Busca

Tag: Huawei


07:53 · 11.09.2018 / atualizado às 09:13 · 11.09.2018 por
Novos iPhone XS e XS Plus vazados pelo blog 9to5Mac

Várias fontes comentaram nesta segunda-feira, 10, que, ao menos um modelo de iPhone da nova geração, terá o recurso dual-SIM (dois chips dentro do celular). O fato gerou ódio de grande parte de usuários tradicionais do smartphone da Apple (diria eu até que da maioria), mas alegrou uma boa parcela.

>>>Conheça os preços dos novos iPhones, segundo site alemão

Quem não gosta dessa possibilidade é por um motivo lamentável: acham que ser dual-SIM não combina com os produtos da Apple por ser coisa de celular de baixa categoria. De aparelhos Android de entrada ou mesmo até os intermediários e intermediário premium.

O fato é que ser dual-SIM já havia passado da hora para a Apple. Desde o início dos anos 2000 que a tecnologia já existe.

A Apple fugia do assunto, talvez pela imagem de ter aparelho das elites – o que também pode ser visto nos topo de linha da Samsung como o S9.

Como surgiu o rumor?

A suspeita toda seria baseada em postagens no Facebook de duas empresas chinesas de telefonia (China Telecom e China Mobile). A dúvida é se a novidade ficará restrita ao mercado chinês, onde a Apple disputa com Huawei e Oppo a liderança. As duas empresas chinesas usam aparelhos dual sim. Apple anda perdendo espaço por lá e poderia lançar o aparelho na China com dual sim.

Segundo rumores do The Verge, inclusive, o aparelho que estão apostando para ser dual SIM no iPhone X Plus, o mais importante a ser lançado. O aparelho de display OLED de 6,5 polegadas.

Para reforçar esta possibilidade, o The Verge cita que o código beta do iOS 12 faz referência ao suporte a dual-SIM e até mesmo a uma segunda bandeja de SIM físico.

E aí?

Eu ainda não estou certo que isso será uma realidade já para 2018, mas é questão de tempo para a Apple aceitar e mudar ao menos um iPhone para o dual-SIM.

Será que veremos o aparelho “mais barato” da Apple, o modelo LCD (será batizado de iPhone 9?) começará esta nova era do dual-SIM? Veremos nesta quarta-feira, 12/9.

05:03 · 24.02.2016 / atualizado às 13:04 · 23.02.2016 por
Matebook
Matebook

Durante o Mobile World Congress, Kirk Skaugen, vice-presidente sênior da Intel, revelou, junto com a Huawei, o primeiro 2 em 1 da história da marca: o Huawei Matebook.

O Matebook aproveita a 6ª geração do processador Intel Core m3, m5 ou m7 para fornecer desempenho semelhante ao de um PC em um design 2 em 1 fino, leve e sem cooler. Com uma tela HD de 12 polegadas, câmeras frontal e traseira, medindo menos de 7mm de espessura e pesando menos de 600 gramas, o Matebook é o equilíbrio perfeito entre o trabalho e a diversão para as pessoas que precisam de mobilidade. O segmento 2 em 1 tem vivido um ótimo momento, com empolgantes inovações para os usuários – e o Huawei Matebook com o processador Intel Core m-series chega para trazer mais opções ao mercado.

08:20 · 18.10.2014 / atualizado às 17:22 · 14.10.2014 por

A Huawei e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) anunciam a assinatura de um acordo de cooperação técnica e apoio recíproco para promover o desenvolvimento de projetos cooperativos, a formação de recursos humanos e a operação dos serviços de redes avançadas, regional e nacionalmente, com qualidade e eficiência.

Assim como a RNP tem como missão institucional promover o uso inovador de redes avançadas, a Huawei tem como um dos seus objetivos estratégicos o desenvolvimento da indústria de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) nos mercados em que atua. No Brasil há 15 anos, a Huawei busca contribuir com a produção e difusão local do conhecimento através da troca de informações sobre avanços científicos na área de redes de comunicação de dados e suas aplicações.

Com duração de dois anos, o acordo prevê a parceria entre a RNP e Huawei para o fomento de pesquisas tecnológicas na área de redes de computadores e internet e na procura de soluções de problemas de rede para projetos específicos. Também estão incluídas a cooperação técnica em redes e TIC, através da troca de experiências e informações, e a capacitação dos profissionais em cursos sobre temas que componham o portfólio das empresas e da Escola Superior de Redes (ESR) da RNP, includindo temas de Switching, Routing, eLTE, DWDM, Rádio, Segurança, Mitigação de Ataques, Armazenamento de Dados, Governança de TI, Segurança e Administração.

Quanto às responsabilidades do acordo, cabe à RNP coordenar atividades de capacitação, através da ESR, bem como desenvolver as atividades comuns de competência tecnológica; participar de projetos voltados para a otimização, segurança e confiabilidade nas conexões de redes de computadores, entre Pontos de Presença da RNP em outras capitais brasileiras e outras redes estaduais; apoiar o desenvolvimento de atividades de competência tecnológica conjunta; criar e apoiar grupos de trabalho com pesquisadores nacionais e internacionais para a realização de pesquisas orientadas a resultados passíveis de atenderem as necessidades do ensino e da pesquisa, orientando-as para acordos de transferência de tecnologia visando a proteger e explorar a propriedade intelectual gerada com o trabalho desenvolvido.

A Huawei terá como atribuições fomentar e apoiar o desenvolvimento de atividades de competência tecnológica conjunta; apoiar projetos de aplicações inovadoras da RNP voltadas para a formação de pessoal na área de redes de computadores e sistemas de informação; patrocinar eventos; disponibilizar para teste e avaliação da RNP os produtos que estejam aderentes ao escopo desta cooperação e possam responder às necessidades para uso na rede acadêmica e apresentar oportunidades em ações e programas para apoio ao setor acadêmico, assim como doar equipamentos e software.

A Huawei também poderá apoiar a RNP nos seus trabalhos de provedor de soluções e de capacitação, voltados à formação de pessoal na área de redes de computadores e sistemas de informação; assessorar tecnicamente a RNP em projetos de redes de computadores e soluções em TIC, de forma que, em conjunto, se impulsione o desenvolvimento, a evolução e a utilização de redes avançadas no Brasil; e apoiar a participação da RNP na Cooperação Latino Americana de Redes Avançadas (RedCLARA).