Categoria: WhatsApp


16:43 · 02.02.2019 / atualizado às 06:54 · 05.02.2019 por

Segundo o WABetaInfo, ainda em 2019, o WhatsApp vai lançar 3 novas atualizações que vão dar o que falar. Elas incluem mais recursos de segurança para desbloquear o app, fazer pagamento dentro do app e mais figurinhas para compartilhar em suas conversas. Vamos aos detalhes?

Dinheiro para contatos

Na Índia já há a opção de pagamentos e envios de dinheiro dentro do aplicativo. E o recurso já foi anunciado por Mark Zuckerberg para chegar em mais países em breve.

O primeiro a receber a novidade deve ser o México. Em seguida, os EUA vão ganhar esse recurso novo. O Brasil está na lista para 2019. Quando exatamente? Aí é o mistério. Por enquanto há como fazer apenas pagamentos específicos dentro do app, não para todas as situações e muito menos envio direto de dinheiro para contatos.

Segurança

O WhatsApp começou a liberar versões de teste da autenticação por FaceID e Touch ID. Por enquanto a novidade é restrita para usuários de iPhone.

A ideia é fortalecer a segurança para que apenas o próprio usuário destrave o aplicativo. Isso pode ajudar a impedir o uso indevido do WhatsApp por terceiros. Para fortalecer ainda mais essa opção, você vai escolher por quanto tempo aquela sua liberação irá valer para o app ficar em funcionamento.

Figurinhas

Quando estiver valendo, o usuário poderá, segundo o WABetaInfo fazer o download de apenas uma figurinha dentro daquele pacote. Esta função já está em testes no iOS e chega, também para testes, brevemente para o Android. Para baixar apenas uma figurinha por pacote basta segurar por alguns segundos a escolhida.

07:01 · 31.01.2019 / atualizado às 10:10 · 05.02.2019 por

Os golpes de WhatsApp não são mais novidades. Mas, cada vez mais, os cibercirminosos estão utilizando maneiras diferentes para chamarem a atenção dos usuários e fazer com que eles não desconfiem da veracidade da mensagem. No caso deste golpe mais recente envolvendo irregularmente O Boticário, os cibercriminosos estão enviando links falsos para que os usuários insiram o CPF. A partir disso, o número é verificado na base de dados e retorna com o nome do usuário – o que torna o golpe ainda mais personalizado e com um jeito mais legítimo. Após clicar no link, o usuário é direcionado para a página falsa.

Para Fabio Assolini, analista sênior da Kaspersky Lab, “com os inúmeros vazamentos de dados que têm atingido pessoas do mundo todo, os cibercriminosos conseguem extrair esse tipo de informação e utilizar em novos golpes de uma maneira mais personalizada. Vimos golpes há um tempo que também eram disseminados via WhatsApp, verificavam o CPF e nome, enviavam um link com ID único e colocavam o nome da vítima na mensagem”.

Para se proteger

Não clique em links. Principalmente os recebidos de desconhecidos, nem em links suspeitos enviados por seus amigos via redes sociais ou e-mail. Eles podem ser maliciosos, criados para baixar malware em seu dispositivo ou para direcioná-lo a páginas de phishing que coletam dados do usuário. Além disso, seus amigos e familiares podem ter sido enganados ou hackeados.

– Sempre verifique o link antes de clicar. Coloque o mouse em cima do link para visualizar a URL e observe com atenção se há erros de ortografia ou outras irregularidades. Além disso, caso seja uma promoção ou algo utilizando o nome de uma marca famosa, sempre acesse o site oficial da empresa – digitando o site – para confirmar a veracidade da promoção ou campanha.

– Tenha uma solução de segurança robusta no seu celular e outros dispositivos. Utilize uma solução de segurança que te alerte sobre os riscos à segurança, além de proteger os dispositivos contra phishing, malware, app mal-intencionados e outras ameaças conhecidas e desconhecidas. Além disso, mantenha sempre atualizada a solução de segurança. Empresas como a própria Kaspersky têm soluções como essa, que ajudam a prevenir e combater esses golpes.

