Busca

Tag: Android


06:14 · 02.08.2018 / atualizado às 13:19 · 01.08.2018 por
Samsung Galaxy Tab S4

A Samsung anunciou, mundialmente, nesta quarta-feira, 1º de agosto, o Galaxy Tab S4, um tablet Android 2-em-1. Nos EUA o produto já está em pré-venda em redes como Amazon, Best Buy e Samsung Store. A chegada oficial ficou para 10 de agosto lá fora. Aqui no Brasil não há data certa para o produto ser disponibilizado no mercado.

Lá fora, o Tab S4 – versão WiFi – começa em US$ 649,99. Já a versão LTE chega dia 10/8 com a operadora Verizon por US$ 850. Outras concorrentes de telefônica dos EUA, como Sprint, deverão ter o produto ainda no terceiro semestre pelo mesmo preço. Já no Brasil, também não há previsão de preço nem para o modelo WiFi e muito menos para a versão LTE.

Voltando a falar do Tab S4 no exterior, se o consumidor comprar na pré-venda, leva a Samsung Dex, a capa teclado, com 50% de desconto. Lá fora, ela é vendida em separado por US$ 149,99). Aqui também é vendida em separado e, por enquanto, não há notícia de que teremos o tal do desconto.

Produtividade
Pela primeira vez, a Samsung traz o Samsung DeX para um tablet. Quando conectado a Capa teclado (vendida separadamente) ou utilizado a partir do Painel Rápido, o Galaxy Tab S4 dá a opção aos usuários de mudar a interface Android para uma experiência de desktop.

Com o Samsung DeX, você pode abrir várias janelas de aplicativos Android no formato de desktop, incluindo o pacote Microsoft Office o qual o usuário poderá diretamente redimensionar sempre que for preciso.

Se precisar de mais tela, há também uma opção para estender o Samsung DeX a um monitor externo com um adaptador compatível HDMI para USB-C (não incluído). Quando conectado, o Galaxy Tab S4 pode servir como um painel de toque (track pad) ou um editor gráfico (sketch pad). E a novidade deste ano: o Galaxy Tab S4 pode continuar a trabalhar como um tablet Android totalmente funcional, dando aos usuários duas telas para realizar suas tarefas.

O Galaxy Tab S4 se mantém em atividade graças a uma bateria de 7.300mAh que proporciona até 16 horas de reprodução de vídeo.

O Galaxy Tab S4 vem equipado com a Samsung S Pen. Com ela será possível fazer anotações, mesmo com a tela desligada, usando o recurso da Escrita com a Tela Apagada, bem como navegar, traduzir e organizar notas através do Samsung Notes, e até mesmo enviar textos personalizados usando o Samsung Live Message.

Tela
O Galaxy Tab S4 tem tela de 10,5 polegadas com tecnologia Super AMOLED, além de uma proporção de 16:10 com resolução de 2560×1600 e 287 pixels por polegada (PPI). Quando se trata de áudio, o Galaxy Tab S4 também vem com quatro alto-falantes com tecnologia de som imersivo AKG e Dolby Atmos.

Ficha técnica
O tablet da Samsung tem 4GB de memória RAM e modelos ou com 64GB de armazenamento interno ou 256GB. Ambos expansíveis até 400GB com cartão microSD.

06:25 · 31.07.2018 / atualizado às 12:48 · 30.07.2018 por

Não é de hoje que os usuários sabem dos inúmeros ataques que podem torná-los vítimas de cibercriminosos. O Android é o sistema operacional móvel mais popular, o que explica que o motivo da existência de um malware para esse sistema operacional ser o mais comum. Quando se trata da segurança dos nossos dispositivos conectados, é essencial protegê-los desde o início e estar ciente dos diferentes métodos que os criminosos usam para enganar os usuários e infectar os dispositivos.

Outra razão pela qual os usuários deste sistema operacional estão mais expostos é porque o Android permite a instalação de aplicativos de qualquer origem, não apenas da loja oficial (como no iOS). De acordo com uma investigação da Kaspersky Lab, 83% dos aplicativos do Android têm acesso aos dados confidenciais de seus proprietários, e 96% desses aplicativos podem ser iniciados sem o consentimento.

