Busca

Tag: iPhone XS


08:00 · 18.09.2018 / atualizado às 07:39 · 19.09.2018 por
iPhone Xs e Xs Max podem não funcionar adequadamente no Brasil quando comprados nos EUA. Foto: Noah Berger/AFP

Os modelos de iPhone Xs e Xs Max não têm suporte à banda 28 (700 MHz APT). Entre outras bandas, eles funcionam na banda 7 do LTE (2.600 MHz) que é usada no Brasil também. Porém, a banda 28 é mais nobre delas, a que ganhamos graças ao fim do sinal analógico de TV que está sendo encerrado no Brasil inteiro. E aí fica a dúvida? Como vai ser para quem comprar o aparelho nos EUA?

De acordo o Tech Tudo, a Apple Brasil vai prestar assistência a quem comprar nos EUA. A Apple Brasil substituirá o iPhone Xs ou Xs Max norte-americano pelo modelo brasileiro.

Entramos em contato com a assessoria de imprensa da Apple e eles não afirmaram claramente sobre a troca.  Diz a assessoria em resposta ao nosso contato: “A assistência técnica da Apple funciona mundialmente em caso de defeito. Os produtos serão lançados no mercado até o final do ano”.

A questão é que não é um problema. É uma rede diferente. A 2.600, banda 7, deverá continuar existindo. A diferença para quem navegar nela e não na 28, 700 MHz, é que a de 28 será mais rápida.

Entramos em contato com as 4 operadoras principais do Brasil (Claro, Oi, TIM e Vivo). A Claro reforçou que os iPhones Xs e Xs Max realmente não irão funcionar com a frequência 700 MHz, a banda 28 brasileira. Também nos confirmou que os dois modelos irão sim funcionar com as demais bandas. Porém, de acordo com a assessoria de imprensa brasileira da Claro “a faixa de frequência de 700 MHz é a mais nobre dedicada ao 4G no Brasil, oferecendo maior alcance e melhor qualidade de sinal em ambientes fechados. Esta faixa de frequências foi recentemente migrada para o Serviço Móvel Pessoal, após processo de desligamento da TV Analógica, e encontra-se em acelerado processo de implantação pelas operadoras”.

A nota da Claro também ressaltou que os aparelhos que não suportem uma das faixas disponíveis terão performance de acesso inferior quando comparados com aparelhos que suportem plenamente a tecnologia e as frequências de transmissão disponíveis no país. Para a operadora, o ideal é que os consumidores comprem seu aparelho no Brasil, pois a Apple customiza e otimiza os aparelhos dela para as características técnicas das redes móveis locais. “Para garantir a melhor performance e aproveitar ao máximo seu novo smartphone, junto com todas as novas funcionalidades das redes móveis brasileiras, recomendamos aguardar o lançamento oficial desses novos produtos no Brasil”, finaliza.

3,5x melhor

Segundo a nota da TIM, fica reforçado que os iPhones Xs e Xs Max vão funcionar na rede 4G brasileira menos na mais nova e rápida rede, a banda 28 (700 MHz). Esta frequência é importante, pois, no caso da TIM, até 2020 ela estará em todo o território nacional e, principalmente, porque a nova rede tem alcance 3,5x superior à frequência 2600 MHz, ou banda 7 . “De acordo com nosso plano Industrial para evolução do 4G, até 2020 teremos mais de 4 mil cidades cobertas com a tecnologia 4G em 700 MHz no Brasil (ex-frequência da TV analógica). A frequência de 700 MHz tem um alcance 3,5x superior a frequência 2600 MHz, e permite uma melhor experiência do usuário, especialmente em ambientes indoors, como dentro das residências e escritórios”.

Nada de iPhone

A Vivo não falou sobre como os clientes da operadora devem agir com relação a compra do aparelho – se esperam o lançamento no Brasil ou optam por outro país. Ao contrário disso, a operadora preferiu falar que já possuem ampla cobertura na frequência 700 MHz, inclusive em Fortaleza. A Oi, que não participou do leilão da banda 28, respondeu que a os novos iPhones XS e XS Max, recentemente anunciados pela Apple, são plenamente suportados nas faixas de frequências utilizadas na rede LTE da companhia.

E agora?

