Busca

Tag: Anatel


14:04 · 01.11.2017 / atualizado às 14:04 · 01.11.2017 por

O serviço de internet fixa registrou 28.167.860 assinantes em setembro de 2017, aumento de 113.243 usuários (+0,40%) quando comparado a agosto, segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicaçoes (Anatel). Nos últimos 12 meses, a banda larga fixa apresentou aumento de 1.575.470 usuários (+5,92%).

Nos últimos doze meses, houve aumento de usuários de banda larga fixa em todos os estados do País. Os maiores percentuais foram registrados nos estados do Rio Grande do Norte, com 54.260 novos clientes (+20,01%); Ceará com 97.977 novos usuários (+16,42%) e Maranhão com 28.920 novos clientes (+13,64%).

Outros destaques
Em termos absolutos, na comparação entre agosto e setembro deste ano, a base de assinantes de São Paulo registrou 51.877 novos clientes (+0,53%), no Paraná o aumento foi de 14.042 (+0,72%), e em Minas Gerais foram registrados 12.147 novos clientes (+0,44%).

Prestadores
A prestadora Claro liderou o crescimento no mês de setembro em comparação a agosto, a empresa registrou 51.909 assinantes (+0,60%). Outras empresas que também obtiveram crescimento em setembro foram a Sercomtel, com 8.811 novos usuários (+4,84%), e a TIM, com 6.839 novos clientes (+1,76%).

Em comparação com o ano passado, a Claro Brasil apresentou aumento de 366.971 clientes (+4,37%) na sua base de assinantes. A operadora Vivo registrou 122.366 novos clientes (+1,63 %) e a TIM mais 78.109 usuários (+24,63%).

13:09 · 24.09.2017 / atualizado às 13:14 · 24.09.2017 por
À esquerda os modelos de iPhone 8 e à direita os modelos de iPhone 8 Plus

Segundo o site MacMagazine, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) já homologou os 3 novos modelos de iPhones que serão vendidos pela Apple no Brasil. Não há ainda os valores definidos. Vamos lá.

O modelo A1905 será o escolhido para o iPhone 8. O modelo A1897 será o do iPhone 8 Plus e o iPhone X terá o modelo A1901 comercializado em território nacional. Este trio é vendido nos EUA por AT&T e T-Mobile para quem não quer aguardar os novos smartphones chegarem ao Brasil e pensam em buscá-los nos EUA.

Ainda de acordo com o MacMagazine, esta foi a mais rápida homologação de iPhones feita pela Anatel. E isso pode sugerir que, ao invés de dezembro, possamos ter o trio antes.

Eu acho que os iPhones 8 e 8 Plus chegarão perto do fim de outubro e o X em meados de novembro. Porém, é apenas um chute.

O iPhone X chegará em novembro ao Brasil?
08:52 · 21.08.2017 / atualizado às 07:00 · 28.08.2017 por
O iPhone 6 Gold tem suporte no Brasil

Quando vamos a outro país, notadamente os EUA, sempre há esta dúvida se vale a pena comprar um eletrônico por lá por conta da garantia. Pelo preço, certeza que quase sempre vale. Mas pela garantia é outra conversa.

Consultamos as assessorias de 4 marcas internacionais que atuam fora e aqui no Brasil. Tanto a Lenovo quanto a Motorola, controladas pelo mesmo grupo, que afirmam que só dão suporte técnico por meio de seu Serviço de Atendimento e Vendas ao Consumidor apenas a produtos da marca produzidos e adquiridos no Brasil, ou seja, não dá para comprar lá fora e tentar suporte aqui. Portanto nada de tentar comprar o Moto Z2 Play nos EUA caso queira ter garantia no Brasil.

>>>Onde comprar iPhone com segurança no exterior

>>>Comprar computador no exterior vale a pena? Confira quem dá garantia mundial

A Samsung Brasil também não fornece garantia para smartphones comprados em outros países. Nada de achar que aquele Galaxy S8 comprado em Londres e com problema vai ter suporte em solo nacional.