“Não podemos negar que os cibercriminosos são muito criativos e, por isso, os usuários não podem facilitarem, mesmo que indiretamente, esses golpes, fornecendo mais informações do que se deve”, alerta Thiago Marques, analista de segurança da Kaspersky Lab. “Muitos não pesquisam sobre o app e, só baixam por estar em alta. É por isso que é preciso se informar mais e mais, entender o quão pesado é aquele app e se é realmente é necessário baixa-lo”, reforça.

Desta forma, a Kaspersky Lab separou algumas dicas para que os usuários não sejam vítimas de suas próprias atitudes e evitem ao máximo caírem em golpes:

1. Como baixar um app seguro?
O Google possui um departamento inteiro dedicado a verificação de aplicativos que acabam na Google Play. Entretanto, o malware ainda consegue passar vez ou outra. Ainda assim, o risco de baixar um aplicativo infectado diretamente da loja oficial é muito menor do que de qualquer outra fonte.

2. É só baixar e pronto?

Antes de fazer o download, procure saber mais detalhes sobre a descrição do aplicativo e sobre os criadores, além de outros trabalhos que eles tenham realizado.

3. O app é nota 10. Qual o problema?

Um aplicativo com notas altas é bom, útil e provavelmente mais seguro, mesmo assim, fique atento. Uma nota alta não é tudo e as avaliações precisam parecer consistentes, escritas por pessoas de verdades e não bots, inclusive as negativas – às vezes, os cibercriminosos usam Trojans para melhorar a avaliação de aplicativos. Além disso, olhe o número de usuários – aplicativos com milhões de downloads tem menos chances de serem malware.

4. O que o seu app precisa saber sobre você?

A partir do sistema de permissões, o usuário consegue controlar o quanto de liberdade terá um aplicativo. Por exemplo, seu novo app precisa mesmo ter acesso à sua câmera? E ao seu microfone? Os perigos mais comuns envolvem a habilidade de aplicativos de roubar seus dados (localização, contatos, arquivos pessoais) e realizar certas operações como tirar fotos, gravar áudio, vídeos, enviar mensagens, entre outros. Segundo a Kaspersky Lab, aproximadamente 40% das pessoas na América Latina admitem que não verificam as permissões de seus aplicativos móveis pré-instalados em seus dispositivos Android e iOS, e 15% deles não verificam as permissões ao baixar ou instalar novos aplicativos em seus dispositivos móveis.

5. Menos é mais

Essa frase se aplica no mundo online também, já que quanto menos aplicativos o usuário tiver no seu dispositivo, menos chances de ter estragos.

6. “A última vez que atualizei…”

Quanto mais atualizado estiver o sistema operacional e as versões dos aplicativos, menos problemas de segurança o usuário enfrentará em seu dispositivo. Por isso, as atualizações devem ser regulares. “Mais do que ter a tecnologia a seu favor, os usuários precisam estar conscientes dos perigos que estão no mundo online para evitá-las e das melhores formas para se protegerem”, afirma Marques.

7. Segurança em dose dupla

A autenticação de dois fatores é um recurso oferecido por vários prestadores de serviços online que acrescentam uma camada adicional de segurança para o processo de login da conta, exigindo que o usuário forneça duas formas de autenticação. A primeira forma – em geral – é a sua senha. O segundo fator pode ser qualquer coisa, dependendo do serviço. O mais comum dos casos, é um SMS ou um código que é enviado para um e-mail.

8. Minha senha é 1234

“Não tem como os usuários garantirem segurança se não começam com uma grande proteção como uma senha forte”, reforça Marques. “Informações mais óbvias como data de nascimento, cantor favorito, entre outras que sejam fáceis de qualquer pessoa saber, não devem ser colocadas como senhas”. Por isso, para que uma senha seja segura, ela deve ser única e complexa; em particular, deve ter pelo menos 15 caracteres de comprimento e combinar letras, números e caracteres especiais – o que dificulta os cibercriminosos de adivinharem.

9. Opa, Wi-fi sem senha

Verifique se a sua conexão com a Internet é segura. Ao conectar-se a um site público utilizando uma rede Wi-Fi pública, você não possui controle direto sobre sua segurança. Portanto, use uma rede privada virtual (VPN), como o Kaspersky Secure Connection, quando tiver dúvidas sobre a segurança da rede Wi-Fi. Esta ferramenta impede a intercepção de informações, pois criptografa todos os dados enviados e recebidos na rede. É essencial não fazer compras online ou transações bancárias enquanto estiver conectado a uma rede Wi-Fi pública. Certifique-se de usar uma Rede Privada Virtual (VPN), pois todas as informações que você enviar nesta rede serão protegidas. Além disso, use ferramentas que permitem fazer compras on-line seguras e transações bancárias para PC ou Mac.

