Busca

Tag: Facebook


09:39 · 29.08.2017 / atualizado às 10:00 · 29.08.2017 por
Usuários do Samsung Galaxy S8 são alguns, do sistema operacional Android, que podem sofrer com estes problemas

Não importa com qual plataforma social, de música ou armazenamento em nuvem você esteja mais acostumado, todas têm uma coisa em comum que é a capacidade de aniquilar o seu smartphone Android. A Avast, empresa global de produtos de segurança digital, publicou seu Relatório Trimestral Avast de Tendências e Desempenho dos Aplicativos Android do primeiro trimestre de 2017 para ajudá-lo a navegar nos turbulentos mares digitais, para poder descobrir quais aplicativos estão drenando seu celular.

Baseado numa pesquisa detalhada, o relatório identifica os 20 aplicativos considerados os mais ‘sugadores’, pela combinação do seu impacto na duração da bateria, capacidade de armazenamento e uso do plano de dados. Com as informações de mais de 3 milhões de usuários do Android, o relatório mapeia os piores infratores e os novos que entraram nas listas, incluindo um trio de recém-chegados do Google, que são o seu Play Music, o Talkback e o app Docs. Os experientes Facebook, Instagram e Amazon ilustram os gráficos mais uma vez por gastarem armazenamento.

 

Lista 1 – Apps que mais sugam bateria de usuários

Spotify e Snapchat deixaram a lista dos 10 mais sugadores depois de duas medidas. Já o Google Docs entrou e já chegou ficando no 2º lugar.

Lista 2 – Apps que mais drenam bateria na inicialização do smartphone Android

Lista 3 – Apps não proprietários que mais drenam sua bateria na inicialização do smartphone Android

Deixando de lado os aplicativos pré-instalados já citados acima, Facebook, WhatsApp e WeChat são também os maiores drenos nessa categoria. No caso do Facebook e seu aplicativo de mensagens, você ainda pode desinstalar e usar a versão apenas web para ajudar a economizar recursos.

Lista 4 – Apps usados por usuários que mais drenam a bateria dos smartphones Android

O editor de vídeo integrado da Samsung se tornou o segundo aplicativo que mais drena a bateria. Ele exige processamento intenso (CPU) e recursos de vídeo (GPU) do seu telefone para editar e adicionar efeitos aos seus vídeos. Nenhuma surpresa aqui: Spotify, Netflix e Snapchat continuam a ser drenos pesados e eles usam mais recursos que seu navegador ou aplicativo de e-mail.

Lista 5 – Apps de armazenamento que mais drenam a bateria de smartphones Android

O Spotify voltou à lista de maiores consumidores de armazenamento que são executados ativamente pelos usuários. Você pode limpar as músicas ou listas de reprodução que não ouve mais para ajudar a gerenciar isso. Aplicativos encontrados no relatório do ano passado, como o aplicativo Jehovah’s Witnesses, JW Library e o leitor de gibis Comico, não estão mais na lista. A novidade da lista é o Photo Grid, um editor de imagens com efeitos, que pode ser usado para adicionar efeitos a seus selfies ou fotos.

Lista 6 – Apps que mais consomem tráfego de dados e que são executados na inicialização

Alguns aplicativos consomem seu volume de dados móveis mesmo se não estiverem sendo utilizados ativamente. A mais recente lista dos “Top 10” mostra o Facebook e Instagram, seguido pelo Yahoo! JAPAN como os três maiores usuários de dados, e o Weather Channel também aparece novamente. Considere desativar esses aplicativos ou remover sua atividade em segundo plano para ajudar a gerenciar o uso do seu plano de dados quando você não estiver conectado à Wi-Fi.

Lista 7 – Apps maiores consumidores de tráfego de dados executados pelos usuários

Netflix ainda está no topo da lista de aplicativos que nossos usuários executaram ativamente nesse trimestre, seguido pelo Spotify e Snapchat. Amazon App for Android tablets também usa muito tráfego, por isso, usar a Wi-Fi em vez do plano de dados é aconselhado.

