Busca

Tag: apple


06:25 · 31.07.2018 / atualizado às 12:48 · 30.07.2018 por

Não é de hoje que os usuários sabem dos inúmeros ataques que podem torná-los vítimas de cibercriminosos. O Android é o sistema operacional móvel mais popular, o que explica que o motivo da existência de um malware para esse sistema operacional ser o mais comum. Quando se trata da segurança dos nossos dispositivos conectados, é essencial protegê-los desde o início e estar ciente dos diferentes métodos que os criminosos usam para enganar os usuários e infectar os dispositivos.

Outra razão pela qual os usuários deste sistema operacional estão mais expostos é porque o Android permite a instalação de aplicativos de qualquer origem, não apenas da loja oficial (como no iOS). De acordo com uma investigação da Kaspersky Lab, 83% dos aplicativos do Android têm acesso aos dados confidenciais de seus proprietários, e 96% desses aplicativos podem ser iniciados sem o consentimento.

“Não podemos negar que os cibercriminosos são muito criativos e, por isso, os usuários não podem facilitarem, mesmo que indiretamente, esses golpes, fornecendo mais informações do que se deve”, alerta Thiago Marques, analista de segurança da Kaspersky Lab. “Muitos não pesquisam sobre o app e, só baixam por estar em alta. É por isso que é preciso se informar mais e mais, entender o quão pesado é aquele app e se é realmente é necessário baixa-lo”, reforça.

Desta forma, a Kaspersky Lab separou algumas dicas para que os usuários não sejam vítimas de suas próprias atitudes e evitem ao máximo caírem em golpes:

1. Como baixar um app seguro?
O Google possui um departamento inteiro dedicado a verificação de aplicativos que acabam na Google Play. Entretanto, o malware ainda consegue passar vez ou outra. Ainda assim, o risco de baixar um aplicativo infectado diretamente da loja oficial é muito menor do que de qualquer outra fonte.

2. É só baixar e pronto?

Antes de fazer o download, procure saber mais detalhes sobre a descrição do aplicativo e sobre os criadores, além de outros trabalhos que eles tenham realizado.

3. O app é nota 10. Qual o problema?

Um aplicativo com notas altas é bom, útil e provavelmente mais seguro, mesmo assim, fique atento. Uma nota alta não é tudo e as avaliações precisam parecer consistentes, escritas por pessoas de verdades e não bots, inclusive as negativas – às vezes, os cibercriminosos usam Trojans para melhorar a avaliação de aplicativos. Além disso, olhe o número de usuários – aplicativos com milhões de downloads tem menos chances de serem malware.

4. O que o seu app precisa saber sobre você?

A partir do sistema de permissões, o usuário consegue controlar o quanto de liberdade terá um aplicativo. Por exemplo, seu novo app precisa mesmo ter acesso à sua câmera? E ao seu microfone? Os perigos mais comuns envolvem a habilidade de aplicativos de roubar seus dados (localização, contatos, arquivos pessoais) e realizar certas operações como tirar fotos, gravar áudio, vídeos, enviar mensagens, entre outros. Segundo a Kaspersky Lab, aproximadamente 40% das pessoas na América Latina admitem que não verificam as permissões de seus aplicativos móveis pré-instalados em seus dispositivos Android e iOS, e 15% deles não verificam as permissões ao baixar ou instalar novos aplicativos em seus dispositivos móveis.

5. Menos é mais

Essa frase se aplica no mundo online também, já que quanto menos aplicativos o usuário tiver no seu dispositivo, menos chances de ter estragos.

6. “A última vez que atualizei…”

Quanto mais atualizado estiver o sistema operacional e as versões dos aplicativos, menos problemas de segurança o usuário enfrentará em seu dispositivo. Por isso, as atualizações devem ser regulares. “Mais do que ter a tecnologia a seu favor, os usuários precisam estar conscientes dos perigos que estão no mundo online para evitá-las e das melhores formas para se protegerem”, afirma Marques.

7. Segurança em dose dupla

A autenticação de dois fatores é um recurso oferecido por vários prestadores de serviços online que acrescentam uma camada adicional de segurança para o processo de login da conta, exigindo que o usuário forneça duas formas de autenticação. A primeira forma – em geral – é a sua senha. O segundo fator pode ser qualquer coisa, dependendo do serviço. O mais comum dos casos, é um SMS ou um código que é enviado para um e-mail.