Bem, há opção de comprar no exterior e manter o uso adequado da rede 28. Basta buscar os iPhones do Japão e Austrália dizem especialistas como Marília Guimarães, do canal de YouTube, EntendendoiPhone. Você também pode aguardar mais um pouco e verificar se realmente os aparelhos que a Apple vai trazer para o País são realmente adaptados para a banda 28 ou não. Isso só saberemos futuramente.

Anatel

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou que informou que a “banda 28 se refere ao nosso 700 MHz. No Brasil utilizamos também as faixas de 450 MHz, 800 MHz, 900 MHz, 1800 MHz, 2100/1900 MHz e 2,6 GHz. Em breve teremos também 2,3 GHz e 3,5 GHz, seguido do 1,5GHz. Caso o equipamento em questão não suporte essa canalização, não será possível utilizá-la”. Não explicou porém que bandas os aparelhos novos da Apple estarão aptos para captar.

Ainda segundo a Anatel, o Brasil continuará com múltiplas faixas de frequências (bandas). “Os equipamentos que tem chegado para operar no Brasil, passando pelo processo de certificação, que é compulsório, normalmente operam em todas as faixas que temos disponíveis. Todavia, não é obrigatório que operem em todas essas faixas”.

e-SIM

Quanto ao chip virtual, TIM e Claro responderam. De acordo com a TIM, a empresa irá garantir o funcionamento dos novos iPhones homologados pela Anatel e vendidos pela Apple no Brasil, com o SIMCard 4G TIM. “Ainda não temos informações a respeito do funcionamento da tecnologia eSIM dos novos produtos e como será empregado o uso do Dual SIM nesses modelos”, informou.

Já com relação a Claro, a empresa aproveitou para informar que foi a primeira operadora no Brasil a ativar a tecnologia e-SIM. “A tecnologia permite ativar serviços móveis sem exigência de um chip físico (SIM card) instalado no dispositivo. O Apple Watch Series 3 com celular foi o primeiro dispositivo conectado a operar com a tecnologia e a Claro é atualmente a única operadora brasileira habilitada pela Apple para oferecer conectividade via rede celular para o dispositivo. Além de permitir uso do relógio mesmo longe do smartphone, o serviço Claro Sync permite utilizar o mesmo número e o mesmo plano do smartphone em outros dispositivos conectados”, afirma a nota enviada para nós.

Ainda de acordo com a operadora, por meio da tecnologia e-SIM, as configurações da Claro e o número do celular são enviados através da própria rede, direto para o equipamento. Um perfil digital de configuração substitui o papel do chip ou SIM card. “Em breve, inúmeras aplicações de Internet das Coisas, tais como carros conectados, wearables e sensores farão uso da tecnologia e-SIM. O suporte a nova tecnologia soma-se aos investimentos que a Claro vem fazendo na sua rede, como a evolução para 4.5G e a disponibilização de novas tecnologias de transmissão específicas para IoT, como o LTE-M e NB-IoT (Narrow Band IoT)”, encerrou.

Já a Vivo informou, sobre o tema, que já está trabalhando para oferecer a funcionalidade do e-SIM para seus clientes. Porém, não adiantou quando.

Nota oficial Claro na íntegra

“Com relação aos novos modelos do iPhone, o fabricante ainda não divulgou a data oficial de lançamento comercial no Brasil.
Os modelos recentemente anunciados pela Apple, para comercialização restrita em outros países no momento, não suportam a nova frequência de 700 MHz recentemente implantada nas redes 4G do Brasil. Essa restrição se aplica aos modelos Xs e e Xs Max, conforme informações publicadas no site da Apple.
Embora os aparelhos da nova geração suportem algumas das bandas de frequência usadas pelo 4G no Brasil, a banda 28 é muito importante no contexto nacional. A faixa de frequência de 700 MHz é a mais nobre dedicada ao 4G no Brasil, oferecendo maior alcance e melhor qualidade de sinal em ambientes fechados. Esta faixa de frequências foi recentemente migrada para o Serviço Móvel Pessoal, após processo de desligamento da TV Analógica, e encontra-se em acelerado processo de implantação pelas operadoras.
Além disso, a tecnologia 4.5G da Claro combina funcionalidades de última geração com o uso simultâneo de todas as faixas de frequência do 4G. Aparelhos que não suportem uma das faixas disponíveis terão performance de acesso inferior quando comparados com aparelhos que suportem plenamente a tecnologia e as frequências de transmissão disponíveis no país.
Os modelos comercializados pela Apple no Brasil são customizados e otimizados para as características técnicas das redes móveis locais. Para garantir a melhor performance e aproveitar ao máximo seu novo smartphone, junto com todas as novas funcionalidades das redes móveis brasileiras, recomendamos aguardar o lançamento oficial desses novos produtos no Brasil.