Lista 7 – Apps de jogos que mais consomem a bateria

Jogos 2D simples, como Candy Crush Saga ou Soda Saga, continuam nas primeiras classificações nessa lista como os jogos que mais consomem recursos no Android. Essa lista não mudou muito desde que a série de relatórios sobre aplicativos da Avast foi lançada, há quase 3 anos. Duas exceções notáveis são o Piano Tiles 2 e Hill Climb Racing, que esgotaram a bateria de do dispositivo de teste da Avast, um Samsung Galaxy, em menos de 3horas30minutos, apesar dos gráficos muito simples.

Curiosidades

Uma série de novos aplicativos entraram nos gráficos pela primeira vez neste trimestre, incluindo:

Google Talkback: Na liderança entre os recém-chegados em aplicativos que são executados no start-up, o Talkback é ativado por vários aplicativos de terceiros, o que significa que ele pode permanecer ligado até mesmo depois de você reiniciar seu dispositivo

Google Play Music: Os bloqueadores de anúncios parecem ser uma causa da drenagem de desempenho desse aplicativo de música

SHAREit: Projetado para compartilhar arquivos através de Wi-Fi de um dispositivo para outro, este popular aplicativo Lenovo depende do Wi-Fi, tornando-o o quarto que mais consome o desempenho quando executado pelos usuários

Google Docs: Este simples aplicativo de editor de texto é o segundo em drenagem de desempenho executado por usuários em dispositivos Android, drenando-os ainda mais quando conectado diretamente ao Google Drive via 3G e Wi-Fi

Samsung Media Hub: Embora descontinuado em 2014, o ranking deste aplicativo é basicamente devido aos dispositivos Samsung mais antigos o possuírem pré-instalado. Os usuários devem removê-lo e substituí-lo com a mais nova versão disponível para eles

Piano Tiles 2: Testes executados em um Samsung Galaxy S6 revelaram que o aplicativo conseguiu drenar a bateria inteira em menos de 3 horas e meia de uso consistente

Menções notáveis vão para os próprios aplicativos do Google. Um total de oito aplicativos são destaque nas 10 principais listas de aplicativos de inicialização e executados pelo usuário. A Samsung também tem um papel destacado, com sete de seus aplicativos aparecendo nas tabelas. O fato de que as ofertas do Google e da Samsung são muitas vezes pré-instaladas na maioria dos dispositivos Android pode desempenhar um papel nisso. Quando se trata de mensagens instantâneas, o ChatON, o Google Hangouts e o LINE: Free Call & Messaging são o trio problemático que encontra a fama nas listas dos Top 10.

O título de “Mais Aperfeiçoado” deste trimestre é compartilhado entre a ferramenta de mensagens Snapchat, o gigante das redes sociais Facebook e o gigante de transmissão de música Spotify. Tendo anteriormente ocupado três das quatro principais posições dos aplicativos de drenagem de desempenho executados por usuários e de inicialização, essas empresas fizeram um esforço coordenado neste trimestre para melhorar. A Musical.ly também merece uma menção por escapar das listas dos pesos-pesados em armazenamento, já que não aparece em nenhuma delas.

“As estatísticas do setor mostram que as vendas de smartphones cresceram 9,1% no primeiro trimestre deste ano e os dispositivos Android continuam a dominar a participação no mercado. Os smartphones acessíveis, no entanto, podem comprometer recursos como armazenamento do dispositivo, para que a experiência do usuário seja cada vez mais importante, e então fica crítico o modo como os aplicativos afetam o desempenho do telefone”, disse Gagan Singh, SVP e GM Mobile Business da Avast. “Para muitos de nós, os smartphones são o principal dispositivo em nossas vidas diárias. Saber quais dos nossos aplicativos favoritos são os que mais prejudicam a vida útil da bateria, o uso de dados e o armazenamento é importante para que possamos gerenciar qualquer coisa que usemos regularmente em nossos telefones”.

Metodologia
O Relatório Avast de Tendências e Desempenho dos Aplicativos Android foi baseado numa amostra de dados agregados e anonimizados de mais de 3 milhões de usuários do Android em todo o mundo. Os dados de aplicativos incluídos neste relatório cobrem um período de janeiro de 2017 até março de 2017 e só inclui aplicativos do Google Play para os quais a Avast observou um tamanho de amostra mínimo de 50.000 ocorrências de uso.