8. Minha senha é 1234

“Não tem como os usuários garantirem segurança se não começam com uma grande proteção como uma senha forte”, reforça Marques. “Informações mais óbvias como data de nascimento, cantor favorito, entre outras que sejam fáceis de qualquer pessoa saber, não devem ser colocadas como senhas”. Por isso, para que uma senha seja segura, ela deve ser única e complexa; em particular, deve ter pelo menos 15 caracteres de comprimento e combinar letras, números e caracteres especiais – o que dificulta os cibercriminosos de adivinharem.

9. Opa, Wi-fi sem senha

Verifique se a sua conexão com a Internet é segura. Ao conectar-se a um site público utilizando uma rede Wi-Fi pública, você não possui controle direto sobre sua segurança. Portanto, use uma rede privada virtual (VPN), como o Kaspersky Secure Connection, quando tiver dúvidas sobre a segurança da rede Wi-Fi. Esta ferramenta impede a intercepção de informações, pois criptografa todos os dados enviados e recebidos na rede. É essencial não fazer compras online ou transações bancárias enquanto estiver conectado a uma rede Wi-Fi pública. Certifique-se de usar uma Rede Privada Virtual (VPN), pois todas as informações que você enviar nesta rede serão protegidas. Além disso, use ferramentas que permitem fazer compras on-line seguras e transações bancárias para PC ou Mac.

10. Preciso mais do quê?

Seja qual for o objetivo do seu download, garanta que seu dispositivo tenha uma solução de segurança confiável, como o Kaspersky Internet Security para Android. Ele permite a verificação de aplicativos, além do recurso antirroubo – que permite ao usuário ativar o alarme remotamente, fotografar o suposto ladrão, bloquear o aparelho e apagar todas as informações.

06:17 · 30.07.2018 / atualizado às 12:57 · 30.07.2018 por
Zenfone 5

Dia 16 de agosto, a partir das 17 horas, será anunciado, oficialmente, a chegada do Zenfone 5 ao Brasil. Inclusive, nesta data, teremos a divulgação do preço. Acredito que este valor ficará entre R$ 2.300 e R$ 2.500. Só com muito esforço a Asus terá como cobrar menos de R$ 2.300 para este smartphone.

Algumas coisas que não falamos ainda no post anterior são algumas características do aparelho. Lembrando que tudo até o dia 16 terá que ser superficial já que estamos embargados de detalhar. Porém, dia 16, a partir das 19 horas, estaremos livres para subir o material completo sobre o aparelho.

Então vamos lá. Para começar me chamou muito atenção a qualidade da tela do Zenfone 5. Ela é de 6,2 polegadas IPS. Tem um aproveitamento de 90% da tela e traz no topo o notch que se popularizou com o iPhone X da Apple. Quero dizer que depois de algumas horas de uso nem me incomodou mais como achava que iria.

Ele tem um corpo em vidro o que é um terror para desastrados, mas a Asus já manda na caixa para todos os consumidores um case que encaixa bem no aparelho e pode salvá-lo se cair com a traseira no chão. Mas não vai exagerar, pois o case não é daqueles brutos que você pode achar em conta no Ali Express. É um case que vai te ajudar a mantê-lo seguro. Sugiro uma película para proteger a frente dele também.

Não posso falar das câmeras ainda, mas as fotos produzidas ficaram muito boas, mesmo com iluminação noturna em ambientes sem luz artificial de qualidade. As câmeras traseiras atrás lembram bem o visual do iPhone X.

Você pode destravar seu aparelho com seu rosto, mas também com senha ou impressão digital. O dispositivo para a digital está muito bem colocado na traseira e pode destravar com até 10 dedos, todos da suas mãos.

Ele traz processador Snapdragon 636 e o modelo que usamos para os testes tem 4GB de memória RAM e 128GB de armazenamento interno.

Por fim, a bateria é de 3300 mAh. E estou muito ansioso para falar dela no review.

Por hoje é só e voltamos em breve com todos os detalhes do Zenfone 5. Lembre-se de acompanhar o evento da Asus comigo no dia 16 de agosto a partir das 17 horas.