Apple
Então está tudo perdido? Não há garantia internacional para nenhum smartphone? Não é bem assim. No caso da Apple, há suporte para seus smartphones no Brasil. Há algum tempo ela só dava suporte de 1 ano para os aparelhos que tinham sido licenciados por aqui pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Porém, como aconteceram alguns processos na Justiça, a gigante acabou aceitando e agora é possível resolver problemas diretamente com o suporte da Apple.

Apesar disso, quando liguei para o suporte da Apple, no final do ano passado, para saber da troca do meu aparelho, eles pediram sim o código dele atrás para saber se ele havia sido homologado pela Anatel. Então, para evitar dores de cabeça, consulte que modelos são aprovados pela Agência aqui antes. No caso dos mais recentes aparelhos da Apple (iPhone 7 e 7 Plus), os homologados da Anatel são: A1778 (iPhone 7) e A1784 (iPhone 7 Plus).

Atualização – Segundo e-mail enviado pela assessoria de imprensa da Apple “todos os aparelhos são contemplemos, conforme o link enviado anteriormente”. O e-mail trazia o seguinte link.

Chineses
Os aparelhos chineses, apelidados de “xinglings” por aqui e que não têm nem representantes no Brasil, podem ser comprados via internet. Porém, eles não têm suporte algum. Há casos até de vendedores que aceitaram ressarcir os clientes pelo aparelho com defeito ou trocaram o defeituoso por um novo, mas isso não é regra. Até porque a viagem é longa para chegar ao Brasil e ainda tem uma possível taxação pela Receita Federal. Além disso, o produto pode chegar quebrado. O preço destes aparelhos e configurações, geralmente, são bem melhores que muitos aparelhos locais e isso é um atrativo. Mas, é sempre bom pesar os prós e os contras.

Asus

Segundo a assessoria de imprensa da Asus no Brasil, só há garantia produtos da Asus comprados em território nacional.

Anatel contra xinglings
A Anatel já avisou que irá suspender, a partir de setembro, os celulares considerados irregulares. A medida visa impedir que dispositivos sem certificação da Agência sejam ativados e usados no Brasil. Somente os novos, comprados a partir de 1º de setembro, serão bloqueados. Os antigos seguem em funcionamento. Isso deve afetar diretamente os chineses ou “xinglings”. Veja matéria completa aqui.

13:30 · 11.08.2017 / atualizado às 13:51 · 11.08.2017 por
Moto X 4 deve ser apresentado no dia 24

Dia 24 de agosto haverá, em São Paulo, evento da Motorola. Não há confirmação do tema, mas a suspeita é que irão apresentar o Moto X4 que teve sua homologação aprovada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Não há confirmação oficial da configuração do smartphone, mas ele deve ter processador Snapdragon 660, 4GB de RAM e 64GB de armazenamento interno. Entrada para fone de ouvido, tela AMOLED de 5,2 polegadas Full HD.

A bateria deverá ter 3.000 mAh, na parte frontal virá o sensor de impressão digital.

O sistema de câmera dupla terá sensores de 8 megapixels e 12 megapixels. Já a câmera frontal terá 16 megapixels.

Minha aposta é que o produto chegue com preço inferior a linha Z, mas superior a linha G. Veremos.

06:21 · 11.08.2017 / atualizado às 12:30 · 14.08.2017 por
Equipamentos que serão usados na internet via satélite da HughesNet

O serviço de internet via satélite da HughesNet, empresa com sede nos EUA, já está disponível no Brasil e quem mora em Fortaleza já tem acesso ao serviço. Quase 1,3 milhão de assinantes nos EUA e reconhecido pela FCC, a Anatel dos EUA, como a melhor se comporta com relação a velocidade entregada.

A partir de R$ 219,90/mês mais taxa de adesão de R$ 99 você tem acesso a internet via satélite de 10 Mega de velocidade de download, 1 Mega para upload, franquia principal de 15 Giga e franquia extra de 20 Giga. Não há bloqueio de internet, mas redução da velocidade quando a internet esgota a franquia.

