Busca

Tag: Black Friday


13:25 · 17.08.2017 / atualizado às 13:40 · 17.08.2017 por

A Amazon.com.br anuncia a terceira edição da Book Friday, a Black Friday para quem ama ler. Das 12h do dia 17 de agosto às 23h59 do dia 18 de agosto, clientes poderão aproveitar descontos de até 80% em mais de 35 mil livros, tanto impressos como digitais; R$ 80 de desconto nos e-readers Kindle e Kindle Paperwhite; e frete grátis para todo o Brasil em todos os pedidos feitos durante o período da promoção.

Clientes terão R$ 80 de desconto na compra do Kindle (de R$ 299 por R$ 219) e do Kindle Paperwhite (de R$ 479 por R$ 399), ambos nas cores preto ou branca. Os e-readers podem ser adquiridos no site brasileiro da Amazon em até 12x sem juros no cartão de crédito. Clientes que comprarem dispositivos Kindle durante a Book Friday terão a oportunidade de assinar Kindle Unlimited por R$ 1,99 pelos primeiros três meses, o que significa um desconto de 90% sobre o valor regular da assinatura (preço normal de R$ 19,90 ao mês).

Alguns livros impressos com descontos de até 80%:
Caixa Harry Potter – Edição Premium Exclusiva Amazon, por J. K. Rolling – de R$ 249,50 por R$ 139,90
A Guerra dos Tronos – Edição Ilustrada Exclusiva, por George R. R. Martin – de R$ 129 por R$ 54,90
Demolidor – O Homem Sem Medo, por Frank Miller – de R$ 62 por R$ 36,90
Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, por Dale Carnegie – de R$ 55 por R$ 27,90
Guia Politicamente Incorreto dos Anos 80 Pelo Rock, por Lobão – de R$ 59,90 por R$ 29,90
O Conto da Aia, por Margaret Atwood – de R$ 44,50 por R$ 24,90
As Crônicas de Nárnia. Brochura, por C. S. Lewis – de R$ 99,90 por R$ 19,90
Livros digitais com descontos de até 80%, incluindo títulos como:
Laranja Mecânica, por Anthony Burgess – de R$ 27,90 por R$ 13,95
Cidade dos etéreos (O lar da srta. Peregrine para crianças peculiares Livro 2), por Ransom Riggs – de R$ 34,90 por R$ 13,96
A História do Mundo Para Quem Tem Pressa, por Emma Marriot – de R$ 29,90 por R$ 14,95
Depois de você, por Jojo Moyes – de R$ 24,90 por R$ 14,95
A Culpa É das Estrelas, por John Green – de R$ 24,90 por R$ 9,96
Grey (Cinquenta tons de cinza), por E. L. James – de R$ 29,90 por R$ 5,98
Caixa de Pássaros, por Josh Malerman – de R$ 22,90 por R$ 9,16

EBooks selecionados com desconto de 90% a cada seis horas – válido a partir das 12h da quinta-feira (17) até 23h59 da sexta-feira (18). Além disso, pela primeira vez, a Book Friday contará com ofertas de terceiros, como sebos e outras livrarias que vendem na Amazon.com.br. Muitos também oferecerão frete grátis para todo o Brasil. Entre os destaques oferecidos por vendedores do Marketplace estão:
– Mais de 150 títulos raros da editora Cosac Naify
– Livros com descontos de até 80% de vendedores selecionados.

00:01 · 18.04.2016 / atualizado às 12:21 · 12.04.2016 por

Review escrito por Diego Borges, editor de capa Web

thedivisionA receita é simples: misture porções generosas de títulos como Assassin’s Creed, Watch Dogs e Far Cry, adicione pitadas de Destiny e pronto, você tem Tom Clancy’s The Division, o mais recente jogo da Ubisoft para Playstation 4, Xbox One e PC, e uma das melhores experiências em games que você terá neste primeiro semestre.