Confira abaixo algumas fotos feitas com o aparelho:

10:00 · 27.07.2018 / atualizado às 10:12 · 27.07.2018 por
Zenfone 5

Recebemos e já estamos testando o novo Zenfone da Asus, a geração 5, que será lançada oficialmente no Brasil no próximo dia 16 de agosto, a partir das 17 horas, em São Paulo. Estamos em embargo e não podemos fazer um review, mas prometo soltar um hands on em breve. O que posso dizer até aqui é que ele é muito bonito. Sim, ele é muito parecido com o iPhone X, da Apple.

O preço e mais sobre configuração só a partir do dia 16. Volte ao site nesta data, às 19 horas, e teremos um texto mais aprofundado. Por enquanto, vamos soltando algumas pílulas de conteúdo, alguns resumos do que estamos liberados para divulgar. Fique ligado!

Abaixo vou soltar algumas fotos que já fiz com ele.

 

 

 

07:20 · 04.04.2018 / atualizado às 07:20 · 04.04.2018 por
Motorola Moto G G5S XT1792 32GB

Um levantamento feito pelo Zoom, site e app comparador de preços e produtos, revela os smartphones mais buscados em março. A liderança do ranking continua sendo do smartphone Motorola Moto G G5S XT1792 32GB 16 MP 2 Chips Android 7.1 (Nougat) 3G 4G Wi-Fi, aparelho que pode ser encontrado a partir de R$ 764,15 e varia de preço em 90%, o que corresponde à maior oscilação da lista.

No segundo lugar do pódio está mais um aparelho da Motorola: o smartphone Motorola Moto G G5S Plus XT1802 TV Digital 32GB 13,0 MP 2 Chips Android 7.1 (Nougat) 3G 4G Wi-Fi, modelo que custa entre R$ 999,99 e R$ 1.499,00. Já em terceiro lugar aparece o Samsung Galaxy J7 Prime , com a terceira maior variação do ranking (86%).

Já entre os aparelhos da Samsung, que ocupam cinco das dez posições do levantamento, só um dos produtos varia de preço em menos de 50%, que é o Galaxy S8, encontrado a partir de R$ 2.639,12.

“O consumidor deve ficar sempre muito atento aos preços de smartphones, e pesquisar muito antes de concluir a compra. Esse mercado está sempre recebendo novidades e isso acaba gerando oscilações nos preços dos produtos dessa categoria’’ comenta Thiago Rocha, especialista de produtos do Zoom.

No ranking, entre os 10 mais buscados, todos usam sistema operacional Android e apenas um é diferente da dupla Motorola-Samsung: um LG. A Apple não aparece em momento algum no ranking com seu iPhone.

Confira abaixo o top 10:

08:38 · 28.02.2018 / atualizado às 16:35 · 28.02.2018 por
Zenfone 5

Como algumas empresas, as quais se concentram muito no mercado chinês já tinham feito, a Asus seguiu a tendência e copiou o entalhe no topo (onde o iPhone X encaixa seus sensores) chamado de “notch” em seu novo Zenfone 5, mostrado na última terça, 27, durante a Mobile World Congress (MWC), em Barcelona, na Espanha. E, segundo equipe da Asus no Brasil, não teme processos por seguir este novo caminho. Inclusive a empresa afirma que segue é o Essential Phone, que chegou antes que o iPhone X com esta “nova tendência de design e funcionalidade”.

Tudo isso foi o suficiente para a empresa sofrer muitas e duras críticas por todos os lados. Desde especialistas como os do “The Verge” que chamou o produto de clone sem vergonha do iPhone X, até a usuários que bateram de frente com as sempre acidas críticas do head global de marketing da Asus, Marcel Campos, faz a Apple. Muitos falaram exatamente que agora a Asus teria se rendido por completo a seguir a tendência mostrada pela gigante de Cupertino.

Você acha que a Asus imitou demais o iPhone X no Zenfone 5?

View Results

Loading ... Loading ...

Afinal, não foi só o “notch” da Apple que apareceu no novo smartphone da Asus. O design do corpo do aparelho lembra muito o iPhone X. A colocação e formato das câmeras até a tela do Zenfone 5. Foram demais? Para a Asus não. É seguir a tendência. É entregar o que os usuários querem. Será? Acredito que o preço será bem inferior aos quase R$ 7 mil cobrados pelo iPhone X e isso pode atrair usuários que sonham em ter um Apple, mas não querem pagar esta pequena fortuna. Terá sido uma estratégia acertada da empresa de Taiwan essa “tendência de mercado”? Se tiver qualidade e preço baixo com um sistema operacional robusto e confiável pode até dar lucro. Mas quando um produto segue demais o outro acaba por perder um pouco de brilho, de destaque. É verdade que raramente vemos algo novo nesta indústria, mas tão interessante é quem consegue inovar, não é verdade? Por fim, deixo abaixo as fotos do iPhone X e do Essential Phone para você compará-los ao Zenfone 5.