Para sabermos mais sobre a qualidade deste serviço, entrevistamos, por telefone, o presidente da empresa no Brasil, Rafael Guimarães. A primeira questão levantada foi a qualidade e estabilidade da internet via satélite. Temos exemplos de TV por assinatura que, durante dias de chuva, perdem o sinal ou ficam com qualidade baixa. O presidente da HughesNet Brasil afirmou que a empresa usa tecnologia superior e que suporta bem mais tempo chuvas pesadas que já teriam tirado do ar o sinal das TVs por satélite.

Com relação a suporte técnico, Guimarães garante que o atendimento 24 horas, 7 dias na semana tem resposta muito boa. “Temos a média de 20 segundos para o cliente chegar até um atendente humano e resolver seu problema”, afirmou.

Guimarães também assegura que nas cidades onde a HughesNet atende há toda uma equipe de terceirizados para dar suporte ao cliente quando não há como resolver remotamente.

Instalador na casa de um cliente da HughesNet, posicionando a antena voltada para o satélite da empresa

Com relação ao preço acima da média da concorrência, o presidente lamenta o valor, mas explica que ele é respaldado por toda a tecnologia e infra-estrutura envolvida para atender o cliente. Ele admite que não há como rivalizar com outras empresas que oferecem cabo em grandes cidades e que a meta é atender bem onde não há outros serviços de banda larga para a população ou os serviços não são prestados com qualidade.

Aplicativo

Já disponível para usuários do sistema Android e, em breve, para iOS, o aplicativo da HughesNet promete agilizar a vida dos usuários com segunda via da conta e o controle da franquia.

Ceará
Com relação ao Ceará, Guimarães reforçou que a meta é atender todo o Estado em até 4 anos. Hoje, São 138 no total (veja lista abaixo). Entre os municípios atendidos estão cidades como Fortaleza, Aracati, Eusébio, Itapipoca, Guaramiranga e Maracanaú.

Outros números da HughesNet Brasil:

– 82% da base de assinantes da HughesNet está em cidades com até 50 mil domicílios;
– de todos os domicílios da cobertura HughesNet, 30% está no Nordeste;
– cobrem 92% dos domicílios do Nordeste;
– de todos os domicílios da cobertura HughesNet, 4% estão no Ceará;
– cobrem 86% dos domicílios do Ceará;
– a base de assinantes ativa corresponde a 2% dos domicílios do Ceará.

Por fim, reforçando que não chegamos a testar o produto e não podemos confirmar se a tecnologia deles suporta ou não chuvas intensas a ponto de aguentar e segurar a qualidade da conexão como prometido. Também não temos como dizer se a qualidade do serviço é tanta ao ponto de valer a pena o valor que é bem superior ao mercado. Para quem tem banda larga com cabo de fibra óptica é bem melhor ficar com o serviço fixo, pois o satélite pode sim ter variação superior ao cabo. Mas em lugares que não há outra opção, talvez seja interessante analisar a opção da HughesNet.