10. Preciso mais do quê?

Seja qual for o objetivo do seu download, garanta que seu dispositivo tenha uma solução de segurança confiável, como o Kaspersky Internet Security para Android. Ele permite a verificação de aplicativos, além do recurso antirroubo – que permite ao usuário ativar o alarme remotamente, fotografar o suposto ladrão, bloquear o aparelho e apagar todas as informações.

07:24 · 29.07.2018 / atualizado às 09:37 · 29.07.2018 por

Neste mês de julho, uma nova plataforma de e-learning chegou ao Brasil para atender à demanda por qualificação no mercado digital: a Next U, especializada em oferecer cursos nas habilidades mais demandadas, atualmente, no mercado de trabalho. Para o lançamento no Brasil, serão disponibilizados seis cursos nas áreas de Marketing Digital (Marketing de Conteúdo e Mídias Sociais); Desenvolvimento Web (Formação Front-end e Aplicativos Híbridos) e Desenvolvimento Mobile (Android: Fundamentos e Aplicativos Híbridos). Posteriormente, serão incluídos novos cursos à plataforma. Os valores dos cursos variam entre R$150 e R$400 de acordo com o curso/pacote adquirido e também a duração da licença.

Esta é a mais nova aposta do CEO e fundador da Open English, Andres Moreno. “A Next U ajuda o mercado a preencher o gap de profissionais capacitados em tecnologia digital. É a plataforma de e-learning com o melhor custo-benefício, já que oferece certificado nas qualificações mais requisitadas pelo mercado para quem precisa atualizar seus conhecimentos profissionais ou para quem busca uma recolocação e uma oportunidade nas áreas que estão em crescimento”, explica Moreno, cofundador e CEO da Next U.

A plataforma existe desde 2013, quando foi lançada para os Estados Unidos e demais países da América Latina, com cursos em oito áreas: Marketing Digital, Desenvolvimento Web, Desenvolvimento Mobile, Design, Empreendedorismo, TI, Negócios Digitais e Cloud Computing. Em todo o mundo, ao todo, já são mais de 33 mil alunos matriculados nos cursos da Next U.

Um dos diferenciais é a disponibilidade de tutores via chat, respondendo dúvidas em até cinco minutos. O conteúdo é desenvolvido por especialistas no assunto e é composto por exercícios práticos. Não é necessário ter conhecimento prévio para iniciar os cursos e é possível criar portfólio com os exercícios trabalhados. Todos os cursos oferecem certificado.

Crescimento
Para o ano de 2018, espera-se um crescimento de 25% de matrículas na América Latina, comparado a 2017, o que reforça o foco do investimento e interesse da companhia pelo mercado latino. Contando com o Brasil, a estimativa sobre para 30%, no mesmo período.

Com relação aos investimentos digitais na América Latina, houve aumento de 72% no primeiro semestre de 2018, em comparação com o mesmo período de 2017. “Estamos certos de que o Brasil vai se tornar um dos mercados-chaves para a Next U e seguiremos em frente investindo aqui assim como temos feito com os demais países da América Latina, onde oferecemos nossos serviços”, adiantou Moreno, que ainda falou sobre os investimentos da Open English. “Planejamos aumentar nosso investimento digital, da Open English e da Next U, em mais de 150% no Brasil, em 2018. Além disso, temos também a previsão de 158% de aumento de propaganda em TV para as duas marcas”, finaliza Moreno.

08:33 · 01.06.2018 / atualizado às 08:40 · 01.06.2018 por
O uso do mobile banking é muito mais seguro do que você pensa

Se você ainda perde tempo em fila para pagar contas está fazendo tudo errado. Há inúmeras maneiras para se livrar desta perda de tempo e uma está bem aí no seu bolso ou na sua mão. Trata-se do seu smartphone. “Mas eu posso ter minha conta invadido por hackers”. Se você acessar sites de pirataria ou outros tipos de páginas suspeitas, se vive clicando em vídeos ou links que qualquer um te envia – ainda mais via aquele grupo de WhatsApp – certamente já pode ter sido infectado. Porém, há como proteger seu aparelho mesmo se você não tiver uma conduta, digamos, das mais ilibadas.