Resposta Boticário

O Boticário comunica a ocorrência de link falso com a promoção de lançamento da linha Cuide-se Bem Deleite e informa que o caso foi apurado e está sendo tratado pela empresa. O Boticário aproveita para reforçar a veracidade da promoção que está distribuindo unidades da Loção Hidratante de Cuide-se Bem Deleite 100 ml, conforme ação detalhada no site oficial da campanha e para sugerir a todos os seus consumidores que sempre verifiquem, em todas as nossas redes, a legitimidade e procedência do que recebem antes de realizarem qualquer acesso. No caso de dúvida, o consumidor pode entrar em contato com a marca pelos canais oficiais de O Boticário. A empresa reforça que adota as melhores práticas de segurança da informação e que segue monitorando e orientando seus consumidores.

07:07 · 28.01.2019 / atualizado às 07:50 · 28.01.2019 por

Já pensou ter um só comunicador da família Facebook para falar com todos os seus contatos? Pois bem, Mark Zuckerberg e equipe estão trabalhando para unificar WhatsApp, Facebook Messenger e Instagram Direct. Futuramente, a ideia, é que ao enviar uma mensagem por um dos 3, ela possa ser lida em todos. A informação é do jornal The New York Times (NYT).

Segundo o jornal, o trabalho é minucioso e estão inclusive levando a criptografia ponta-a-ponta que funciona no WhatsApp para os demais comunicadores.

A ideia é começar em dezembro de 2019 ou nos primeiros meses de 2020. O trabalho já começou e está na fase inicial.

Facebook responde

Segundo porta-voz do Facebook, via assessoria de imprensa da empresa no Brasil, a empresa está em estágio inicial das discussões sobre a integração, ou seja, ela virá, mas deve realmente demorar. E o prazo que o jornal NYT divulgou deve ser o prazo estimado para realmente acontecer toda a integração. Confira a íntegra do comunicado da rede social.

“Queremos construir a melhor experiência de mensagens possível, e as pessoas querem que as mensagens sejam rápidas, simples, confiáveis e privadas. Estamos em um estágio bastante inicial de avaliar maneiras de adicionar criptografia à comunicação pessoal, e considerando formas de tornar mais fácil para que as pessoas falem com amigos e família em todas as diferentes redes. É comum debatermos internamente opções de produto de longo prazo, e essas discussões evoluem e vão se ajustando ao longo do tempo”.

07:30 · 24.01.2019 / atualizado às 07:39 · 24.01.2019 por

“Quantas horas por dia o celular está ao alcance das suas mãos?” Essa foi a pergunta feita no questionário on-line Phone Life Balance, realizado globalmente pela Motorola em 2018 e que, no Brasil, contou com a participação de mais de 65 mil adolescentes. As respostas dos jovens, cujas idades variam entre 10 e 19 anos, refletem a importância do telefone celular na vida deles.

Seis de cada dez adolescentes têm o celular ao alcance das mãos 12 horas por dia. Em outras palavras, 60% dos jovens têm o smartphone em mãos durante metade do dia. A relevância do celular na vida cotidiana dos jovens fica ainda mais clara quando se analisam os dois extremos da tabela: somente 1% disse ter o celular ao seu alcance por uma hora ou menos. Já no outro extremo, 30% afirmaram ter o celular ao seu lado durante as 24 horas do dia, ou seja, o deixam próximo até enquanto dormem.

“Assim como a pesquisa realizada no Brasil, as internacionais também confirmam que os adolescentes mantêm o celular ligado 24 horas por dia. A pergunta da pesquisa da Motorola dá um passo a mais: o telefone não só está ativo, como também fica nas mãos deles praticamente o tempo todo. Não é que eles tenham acesso enquanto realizam outra atividade, a atividade é o próprio celular”, explica Roxana Morduchowicz, especialista em cultura juvenil, consultora da Unesco e autora do livro Ruídos na Web.