The Division coloca o jogador no meio de uma Nova York pós-apocalíptica. Em um ataque terrorista, onde um vírus mortal é colocado em cédulas de dólares na Black Friday, o feriado mais consumista dos Estados Unidos. É suficiente para que o patógeno se espalhe e mate milhares de pessoas rapidamente. Com a proliferação, diversos grupos com objetivos diferentes dominam a cidade em meio ao caos. É nesse cenário que a Division é acionada, com o objetivo de reconquistar a cidade, descobrir a origem do vírus e pôr fim à ameaça.

O game de tiro em terceira pessoa e essencialmente focado no modo para vários jogadores online desfaz qualquer desconfiança ainda no início, no Brooklyn, que funciona como um tutorial. A Ubisoft criou uma curva de aprendizado extremamente leve, em que o jogador é apresentado a todos os elementos do título sem deixar ninguém perdido ou entediado.

Após esses minutos iniciais, suficientes para prender a atenção até dos mais distraídos, o gamer é jogado no meio da ilha de Manhattan, onde precisa cumprir diversas missões e caçar colecionáveis, como todo bom jogo da Ubisoft. Os objetivos ajudam a descobrir mais detalhes sobre a infeccção e a vida dos moradores antes e durante o caos.

Elementos de RPG
Cada missão e inimigos abatidos rendem pontos de experiência que aumentam o nível do jogador, dando acesso a armas e equipamentos mais fortes e elaborados. Além disso, rendem pontos que permitem o desenvolvimento da sua base de operações, desbloqueando diversas habilidades extremamente úteis durante a aventura.

The Division exige uma boa e ininterrupta conexão à internet, mas você não é obrigado a jogar o tempo inteiro ao lado de companheiros mundo afora. Boa parte das missões podem ser completadas por conta própria. Num primeiro momento, parece bem conveniente jogar só. Mas à medida em que se alcança áreas mais difíceis no mapa, não contar com o apoio e a estratégia de outros parceiros torna tudo impossível, já que o nível de especialização e o número de inimigos também aumentam.

Um dos grandes destaques do jogo é a personalização. Do rosto do personagem aos detalhes dos equipamentos, tudo pode ser modificado. As armas e outros itens também possuem níveis e patamares de especialização e podem receber upgrades, como miras, pentes maiores e silenciadores, por exemplo. As habilidades permitem a elaboração de estrategias diferenciadas durante as missões com vários jogadores. Seu personagem pode ter habilidades mais defensivas, construindo escudos de proteção para a equipe, por exemplo; de cura, para ajudar aliados quando estiverem com problemas; ou ofensivos, com equipamentos que geram ainda mais danos aos inimigos. Lembrando que diferentemente de muitos jogos de tiros, um disparo na cabeça, apesar de gerar mais dano, não mata. Cada personagem e inimigo e possui uma barra de vida própria. Os oponentes comuns caem com poucos disparos, os mais elaborados precisam de uma quantidade quase incontável de munição.

No geral, as missões secundárias têm objetivos semelhantes: resgatar reféns, acionar geradores, garantir o abastecimento de água, acabar com negociações de armas, dentre outras. Entretanto, o nível dos inimigos, os cenários diversos e a variedade da sua equipe de aliados ajudam a diminuir a sensação de repetição, comum a títulos como Assassin’s Creed, por exemplo.

Como todo título da Ubisoft, The Division traz uma boa ambientação de uma cidade mergulhada no caos, mas a Nova York daqui não surpreende ou se destaca como a Chicago de Watch Dogs e Londres ou Paris da franquia dos assassinos.

Zona Cega
No meio de Manhattan, um região foi completamente isolada. Nessa área, chamada Zona Cega, os níveis de infecção são extremos e os inimigos, os mais mortais. Aqui, são encontrados os melhores equipamentos do jogo. O problema é sobreviver.

Diferentemente do resto do mapa de The Division, onde a cooperação comanda, na Zona Cega é cada um por si. Você pode trabalhar ao lado de aliados, mas a qualquer momento, eles podem trair, matar e roubar seus equipamentos. É claro que uma deslealdade dessa altura não sairia barata: o impostor fica marcado e é caçado por praticamente todos os jogadores na área, já que a “cabeça” desse inimigo rende muita experiência, equipamentos e dinheiro. Na ZC, confie desconfiando.