A melhor maneira de proteger seu smartphone é mesmo a conduta de evitar tudo que falamos acima de comportamentos de risco. Não quer ou não pode? Instale antivírus. Há boas opções como das empresas Kaspersky e PSafe. Isso mais para quem tem Android. Para que usa iPhone há menos riscos, mas ainda assim é preciso ter um comportamento de risco zero ou perto disso.

Pronto? Protegido? Pois vamos falar de como usar seu smartphone para furar as filas. Já ouviu falar em mobile banking? Seu banco certamente tem um aplicativo para que você faça transações como pagamentos ou transferências de dinheiro, por exemplo. Basta você procurar seu banco para conseguir a liberação do uso irrestrito dele através de login e senha. Em muitos casos, você pode até ativar uma proteção a mais, acessando seu aplicativo do banco via impressão digital.

Com isso, nada mais de filas. É só pegar o aparelho celular e focar no código de barras. Em segundos o pagamento estará feito. Em estresse ou dificuldades. Pode imprimir ou gerar arquivos digitais para armazenar fisicamente no aparelho, no computador pessoal e até mesmo na nuvem (Google Drive, One Drive ou  iCloud) que você escolher.

Felizmente, o uso do mobile banking está crescendo bastante. Segundo publicação da última revista CIAB Febraban (Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras da Federação Brasileira dos Bancos), Em 2016, 591 mil contas tinham sido abertas via mobile banking no Brasil contra 1,6 milhão de contas abertas em 2017. Uma evolução gigante. Isso consultando 8 bancos com atividade no País. Quer mais dados para ficar mais seguro? Em 2017, do montante de 71,8 bilhões de transações bancárias realizadas no Brasil, 25,6 bilhões foram via mobile banking contra 18,6 de 2016 e apenas 0,1 bilhão de 2011. Quanta diferença, não é mesmo? E isso está acontecendo pela praticidade e segurança do sistema. É infalível? Lógico que não. Assim como quando você vai até uma agência lotérica ou bancária você pode sofrer um assalto antes ou depois ou mesmo dentro daquele ambiente. Pode como também não pode. No ambiente tecnológico, seu comportamento de risco ou não ditará essa segurança.

Enfim, podemos finalizar dizendo que é fácil sim e é muito seguro sim o uso do mobile banking (não infalível). Não vejo a hora para o dinheiro em papel ser abolido. Já dá para pagar com seu smartphone também, o que é ótimo. Mas isso é assunto para uma nova postagem. Pare de perder tempos em filas  hoje mesmo, por favor!

06:01 · 22.05.2018 / atualizado às 14:03 · 18.05.2018 por

Quer deixar seu smartphone Android mais protegido e evitar dor de cabeça com vírus? Anota as dicas abaixo:

Instale um software antivírus – O software antivírus não é apenas para o computador. Um bom software antivírus pode detectar e proteger o smartphone ou tablet Android contra ransomware e outros tipos de malware, realizando a varredura de sites, aplicativos e jogos para garantir a segurança do usuário. Se acidentalmente a pessoa clicar em um link suspeito, baixar um aplicativo malicioso ou tentar instalar um plugin falso, o programa antivírus pode colocar o ransomware em quarentena e impedirá que um ataque ao dispositivo aconteça. Isso, por exemplo, é o que promete o Avast Mobile Security, por exemplo.

Execute as atualizações para o sistema operacional Android – O usuário deve executar todas as atualizações emitidas para o sistema operacional Android, já que muitas delas são relacionadas à segurança.

Faça o backup dos arquivos mais importantes – Há muitas opções, sendo possível programar pelo menos dois tipos de backups regularmente. Dentre eles está o backup na nuvem, armazenamento de dados em um disco rígido externo ou uso de um serviço como o Dropbox. Também há a opção do Google Drive que é gratuito até determinado momento.

Não baixe aplicativos de fontes desconhecidas – Quando se trata de adicionar ao dispositivo Android os melhores e mais recentes aplicativos, é necessário estar bem informado sobre fontes confiáveis como a Google Play Store, evitando lojas de aplicativos de terceiros. A Google tem muitas proteções para combater malwares, mas um criminoso realmente inteligente ainda pode contorná-las. Por isso, a necessidade de instalação de um software antivírus bem como verificar até 4 páginas de comentários, as notas que o app tem e pesquisar sobre ele em sites confiáveis de informação.