A Claro foi a primeira a ativar a tecnologia e-sim no Brasil. A tecnologia permite ativar serviços móveis sem exigência de um chip físico (SIM card) instalado no dispositivo.
O Apple Watch Series 3 com celular foi o primeiro dispositivo conectado a operar com a tecnologia e a Claro é atualmente a única operadora brasileira habilitada pela Apple para oferecer conectividade via rede celular para o dispositivo.
Além de permitir uso do relógio mesmo longe do smartphone, o serviço Claro Sync permite utilizar o mesmo número e o mesmo plano do smartphone em outros dispositivos conectados.
Por meio da tecnologia e-sim, as configurações da operadora e o número do celular são enviados através da própria rede, direto para o equipamento. Um perfil digital de configuração substitui o papel do chip ou SIM card.
Em breve, inúmeras aplicações de Internet das coisas, tais como carros conectados, wearables e sensores farão uso da tecnologia e-SIM. O suporte a nova tecnologia soma-se aos investimentos que a Claro vem fazendo na sua rede, como a evolução para 4.5G e a disponibilização de novas tecnologias de transmissão específicas para IoT, como o LTE-M e NB-IoT (Narrow Band IoT). Essas inovações da Claro foram recentemente reconhecidas e premiadas no evento 5G & LTE Latin America.”

Nota oficial da TIM na íntegra

“Os novos iPhones que virão ao Brasil e serão vendidos aqui possuem todo o suporte técnico que a TIM requer em sua homologação. Portanto, as bandas de frequência 4G estarão presentes.

Quem comprar o aparelho nos Estados Unidos irá utilizá-lo normalmente no Brasil, uma vez que todas as operadoras suportam a banda 7 (2600 MHz), pois o investimento nesta frequência continua. No entanto, os novos iPhones não terão suporte da banda 28 (700MHz), frequência importante para a experiência de uso do cliente.

De acordo com nosso plano Industrial para evolução do 4G, até 2020 teremos mais de 4 mil cidades cobertas com a tecnologia 4G em 700 MHz no Brasil (ex-frequência da TV analógica). A frequência de 700 MHz tem um alcance 3,5x superior a frequência 2600 MHz, e permite uma melhor experiência do usuário, especialmente em ambientes indoors, como dentro das residências e escritórios.

Quanto ao chip virtual, a TIM irá garantir o funcionamento dos novos iPhones homologados pela Anatel e vendidos pela Apple no Brasil, com o SIMCard 4G TIM. Ainda não temos informações a respeito do funcionamento da tecnologia eSIM dos novos produtos e como será empregado o uso do Dual SIM nesses modelos.”

Nota oficial da Vivo

“A Vivo é guiada pela constante inovação e alta qualidade dos seus serviços e já está trabalhando para oferecer a funcionalidade do e-SIM para seus clientes.
Quanto à frequência de 700MHz, a Vivo já utiliza esta faixa de espectro – até então utilizada para transmissão de TV -, em todas as capitais brasileiras. Fortaleza já conta com cobertura de quarta geração na frequência 2.600MHz, primeira faixa disponível para o 4G no Brasil, 1.800MHz e também na de 700MHz. Além de Fortaleza, a Vivo já opera na frequência de 700MHz nas cidades cearenses de Acopiara, Barbalha, Beberibe, Cariré, Caririaçu, Cascavel, Caucaia, Cedro, Eusébio, Horizonte, Icó, Itaitinga, Jardim, Jijoca De Jericoacoara, Juazeiro Do Norte, Limoeiro Do Norte, Mauriti, Morada Nova, Pereiro, Pindoretama, Porteiras, Quixelô, Russas, Saboeiro, São Gonçalo Do Amarante e Tabuleiro Do Norte. O estado de Ceará já conta com cobertura móvel 4G da Vivo (em 1.800MHz, 2.600MHz e/ou 700MHz) em 33 municípios”.