The Division acerta em ser complexo sem assustar jogadores iniciantes ou com poucas habilidades em shooters. Aos mais apressados, é possível apenas selecionar uma arma e sair atirando, assim como desmontar equipamentos, fundir, modificar, alterar habilidades e criar estratégias para superar os desafios, para os jogadores mais criteriosos. A generosa curva de aprendizado, as possibilidades de personalização e o foco na cooperação entre aliados compõem uma experiência imperdível aos gamers neste primeiro semestre.

Nota: 9

Pontos positivos: – Personalização

  • Multiplayer Online
  • Complexo, mas acessível

Pontos Negativos

  • Inimigos pouco variados
  • Missões podem ser repetitivas
13:12 · 27.11.2015 / atualizado às 13:43 · 27.11.2015 por
Xbox One: variação de preço do fim de outubro até a Black Friday
Xbox One: variação de preço do fim de outubro até a Black Friday

Se você tem dúvida sobre se algum produto está ou não com bom desconto uma opção bem interessante é a ferramenta de comparação de preços do Buscapé. E nenhum dos produtos que verifiquei estava com preço inferior ao visto no final de outubro e começo de novembro.

O que isso quer dizer? Quer dizer que elas não aprenderam. Quer dizer que seguem acreditando que podem reduzir um pouco o preço e pronto. Não, não é suficiente. Já passou da hora do varejo nacional respeitar o consumidor e oferecer aos clientes um preço justo.

E o pior é que se eles oferecessem um preço justo, reduzindo um pouco a margem de lucro iriam vender muito mais, tenho certeza. Mas não, melhor é ganhar em poucas unidades vendidas do que em muitas.

Parabéns, só que não, pelo pensamento. Não acredita em tudo isso? Vai lá no Buscapé e compara. Olhe acima o gráfico que fiz para o Xbox One e faça o mesmo para outros produtos. Eu fiz na madrugada. De todos os produtos pesquisados apenas 3 estavam com preços abaixo da média hoje. Alguns vão dizer que não tive sorte e outros vão concordar comigo. Foi triste! Há tempo para o varejo online brasileiro aprender. Basta querer.

08:46 · 27.11.2015 / atualizado às 08:46 · 27.11.2015 por
Livros físicos e digitais em promoção
Livros físicos e digitais em promoção

A semana Black Friday na Amazon.com.br conta com mais de 25 mil livros, entre digitais e impressos, com até 90% de descontos. A lista completa de descontos em livros digitais e impressos pode ser encontrada aqui.

“Se somarmos os descontos oferecidos aos e-readers Kindle nesta Black Friday, o cliente encontrará um preço melhor do que se adquirisse os mesmos modelos no EUA”, diz Alexandre Munhoz, gerente para Kindle da Amazon.com.br. “A Amazon incentiva a leitura e essa promoção reforça nosso compromisso com os consumidores brasileiros. Nunca tivemos um valor tão acessível quanto o que estamos oferecendo exclusivamente nesta sexta-feira, se o consumidor aproveitar das duas promoções”.

Confira aqui os descontos nos Kindles, os leitores digitais da Amazon

07:04 · 25.11.2015 / atualizado às 07:04 · 25.11.2015 por
Site da Origin com games em desconto
Site da Origin com games em desconto

A Black Friday chega apenas na sexta-feira (27) na maioria dos lugares, mas a Origin promete descontos já nesta quarta-feira e até 1º de dezembro.

Entre os principais descontos estão: 60% em The Sims 4, 40% no FIFA 16, 62% no Dragon Age Inquisition, 33% no Dragon Age Inquisition GOTY, 60% na Edição Premium de Battlefield 4 e 33% em The Witcher 3.

Clique aqui e confira todas as ofertas da Black Friday do Origin.