A lista de cidades atendidas no Ceará:
Limoeiro do Norte
Russas
Crateús
Aracati
Tianguá
Itapipoca
Canindé
São Benedito
Sobral
Pacatuba
Viçosa do Ceará
Quixeramobim
Nova Russas
Santa Quitéria
Tabuleiro do Norte
Pentecoste
Maranguape
Camocim
Ipu
Morada Nova
Santana do Acaraú
Paraipaba
Jaguaribe
Beberibe
Itapagé
Jaguaruana
Itarema
Novo Oriente
Acopiara
Ipueiras
Palhano
Frecheirinha
Senador Pompeu
Reriutaba
Icapuí
Pedra Branca
São João do Jaguaribe
Trairi
Ocara
Ubajara
Mombaça
Quixadá
Ibiapina
Massapê
Guaraciaba do Norte
Alto Santo
Mucambo
Granja
Coreaú
Fortim
Itaiçaba
Forquilha
Paracuru
Baturité
Hidrolândia
Irauçuba
Aquiraz
Quixeré
Eusébio
São Gonçalo do Amarante
Amontada
Capistrano
Marco
Iracema
Bela Cruz
Caridade
Umirim
Redenção
Jaguaribara
Morrinhos
Aracoiaba
Monsenhor Tabosa
Milhã
Itatira
Madalena
Tejuçuoca
Deputado Irapuan Pinheiro
Jaguaretama
Banabuiú
Cascavel
Pindoretama
Pacajus
Varjota
Boa Viagem
Ibaretama
Orós
Ararendá
Horizonte
Tamboril
Piquet Carneiro
Poranga
Icó
Barreira
Independência
Palmácia
Meruoca
Itaitinga
São Luís do Curu
Acarapé
Solonópole
Pacoti
Pereiro
Cariré
Ererê
Carnaubal
Graça
Catunda
Uruburetama
General Sampaio
Potiretama
Guaiúba
Chaval
Choró
Itapiúna
Quixelô
Croatá
Martinópole
Tururu
Alcântaras
Chorozinho
Apuiarés
Aratuba
Uruoca
Pacujá
Guaramiranga
Senador Sá
Groaíras
Barroquinha
Ibicuitinga
Ipaporanga
Miraíma
Moraújo
Mulungu
Paramoti
Pires Ferreira
Fortaleza
Caucaia
Maracanaú

07:13 · 19.07.2017 / atualizado às 14:27 · 20.07.2017 por

O serviço de banda larga fixa (internet fixa) contava com 27.469.555 milhões de assinantes até o final de maio deste ano, foram mais 163.398 mil clientes um aumento de 0,60%, se comparado ao mês anterior. Nos últimos doze meses, foram adicionados à rede 1.419.082 milhão de clientes (+5,45%).

Segundo dados da Anatel, no Ceará a elevação foi de 32.196 mil (+5,12%). O Estado, aliás, é o segundo do Nordeste em números absolutos de usuários de banda larga fixa com 661.379. A Bahia é o Estado com mais usuários: 826.835. Em termos nacionais, o Ceará ocupa a nona colocação entre os estados com mais gente com acesso a banda larga fixa.

Se você analisar que o Estado do Ceará tem 8.842.791, ter cerca de 13,37% ainda é pouco. Vejo que há muita dificuldade das empresas em expandir os pontos com cabos para banda larga fixa. Porém, as pequenas empresas estão crescendo e ganhando espaço nos bairros descartados pelas grandes. Talvez a questão seja também por conta dos preços dos serviços ou por conta ainda da questão da internet móvel em celulares que está melhorando a qualidade e muita gente hoje nem liga muito.

Nos demais estados, entre abril e maio deste ano, a base de assinantes de Minas Gerais aumentou 41.406 mil novos clientes (+1,55%), e no Rio Grande do Norte 27.779 mil (+9,91%). Nos últimos doze meses, houve aumento de usuários em todos os estados. Os maiores percentuais foram registrados nos estados de São Paulo, com 248.014 mil novos clientes (+2,63%); Minas Gerais com 207.821 mil (+8,28%) e Rio Grande do Sul com 135.237 mil (+8,56%).

A prestadora Vivo liderou o crescimento no mês de maio, se comparado ao mês anterior, foram mais 28.073 mil novos assinantes (+0,37%). A Tim apresentou uma elevação de 10.219 mil (+2,96%), seguida pela Sky com 6.069 mil (+1,77%).

Em comparação com abril de 2016, a Vivo teve um aumento de (+1,89%) na sua base de assinantes, foram mais 140.435 mil. A Tim registrou 57.135 mil novos clientes (+19,15%), e a operadora Claro mais 332.367 mil (+4,03%).