Viram? O que acharam? Comentem. Antes de ir embora deixo abaixo as configurações do Zenfone 5 que chega ao Brasil ainda este ano, mas nada ainda revelado se no primeiro ou segundo semestre.

Destaques
– Câmeras duplas aprimoradas, alimentadas pelo sensor principal da Sony IMX363 com pixels de 1,4 μm, wide angle de 120°, HDR noturna e detecção de cena por inteligência artificial. A câmera traseira wide angle tem lentes 6p. 2X visão mais ampla para mais amigos e cenários no enquadramento. Distância focal equivalente a 12mm em câmera de filme de 35mm. A câmera traseira principal tem 12MP com sensor de imagem Sony IMX363, Auto (com HDR noturna e modo Retrato), abertura f/1.8, campo de visão de 83°, distância focal equivalente a 24mm em câmera de filme de 35mm, softlight LED flash, AI Scene Detection com detecção de 16 cenas, AI Photo Learning e troca instantânea de câmera. A câmera frontal tem 8MP, abertura f/2.0, campo de visão de 84°, distância focal equivalente a 24mm em câmera de filme de 35mm, troca instantânea de câmera, modos de câmera PixelMaster: Auto (com recursos de baixa luz e HDR), embelezamento em tempo real, modo retrato em tempo real e desbloqueio por reconhecimento de face.
– Conta com o processador Qualcomm Snapdragon 636 com capacidades de inteligência artificial e ASUS AI Boost para o melhor desempenho e GPU Qualcomm Adreno 509.
– Smartphone de 6,2 polegadas com tela na proporção 19:9 com relação de 90% de tela para corpo e bordas ultrafinas para uma experiência mais imersiva e melhor visualização.
Novas funcionalidades de comunicação e conveniência aprimoradas por IA com Smart Screen On, AI Charging, AI Ringtone e os avatares de ZeniMoji animados em tempo real.
– RAM/ROM: 4GB ou 6GB RAM / 64GB ROM
– Sistema Operacional: Android Oreo com a nova ASUS ZenUI 5.0
Bateria: 3300mAh com ASUS BoostMaster & AI Charging

Como se vê, o novo smartphone promete muita qualidade que, aliás, é uma marca da Asus. Traz aparelhos com ótimos preços e boa qualidade. Uma pena apenas não ter um suporte localizado em cada cidade e tudo é concentrado em São Paulo.

Ainda com relação a Barcelona, veja abaixo outros produtos que pintaram na apresentação lá na MWC:

Zenfone 5Z

Zenfone 5Z

O Zenfone 5Z é um smartphone de 6,2 polegadas com câmera dupla de última geração que apresenta proporção de 90% de tela para corpo, embalada em um tamanho de 5,5 polegadas. É o primeiro modelo Zenfone que traz o processador Snapdragon 845 com a AIE e uma plataforma de inteligência artificial de terceira geração que inclui o Hexagon 685 Vector DSP, Adreno 630 Graphics e a CPU Kryo 385. O Zenfone 5Z também se beneficia do modem LTE Gigabit Snapdragon X20, que entrega velocidades que superam a barreira gigabit para uma experiência de fibra sem fio, bem como o Wi-Fi 2×2 802.11ac integrado e o Bluetooth 5 2×2 para fones de ouvido sem fio de baixa potência. O Zenfone 5Z vem com até 8GB de memória RAM e 256GB de armazenamento, oferecendo eficiência energética para uma vida duradoura da bateria.

Zenfone 5Z traz sistema de câmeras duplas inteligentes que prometem se adaptarem à luz do ambiente. São equipados com o último sensor principal da Sony IMX363 com grandes pixels de 1,4 μm, lente grande angular com abertura f/1.8, câmera wide angle de 120°, estabilização óptica de imagem de quatro eixos (OIS) e funções de câmera aprimoradas por inteligência artificial – incluindo AI Scene Detection para 16 situações e objetos diferentes, aprendizagem de foto, retrato e embelezamento em tempo real.