07:26 · 05.08.2015 / atualizado às 09:29 · 04.08.2015 por

ecommerceNo próximo domingo (9), é comemorado no Brasil o Dia dos Pais. Com o atual cenário econômico do país, conter gastos nunca foi tão importante. Por outro lado, os estoques cheios se mostram como uma boa oportunidade de dar uma chance ao e-commerce e ficar de olho nas promoções. O Busca Descontos, portal que reúne cupons de desconto grátis dos maiores e-commerces do Brasil e responsável também pelos principais eventos do setor, como o Black Friday, Boxing Day e Brasil Game Day, separou cinco dicas de como economizar com o presente para o Dia dos Pais no e-commerce. Confira:

1) Pesquise e compare preços antes
Depois de escolher o que dar de presente, compare em sites diferentes para obter o melhor preço. Pesquisar em dias e horários distintos também é importante, já que muitas vezes, um produto chega a ter mais de uma troca de preço por dia. “O e-commerce brasileiro já possui diversas ferramentas que permitem monitorar simultaneamente os valores de um produto em diferentes lojas de forma prática e simples”, comenta Pedro Eugenio, fundador do Busca Descontos.

2) Não deixe para comprar na última hora
Comprar no dia anterior ou poucos dias antes pode significar não só um valor mais alto, mas também a chance do seu produto sofrer atrasos na entrega. Confira sempre o prazo de entregra estimado pela loja e calcule se é suficiente para receber o presente em tempo.

3) Cadastre seu e-mail para receber ofertas
As grandes lojas virtuais na maioria das vezes tem estratégias de vendas agressivas para datas comemorativas por e-mail. Cadastrar seu endereço eletrônico para receber atualizações é uma forma receber ofertas e cupons de descontos que podem abaixar ainda mais o valor da compra. “Normalmente, o usuário não gosta de receber e-mail marketing, porém, quando a oferta ou copom é relevante para aquela pessoa, a chance dela abrir a mensagem é 60% maior”, explica Eugenio.

4) Opte por produtos com frete grátis
Boa parte do e-commerce já usa a estratégia de oferecer frete grátis, principalmente em compras que ultrapassem determinado valor. Opte por uma loja que trabalhe com frete grátis para o seu endereço para reduzir ainda mais os custos.

5) Cuidado com os juros parcelados
Parcelar em 12 vezes pode parecer uma ótima ideia em um primeiro momento. Contudo, muitas lojas não especificam detalhadamente se as 12 parcelas são sem juros. Por isso, é preciso prestar atenção na hora do pagamento e ver se o valor máximo de parcelas é igual ao valor à vista. Além disso, vale lembrar que o pagamento por boleto bancário muitas vezes oferece descontos de 10% ou mais.

08:35 · 23.12.2014 / atualizado às 12:54 · 19.12.2014 por

seo2014A Conversion, empresa de otimização de sites do Brasil, preparou uma retrospectiva com as principais atualizações dos algoritmos do Google em 2014 que afetaram e mudaram as diretrizes e ações em SEO (Search Engine Optimization), responsáveis por sites ficarem mais bem posicionados nos resultados dos mecanismos de busca..

O levantamento realizado pelos irmãos Raphael e Rodrigo Simoni, conhecidos como os “Gêmeos do SEO”, destacou 15 datas de 2014 que representaram grandes mudanças, desde alterações no algoritmo do Page Layout até especulações sobre uma nova versão do Penguin 3.0 no dia da Black Friday.

Entre as principais atualizações, destacam-se o lançamento do Panda 4.0 em 19 de maio, o Penguin 3.0 lançado em 17 de outubro e a introdução do recurso mobile-friendly em 18 de novembro.

O Panda 4.0 aguçou a forma do algoritmo identificar e punir sites com conteúdo de baixa qualidade e o Penguin 3.0 passou a punir sites bem posicionados que tentam manipular de alguma forma os algoritmos do Google com links não naturais. Já o novo recurso mobile-friendly permite que o Google identifique e forneça um selo para os sites responsivos, aqueles que oferecem uma boa experiência para celulares e tablets.

08:59 · 22.12.2014 / atualizado às 09:00 · 22.12.2014 por
Os aparelhos com Windows agora aparecem como em segundo lugar no número de celulares vendidos no Brasil
Os aparelhos com Windows agora aparecem como em segundo lugar no número de celulares vendidos no Brasil

O mercado de smartphones no Brasil continua crescendo. É o que aponta o estudo IDC Mobile Phone Tracker Q3, realizado pela IDC Brasil, empresa de inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações. De acordo com o levantamento, foram vendidos 15,1 milhões de celulares inteligentes entre os meses de julho e setembro de 2014, o que significa um crescimento de 11% na comparação com o segundo trimestre e de 49% se comparado com o mesmo período do ano passado. No período também foram vendidos 4,7 milhões de feature phones.