 

12:20 · 07.07.2017 / atualizado às 12:20 · 07.07.2017 por

A Anatel liberou o licenciamento de estações do serviço de telefonia móvel (Serviço Móvel Pessoal – SMP) na faixa de 700 MHz para mais 156 cidades brasileiras. Com isso, agora já são mais de 1,8 mil cidades aptas a utilizar essa faixa para a prestação da banda larga móvel, dentre elas 12 capitais: Aracaju/SE, Boa Vista/RR, Brasília/DF, Campo Grande/MS, Cuiabá/MT, Fortaleza/CE, Macapá/AP, Natal/RN, Palmas/TO, Recife/PE, Rio Branco/AC, Teresina/PI.

O licenciamento de estações na faixa de 700 MHz, nesse momento, é fruto do trabalho realizado no âmbito do Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired) para a antecipação do desligamento do sinal analógico de televisão em algumas localidades e consequente liberação dessa faixa para utilização das operadoras do serviço móvel em tecnologia de quarta geração (4G).

Para possibilitar a convivência harmônica entre os serviços de televisão e de telefonia móvel, a Anatel realiza estudos de viabilidade técnica nos municípios a serem liberados para evitar interferências entre os serviços. Tal estudo é aprovado pelo Gired, grupo presidido pela Agência e que conta com a participação da Secretaria de Radiodifusão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, além das associações representativas das empresas de radiodifusão e das prestadoras de serviços de telecomunicações vencedoras do processo licitatório da Anatel que conferiu o uso da faixa de 700 MHz.

A partir da aprovação do Gired, a Entidade Administradora do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV inicia um estudo preventivo de mitigação de eventuais interferências e, após o encerramento dessa atividade, a Anatel libera o licenciamento das estações.

Todo o trabalho vinculado à migração para o sistema digital de TV está inserido em um contexto maior de política pública governamental que tem por objetivo proporcionar a melhoria da qualidade do sinal de televisão para os brasileiros e, também, possibilitar maior qualidade, velocidade de conexão e cobertura para o serviço de banda larga móvel proporcionadas pela telefonia 4G na faixa de 700 MHz, permitindo, assim, a inclusão digital para a população enquadrada nas classes C, D e E no País.

07:05 · 06.07.2017 / atualizado às 07:11 · 06.07.2017 por

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) realizou nesta quarta-feira, dia 5/7, o Seminário “Conecta Brasil” de expansão da banda larga pelos provedores regionais. Participaram da abertura do evento o presidente da Agência, Juarez Quadros; o conselheiro do órgão regulador Aníbal Diniz; o diretor da Associação Brasileira de Internet (Abranet), André Costa; e o diretor de Regulação e Legislação da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Carlos Godoy. Cerca de 60 pessoas acompanharam o seminário no auditório da Agência em Brasília e mais 140 pela internet.

No período da manhã, o presidente Juarez Quadros disse que são mais de 27 milhões de acessos à banda larga no país e que os provedores regionais representam uma importante fatia desse mercado, atuando em locais onde as grandes operadoras ainda não chegaram. Ele afirmou que já ouviu depoimentos de usuários falando de sua preferência pelos pequenos provedores, por ser mais fácil a solução de seus problemas. “A Agência tem o máximo interesse em prestigiar os pequenos provedores”, disse.

O conselheiro Aníbal Diniz afirmou que os provedores regionais têm contribuído muito para o desenvolvimento do setor e, mesmo num momento de crise, esse segmento não parou de investir. No final de 2014, os provedores regionais já detinham 10% no mercado da banda larga no país. No final do ano passado, essa participação aumentou para 13% e agora em 2017 já está em 15%. São cerca de 6 mil provedores atendendo a mais de 4 milhões de assinantes, quando se inclui os grupos Algar, em Minas Gerais, e Sercomtel, no Paraná.

André Costa da Abranet falou de duas dificuldades do setor: o financiamento e os preços pelo uso dos postes, que varia de R$ 3 a R$ 20. Para ele, o custo de manutenção precisa ser revisto. O diretor da Abrint disse que órgão regulador de telecomunicações deve equilibrar a balança competitiva e que apesar da Anatel e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) terem acertado um preço de referência, as empresas “continuam a pagar preços absurdos”.