07:33 · 16.08.2017 / atualizado às 07:33 · 16.08.2017 por

O Facebook traz mais maneiras de capturar e compartilhar momentos com a câmera do Facebook em dispositivos iOS e Android. Confira:

– Live: Agora é possível entrar ao vivo a partir da câmera do Facebook. Quando estiver ao vivo, o seu vídeo aparecerá em Sua História para o público que escolher. Você pode entrar ao vivo apenas pelo Stories ou optar por também criar um post em sua linha do tempo. As centenas de efeitos criativos da câmera do Facebook também estão disponíveis agora para o Facebook Live.

– GIF: As pessoas poderão em breve dar vida às imagens, criando vídeos em loop de 2 segundos com a câmera do Facebook. Você pode compartilhar o conteúdo no Feed de Notícias, em Sua História ou enviar pelo Direct.

– Texto: Adicionado também uma opção para tornar as atualizações de texto mais visuais, a partir de mensagens em tela cheia que incluem um fundo colorido. Elas podem ser compartilhadas no Feed de Notícias, em Sua História ou diretamente pelo Direct.

08:11 · 14.08.2017 / atualizado às 08:11 · 14.08.2017 por
Aplicativo Colorful Balloons começa a funcionar na China

Proibido de funcionar na China, o Facebook faz de tudo para tentar entrar naquele mercado e, segundo a Folha de S.Paulo, a mais nova cartada de Mark Zuckerberg é um aplicativo chamado Colorful Balloons que, secretamente, é do Bilionário.

Balloons é uma espécie de Facebook Moments. Só que, ao invés de estar associado ao Facebook diretamente, ele está ligado ao WeChat, maior rede social da China.

O Colorful Balloons recolhe fotos dos álbuns de um smartphone e compartilha, por meio de um QR Code no WeChat as fotos dos usuários.

A questão é saber por quanto tempo este segredo vai se manter e quando cair, o que o governo chinês irá fazer com o aplicativo e com o próprio Facebook.

09:27 · 28.07.2017 / atualizado às 09:27 · 28.07.2017 por

O processo é bem simples. Para ativar ou desativar as configurações de reprodução automática de vídeos no Facebook no desktop basta seguir 3 passos. Confira:

1 – No canto superior direito do Facebook, clique em e selecione Configurações
2 – Clique em Vídeos no final do menu à esquerda
3 – Clique no menu suspenso ao lado de Reprodução automática de vídeos e selecione Desativar ou Ativar. Geralmente ele estará setado em Padrão (ativação automática dos vídeos)

Desativando os vídeos no iPhone/iPad

Primeiro, é preciso dizer que para dispositivos móveis há 2 processos diferentes para iPhone/iPad e equipamentos que usam o sistema operacional Android. Vamos começar com os equipamentos da Apple. Você pode ajustar as definições de reprodução automática do aplicativo do Facebook para Em conexões de dados móveis e Wi-Fi, Apenas em conexões Wi-Fi ou Nunca reproduzir vídeos automaticamente.

Para ajustar a configuração no seu iPhone/iPad (iOS):

1 – Abra o aplicativo do Facebook

2 – Toque em Mais

3 – Role a tela para baixo e toque em Configurações > Configurações da conta

4 – Toque em Vídeos e fotos > Reprodução automática

5 – Escolha uma opção

Observação: Se você não encontrar Vídeos e fotos nas configurações do aplicativo do Facebook no seu iPhone/iPad, experimente atualizar o aplicativo do Facebook.

Desativando os vídeos no Android

Você pode ajustar as definições de reprodução automática do aplicativo do Facebook para Em conexões de dados móveis e Wi-Fi, Apenas em conexões Wi-Fi ou Nunca reproduzir vídeos automaticamente.

Para alterar essa configuração no Android:

1 – Abra o aplicativo do Facebook

2 – Toque no ícone de 3 barras paralelas

3 – Role para baixo e toque em Configurações do aplicativo

4 – Toque em Reprodução automática

5 – Escolha uma opção

Observação: Se não conseguir visualizar as configurações de Reprodução automática no telefone Android, saia do aplicativo do Facebook. Quando entrar novamente no Facebook, a Reprodução automática deve estar visível nas Configurações do aplicativo.