Adicione uma camada extra de segurança – Ao acessar o menu Configurações do dispositivo, pode-se desativar a execução de instalações de aplicativos não oficiais. Na área segurança, basta desmarcar a caixa “Fontes desconhecidas”.

Não conceda ao aplicativo a permissão de Administrador do dispositivo – Isso dará ao proprietário do aplicativo a permissão para acessar remotamente o dispositivo, o que na maioria dos casos é uma péssima ideia.

Desconfie de solicitações de instalação pop-up – Sempre que o usuário estiver navegando em um site ou jogando um jogo online e receber uma solicitação pop-up para executar uma atualização ou instalar um plug-in, é melhor não executar a ação. Se um site informar que precisa ser feita uma atualização do Adobe Flash, o ideal é acessar o site da Adobe e obter a atualização mais recente diretamente da fonte. O mesmo é válido para qualquer outro pedido de atualização de software.

Pense duas vezes antes de clicar em links – Os golpes de phishing ainda são a maneira mais popular de distribuir malwares. Um número crescente de tentativas de phishing tem como alvo os dispositivos móveis e aplicativos de mídia social e de mensagens. O usuário não deve clicar em nenhum link recebido via texto ou email de uma fonte desconhecida. Mesmo para os conhecidos, recomenda-se examinar o endereço e a origem do link antes de fazer qualquer ação.

13:46 · 21.05.2018 / atualizado às 13:46 · 21.05.2018 por
Moto e5 plus em vista frontal

O novo Moto e5 plus entra em pré-venda exclusiva a partir de hoje, 21 de maio, pelo site oficial da Motorola, até o dia 27, e chegará às lojas brasileiras a partir da próxima segunda-feira, dia 28. Os grandes destaques do moto e5 plus são sua tela e bateria. Ele traz uma Tela Max Vision 18:9, de 6 polegadas e bateria de 5.000 mAh. O aparelho também vem equipado com um carregador TurboPower que promete recargar veloz. O aparelho de entrada traz boas características, mas o preço de R$ 949 assusta.

Fotos

Com 12 MP, a câmera do Moto e5 plus dispõe de duas tecnologias de foco automático, que prometem tirar fotos nítidas em qualquer ambiente. Segundo a assessoria, o foco a laser detecta todos os detalhes, mesmo em ambientes pouco iluminados. Já o foco por detecção de fase (PDAF) ajuda a garantir imagens mais nítidas. A câmera frontal de 5 MP, com flash LED e modo Beauty.

Sensor

O novo Moto e5 plus tem sensor de impressão digital para ativar e desbloquear o smartphone instantaneamente e de forma segura, garante a assessoria.

Armazenamento

O lançamento conta com o desempenho do processador Snapdragon 425, com CPU quad-core de até 1,4 GHz3, mas apenas 2 GB de memória RAM. Além disso, é possível armazenar vídeos, fotos e músicas nos 16 GB de armazenamento total, que pode ser expandido até 128 GB, com um cartão microSD opcional.

Sistema operacional

O Moto e5 plus já vem com o Android Oreo. O novo sistema operacional permite visualizar dois aplicativos ao mesmo tempo, com a opção de se abrir uma tela dividida ou criar uma janela flutuante. Também possibilita manter o dispositivo e os dados protegidos contra aplicativos suspeitos com o Google Play Protect. A versão do sistema operacional permite ainda o uso de várias formas de expressão, com mais de 60 emojis. O usuário também pode usar o Google Assistente para fazer pesquisas, ligações, configurar alarmes e executar outras ações. Basta dizer “OK, Google” e, em seguida, o comando desejado.

Experiências Moto exclusivas

Uma coleção de softwares exclusivos simplifica o uso do smartphone. Entre eles, a Moto Tela proporciona uma visualização rápida de notificações e atualizações, para ver o que está acontecendo sem desbloquear o smartphone; e o Moto Ações permite experiências exclusivas, como: captura de tela do aparelho de uma maneira prática e simples; redução do tamanho da tela com um gesto, além de apenas pegar o aparelho para silenciar o toque e virá-lo para ativar o modo Não Perturbe.

Rádio FM

Em ano de Copa do Mundo, o Moto e5 plus vem com rádio FM para curtir os jogos da seleção e ficar por dentro de tudo que acontece no Mundial. Ainda é possível ouvir as rádios favoritas nos fones de ouvido ou alto-falantes.