Perspectivas Globais – O superintendente de Outorgas da Anatel, Vitor Menezes, disse que o Brasil ocupa a 7ª posição em banda larga no mundo e que a estimativa é que a banda larga cresça 60% até 2020. Segundo ele, os principais desafios são a grande demanda por mais serviços e o cuidado extra com segurança da informação. Vitor acredita que a dispensa de outorga estabelecida pela Agência para provedores com até 5 mil acessos cabeados vai servir de portal de entrada de novos pequenos provedores.

No período da tarde, o diretor do Escritório Regional da União Internacional de Telecomunicações (UIT) para as Américas, Bruno Ramos, informou que a tendência regulatória no mundo é a da ampliação do espectro não licenciado para comunicações terrestres e que, no longo prazo, os provedores regionais podem levar este fato em consideração na estruturação de seus negócios. Para ele, apesar de os principais objetos da ação regulatória serem atualmente o preço dos serviços e o espectro utilizado, isto deve ser alterado para a proteção de dados, a internet das coisas e a segurança cibernética. Ele também acrescentou que a UIT realiza ações para ampliar a participação dos pequenos provedores em Pontos de Troca de Tráfego, que permitem às empresas de Internet conectar seus servidores para a troca de informações.

Regulação

O gerente de regulamentação da Anatel, Nilo Pasquali, orientou os participantes do seminário a acompanhar a reavaliação do modelo de outorga e licenciamento dos serviços de telecomunicações, a abertura de consulta pública está em análise no Conselho Diretor da Anatel. Há a possibilidade de que o processo simplifique as outorgas, permitindo uma única autorização para diversos serviços de telecomunicações. Ele também informou que o órgão regulador estuda alterar a definição de Prestadora de Pequeno Porte (PPP), empresas com até 50 mil acessos de acordo com as regras atuais, por uma definição mais estável. “Todos acham que 50 mil é um limite muito baixo, que passa de uma situação de pouca regulação para regulação plena. Não é um cenário desejável para os pequenos e não é também para a Anatel”, disse.

A superintendente de Planejamento e Regulamentação da Agência, Maria Lúcia Bardi, apresentou informações do mapeamento de infraestrutura de telecomunicações realizado pelo órgão regulador. Os dados apresentados informam que 86% da população brasileira se concentram em 58% dos municípios que são atendidos com fibra ótica. Dos municípios sem fibra, 54% estão na Região Norte e Nordeste. A proposta da Anatel é levar fibra a 95% dos municípios e conexão de alta capacidade por rádio ao restante, afirmou.

O presidente da Telebrás, Jarbas Valente, informou que a empresa deve começar a vender a capacidade do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) em outubro deste ano. Vitor Menezes disse que esta é uma solicitação constantemente apresentada a ele pelos pequenos provedores. O SGDC pode prover serviços de Internet a todo o território brasileiro. Valente também propôs que os fundos de investimentos do setor de telecomunicações sejam alterados para financiarem a construção de uma infraestrutura de conexão de alta velocidade (backhaul) nos municípios brasileiros.

Sici

Maria Lúcia, durante o seminário, informou que muitos provedores regionais de banda larga fixa não estão encaminhando os dados ao Sistema de Coleta de Informações (Sici) de acordo com a regulamentação. A precisão dos dados é importante para elaboração das políticas públicas e um correto mapeamento do setor. “A evolução é constante e se você não estiver dentro das regras a tendência do negócio é acabar. Se você fizer da melhor maneira possível, a tendência é que se solidifique”, alertou.

O diretor técnico da Solintel, empresa especializada no assessoramento de prestadores de serviços de telecomunicações, Lacier Dias, sugeriu que os Termos de Ajustamento de Conduta estabelecidos pela Anatel incluam financiamento aos provedores regionais. Além disso, o Sici poderia indicar a evolução do provedor e ser utilizado pelo sistema bancário para análise de financiamento. Segundo ele, assim o provedor teria um incentivo à precisão dos dados.