 

08:01 · 23.06.2017 / atualizado às 08:01 · 23.06.2017 por

O Facebook promoveu, na última quinta-feira, 22, na cidade de Chicago (EUA), o primeiro encontro de comunidades presentes na plataforma, chamado de Facebook Communities Summit. Durante o evento, foram apresentadas novas ferramentas para ajudar na expansão e no gerenciamento dos grupos, e a nova missão do Facebook.

Mark Zuckerberg iniciou o encontro apresentando a nova missão do Facebook, que vai guiar o trabalho da empresa na próxima década: “Dar às pessoas o poder de criar comunidades e aproximar o mundo”. Zuckerberg também falou sobre o papel importante que os grupos do Facebook desempenham na comunidade e expressou sua gratidão pelas pessoas que os lideram.

Entre os anúncios estão:

Insights de Grupo: Os administradores agora terão acesso a métricas em tempo real sobre crescimento, engajamento e integrantes

Filtro para pedidos de associação: Essa nova ferramenta permitirá que os administradores ordenem e filtrem requisições por categorias como gênero e localização

Remoção de membros: administradores de grupos agora poderão remover uma pessoa e todo o conteúdo criado por ela dentro do grupo

Publicações agendadas: administradores e moderadores de grupos poderão criar publicações a qualquer momento e agendar sua publicação

Recomendações de Grupos: ainda em testes, essa ferramenta deixa que administradores recomendem outros grupos similares e relacionados aos membros de seu próprio grupo.

11:38 · 26.03.2017 / atualizado às 15:46 · 26.03.2017 por
Zenfone Live chega em 3 cores

A Asus anunciou, neste  domingo, 26, durante o evento Asus Onboard 3, o Zenfone Live. O smartphone chega em maio deste ano, mas ainda sem preço definido. O Live é um aparelho de entrada para este novo ciclo da empresa de Taiwan para atender com qualidade o usuário. Ele chega com embelezamento anterior ao livestreaming antes de subir para aplicativos como Facebook, YouTube e Instagram. O aplicativo BeautyLive faz seu embelezamento em tempo real antes de iniciar uma live para seus seguidores nas 3 redes.

O produto chega com tela de 5 polegadas, Snapdragon 400 series, Android 6 com upgrade garantido para o Android 7.0, o Nougat. Além disso, tem memória RAM de 2GB, armazenamento interno de 16GB que pode chegar até 128 MB com cartão microUSB.

O Zenfone Live tem câmera traseira de 13MP com auto-focus e abertura de 2.0. Já a câmera frontal tem ângulo de 82º, 5 MP + flash e abertura focal de 2.2.

O smartphone também chega com televisão digital Full-Seg em alta definição com qualidade superior ao mercado. O Zenfone Live promete oferecer uma combinação de áudio com 67% mais volume do que a geração anterior, além de ampliar a reprodução de baixas frequências em até 17% e reduzir a distorção em até 15%.

10:05 · 02.02.2017 / atualizado às 10:12 · 02.02.2017 por
Sede do Google. Foto: Tobias Haase/Creative Commons

O primeiro lugar do ranking das 10 empresas mais valiosas do mundo é agora do Google. A empresa atingiu o valor de mercado de US$ 109,470 bilhões em 2017 e superou a Apple, que caiu 27% em um ano registrando US$ 107,141 bilhões (a falta de grandes inovações seria o fator principal?). O terceiro lugar ficou com a Amazon que teve amplo crescimento de 2016 para cá, 53%, chegando a US$ 106,369 bilhões e mostrou que pode, em 2018, até tomar a liderança.

Estrutura do Alphabet, a empresa que controla todas as empresas Google

A quarta colocação ficou com a AT&T, operadora norte-americana de telefonia. Ela também teve amplo crescimento (45%) e atingiu US$ 87,016 bilhões. Surpresa mesmo é que a Samsung, apesar do Note 7 explosivo, aparece com crescimento de 13% na sexta posição. Acima dos sul-coreanos está a Microsoft.

