Busca

Categoria: Tendências


09:30 · 03.10.2014 / atualizado às 09:36 · 03.10.2014 por

Como já virou tradição, os debates políticos têm atiçado a criatividade dos internautas brasileiros e provocado surgimento de memes engraçados, quase como geração espontânea.

As montagens tiram sarro de candidatos (Eduardo Jorge e Levy Fidelix em especial), cenário, apresentadores e formato do debate. Nesta quinta-feira (02), a produção dos engraçadinhos da internet superou a média no evento promovido pela Rede Globo.

Confira os melhores memes:

Choque de Monstro
Rochele Santrelly e Sangallo, que participaram do ‘Choque de Monstro’ (veja no Youtube), no quadro Glitter, do programa Ênio Carlos, foram transportadas para o estúdio da Globo.
Responde ou paga? Cenário do debate lembrou o histórico Passa ou Repassa, do SBT
Responde ou paga? Cenário do debate lembrou o histórico Passa ou Repassa, do SBT

IMG-20141002-WA0045

Sobrou até para os papéis que indicavam os temas
Sobrou até para os papéis que indicavam os temas

10717911_10202312533689492_1653898283_n

 

10723280_10202312533649491_1895607584_n

IMG-20141003-WA0003

Turma do Chaves
Turma do Chaves

IMG-20141003-WA0005

O excêntrico Eduardo Jorge também não foi perdoado pela zoeira
O excêntrico Eduardo Jorge também não foi perdoado pela zoeira

IMG-20141003-WA0011 (1)

O polêmico Levy Fidelix também foi um dos principais alvos
O polêmico Levy Fidelix também foi um dos principais alvos
Por fim, Luciana Genro chegando no debate
Por fim, Luciana Genro chegando no debate
12:41 · 12.09.2014 / atualizado às 12:41 · 12.09.2014 por
Preços do iPhone
Preços do iPhone nos EUA

Com a inclusão da tecnologia Near Field Comunication (NFC) no iPhone, os usuários da Apple também poderão substituir a carteira pelo telefone. Usar o smatphone no lugar de cartões de crédito já é conhecida por quem utiliza serviços como Google Wallet e PayPal.

O NFC funciona por rádio frequência, responsável pela comunicação com o terminal de pagamento apenas por aproximação. Segundo dados das principais operadoras em transações com cartão de crédito, o Brasil é hoje o maior parque de NFC do mundo, ao menos em relação ao volume de terminais habilitados a realizar transações de pagamento usando a tecnologia. Apesar disso, a solução ainda esbarra na desconfiança dos usuários quanto a segurança das operações.

“As pessoas ainda têm receio de usar, como acontecia com a internet, no começo. Todo mercado inovador oferece riscos”, avalia o diretor de Desenvolvimento de Negócios da WeDo Technologies, Raphael Roale.

O NFC foi desenvolvido para proporcionar maior agilidade em transações agregadas à maior segurança no processo. Para isso, conta com uma característica própria capaz de aumentar o nível de segurança nas transferências de informações: a pouca distância entre os dispositivos para que a comunicação aconteça.

“O fato do processo de comunicação ocorrer em poucos segundos, pode aumentar também o nível de segurança do serviço. As autenticações e criptografia dos dados também são empregados. Um aparelho iniciador pode solicitar a autenticação do usuário antes de realizar a comunicação e transferência de informações”, explica Roale. “De modo geral, todo o procedimento ocorre da mesma forma que uma transação com cartão de crédito, apenas o meio físico passa a ser o telefone.”, conclui.

Segundo a Gartner, no mundo, o valor gasto com pagamentos móveis via NFC alcançou 4,9 bilhões de dólares em 2013. Esse número deve aumentar para 8,2 bilhões de dólares este ano e alcançar os 21, 9 bilhões de dólares em 2016.

13:00 · 08.09.2014 / atualizado às 10:35 · 08.09.2014 por
Jardel Appelt
Jardel Appelt

O Facebook inicia nesta segunda-feira (08/09) sessões ao vivo de perguntas e respostas direcionadas a pequenos empresários que queiram entender melhor como fazer negócios por meio da rede.

Todas as segundas-feiras do mês de setembro, das 15h às 17h, a equipe de especialistas da empresa responderá ao vivo às questões dos empreendedores sobre gestão e desempenho de páginas, como gerenciar campanhas e anúncios, e como aproveitar melhor os recursos das ferramentas de publicação. Perguntas poderão ser enviadas por escrito na página Facebook para Negócios.

A intenção, segundo Jardel Appelt, coordenador do projeto na equipe de Pequenas Empresas do Facebook, é dar a oportunidade para que os empreendedores tirem dúvidas pontuais e ao vivo sobre como melhorar o desempenho de suas publicações e campanhas na rede. Hoje, 1 em cada 3 pequenas empresas brasileiras tem página no Facebook. “As pequenas empresas já descobriram o potencial de fazer negócios no Facebook. Nossa intenção com essas sessões será ampliar o contato e o suporte para que o desempenho dessas companhias melhore ainda mais”, afirma.

O primeiro bate-papo (08/09 às 15h) terá como tema “Como anunciar sua página”. Na segunda-feira seguinte, (15/09), o tema será “Otimização de anúncios”, que vai mostrar quais as formas de melhorar o desempenho das campanhas. Em 22/09 o tema será “Gerenciamento da página”, que vai abranger como adicionar administradores, agendar publicações e ter melhor alcance. A última sessão do mês acontece em 29/09 e terá como tema “Gerenciador de Negócios”, em que vai ajudar os empreendedores a gerenciar diversos clientes e usar nossas ferramentas.