Zenfone 5 Lite

Zenfone 5 Light

O Zenfone 5 Lite traz o primeiro sistema de quatro câmeras anunciado globalmente, com uma câmera principal de alta resolução – 20MP Sony na frente, 16MP na parte traseira – e câmera wide angle de 120° na frontal e na traseira. Ao contrário de outros sistemas, cada câmera funciona de forma independente para imagens de paisagens, retratos ou grupos.

A tela Full HD+ IPS de 6 polegadas tem a proporção de 18: 9 com bordas ultrafinas, tornando o aparelho tão compacto quanto um telefone de 5,5 polegadas de tamanho padrão. Alimentado pela plataforma móvel Snapdragon 630, o Zenfone 5 Lite combina desempenho, eficiência de energia otimizada e uma bateria de 3300mAh com recursos avançados de segurança e conveniência – incluindo NFC, suporte de cartão SIM/microSD com slot triplo, desbloqueio rápido por reconhecimento de face e impressão digital.

 

Zenfone Max (M1)

Zenfone Max (M1)

O Zenfone Max (M1) é o modelo mais recente da série Zenfone Max, a única com smartphones de alta capacidade de bateria. O aparelho traz uma tela de 5,5 polegadas em um corpo compacto que não é maior do que muitos smartphones de 5 polegadas, e conta com uma bateria de 4000mAh de alta capacidade.

Com a sua área de visualização ampliada, tamanho compacto, câmeras traseiras duplas com lente de 120° e desbloqueio com sensor biométrico, o Zenfone Max permite que os amantes de fotos vejam a imagem maior com uma gama mais ampla de opções criativas – tudo em um design com acabamento metálico ergonômico e confortável.

 

 

 

Asus NovaGo

Asus NovaGo

O NovaGo é o primeiro laptop do mundo compatível com LTE Gigabit e projetado para mobilidade, oferecendo aos usuários uma experiência sempre conectada. Este laptop leve e conversível vem com o processador Snapdragon 835 e possui um modem LTE Gigabit Snapdragon X16 para velocidades de download até 3-7 vezes mais rápido do que a velocidade média da banda larga. Possui uma autonomia de bateria de até 22 horas com mais de 30 dias em standby e um eSIM integrado que garante uma conectividade perfeita. A funcionalidade de carga rápida dá ao NovaGo até cinco horas de duração da bateria com uma carga de 15 minutos. O NovaGo é uma nova geração de notebook projetada para o usuário experiente em tecnologia, que oferece todos os novos recursos do Windows, como Windows Ink, Windows Hello e Cortana com conectividade rápida e excepcional eficiência energética.

 

06:04 · 27.02.2018 / atualizado às 11:58 · 26.02.2018 por
Surface nunca foi vendido oficialmente pela Microsoft no Brasil apenas em lojas como o Mercado Livre

Com a queda de 7,9% do mercado de tablets como um todo e o crescimento de 10,3% dos dispositivos destacáveis no último trimestre de 2017, segundo divulgado pela consultoria IDC, o Mercado Livre fez um levantamento na plataforma para identificar essa movimentação do mercado no começo de 2018.

De acordo com as buscas na plataforma, a tendência se mantém, já que a procura por tablets em geral caiu 13%, entre a primeira semana de janeiro e fevereiro deste ano. No mesmo período, a busca pelos dispositivos destacáveis mais bem avaliados do mercado foi liderada pelo Surface, da Microsoft, que cresceu 43%.

O iPad Pro, da Apple, ficou em segundo lugar com 9% de aumento das pesquisas. Já o interesse dos consumidores pelo Galaxy Tab S, da Samsung, ficou bem abaixo dos concorrentes diretos e caiu 54%.

09:14 · 19.01.2018 / atualizado às 09:14 · 19.01.2018 por

Se você é usuário de iPhone já sabe que o navegador de internet nativo, o Safari, é uma opção superior ao Google Chrome, mas há um rival a altura dele que atende pelo nome de Opera Mini.