Por ser um dispositivo portátil, o celular faz com que sua tela seja a que mais acompanha os adolescentes durante o dia. Em todo o mundo, o celular é a tela principal (e em muitos casos, a única) na vida dos jovens. Eles realizam todas as suas atividades nela: falam com amigos, escutam música, buscam informações, jogam e realizam as tarefas escolares.

“A vida diária dos adolescentes do século XXI se define por sua relação com as telas. As tecnologias vêm transformando a maneira como eles aprendem, leem, se informam, se divertem, assistem a filmes, séries, escutam música e se relacionam com os amigos. Trata-se, sem dúvida, de transformações muito recentes e muito dinâmicas: há dez anos, nenhum adolescente acessava as redes sociais e, hoje, não existe nenhum fora delas. Em apenas uma década, as redes sociais se converteram na principal atividade dos jovens, quando navegam pela internet”, afirma Roxana.

Por isso, segundo a especialista, não é de surpreender que eles deixem o celular ligado as 24 horas do dia, ou que, como demonstra o estudo, esteja ao alcance de suas mãos durante metade do dia. Essa situação se intensifica quando chegam as férias. Durante o recesso escolar, os jovens têm mais tempo livre e, portanto, muito mais horas para passar navegando pela rede no smartphone.

Um bom ponto de partida para tentar resolver essa questão é entrar em um acordo com o jovem, quanto ao tempo de uso do dispositivo e as tarefas que ele deve realizar. Dessa maneira, pais e filhos podem decidir em quais momentos podem ficar livres das telas e quais outras atividades podem realizar, para que a tecnologia não ocupe a totalidade do tempo livre nas férias.

Ler um livro, compartilhar uma atividade em família, ir a uma praça, a um clube, ao cinema, ao museu ou à casa de um amigo podem ser momentos apropriados para ficar livre da tecnologia e deixar o celular em segundo plano.

A respeito da relação dos mais velhos com os celulares dos filhos, é importante que os adultos estejam atentos à maneira que eles usam as tecnologias. Isso se reflete na necessidade dos pais de incorporar uma nova pergunta ao diálogo familiar: “O que você fez hoje na internet, quais páginas você conheceu, com quem se comunicou, houve algo de que você gostou ou não?” Essa é a melhor maneira de conhecer, saber e compartilhar o uso que os filhos fazem das tecnologias, conclui a consultora.

14:10 · 23.01.2019 / atualizado às 14:13 · 23.01.2019 por

Após a liberação do 7º lote do abono do PIS/Pasep, começaram a circular no WhatsApp 4 links maliciosos que supostamente oferecem a possibilidade para o usuário de consultar se tem o direito de recebê-lo. O golpe, identificado pelo dfndr lab, laboratório da PSafe especializado em cibersegurança, registrou mais de 200 mil detecções nas últimas 24h. A ação do cibercriminoso é muito similar a uma realizada em 2018, que alcançou 3,2 milhões de detecções em alguns dias.

Ao clicar em um dos links, o usuário acessa uma página na qual há um texto informando que a Caixa Econômica está liberando “PIS salarial pra quem trabalhou entre 2005 à 2018 no valor de R$ 1.223,20”. Logo abaixo, o usuário é incentivado a responder às seguintes perguntas: “Você trabalhou com carteira assinada entre 2005 a 2018?”; “Você está registrado atualmente?”; “Possui cartão cidadão para realizar o saque do benefício?”. Independentemente das respostas, o usuário é direcionado para uma página na qual é incentivado a compartilhar com 30 amigos ou grupos do WhatsApp.