Dual-chip inteligente

Moto e5 plus virá com rádio FM

O Moto e5 plus vem com tecnologia dual-chip para o uso de dois cartões SIM no mesmo aparelho para chamadas de voz, conexão de dados e envio de SMS. O sistema ainda promete sugerir ou selecionar automaticamente um chip para chamadas ou mensagens, com base na operadora do contato ou no histórico de uso, além de tecnologia mais rápida para a conexão de dados. Também é possível gerenciar o uso do chip com base nos contatos pessoais e profissionais, tudo automaticamente.

Preço e disponibilidade

O novo Moto e5 plus estará disponível em pré-venda exclusiva a partir de 21 de maio, na loja oficial da Motorola e nos quiosques da marca. A partir de 28 de maio, chega aos principais varejistas do País. Disponível nas cores grafite e ouro, tem preço sugerido de R$ 949.

07:20 · 04.04.2018 / atualizado às 07:20 · 04.04.2018 por
Motorola Moto G G5S XT1792 32GB

Um levantamento feito pelo Zoom, site e app comparador de preços e produtos, revela os smartphones mais buscados em março. A liderança do ranking continua sendo do smartphone Motorola Moto G G5S XT1792 32GB 16 MP 2 Chips Android 7.1 (Nougat) 3G 4G Wi-Fi, aparelho que pode ser encontrado a partir de R$ 764,15 e varia de preço em 90%, o que corresponde à maior oscilação da lista.

No segundo lugar do pódio está mais um aparelho da Motorola: o smartphone Motorola Moto G G5S Plus XT1802 TV Digital 32GB 13,0 MP 2 Chips Android 7.1 (Nougat) 3G 4G Wi-Fi, modelo que custa entre R$ 999,99 e R$ 1.499,00. Já em terceiro lugar aparece o Samsung Galaxy J7 Prime , com a terceira maior variação do ranking (86%).

Já entre os aparelhos da Samsung, que ocupam cinco das dez posições do levantamento, só um dos produtos varia de preço em menos de 50%, que é o Galaxy S8, encontrado a partir de R$ 2.639,12.

“O consumidor deve ficar sempre muito atento aos preços de smartphones, e pesquisar muito antes de concluir a compra. Esse mercado está sempre recebendo novidades e isso acaba gerando oscilações nos preços dos produtos dessa categoria’’ comenta Thiago Rocha, especialista de produtos do Zoom.

No ranking, entre os 10 mais buscados, todos usam sistema operacional Android e apenas um é diferente da dupla Motorola-Samsung: um LG. A Apple não aparece em momento algum no ranking com seu iPhone.

Confira abaixo o top 10:

07:19 · 03.04.2018 / atualizado às 07:19 · 03.04.2018 por

A empresa brasileira de segurança e privacidade para usuários Android, a PSafe acaba de chegar ao mundo iOS com o lançamento do dfndr vpn, o primeiro aplicativo para o sistema operacional da Apple. Após quatro anos atuando com foco em Android, a companhia está expandindo sua estratégia de negócios no Brasil e também nos Estados Unidos, país onde mais de 40% dos usuários de smartphone utilizam iPhone.

“Iniciamos esta semana uma nova fase em nossa operação com o objetivo de posicionar a PSafe como referência em segurança e privacidade para todo o mercado de smartphones. Nossa missão é que cada vez mais pessoas se sintam seguras para acessar a internet e tenham suas informações pessoais protegidas de ciberataques, que podem impactar usuários de qualquer sistema operacional”, afirma Marco DeMello, CEO e fundador da empresa. “Até o final de 2019, esperamos ter alcançado mais de 5 milhões de usuários do sistema iOS com este produto”, completa o executivo.

Por meio do serviço de VPN, sigla em inglês para “Rede Virtual Privada”, o usuário pode se conectar a qualquer rede, incluindo Wi-Fi públicas, com promessa de criptografia completa dos seus dados, garantindo a privacidade das informações pessoais trocadas. O IP (protocolo de internet), a identidade e a localização do usuário ficarão invisíveis e protegidos contra hackers em qualquer lugar do mundo. Segundo o executivo, isso acontece porque o dfndr vpn impede que alguém observe ou rastreie o que o usuário faz na internet para protegê-lo.