>>>Opera Mini 9 estreia recurso de aceleração de vídeo

A melhor coisa no Opera Mini para iOS é que o navegador é bem rápido e ainda ajuda a economizar no consumo de dados do seu plano de internet móvel. Ele consegue reduzir o tempo de carregamento das páginas e dos dados graças a função Turbo que ajuda a otimizar as páginas web não são em imagens e texto, mas também os vídeos que serão visualizados. Não chega a ser o 90% vendido na propaganda, mas vai ajudar muito.

Por falar em vídeo, há um novo de aceleração de vídeo que o usuário pode habilitar (na aba economia de dados) para que você siga visualizando seus vídeos que foram travados por alguma queda de internet.

Outra função que é, inclusive, nativa do navegador, é o bloqueador de anúncios integrado ao Opera Mini para iOS. Ele torna sua navegação mais rápida ao bloquear os anúncios que vão surgindo nas páginas.

13:03 · 22.12.2017 / atualizado às 13:10 · 22.12.2017 por
iPhone SE é um dos modelos que estão sofrendo com o problema

Segundo o Business Insider e o Chicago SunTimes, consumidores dos EUA estão entrando com processos contra a Apple. Basicamente, a alegação deles é que a empresa teria reduzido o desempenho dos iPhones antigos para forçá-los a comprar aparelhos mais novos, a geração 8 e o iPhone X, por exemplo. Além de afirmarem que esta redução de desempenho está causando práticas “enganadoras, imorais e antiéticas”.

A Apple assumiu que reduziu de propósito o desempenho de iPhones 6, 6s e SE para impedir que os mesmos desliguem sozinhos ou travem quando estão com pouca bateria ou condições extremas de temperatura, especialmente, abaixo de zero como em invernos mais rigorosos como de países como o Canadá.

Porém, a empresa deixou claro em comunicado que não faz isso para forçar o consumidor a comprar os novos modelos (iPhones a partir do 7). Ela deixou claro que isso está acontecendo por desgaste natural de baterias de íon de lítio que podem perder autonomia com o tempo.

A questão é que os modelos anteriores a geração 6, 6s e SE do iPhone não tinham tantos problemas assim, duravam até 4 ou 5 anos. Daí gerou esta confusão e irritação bastante aceitável por parte dos usuários.

07:20 · 21.12.2017 / atualizado às 07:25 · 21.12.2017 por
O Apple iPhone 6S e 6S Plus durante o evento da Apple para a mídia em São Francisco, na Califórnia Foto: REUTERS/Beck Diefenbach

Não, a Apple não admitiu ao The Verge que faz um serviço de obsolescência programada de seus aparelhos. Em outras palavras, ela não disse que os torna mais lento para que você vá às lojas em busca de novos smartphones da maçã. Segundo comunicado que respondeu ao The Verge, o que a Apple fez com os iPhone 6, 6s e SE foi “suavizar os picos instantâneos somente quando necessário, isso para evitar que o dispositivo se desligue inesperadamente durante condições de frio, com baixa carga da bateria ou à medida que envelhecem ao longo do tempo”.

Agora, ainda de acordo com comunicado da Apple, foi ampliado esse recurso para o iPhone 7 com o iOS 11.2 e a empresa planeja adicionar suporte para outros produtos no futuro. Desta forma, param as reclamações recentes de aparelhos desligando no inverno mais rigoroso (como o do Canadá, por exemplo) ou com bateria em 30% ou menos.

Veja a nota completa enviada para o The Verge abaixo:

“Nossa meta é entregar a melhor experiência aos consumidores, o que inclui o desempenho geral e o prolongamento da vida de seus dispositivos. As baterias de íon de lítio tornam-se menos capazes de fornecer demandas de corrente de pico quando em condições de frio, com baixa carga da bateria ou à medida que envelhecem ao longo do tempo, o que pode resultar no desligamento inesperado do dispositivo para proteger seus componentes eletrônicos.

No ano passado, lançamos um recurso para o iPhone 6, iPhone 6s e iPhone SE para suavizar os picos instantâneos somente quando necessário, isso para evitar que o dispositivo se desligue inesperadamente durante essas condições. Agora ampliamos esse recurso para o iPhone 7 com o iOS 11.2 e planejamos adicionar suporte para outros produtos no futuro.”

O problema todo foi a falta de transparência. Mais uma vez, a empresa esperou muitas cobranças de usuários, empresas especializadas e testes de confiança como os do GeekBench. Muito feio Apple!