Participação

Bruno Ramos analisou que a organização dos pequenos provedores na Argentina, no Peru e no Equador tem permitido um contato profissional com os promotores das políticas públicas. Para ele, se os pequenos provedores brasileiros não se organizarem, será difícil negociar. “Outros países têm entidades únicas, o Brasil tem várias.”

Em relação à organização dos pequenos provedores, Maria Lúcia apresentou o projeto de estruturação do Comitê de Prestadoras de Pequeno Porte junto à Anatel, cujo objetivo é propor alterações na regulamentação, remoção de barreiras aos pequenos, ações de redução de desigualdades regionais e consolidação das demandas do setor.

Fonte: Anatel

11:33 · 25.06.2017 / atualizado às 11:33 · 25.06.2017 por

Assim como a TIM, a Claro afirmou que já está testando a conexão banda larga móvel de frequência de 700 MHz há algum tempo. No caso da operadora Claro, desde 2015 quando testou a frequência na cidade de Anápolis, em Goiás. Em dezembro desse mesmo ano foi a vez de Rio Verde/GO, primeiro município brasileiro a desligar o sinal analógico de TV. “A ativação do 700MHz e a introdução da tecnologia 4,5G colocam a prestação do serviço móvel pessoal num novo patamar”, garante comunicado da Claro enviado por e-mail.

Recentemente, a Claro realizou a implantação do 4,5G em Brasília, primeira capital a liberar a faixa de 700 Mhz para uso em telefonia móvel. As primeiras células de transmissão com a nova tecnologia foram ativas assim que a Anatel liberou a utilização do novo espectro, garante comunicado enviado pela Claro. Também conhecida como LTE-Advanced Pro, permite que se agregue várias faixas de frequência na mesma portadora da estação radiobase (ERB). Com isso é possível usar o sinal de modo mais eficiente e obter melhor uso dos recursos da rede, garante a assessoria de imprensa da operadora.

A operadora reforça que todos os usuários com aparelhos 4G, mesmo que não suportem a agregação das faixas, usufruirão o benefício de ter mais capacidade na rede, utilizando ou não as novas faixas de frequência implantadas. Isso acontece porque os celulares compatíveis passam a transmitir na nova frequência e a demanda sobre a antiga diminui, dando maior capacidade de transmissão para todos.

Sobre quando a frequência de 700 MHz estará disponível em Fortaleza, a assessoria de imprensa da Claro informa que a ampliação do 4,5G depende das liberações da faixa de 700MHz que está ligado diretamente ao desligamento da TV analógica e limpeza da faixa de espectro de 700 MHz.

“Todo este processo segue o cronograma do Gired e, diante disso, a Claro entende que se o cronograma não for afetado a expansão seguirá como planejado. Além disso, é necessário fazer investimentos e implantar novos equipamentos nas torres de transmissão das cidades onde a frequência nova é liberada”, finaliza a operadora.

09:00 · 11.10.2016 / atualizado às 09:13 · 11.10.2016 por
iPhone 7
iPhone 7

Segundo o MacMagazine, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) homologou 12 modelos de baterias dos iPhone 7 e 7 Plus e, desta forma, oficializou que modelos serão vendidos no Brasil, em breve.

Os modelos escolhidos são o A1778 para o iPhone 7 e o A1784 para o 7 Plus (os mesmos comercializados por AT&T e T-Mobile nos EUA).

>>>Apple apresenta iPhone resistente a água, com duas câmeras traseiras no 7 Plus, Watch Series 2, entre outras novidades

>>>>Você sabia? Qualquer iPhone 7 ou 7 Plus comprado no exterior é compatível com o 4G brasileiro

Não há nenhuma informação sobre preço, ainda. As estimativas são as piores possíveis, ou seja, preços bem superiores a R$ 4 mil para o modelo básico do iPhone 7. Imagina aí o preço do iPhone 7 Plus…

O lado bom dessa história é que eles já começam em 32 GB de armazenamento, ao menos.