O restante da lista tem Verizon, empresa de telefonia norte-americana (+4%), Walmart (+16%), Facebook (+82%) e Banco Industrial e Comercial da China, o ICBC, com 32% de crescimento.

Em destaque os 5 primeiros do ranking

Note aí que o maior crescimento dos 10 é do Facebook. Mas ainda vai ter que melhorar um pouco mais para entrar entre os 3 primeiros.

Veja o ranking das 10 primeiras em detalhe:
1. Google: US$ 109,470 bilhões (+24%)
2. Apple: US$ 107,141 bilhões (–27%)
3. Amazon: US$ 106,369 bilhões (+53%)
4. AT&T: US$ 87,016 bilhões (+45%)
5. Microsoft: US$ 76,265 bilhões (+13%)
6. Samsung: US$ 66,219 bilhões (+13%)
7. Verizon: US$ 65,875 bilhões (+4%)
8. Walmart: US$ 62,496 bilhões (+16%)
9. Facebook: US$ 61,998 bilhões (+82%)
10. ICBC (Banco Industrial e Comercial da China): US$ 47,832 bilhões (+32%)

13:32 · 12.01.2017 / atualizado às 13:33 · 12.01.2017 por
Peter Thiel em palestra em Berlim, na Alemanha. Foto: Dan Taylor. www.heisenbergmedia.com
Peter Thiel em palestra em Berlim, na Alemanha.
Foto: Dan Taylor. www.heisenbergmedia.com

O bilionário do Vale do Silício Peter Thiel, famoso por ter ajudado o Facebook a se consolidar, ataca novamente.

Em entrevista ao jornal “The New York Times“, ele confirmou que a era da Apple chegou ao fim e que não seria culpa do CEO da empresa, Tim Cook. “Esta (em relação aos smartphones) não é uma área em que ainda vai haver alguma inovação”, disse Thiel ao jornal norte-americano.

Levando em consideração os últimos iPhones estaria o bilionário correto nesta afirmativa? Além do império Apple, os smartphones Android também estariam fadados a não mais evoluir?

07:57 · 25.10.2016 / atualizado às 07:57 · 25.10.2016 por

hackerUma pesquisa realizada pela Eset – fornecedora de soluções de segurança da informação e pioneira em proteção proativa – identificou que 35% dos usuários da América Latina, incluindo do Brasil, já foram infectados por malware (códigos maliciosos) e/ou spam propagados pelas redes sociais. O que reforça o interesse crescente dos cibercriminosos por esse tipo de ambiente, por conta do aumento expressivo no número de usuários.

A pesquisa da Eset mostra ainda que 30% dos usuários reconhecem que clicaram, ao menos uma vez, em publicações suspeitas nas redes sociais. Essa prática, comumente usada pelos cibercriminosos, usa como isca anúncios chamativos e conteúdos falsos para atrair a atenção dos usuários desavisados. Dessa forma, ao clicar no conteúdo suspeito, códigos maliciosos podem ser baixados no equipamento ou, ainda, o usuário é subscrito em serviços de publicidade que geram algum tipo de retorno financeiro para o atacante, como é o caso do SMS Premium.

Além disso, 15% dos usuários mencionaram que já foram vítimas de phishing – tipo de ataque que tem como objetivo obter informações pessoais e confidenciais de forma fraudulenta. Esse tipo de ameaça é, geralmente, realizado por meio de e-mails e sites de web duplicados. Porém, com a alta penetração das redes sociais, os cibercriminosos também passaram a utilizar esses espaços para propagar campanhas de phishing.

“Os especialistas da Eset identificaram que, em média, mais de 28 mil links maliciosos e suspeitos são divulgados por dia no Facebook e 10 mil no Twitter. O que reforça a preocupação que as pessoas precisam ter em relação à segurança nas redes sociais”, afirma Camillo Di Jorge, Presidente da Eset Brasil. “Por isso vale reforçar que é sempre importante que os usuários usem soluções proativas de segurança nos equipamentos que utilizam para acesso à internet e às redes sociais, utilizem configurações de segurança nesses ambientes e, principalmente, fiquem atentos para não clicar ou baixar conteúdos de origem duvidosa “, completa.