10:55 · 13.12.2017 / atualizado às 10:55 · 13.12.2017 por
Homem usando uma caneta Stylus no Dell Inspiron 13 7000, uma das máquinas que ajudou na recuperação

O ano de 2017 tem sido muito positivo para o mercado brasileiro de PCs. Depois de crescer 5% no primeiro trimestre e 5% no segundo, o setor voltou a apresentar números expressivos e, entre os meses de julho e setembro, comercializou 1,36 milhão de máquinas, 30% a mais do que no mesmo período de 2016, quando foram vendidos 1,04 milhão de equipamentos. Os dados são do estudo IDC Brazil PCs Tracker Q3, realizado pela IDC Brasil, empresa de inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações. A receita do terceiro trimestre de 2017 foi de R$ 3 bilhões, alta de 28% em comparação com o terceiro trimestre de 2016, quando a receita foi de R$ 2,3 bilhões. Na comparação com o trimestre anterior o crescimento foi de 9% em unidades e de 11% em receita.

Do total de computadores vendidos no terceiro trimestre de 2017, 424 mil foram desktops e 936 mil foram notebooks, o que representa, respectivamente, 14% e 38% a mais na comparação com o mesmo período do ano passado. “Os notebooks puxaram o crescimento do setor, representando 69% das vendas entre julho e setembro e superando a expectativa da indústria, já que houve crescimento também no mercado corporativo”, diz Pedro Hagge, analista de pesquisa da IDC Brasil.

Além disso, Hagge aponta a proximidade com a Black Friday e a renovação da base instalada como motivos para o crescimento do setor. “Com a chegada de duas datas sazonais bem importantes (Black Friday e Natal), os varejistas antecipam as compras das máquinas para o estoque já que a procura aumenta consideravelmente. A volta da confiança do consumidor e a necessidade de trocar equipamentos comprados em meados de 2011 são outros pontos que influenciaram o bom momento do mercado.” completa o analista.

Ainda de acordo com o estudo da IDC, o tíquete médio dos computadores no terceiro trimestre de 2017 foi de R$ 2.200, contra os R$ 2.234 de 2016, recuo de 2%.

4º trimestre e 2017
Para o último trimestre do ano, a IDC Brasil prevê venda de 1,38 milhão de PCs, alta de 13% na comparação com o mesmo período de 2016, quando foram vendidas 1,22 milhão de máquinas A receita deve crescer 10%, atingindo os R$ 3 bilhões de outubro a dezembro de 2017.

No acumulado para o ano, a consultoria aponta crescimento de 13% na comparação com 2016. “Acreditamos que o mercado chegue a 5,1 milhões de unidades vendidas, sendo 1,655 milhão de desktops e 3,436 milhões de notebooks. A receita deve ficar na casa dos R$ 11 bilhões”, finaliza o analista da IDC Brasil.

Dell líder

Dell Alienware 17 notebook seria um dos que ajudou no resultado

A Dell alcançou o 11º trimestre consecutivo como líder de vendas no mercado nacional de computadores, com 25,3% das unidades comercializadas no país entre julho e setembro, de acordo com o relatório Brazil PC Tracker 2017Q3 da consultoria IDC. Com os resultados obtidos no terceiro trimestre do ano, a marca registra um acréscimo de 33,8% no volume de máquinas vendidas na comparação com o mesmo período em 2016.

No período, a Dell liderou o mercado tanto nas vendas para usuários domésticos – com 18,9% de participação, quanto nos PCs comercializados para pequenas (25%), médias e grandes (44,6%) empresas. O relatório da IDC revela, ainda, que a fabricante também protagoniza as principais categorias do segmento local de computadores quando consideradas de forma isolada, com: 27,4% das vendas totais de desktops; 24,3% de notebooks; e 63,7% de workstations.

“A sequência positiva da Dell no mercado de PCs reflete nossa aposta em inovações práticas e no desenvolvimento de um portfólio com atributos que tragam benefícios tangíveis aos mais diversos perfis de usuários”, explica Diego Puerta, vice-presidente para Consumidor Final e Pequenas Empresas da Dell no Brasil. “Além disso, o mercado brasileiro tem respondido positivamente à ampliação dos nossos canais de venda no país e à oferta de serviços diferenciados, como o suporte 24×7 (24 horas por dia, 7 dias por semana), que são exclusivos da marca no Brasil,” conclui.