Golpe do PIS é a nova onda dos cibercriminosos no WhatsApp

“Esse golpe se aproveita de um tema muito importante para milhões de brasileiros e por isso o número de pessoas atingidas tende a ser cada vez maior. É justamente por esse potencial de volume de acessos que o cibercriminoso direciona todos os que caem no golpe para uma página criada por ele na qual gera ganhos financeiros ilegalmente por meio de publicidade. Contudo, o maior prejuízo é a desinformação de milhões de pessoas que precisam desse benefício e podem ser diretamente prejudicadas”, comenta Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.

Para não cair em ameaças como essa, o especialista afirma ainda que é fundamental adotar medidas de segurança, como sempre checar se o link é verdadeiro ou não, o que pode ser feito aqui, e utilizar soluções de segurança que disponibilizam a função anti-phishing, como o dfndr security.

Também é vital que você se concentre e saiba que golpes e correntes são cena comum, infelizmente, no WhatsApp e na internet como um todo – bem como na vida real. Logo, fique atento a e-mails e links que chegam para você ou, no mundo real, pessoas que se aproximam de você com propostas boas demais para serem verdade. Tudo fácil demais pode e deve ser um golpe. Fique esperto!

07:20 · 22.01.2019 / atualizado às 10:46 · 22.01.2019 por

Quem vai se aventurar na telefonia móvel notou que, pelo menos, desde meados do ano passado, não é mais possível encontrar planos pré-pagos que duram 30 dias. Ou você faz um semanal ou desiste e corre para um plano pós-pago.

Antigamente, os planos pré-pagos eram uma boa saída para quem não queria ficar preso a uma conta de telefone celular. Eram flexíveis e durava bastante, até seus créditos expiravam, podendo ser renováveis por valores baixos. Porém, com a criação, pelas operadoras móveis, de planos semanais para os pré-pagos tudo isso acabou. Hoje, eles não valem mais a pena.

Para entender um pouco mais esse movimento, questionamos as 4 principais operadoras móveis do Brasil: Claro, Oi, TIM e Vivo. Destas, as 3 primeiras já nos responderam já a Vivo preferiu o silêncio total.

Oi

A empresa nos respondeu que, em outubro de 2018, a Oi lançou um novo conceito para o Oi Livre, plano da modalidade pré-pago da companhia, que passou a garantir ao cliente usufruir de seus benefícios de minutos para falar com qualquer operadora do Brasil (usando o 14 ou 31), internet e WhatsApp liberado, por 31 dias independente da recarga. Além do acesso ao WhatsApp, o cliente também tem acesso ao serviço Messenger, ambos para troca de mensagens (áudio, vídeo, foto, texto), sem desconto da franquia de internet. “Com esse avanço, a Oi garante seu diferencial: manter o cliente conectado o tempo todo. Afinal, o cliente usa o celular todo dia. Por que o benefício da recarga tem que acabar antes do final do mês? Os minutos e internet não utilizados podem ser acumulados para o mês seguinte se o cliente fizer nova recarga em até 24h após o fim da validade da oferta. O cliente Oi Livre tem também flexibilidade para trocar a franquia de voz por internet e vice-versa sempre que desejar e sem custo, pelo aplicativo Minha Oi. A companhia acrescenta que realiza a venda do Oi Livre no grande e pequeno varejo, como lojas de departamentos, bancas de jornais, farmácias, mercados, entre outros estabelecimentos”.

Porém, quando vamos na loja como consumidores isso não é o que é dito lá. Apesar do site também reforçar que é possível usar por um mês sem problema, as vendedoras insistiram em dizer que a carga contratada só dura 7 dias. E aí? Quem está falando a verdade?