“Novamente os resultados de vendas superaram nossas expectativas. Os smartphones não foram impactados pelos problemas que afetaram outros mercados e a tendência é que mais um recorde seja quebrado no próximo trimestre”, afirmou Leonardo Munin, analista de pesquisas da IDC Brasil. Segundo ele, alguns fatores têm contribuído para a popularização dos aparelhos. Entre eles, a oferta de dispositivos cada vez mais baratos. “No começo de 2011, o ticket médio dos aparelhos estava em R$ 900. No segundo trimestre deste ano caiu para R$ 700 e, entre julho e setembro de 2014, a média de preços ficou em R$ 590”, diz Munin. Para o analista, o comportamento das redes varejistas também influi nas vendas de smartphones. “O consumidor tem familiaridade com as grandes lojas, sente segurança para realizar o negócio e ainda conta com crédito fácil”.

Ainda sobre preços, o analista da IDC Brasil destaca que os aparelhos intermediários (de R$ 450 até R$ 900) ultrapassaram os de entrada (até R$ 400) e já representam metade do mercado brasileiro. Para Munin, o movimento é positivo e mostra que “o consumidor está entendendo melhor a questão do custo benefício e concluindo que o preço mais alto significa um aparelho também com mais qualidade e recursos”.

Além dos bons resultados no varejo, o smartphone tem tido uma parcela representativa no bolo de produtos de tecnologia. “Se juntarmos celulares inteligentes, tablets e PCs em uma mesma categoria vamos ultrapassar os 72 milhões de aparelhos vendidos, sendo 55 milhões apenas de smartphones, número que evidencia sua importância para o mercado de TI”, afirma Munin. Ele lembra que seis anos atrás, em 2008, a quantidade total de vendas foi de 15 milhões. Outra comparação trazida pelo analista refere-se ao aumento no número de fabricantes no mercado “Em apenas quatro anos, quase quadruplicou esse número – passou de 55, em 2010, para 194, em 2014”.

Sistema operacional
Dos aparelhos vendidos entre julho e setembro de 2014, 91% tinham o Android como sistema operacional. A novidade do período foi o Windows Phone, que ultrapassou o iOS depois de dois trimestres em segundo lugar, sinalizando que o ano deve encerrar com o Android em primeiro lugar em market share, com iOS e Windows Phone tecnicamente empatados.

Telas grandes invadem o mercado
A tendência das telas grande continua em alta. Em 2011, 93% do mercado era composto de aparelhos com tela abaixo de 4 polegadas e, em 2014, projeta-se que o mercado de smartphones termine o ano com mais de 63% de telas acima de 4 polegadas. Com relação aos phablets – dispositivos acima de 5 polegadas – a IDC acredita que até o final de 2016, 50% do mercado mundial seja composto por phablets. No Brasil, esse índice deverá ser atingido até 2018, sendo que, em 2013, os aparelhos com tela acima de 5 polegadas representavam cerca de 7% do mercado e neste ano já devem representar 15% do total de smartphones.

Novo recorde vem aí
Além de divulgar os resultados do estudo IDC Mobile Phone Tracker Q3 referente ao terceiro trimestre, a IDC Brasil antecipa dados apurados do quarto trimestre de 2014 e que apontam para a quebra de um recorde. “Outubro de 2014 foi o mês com o maior número de vendas de smartphones da história. Foram mais de sete milhões de aparelhos vendidos e, a título de comparação, apenas dois milhões a menos do que foi vendido em todo o ano de 2011. É impressionante”, afirma Munin, atribuindo parte desse movimento à Black Friday. “Segundo a e-bit, o smartphone foi o item mais procurado na Black Friday este ano. As receitas e pedidos no varejo online de celulares cresceram mais de 600% na comparação com 2013”. Para todo o ano de 2014, a IDC estima vendas de 55 milhões de celulares inteligentes.