Abaixo seguem dicas dos especialistas da Eset para que os internautas reforcem a segurança nas redes sociais:

1. Credenciais de Acesso
Cada site conta com diversas opções disponíveis para preservar a segurança dos dados de acesso dos usuários. Alguns sites disponibilizam uma lista dos dispositivos que utilizam a conta. Dessa forma, conseguem verificar a autenticidade do usuário e comprovar se há algo suspeito com o envio de notificações a cada início de sessão. Essa funcionalidade também está disponível para dispositivos móveis.

2. Visualização de conteúdos e publicações
Apesar de ser uma rede aberta, é importante que os usuários filtrem quais pessoas têm permissão para ver suas mensagens. Muitos sites trazem filtros para que essa configuração seja feita e o perfil exiba somente as informações básicas do usuário. No entanto, é importante ter em mente que, mesmo uma configuração limitada, pode trazer riscos, visto que essas informações estão expostas publicamente.

3. Informação de contato e localização
As redes sociais usam diferentes meios para que as outras pessoas possam entrar em contato, como as mensagens diretas, e-mail, número de celular e, até mesmo, geolocalização. Em geral, o usuário pode limitar a visualização das formas de contato ou restringir o acesso. No caso da localização, é importante desabilitar essa funcionalidade, que muitas vezes é adicionada automaticamente por meio do GPS.

4. Envio de mensagens e comentários
Alguns sites permitem limitar quem pode enviar mensagens ou publicar comentários sobre seus posts. Para isso, selecione ou bloquei grupos específicos ou pessoas individualmente.

5. Marcação em fotos e vídeos
Fotos ou vídeos em redes sociais podem sofrer marcações. O usuário pode evitar ou, se preferir, ter o direito de aprovar antes as marcações relacionadas ao seu perfil.

6. Monitoramento e anúncios
A maioria dos sites, incluindo as redes sociais, fazem um monitoramento das atividades online dos usuários com o intuito de mostrar anúncios personalizados. Algumas redes sociais podem ser configuradas sobre como ou quando o usuário deseja que esse mapeamento seja realizado e que publicidade mostrar.

7. Notificações
O envio de notificações por meio das redes sociais pode ter diferentes consequências. Por um lado, permitem saber se ocorre algo inesperado ou não desejado. Por outro, podem trazer uma avalanche de informações por meio de um canal não criptografado que pode ser sequestrado com fins maliciosos. Dessa forma, o ideal é que o usuário configure as notificações que deseja receber.

8. Reprodução automática
O conteúdo que executa automaticamente, como é o caso dos vídeos, pode ser um problema. Isso porque pode executar conteúdo malicioso antes que o usuário perceba. Por isso, recomenda-se que a funcionalidade de “reprodução automática” seja desativada a fim de evitar surpresas desagradáveis.

14:40 · 23.09.2016 / atualizado às 14:40 · 23.09.2016 por
Facebook poderá liberar enquetes para usuários do Messenger
Facebook poderá liberar enquetes para usuários do Messenger

Segundo o TechCrunch, o Facebook vai testar duas novas funcionalidades no Messenger. A primeira é um esquema de enquetes em que os usuários poderão montar e compartilhar com amigos para, digamos, escolher sobre a compra de um produto ou que lugar será melhor para o “happy hour”.

Enviar pagamentos via Messenger também está em estudo
Enviar pagamentos via Messenger também está em estudo

A outra novidade trata-se do envio de pagamentos ou dinheiro para terceiros. Funcionaria assim: ao receber uma mensagem de alguém pedindo R$ 10, por exemplo, o Facebook postaria um botão de pagamento logo após a referida mensagem com o valor exato mencionado pelo remetente.

Nota da redação

A primeira medida parece bem interessante e pode movimentar, mas a segunda é temerosa. Afinal, pessoas má intencionadas podem inserir pedidos de pagamento só para tentar pegar alguém desprevenido. Também pode ser que um amigo brincalhão queira te pregar uma peça só para te irritar. De uma forma ou de outra, não é uma boa ideia. Podemos fazer pagamentos e transferências de forma muito mais segura via serviços oficiais de internet banking.