15:32 · 22.07.2014 / atualizado às 15:32 · 22.07.2014 por

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Antes mesmo de chegar ao mercado brasileiro (o que estava previsto para o segundo semestre deste ano), a linha de telefones celulares Nokia X  – os primeiros aparelhos da fabricante finlandesa com sistema Android – foi abortada. A Microsoft, que adquiriu a Nokia em setembro do ano passado, decidiu que não vai mais investir na linha que promove o sistema rival de seu Windows Phone.

 

Voltada para o segmento de baixo custo e representando uma tentativa da Nokia de recuperar mercado, a linha X era composta por três modelos (X, X+ e XL) e foi anunciada em fevereiro deste ano, no Mobile World Congress, em Barcelona (Espanha). No Brasil, a Microsoft já havia marcado o lançamento dos aparelhos para o dia 10 de junho, mas acabou adiando o evento sem maiores explicações (agora já sabemos o motivo).

 

 
Ao anunciar o fim dos Nokia X, a Microsoft informou que os dispositivos Android continuarão sendo vendidos em alguns países. Não sabemos se o Brasil está entre esses mercados. Mas, para o consumidor, adquirir um aparelho de recursos limitados (afinal, é de baixo custo) e que já nasce morto pode ser uma roubada. Mesmo que a companhia invista nesses dispositivos, ainda que por estratégia de expandir seus serviços (Bing, OneDrive, Outlook, Skype) aos mercados emergentes, a alma da linha X não é das mais encorajadoras sob o ponto de vista do consumidor. Ela mais parece uma gambiarra. São aparelhos Android, mas com uma interface similar à do Windows Phone. Para isso, o código-fonte do sistema foi modificado. Isso dificulta atualizações e ainda deve dar um trabalho extra ao processador. Por toda essa trapalhada que a Microsoft fez com essa linha, é bem melhor o usuário passar um “x” e riscar esses aparelhos de sua lista de compras.

18:22 · 08.05.2014 / atualizado às 18:25 · 08.05.2014 por

 

Como parte do Fórum de Líderes Governamentais América Latina e Caribe (GLF, na sigla em inglês), evento promovido pela Microsoft esta semana no México, a empresa divulgou um estudo que descreve uma série de políticas que poderiam ampliar as oportunidades ligadas ao modelo de computação em nuvem (cloud computing). Segundo o estudo, a expectativa é que as vagas de trabalho ligadas a computação em nuvem cresçam 34% em 2014.

Ainda segundo o estudo, a nuvem também deve ser motivo de interesse para pequenas e médias empresas (PMEs), que empregam 67% da mão de obra na América Latina. Muitas vezes, no entanto, empresas com esse perfil ainda não tiram o devido proveito do modelo de cloud computing. A nuvem dá abertura para um ciclo positivo de criação de empregos e economia de despesas para os negócios das PMEs.

O estudo foi intitulado “Facilitando a nuvem: regulação sobre proteção de dados como influenciador da competitividade nacional na América Latina”. Ele foi publicado pela entidade Inter-American Law Review e escrito por Horacio Gutiérrez, vice-presidente corporativo e conselheiro geral adjunto da Microsoft, e Daniel Korn, diretor de relações institucionais da Microsoft na América Latina.

O documento apresenta os benefícios que países podem usufruir em termos de competitividade nacional. A apresentação desses dados acontece em um momento em que muitos países avaliam a necessidade de atualizar legislações em torno da proteção de dados para possibilitar decisões do cidadão, a manutenção das informações de forma segura e a formação de confiança sobre uma tecnologia com alto potencial de transformação.

“Decisões sobre a rede regulatória que facilitem o uso de cloud computing podem ser um instrumento para crescimento econômico e expansão de benefícios sociais na região. É importante destacar que a nuvem não só aumenta eficiência, mas também promove maior equilíbrio”, disse Hernán Rincón, presidente da Microsoft na América Latina.

O artigo revela que inclusão social, agilidade, flexibilidade e segurança são outros aspectos beneficiados positivamente quando há mecanismos regulatórios equilibrados que facilitam o uso da nuvem. Por exemplo, o modelo de cloud computing permite que um hospital em área rural tenha acesso remoto a especialistas em tempo real. Outro exemplo é a adaptação que uma empresa pode fazer em sua estrutura de armazenamento e processamento de dados em tempos de menor demanda, como em uma crise econômica. Essa flexibilidade vem do fato de a nuvem ser ligada à mobilidade e, dessa maneira, estar amplamente acessível de forma contínua e segura.

Risco do software no PC 

Além disso, um estudo baseado em 70 mil brechas de segurança identificadas em 1,6 mil empresas mostrou que os softwares instalados no próprio computador tendem a ser mais vulneráveis a ataques do que as aplicações hospedadas na nuvem.

Para que a nuvem tenha sucesso, no entanto, usuários individuais têm de ter a certeza que seus computadores estão seguros contra hackers e que eles tem a capacidade de controlar quem tem acesso a suas informações pessoais.

“No futuro, talvez sejamos capazes de dizer que os mecanismos regulatórios de proteção de dados que facilitaram a adoção da nuvem foram os que mais contribuíram para a competitividade nacional, desenvolvimento econômico, além de produtividade e eficiência”, disse Daniel Korn, diretor de relações institucionais da Microsoft na América Latina.

O artigo na íntegra está disponível em neste link.