Claro

Ao invés de responder nossas perguntas diretamente, uma a uma, a empresa optou por um release mais genérico. Começou falando que, em 2017, trouxe a inédita liberação do benefício das ligações ilimitadas para qualquer operadora do País. Mas e sobre os pré-pagos e a opção semanal ao invés da duração mensal? “A operadora acredita que mudanças nas ofertas Pré, com planos turbinados, refletem um novo momento do mercado. Este movimento é fruto do novo perfil dos clientes: cada vez mais seletivos, conectados e inquietos. Eles buscam o máximo de vantagem na hora de escolher o plano que cabe no bolso. A Claro segue atenta a essas mudanças. O Prezão da Claro oferece tudo o que o usuário precisa: navegar à vontade, falar muito e escolher se prefere pagar por dia ou por semana”, finalizou a nota.

Eu acredito que o poder da decisão devia ser dado ao cliente. E essa opção de compra semanal só seria válida se a duração do plano fosse até o fim do uso daquele valor contratado, ou seja, por exemplo, 1GB de internet. Caso contrário, você limita o cliente a um valor de R$ 9,90 e o força semanalmente a recarregar. Isso dá um plano de quase R$ 40. Tem como achar algo similar com muito mais vantagens.

TIM

Segundo a assessoria de imprensa, a TIM entende que as mudanças do mercado de telecomunicações são direcionadas pelo comportamento do cliente, mediante a sua necessidade de uso. “Sendo assim, antes de qualquer novo direcionamento na estratégia de atuação, a companhia escuta atentamente o público por meio de pesquisas e outros diversos canais de interação. Assim aconteceu com o segmento pré-pago, que recentemente passou por uma mudança importante. No sentido de trazer simplicidade para o dia a dia do cliente, seja no entendimento da oferta, na confiança da entrega dos serviços contratados e na própria experiência de uso, a empresa mudou o portfólio e inovou com o TIM Pré TOP. A premissa é a escolha dos serviços a partir do valor da recarga, o que facilita a decisão do cliente pelo melhor pacote de serviços”. Este plano tem valores a partir de R$ 1,43 (valor promocional) por 1 dia de uso até R$ 42,86 (valor promocional) por 30 dias de uso. Analisando sai um pouco mais caro que os da Claro e Vivo, por exemplo.

De acordo com a nota enviada pela assessoria, com o novo portfólio, o consumidor tem navegação ilimitada no WhatsApp, Twitter e Messenger, ligações ilimitadas para qualquer operadora do Brasil e pacote de internet para usar como quiser. Destaque para o acesso ao Facebook, que é ilimitado para os clientes TIM Pré TOP. Além disso, SMS (ilimitado para TIM e 100 para outras operadoras) e acesso ao TIM Empregos, plataforma que conta com dicas de especialistas para acelerar a carreira, cadastro de currículo e cursos de capacitação.

O problema é que quando você vai a uma loja da empresa o vendedor nem fala que conhece os planos. Aí tudo cai por terra. Segundo a mesma assessoria, a TIM treina todos os funcionários para indicar todas as opções para o cliente. Infelizmente, não foi isso que vimos. Parecia apenas que queriam fidelizar, como dizem no mercado de telefonia móvel, o cliente. Eu prefiro a definição de um colega: querem te prender em um plano fixo todos os meses. Não que isso seja exatamente ruim. Pode ser até bom. Mas você precisa ter a opção e é esse o problema todo.

 

10:21 · 21.01.2019 / atualizado às 10:58 · 21.01.2019 por

O WhatsApp liberou uma das 3 atualizações mais aguardadas para 2019: a redução de encaminhamentos de mensagens dentro do aplicativo. Agora, cai de 20 para 5 as mensagens que você poderá encaminhar. Porém, por enquanto, a novidade está disponível apenas para usuários beta. Ela chegará muito brevemente para todos via atualizações do aplicativo. Fique ligado!

WhatsApp já com a proibição do envio da mesma mensagem para mais de 5 pessoas

Para se tornar beta é bem simples: basta acessar a página de testador no Google Play e seguir os passos. Pronto. Novidades chegarão antes para você. Isso para usuários Android. Para usuários iOS, ou seja, iPhone da Apple terá que baixar primeiro o app TestFlight e aí só depois ganha o acesso ao beta. Mais complicado do que para smartphones Android, não é mesmo?