08:38 · 15.12.2014 / atualizado às 08:38 · 15.12.2014 por
Smartphones como o da Samsung estão na mira dos compradores
Smartphones como o da Samsung estão na mira dos compradores

Uma pesquisa realizada pelo Zoom, site comparador de preços e produtos, com cerca de 8 mil pessoas revela que, apesar de muitos terem antecipado suas compras de Natal na Black Friday, a maioria das pessoas ainda não comprou todos presentes de Natal que desejavam.

Dos entrevistados, 24% conseguiram adiantar todas as compras de fim de ano no dia 28 de novembro, no entanto 37% ainda têm algumas pendências e 39% não fizeram suas compras. O estudo revela ainda que 37% pretendem gastar mais de R$ 1.000 em presentes, sendo que os produtos mais desejados para a data são: smartphones (76%), TVs (48%) e tênis (32%).

A previsão da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) é que o comércio eletrônico fature R$ 4,8 bilhões neste fim de ano e atinja a marca de 15 milhões de pedidos. Os e-consumidores estão mais conscientes sobre as vantagens de utilizar a web como ferramenta para pesquisar informações e preços dos produtos que desejam e, por essa razão, a previsão de vendas do varejo online para a data é otimista e deve superar as expectativas.

“Os consumidores têm a internet como aliada para comparar preços em uma imensa quantidade de lojas com a comodidade de não sair de casa. Dessa forma, poupam tempo e geralmente encontram melhores preços do que em lojas físicas”, explica Thiago Flores, diretor executivo do Zoom. “O importante é checar a credibilidade da loja em que está comprando para não ter problemas e também verificar se o prazo de entrega atende à sua necessidade”, aconselha o executivo.

Para auxiliar as pessoas a fazerem compras pela internet com tranquilidade, o Zoom realiza um rigoroso processo de controle de qualidade para ter apenas lojas confiáveis como parceiros. E para garantir ainda mais comodidade aos consumidores na hora de comprar, dispõe do serviço Zoom Garante, que assegura a entrega do produto comprado nas lojas parceiras ou o dinheiro de volta ao cliente, sempre que este estiver logado no site ao efetuar a compra.

Confira abaixo o resultado completo da pesquisa realizada pelo Zoom:

pesquisa1 pesquisa2

 

13:54 · 13.12.2014 / atualizado às 11:57 · 13.12.2014 por

xboxoneAs vendas do Xbox One superaram as do PlayStation 4 nos Estados Unidos, informou a Microsoft em comunicado a sites da imprensa especializada. É a primeira vez que o console da Microsoft bate o da Sony desde o lançamento dos videogames no final de 2013. De acordo com o “GeekWire“, foram vendidas 1,2 milhões de cópias no último mês.

“Novembro foi um mês de recordes para o Xbox One, a plataforma mais vendida nos EUA e na Inglaterra no período”, escreveu o vice-presidente de Marketing da Microsoft, Mike Nichols, em um comunicado enviado à mídia, citando dados da consultoria NPD.

A redução no preço do videogame é apontada como principal motivo para o feito. No lançamento, o Xbox One era US$ 100 mais caro que o PS4 no país norte-americano. Em maio, a empresa passou a oferecer o console pelos mesmos US$ 399 do rival, em uma opção de pacote sem o sensor de movimentos Kinect. Depois, cortou mais US$ 50 no preço.

Atualmente, a plataforma sai por US$ 349, e chegou a custar apenas US$ 329 durante a recente Black Friday, de acordo com a “Forbes“.

Nintendo
Como de costume, o Wii U não conseguiu acompanhar os números dos videogames da Microsoft e da Sony, que dominaram o mercado na última geração. No entanto, ao “IGN“, a companhia informou que a comercialização do console cresceu 10% em novembro em comparação ao mesmo período no ano passado.

A semana do último dia 23, segundo a empresa, teve os melhores números de venda desde o lançamento do videogame, em novembro de 2012. O grande responsável seria o novo “Super Smash Bros“, lançado no último dia 23, que vendeu 710 mil unidades até agora de acordo com a Nintendo.

Fonte: FolhaPress