“Os constantes vazamentos de dados e fotos pessoais e os recentes casos de uso indevido de informações de usuários deixam clara a necessidade urgente e ainda muito pouco discutida que é preciso garantir sua proteção na internet. Com o dfndr vpn oferecemos uma conexão que é como um túnel, por meio do qual garantimos a privacidade total do usuário durante toda a transmissão de informações, desde a saída até a chegada de dados”, explica Emilio Simoni, diretor do dfndr lab – laboratório de cibersegurança da PSafe.

O dfndr vpn para iOS já está disponível na App Store para iPhone e iPad com iOS 10 ou superior e pode ser baixado gratuitamente. O usuário também pode testar o serviço com dados ilimitados – versão premium – por sete dias sem custo. Após esse período, é disponibilizado ao usuário a opção de assinar a versão premium do aplicativo a partir de R$ 13,15 (valor da mensalidade no plano anual).

14:32 · 07.03.2018 / atualizado às 14:33 · 07.03.2018 por
Google Duo com nova funcionalidade

A partir desta quarta-feira, 7 de março, o aplicativo Google Duo oferece para os usuários a opção de deixar mensagens de vídeo (ou voz). O Duo agora permite que os usuários gravem mensagens de até 30 segundos para que seus contatos retornem a chamada ou apenas para compartilhar um momento especial. A opção já está disponível para aparelhos Android e iOS.

Para assistir aos recados, basta clicar na foto de perfil do contato, que estará com uma miniatura de mensagem de vídeo, e pressionar o botão play. Depois de assistir, você pode salvar o arquivo ou esperar que ele desapareça nas próximas 24 horas. Também é possível retornar a chamada com apenas um toque. Como todas as chamadas feitas com o Duo, as mensagens de vídeo também estão criptografadas de ponta a ponta.

13:52 · 14.11.2017 / atualizado às 14:22 · 14.11.2017 por
Executivos do Google e Visa anunciam a novidade em São Paulo

A partir desta terça, 14, os brasileiros poderão usar os seus smartphones para fazer pagamentos de produtos e serviços de maneira simples, segura e rápida com o Android Pay. O Google anunciou a chegada do serviço ao país durante evento realizado em São Paulo na manhã desta terça-feira.

>>>Pagamentos por aproximação se popularizam cada vez mais no Brasil

O Brasil é o 17º país a receber o Android Pay, que já está disponível em países como Estados Unidos, Espanha, Rússia e Japão. O serviço foi lançado inicialmente nos Estados Unidos, em setembro de 2015.

“Com mais de 2 bilhões de usuários ativos, o Android é o sistema operacional mais popular do mundo e busca sempre oferecer recursos inovadores para seus clientes. Com o Android Pay, os brasileiros agora poderão usar seus smartphones para fazer pagamentos de forma prática, rápida e segura”, diz Alessandro Germano, diretor de parcerias estratégicas do Google Brasil.

Google promete máxima segurança no Android Pay

Para instalar o Android Pay, primeiro é preciso verificar se o smartphone possui sistema operacional Android KitKat (4.4) ou versões posteriores. Depois, é só baixar o aplicativo do Android Pay gratuitamente na loja do Google Play. Uma vez instalado o app, basta adicionar os dados dos cartões de crédito ou débito dos bancos e operadoras de cartões de crédito parceiros no Android Pay. Neste primeiro momento, o serviço está disponível para os donos de cartões Banco do Brasil (crédito e débito), Caixa (débito), Neon (débito), Porto Seguro (crédito) e Brasil Pré-Pagos (débito) com a bandeira Visa. O Google espera adicionar novos parceiros em breve.

Na hora de pagar por uma compra com Android Pay, basta encostar o smartphone com tecnologia NFC em um ponto de venda que suporte essa tecnologia. Dentre as empresas que aceitam o serviço no Brasil, estão Carrefour, Casa do Pão de Queijo, Drogasil, Rei do Mate, Café do Ponto, Hering e Ipiranga. O caixa irá selecionar o tipo de pagamento (débito ou crédito) e inserir o valor da compra no terminal. Ao terminar, o cliente deve desbloquear e segurar seu smartphone próximo à máquina. Então, aguardar a mensagem de compra autorizada.

Segundo a assessoria de imprensa do Google no Brasil, a segurança está no centro do Android Pay. “Com a tokenização padrão da indústria, o Android Pay não envia aos comerciantes o número real do seu cartão no ato da compra. O Android Pay também permite que o usuário acompanhe os pagamentos e bloqueie o seu dispositivo caso ele seja perdido ou roubado”, finaliza comunicado para a imprensa.