Para quem não tem beta a proibição é para o envio da mesma mensagem para mais de 20 pessoas

Voltando a novidade, ela é mais que bem-vinda: é extremamente necessária. Isso deve reduzir as fake news e as correntes irritantes que você recebe ou, se for seu caso, que você envia.

08:53 · 15.01.2019 / atualizado às 08:53 · 15.01.2019 por

A Apple e a Whatsapp liberaram em versão de testes um recurso muito aguardado pelos usuários, no caso, o bloqueio de conversas do WhatsApp via Touch ID ou Face ID, os padrões de segurança dos iPhones e iPads. A função já está em testes na versão 2.19.20 e logo mais estará em todos os aparelhos que atualizarem para a versão mais recente do WhatsApp.

A ideia é bem simples. Ao ser acionado, o WhatsApp irá solicitar um passo de segurança, como os dois nativos dos novos iPhones. A funcionalidade não precisará ser obrigatória e quem escolherá a sua ativação será o usuário. Quando liberada para todos, basta em ir em Ajustes > Conta > Privacidade > Face ID e escolher a opção.

Como ainda está em testes, o MacMagazine conseguiu as telas com um leitor deles, o Cadu Fernandes.

fonte da imagem: macmagazine

Ainda será possível escolher se a verificação será requisitada de maneira imediata ou se após algum tempo de uso do aplicativo, evitando que toda vez a verificação seja pedida causando incomodo ao usuário.

06:00 · 14.01.2019 / atualizado às 14:49 · 15.01.2019 por

Você teve o celular roubado e não quer que os criminosos tenham acesso aos dados ou usem o seu WhatsApp para enganar amigos e parentes? É simples resolver isso. Vamos te ensinar como retirar seu número do cartão SIM (chip) antigo e como recuperar o número no novo SIM.

Como tirar seu número do WhatsApp

1 – Ligue para a operadora e bloqueie seu número
2 – Envie um e-mail (em inglês) para support@whatsapp.com pedindo a suspensão da conta
3 – No e-mail, escreva seu telefone no padrão internacional. Ex: 55 ddd (como o 85 que é o de Fortaleza) xxxxx-xxxx.
4 – Instale um novo cartão SIM no telefone (você pode manter ou trocar o número neste momento.
5 – Ao instalar o app no telefone, você consegue reativar a conta no próprio WhatsApp

Mas como apagar a conta do WhatsApp?

1 – Abra o aplicativo WhatsApp
2 – Toque em Mais, depois em configurações e, por fim em apagar conta
3 – Digite o número do seu telefone no formato inernacional completo e toque em continuar na parte inferior da tela para apagar sua conta

09:02 · 09.01.2019 / atualizado às 10:05 · 09.01.2019 por

A última atualização disponível para o WhatsApp trouxe uma salutar mudança. Agora, você pode enviar mensagens privadas para um membro específico de um grupo de conversas.

Esta mudança já está ativa tanto para usuários iOS quanto para os de smartphone com o sistema Android, do Google.

Como fazer? Siga os passos:

1 – Com o aplicativo WhatsApp aberto, acesse o grupo desejado.
2 – Clique na mensagem que deseja responder em particular.
3 – Clique no ícone de 3 pontinhos no canto superior direito do app
4 – Selecione “Responder em particular”. Pronto. Você será redirecionado para uma nova tela para responder apenas a aquela pessoa.

Os passos para fazer a conversa particular

Fácil, não? Lembre-se, em 2019 ainda teremos mais mudanças aguardadas como “Modo férias” e “Economia de bateria”.

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Na Rede

Tendências, novidades e novos produtos para quem é apaixonado por tecnologia. Comportamento digital e redes sociais também em pauta. Por Daniel Praciano.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags