Busca

Tag: e-commerce


09:54 · 12.03.2018 / atualizado às 13:28 · 12.03.2018 por
Depois dos Kindles e do marketplace, o passo lógico seguinte realmente seria ter uma estrutura própria de comercialização de produtos

A gigante norte-americana do e-commerce, a Amazon, estaria se movimentando para, finalmente, começar a operar a venda direta de produtos no Brasil. Entre os dias 26 de fevereiro e 2 de março, segundo a Reuters, ela reuniu diversos representantes do setor de eletrônicos no País para mostrar os próximos passos.

Inclusive, teriam convidado os presentes para, até o último dia 9 de março, se cadastrarem em um sistema de venda direta de produtos. A gerente sênior de vendas da Amazon no Brasil, Ticiana Mártyres, teria, inclusive, participado do encontro.

O objetivo é que a gigante consiga comprar os produtos e revendê-los com alguma margem de descontos maiores que os concorrentes.

Um centro de distribuição já estaria sendo montado pela Amazon no Brasil para agilizar as entregas.

Amazon Locker: um sucesso nos EUA

Porém, ainda tudo isso são rumores. Já vimos este filme antes quando dos momentos anteriores ao lançamento do marketplace da Amazon.com.br. Mas, sem dúvida, depois de vender apenas livros e Kindles e migrar para um marketplace, vender diretamente os eletrônicos seria o passo lógico seguinte. Imagina ter Amazon Prime ou os “lockers” da Amazon para ir buscar o produto – uma ótica sacada para quem passa o dia fora e mora sozinho ou mesmo para quem não tem serviço de porteiro no prédio/condomínio.

Não acho, infelizmente, que teremos preços tão atrativos como vemos no exterior, na loja da Amazon americana. Porém, se conseguirem realmente um desconto maior, seria algo interessante para atiçar a concorrência no setor. Só quem ganharia com isso seríamos nós, os consumidores.

Agora é esperar para saber se esta iniciativa vai realmente vingar.  Dedos cruzados já!

Resposta Amazon

Por email recebemos a resposta da Amazon.com.br. Confira:

“Nos últimos 5 anos desde o lançamento da Amazon.com.br, realizamos centenas de reuniões com potenciais vendedores e fornecedores sobre seus negócios no Brasil e possíveis planos futuros. Não especulamos sobre planos futuros.”

Esta nota é bem parecida com a qual recebemos lá antes do anúncio oficial do marketplace. Quer dizer, faz parte do jogo. Não revelar muitos detalhes antes de tudo estar completamente definido. Vamos seguir na torcida.

07:05 · 10.03.2018 / atualizado às 12:17 · 09.03.2018 por

Quando se pensa em marketplace ligado ao e-commerce, o conceito que temos é que é um local, geralmente uma rede gigante, que abriga pequenas empresas ou vendedores individuais sobre sua tutela. Neste espaço, o consumidor encontra uma gama vasta de opções de produtos e preços, geralmente mais baixos que de lojas grandes individuais. Este conceito me foi apresentado a primeira vez na Amazon americana. Depois vi que os sites de leilão/venda geral como eBay e Mercado Livre também estão enquadrados nesta classificação, com algumas ressalvas.

É interessante notar que em todos estes exemplos há uma classificação que pode nos ajudar a acreditar ou não na negociação com os vendedores. Por fim, acreditar que este negócio terá um final feliz para o comprador.

Depois de alguns anos, este mercado chegou ao Brasil. Os poderosos grupos B2W (que traz as empresas Americanas.com, Submarino e Shoptime), Via Varejo (tem Pontofrio.com, Extra e Casas Bahia) e a gigante Walmart apresentaram ao consumidor seus marketplaces há alguns anos. Mais recentemente, a Amazon.com.br também lançou o seu centro com diversas pequenas e médias lojas que trazem ao consumidor uma diversidade de preços e opções.

Mas e como o consumidor conseguirá comprar sem medo? Tanto Mercado Livre quanto eBay resolveram a equação dando “premiações”, digamos assim, medalhas, para os maiores vendedores, os mais confiáveis.  No eBay é possível saber quantos por cento de vendas daquela loja deram certo, se ele tem ou não o selo de vendedor top e isso dá uma confiança grande para a compra. No caso do Mercado Livre saber se o vendedor é Mercado Líder Platinum vai te dar também maior confiabilidade ao negócio.

No caso das lojas dos marketplaces do B2W, Via Varejo e Walmart as análises são estrelas e comentários de compradores que irão balizar a sua compra. É um esquema parecido com o que ocorre com eBay e Mercado Livre. Porém, falta uma forma de dar um destaque maior para a qualidade do serviço prestado por aquela loja terceira. Saber se é a própria gigante como o Extra ou Submarino que irá fazer a venda e entrega dá mais segurança do que apenas a entrega ou nem isso.

Tentamos com todos os marketplaces obter mais detalhes do funcionamento deles ou saber se, assim como o eBay, por exemplo, eles dão cobertura aos compradores em caso de falhas dos vendedores. Apenas o grupo Via Varejo respondeu (veja abaixo). Dos demais ganhamos o silêncio.

Acredito que comprar em marketplaces quando o preço é bem mais interessante é uma saída para o consumidor. Mas, antes de gastar seu precioso dinheiro, favor tomar todas as medidas possíveis para que o produto que você deseja chegue realmente até suas mãos. Que você não se iluda apenas pelo preço, mas que estude bem o vendedor afim de evitar surpresas desagradáveis no final.

Resposta Via Varejo

A Via Varejo, através da assessoria de imprensa do grupo, nos enviou uma resposta e um release onde fala da melhoria no atendimento do marketplace para os consumidores. Confira abaixo a resposta:

“A Via Varejo, empresa que administra a Casas Bahia e Pontofrio e o site do Extra, realizou em 2017 uma revisão de lojistas cadastrados no marketplace da empresa e que já apresenta resultados significativos para a companhia no que diz respeito à qualificação do serviço prestado pelos 3,1 mil vendedores ativos na plataforma, que comercializam em torno de 1,5 milhão de itens. Esse progresso está diretamente ligado à estratégia adotada pela varejista em 2017 de tirar o foco na quantificação de lojistas para dar prioridade à qualidade do negócio, mantendo operantes apenas parceiros condizentes aos requisitos de atendimento exigidos pela empresa. Com essas melhorias, o índice que mede a satisfação e fidelização dos clientes após a entrega dos produtos, chamado NPS (Net Promoter Score), dobrou de valor de 2016 para 2017, com 100% de melhora nas avaliações de 0 a 10 enviadas pelos consumidores por e-mail após a realização de compras realizadas com lojistas do marketplace. Além disso, em abril de 2017, a empresa também intensificou a qualificação do cadastro de produtos de marketplace para facilitar a localização de ofertas nos sites da Casas Bahia, do Pontofrio e do Extra. Para 2018, a empresa continuará com a estratégia de otimizar a plataforma de marketplace”.

Agora o release:

“O contínuo processo de revisão de lojistas cadastrados no marketplace da Via Varejo (Casas Bahia, Pontofrio e Extra), iniciado no começo de 2017, já apresenta resultados significativos para a companhia no que diz respeito à qualificação do serviço prestado pelos 3,1 mil vendedores ativos na plataforma, que comercializam em torno de 1,5 milhão de itens.

O índice que mede a satisfação e fidelização dos clientes após a entrega dos produtos, chamado NPS (Net Promoter Score), dobrou de valor de 2016 para 2017, com 100% de melhora nas avaliações de 0 a 10 enviadas pelos consumidores por e-mail após a realização de compras realizadas com lojistas do marketplace. Com essa evolução, o nível registrado atualmente se aproxima muito do que é verificado nas notas recebidas para pedidos relacionados a estoque próprio da Via Varejo.

Já a reputação do marketplace no site Reclame Aqui também apresentou melhora, alcançando nota de classificação “Boa”, o que representa uma evolução de 25% no período de janeiro a novembro deste ano. Esse progresso está diretamente ligado à estratégia adotada pela varejista em 2017 de tirar o foco na quantificação de lojistas para dar prioridade à qualidade do negócio, mantendo operantes apenas parceiros condizentes aos requisitos de atendimento exigidos pela empresa. “Por se tratar de uma ação concluída recentemente e que já trouxe resultados expressivos em pouco tempo, acreditamos que o avanço desse percentual será muito maior em 2018, atingindo patamares máximos de reputação”, afirma Paulo Madureira, diretor de Marketplace e Soluções e Serviços da Via Varejo.

Além disso, em abril deste ano, a empresa também intensificou a qualificação do cadastro de produtos de marketplace para facilitar a localização de ofertas nos sites da Casas Bahia, do Pontofrio e do Extra. Itens com as mesmas especificações e características estão sendo agrupados de forma que todas as opções de compra deles estejam dentro da página da oferta principal, a qual fica destacada na busca de acordo com os critérios de menor preço, prazo de entrega e custo de frete. Trata-se de uma ferramenta interna da Via Varejo que faz o “match” de produtos e que ajuda na organização do sortimento apresentado para que a compra seja cada vez mais prática, ágil e confiável para os clientes”.

Problemas no passado

Nunca mais tivemos relatos tão obscuros quanto os do começo do processo de implantação do marketplace no Brasil. Naquela época, registramos até consumidor que comprou iPhone e recebeu tijolo. O fato de casos esdrúxulos assim teria ficado para a história nos dá a impressão que, realmente, as grandes empresas controladoras dos marketplaces no nosso País estão aprendendo a fazer da forma correta.  E isso só aumenta o nosso sentido de segurança ao comprar. Mas é sempre bom ficar atento para quem vende e entrega o produto. Estudar se aquela empresa parceira do marketplace é idônea e se sua fama é boa, não só no serviço, mas como fora dele. Um bom lugar para verificar isso chama-se Reclame Aqui. Fique atento, verifique tudo e boas compras!

09:29 · 23.07.2015 / atualizado às 09:25 · 23.07.2015 por
Equipamentos da Vi
Equipamentos da Vi

A Vi inaugura um novo conceito de produto com o lançamento do primeiro “PhoneStation” do mercado. A empresa firmou uma parceria com a chinesa Meizu e traz ao Brasil o smartphone MX4 com gadgets que prometem transformar o celular em uma verdadeira estação de trabalho e entretenimento e eliminem a necessidade de carregar grandes dispositivos em viagens de negócios.

O kit, que pode ser adquirido em três cores – cinza, prata e dourado – conta com três acessórios, além do smartphone: o “Vi Center”, dispositivo multifuncional, que promete recarregar o celular em qualquer lugar e teclado virtual bluetooth, que pode ser projetado em qualquer superfície plana e opaca; o “Vi Cast”, que se conecta à porta HDMI da TV e permite transmitir vídeos, músicas e fotos, além de duplicar a tela do Meizu diretamente para a TV; e o “Vi Drive”, dispositivo de armazenamento e compartilhamento via Wi-Fi que possibilita armazenar músicas, vídeos e quaisquer outros formatos de dados.

Já o Meizu MX4, que completa o “PhoneStation”, é smartphones muito bem avaliado no “AnTuTu” (testador de desempenho dos celulares com sistema operacional Android). Com tela de 5,36 polegadas “Gorilla Glass 3”, 8,9 mm de espessura e pesando 147g, o smartphone possui memória interna de 32GB, câmera traseira de 20.7 Megapixels (que permite gravar vídeos em 4K) e frontal de 2 Megapixels, sistema operacional Android 4.4 KitKat, processador oito núcleos MediaTek 6595 e memória RAM Dual-Channel de 2GB. O Meizu MX4 ainda conta com o Flyme, que permite armazenar as informações do celular na nuvem e acessá-las de qualquer dispositivo.

O kit também traz outros serviços adicionais, como um ano de garantia e assistência técnica. O PhoneStation não será vendido em lojas físicas, somente através do site da Vi, onde os consumidores poderão acessar mais informações sobre o produto, bem como conversar com um dos atendentes online.

A venda do PhoneStation está prevista para começar no segundo semestre, no site da empresa. Para comprar, basta escolher o produto, a cor de preferência e realizar o pagamento por meio do PagSeguro, já integrado ao e-commerce. O pedido será processado e entregue via Correios, no endereço cadastrado previamente, com tempo máximo de 15 dias.

07:30 · 24.09.2014 / atualizado às 12:36 · 23.09.2014 por

ecommerceDe acordo com uma pesquisa realizada pela Kaspersky Lab e pela B2B International em 27 países, incluindo o Brasil, somente 52% das empresas financeiras e 46% das empresas que operam no e-commerce acreditam que precisam adotar medidas reforçadas para proteger transações financeiras de seus consumidores. Ainda menos empresas deste setor fornecem proteção para os dispositivos de seus clientes.

As companhias de e-commerce são as menos focadas em proteger operações financeiras – 16% dizem que não estão interessadas em instalar soluções de segurança especiais contra fraudes on-line e apenas 38% estão dispostas a investir nessas ferramentas.

No geral, 30% das empresas que trabalham com fluxos de caixa na Internet não fornecem e não planejam fornecer proteção para os dispositivos de seus clientes durante as transações – mesmo este sendo o ponto mais fraco na cadeia de segurança e que poderia acarretar em perda de dinheiro para os consumidores e perda de lucros e reputação para as organizações. 28% das companhias não se preocupam com a instalação de software antifraude em dispositivos móveis dos clientes, enquanto 30% não tentam proteger a sua própria infraestrutura de informação contra a fraude. Esta atitude indiferente à proteção dos pagamentos pode levar a um feedback negativo dos clientes: três quartos dos usuários esperam que as empresas financeiras assumam a responsabilidade pela segurança de todos os seus dispositivos e 40% dos entrevistados tem certeza de que a empresa os reembolsaria em caso de perda de dinheiro.

No entanto, como mostram as estatísticas da Kaspersky Lab, o número de ameaças virtuais visando dados financeiros de usuários individuais está crescendo constantemente. Por exemplo, de acordo com a Kaspersky Security Network, a quantidade de ataques que usam software malicioso bancário chegou a 1,4 milhões no período entre 19 de maio e 19 de junho de 2014, um aumento de 15% em relação ao período que corresponde de 19 de abril à 19 de maio.

“Os criminosos estão menos propensos a roubar bancos, correndo e gritando ‘Isto é um assalto!’ antes de disparar para o teto. Mais e mais crimes migram para o mundo online. os cibercriminosos visam bancos, e atuam por meio dos elos mais frágeis da cadeia – dispositivos de clientes e as transações financeiras online realizadas com esses aparelhos. A fim de proteger os consumidores e seu dinheiro – e, consequentemente, a reputação da empresa – as organizações financeiras são incentivadas a utilizar soluções integradas e de multicamadas que proporcionam a prevenção da fraude proativa para maximizar a eficácia e aperfeiçoar a experiência do usuário. O uso de uma plataforma unificada que fornece proteção tanto no terminal do cliente como dentro do ambiente do banco, fornece o contexto dirigido e prevenção abrangente que soluções pontuais não entregam”, afirmou Ross Hogan, diretor Global da Divisão de Prevenção a Fraudes da Kaspersky Lab.

Por exemplo, a plataforma de Prevenção Kaspersky Fraud Prevention que é projetada especificamente para os bancos, sistemas de pagamento e para as empresas de comércio eletrônico. A proteção do servidor instalado na empresa financeira assegura as transações deste lado. Os aplicativos instalados nos dispositivos dos usuários fornecem um ambiente seguro para pagamentos online. A implantação de uma solução multicomponente torna possível proteger todas as fases da operação, enquanto os serviços adicionais de prevenção de fraudes da Kaspersky alertam os serviços de segurança do banco para quaisquer novas ameaças e ajudam a reforçar as políticas de segurança confiáveis.

15:36 · 11.09.2014 / atualizado às 16:04 · 11.09.2014 por
fifa-15-na-dempsey-capa-xbox-pn
Fifa 15 em pré-venda. Será que vai ter desconto? Duvido

Alguns dos maiores e-commerces do País se unem no Brasil Game Day, trazendo ofertas e descontos em games, consoles e acessórios. Por conta da grande procura, o início da ação está sendo antecipado para às 18h desta quinta (11/9), com o final programado para as 23h59 de sexta (12). Durante este período, os artigos estarão disponíveis no site oficial. A data é promovida pelo Busca Descontos e, de acordo com as lojas participantes, irá trazer descontos de até 60%, além de sorteios de consoles, TVs e jogos.

Casas Bahia, Saraiva.com, Magazine Luiza, Walmart.com, Ponto Frio, Extra.com, MercadoLivre.com, Americanas.com. Shoptime, Submarino e eFacil são as lojas online confirmadas na ação.

“O Brasil Game Day chega para ampliar o crescimento do mercado de games no nosso País, que deverá movimentar R$ 4 bilhões por ano até 2016, de acordo com a PricewaterhouseCoopers”, explica Patricia Soderi, diretora de Novos Negócios do Busca Descontos. “Além disso, queremos proporcionar aos consumidores e lojistas um momento oportuno para a troca da geração dos consoles, já que tivemos no último ano os lançamentos de PlayStation 4 e Xbox One”.

O Walmart.com promete até 60% de desconto em games e benefícios como o frete grátis aos compradores durante a ação.

Já a loja online do Magazine Luiza pretende ampliar os descontos para triplicar as vendas as vendas de games no dia. “Nossos clientes encontrarão a maior promoção de games do varejo, na qual serão sorteados vários prêmios e teremos os melhores preços no mercado de jogos, consoles e acessórios”, explica Renato Alves França, gerente de Produto da categoria Games do Magazine Luiza.

Além disso, o Magazine Luiza promoverá o #MegaloucosPorGames, que começa junto com o Brasil Game Day e irá até o dia 30 de setembro. Nesse período, a cada R$ 100 em compras na categoria games dará um cupom para participar de um sorteio de dois kits com console, TV 3D LED de 50 polegadas, óculos 3D e três jogos.

O MercadoLivre.com também pretende aproveitar o Brasil Game Day para satisfazer os gamers e jogadores ocasionais. “Vamos selecionar os produtos com base nas buscas que ocorrem no site dentro da categoria games e oferecer os maiores descontos possíveis”, explica Leandro Soares, diretor de Marketplace do MercadoLivre.com. Para a data, o site disponibilizará o PS4 com HD de 500 GB por R$ 1399,99.

O outro console da nova geração, o XboxOne, será vendido por R$ 1.379,00 pelo eFacil, na versão com 500 GB de HD.

A Saraiva.com promete 12% de desconto nas compras com cartão de crédito ou débito e frete grátis. Serão, ao total, mais de 200 jogos por menos de R$ 99 no varejista, além de promoção “leve 3, pague 2”. O e-commerce ainda conta com pré-vendas dos jogos The Sims 4 e FIFA 15 (este último com um DLC exclusivo para esta fase de vendas). Fora os games, a loja irá trazer action figures a partir de R$ 79,90 e uma seleção de livros especial para os gamers com 35% de desconto.

“Temos uma forte atuação em vendas no segmento de games do País”, afirma Guilherme Farinelli, diretor e-commerce da Saraiva. “Consideramos o Brasil Game Day uma grande oportunidade para oferecermos uma experiência de compra única aos consumidores, que poderão contar com ofertas atrativas de produtos tanto em nosso site quanto em todas as nossas lojas físicas”.

Para quem se pré-cadastrou no endereço site da Brasil Game Day, algumas das promoções já estão disponíveis. Além disso, os inscritos participam de um sorteio de um kit com uma TV e um Xbox One, PlayStation 4 ou Wii U. São esperadas outras promoções, incluindo descontos nos consoles e games da nova geração.

Mercado em crescimento

Segundo uma pesquisa feita pela empresa Ipsos em parceria com a Estudos Marplan EGM, quase metade dos jovens brasileiros com idades entre 10 e 19 anos (44%) possuem videogames. Entre os adultos (de 20 a 29 anos) o índice passa para 33%; e para 32% entre os de 30 a 39 anos. Já de acordo com o Ibope, 23% de todos os brasileiros são jogadores assíduos ou eventuais.

Em 2013, a venda de consoles no Brasil cresceu 92,92%, de acordo com a Superintendência da Zona Franca de Manaus. Em parte, os números foram alcançados por conta dos lançamentos da nova geração de videogames. No total, 1,4 milhões de consoles foram produzidos no ano passado.

De acordo com a consultoria Newzoo, o Brasil será o maior mercado de games da América Latina em 2014.

12:00 · 11.06.2013 / atualizado às 15:53 · 11.06.2013 por

Os smartphones estão entre sete dos 10 produtos mais desejados como presente no Dia dos Namorados. É o que revela um levantamento feito pelo site de comparação de preços JáCotei. De acordo a empresa, a intenção de inclusão dos telefones inteligentes como opção de compra tende a crescer ainda mais na medida em que nos aproximarmos da data comemorativa.

“Nas semanas que antecederam o Dia das Mães, por exemplo, estes aparelhos estavam entre nove dos 10 produtos mais buscados pelos internautas. Agora, com a proximidade do Dia dos Namorados, o cenário continua promissor”, explica Antonio Coelho, executivo-chefe do JáCotei.

Ainda segundo o levantamento do JáCotei, os preços dos smartphones tiveram uma queda média de 11% nas lojas de e-commerce entre o final de abril e o começo de maio. A deflação é uma reação imediata do mercado ao decreto federal instituído há pouco mais de um mês, que zerou as alíquotas de impostos como PIS e Cofins para a compra destes aparelhos em todo o país.

Antonio Coelho, no entanto, chama a atenção para o fato de que a redução de preços só acelerou uma tendência de mercado de migração dos celulares tradicionais para os smartphones, o que já vinha sendo detectado pelo site há meses.

“Os incentivos realmente fazem deste um bom momento para adquirir um smartphone como presente de Dia dos Namorados, mas isso não quer dizer que o consumidor não precisa comparar, pesquisar, saber a oscilação de preços dos produtos nos últimos meses. Tudo isso vai ajudá-lo a fazer uma compra mais consciente, sem se deixar levar apenas pelo impulso de consumir uma novidade recém-chegada ao mercado, pois elas aparecem a todo momento”, continua o CEO.

Compra inteligente

Utilizar as ferramentas disponibilizadas pelo JáCotei aos seus usuários é uma boa dica nesse sentido, já que o site permite que o consumidor obtenha informações não apenas sobre os menores preços da internet, mas também sobre o melhor momento para se fazer uma compra. Isso é possível por meio do uso do Gráfico de Preços, ferramenta que mostra a oscilação de valores dos produtos vendidos online dentro de um período de seis meses. Este recurso agrega ainda a Prancheta Eletrônica, que oferece ao usuário a facilidade de receber no seu e-mail o acompanhamento da variação de preços dos produtos sobre os quais ele deseja informação. Na Prancheta é possível ainda ativar outro serviço do portal, chamado Alerta de Preços, que avisa ao usuário quando o valor do produto desejado atinge uma redução de 5% ou 10%, indicando um bom momento para a sua aquisição.

13:21 · 23.04.2013 / atualizado às 13:21 · 23.04.2013 por

Nunca é demais alertar que vai comprar via internet para a necessidade de se fazer uma  pesquisa na própria rede sobre a idoneidade da loja virtual, antes de clicar no botão de compra. O Procon de São Paulo está dando uma mãozinha ao consumidor online, divulgando uma lista com 71 sites nos quais o órgão de defesa do consumidor não recomenda a compra.

Entre os motivos para a reprovação desses sites estão a falta de entrega do produto ao consumidor e a ausência de respostas a problemas apresentados.

Para baixar a lista (em formato PDF), clique aqui.

 

12:25 · 14.02.2013 / atualizado às 12:25 · 14.02.2013 por

A brasileira Netshoes entrou na lista das 1o empresas mais inovadoras da revista “Fast Company”, uma das mais conceituadas revistas de negócios do mundo.

Em seu guia anual de empresas inovadoras, a publicação citou a companhia brasileira por ter  popularizado o comércio eletrônico por meio do esporte e registrar uma grande expansão em suas operações brasileira, argentina e mexicana. A revista americana analisou o desempenho da empresa e o impacto da inovação nos cenários culturais e industriais.

14:09 · 17.01.2013 / atualizado às 14:18 · 17.01.2013 por

O Magazine Luiza está lançando um site com descontos especiais, para funcionar no formato de clube fechado de compras. É o “Clube de Ofertas da Lu”, que promete ofertas especiais e vantagens diferenciadas para os associados.

Segundo a empresa, as ofertas são sempre de produtos novos, na caixa, com preço negociado especialmente para os sócios. Diferente dos sites de compras coletivas, o formato do clube de compras não exige troca de cupom ou ir até uma loja. Além disso, não é necessário que outras pessoas comprem o produto para que a oferta seja válida.

Para se tornar sócio e ter acesso aos descontos e vantagens do Clube, basta cadastrar o nome e e-mail. Já para finalizar a compra é necessário um cadastro completo com login e senha. O endereço do site é www.ClubedaLu.com.br.

11:09 · 21.11.2012 / atualizado às 11:09 · 21.11.2012 por

O Ceará é o Estado brasileiro com o maior  índice de fraudes no comércio eletrônico no Brasil. Segundo um estudo realizado pela FControl, empresa de segurança na internet do grupo Buscapé, 5,2% das tentativas de fraudes nas compras online registradas neste ano tiveram como origem o Ceará. No ano passado, o Ceará também liderava o ranking, com 4,1%. Em segundo lugar, está a Bahia, que em 2011 ficou com 3,5% das tentativas de fraudes e, em 2012, saltou para 3,9%. Depois da Bahia, vem o Pará, com 3,4% no ano passado e 3,2% neste ano.

A presença do Ceará no topo da lista de estados de onde mais partem as tentativas de golpes no comércio eletrônico brasileiro não é uma novidade. Em julho deste ano, publicamos uma matéria no Tecno, que virou manchete de capa do Diário do Nordeste, que mostrava o Ceará como o Estado com o maior incidência de golpes com uso de cartão de crédito no comércio eletrônico nacional. Segundo dados divulgados pela empresa ClearSale, que oferece aos lojistas um sistema de autenticação de compras na internet, de cada 100 compras em lojas virtuais feitas por consumidores que indicam um endereço de entrega no Ceará, oito são apontadas como fraude ou tentativa de fraude.

No ranking da ClearSale, a incidência de fraudes nas tentativas de compras online no Ceará supera a de outras unidades da Federação que também têm alto índice: Bahia (7%), Maranhão (6,71%), Distrito Federal (6,27%) e Pernambuco (6,22%). O cartão de crédito, foco da análise feita pela empresa, é a modalidade de pagamento mais utilizada no comércio eletrônico.