02.10.2014 por
Moto 360, o relógio inteligente
Moto 360, o relógio inteligente

O smartwatch da Motorola, o Moto 360, vai chegar por todo este mês de outubro às lojas brasileiras. O preço é de R$ 899. Se ele fosse totalmente independente de um smartphone seria um preço até bacana. O negócio é bem dependente. Vamos aguardar para mais na frente colocar as mãos nele e analisarmos com cuidado.

>>>>>Novos smartphones e dispositivos vestíveis da Motorola são lançados