14:56 · 17.09.2018 / atualizado às 15:04 · 17.09.2018 por
Os iPhone Xs e Xs Max

Neste fim de semana muito se falou que os iPhones Xs e Xs Max vendidos nos EUA não iriam funcionar no Brasil devido a ausência da banda 28 no seus specs (veja aqui a página com todas as bandas suportadas). Mas eles vão funcionar mesmo sem esta banda, pois, hoje em dia, a banda de 2.600 MHz, a banda 7, é suportada pelos dois smartphones e está ainda ativa no Brasil.

Esta banda 28 ou banda APT (Arranjo Ásia Pacífico) de 700 MHz é a que está surgindo no Brasil com o fim do sinal analógico. Ao saber de tudo isso, solicitei as 4 grandes empresas de telefonia móvel (Claro, Oi, TIM e Vivo) para dizer o que vai acontecer de fato. Além disso, quando efetivamente, se acontecerá isso, a banda 28 será efetivamente a principal em nosso território.

Em contato a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), perguntei se a banda 28 será a única algum dia e quando isso irá acontecer, pois se a 28 for apenas mais uma banda (mesmo sabendo que ela será a mais veloz de todas), não há porque de se preocupar em comprar ou não o iPhone Xs ou Xs Max nos EUA.

A Apple não fala muito do assunto. Pediu para esperarmos o lançamento do produto aqui. Falou apenas que os iPhones têm suporte internacional para problemas. De fato, a banda 28 não ser coberta pelos dois aparelhos não é um problema passível de reparo ou troca.

Vamos aguardar o desenrolar desta história.

16:12 · 12.09.2018 / atualizado às 18:08 · 13.09.2018 por
Os iPhone Xs e Xs Max

Correspondendo exatamente aos vazamentos, a Apple divulgou os novos iPhones inclusive com Dual-SIM. Chegaram para completar a famílias os aparelhos iPhone Xr, Xs e Xs Max. O recurso Dual-SIM aparece em duas vertentes e apenas nos modelos Xs e Xs Max. Primeiro, para o mundo todo, menos China, teremos um slot de SIM normal e outro de eSIM e a operadora deverá estar pronta pra isso para o funcionamento adequado. Já na China, haverá aparelhos com slot para dois SIMs físicos tradicionais. Os iPhones Xs entrarão em pré-venda no dia 14/9 com venda direta nas lojas e sites da Apple a partir do dia 21/9. Os preços começam em US$ 999 (para o modelo Xs) e US$ 1.099 (para o Xs Max), em capacidades de 64GB, 256GB e 512GB.

Versão “popular”
O Xr seria a versão mais “popular” dos 3 apresentados na tarde desta quarta-feira. Ele vem tela LCD, 6,1 polegadas, 90 minutos a mais de bateria que o 8 Plus e preço a partir de US$ 749. Ele será feito em alumínio e terá as cores vermelho, dourado, branco, coral, preto e azul. A pré-venda já começou. Nas lojas dia 26/9.

Os iPhone Xr

Desempenho da família Xs
A promessa da Apple é de que o Xs e o Xs Max tenham o vidro mais durável já posto em um smartphone (só vai testando). Ele também tem moldura em aço inoxidável e 3 cores: prateada, dourada e cinza espacial).

Tanto o Xs quanto o Xs Max trazem certificado IP68, ou seja, totalmente à prova de água por 30 minutos e até 2 metros de profundidade. A promessa é que suportem vários tipos de líquidos como até água salgada, chá e cerveja.

O Xs terá tela OLED de 5,8 polegadas (2436×1125 pixels, 458ppp) e o Xs Max vem com tela de 6,5 polegadas (2688×1242 pixels, também 458ppp).

FaceID segue firme e o touchID disse adeus, oficialmente. Além disso, os dois aparelhos estão equipados com o chip A12 Bionic, o primeiro da indústria fabricado em arquitetura de 7 nanômetros, com 6,9 bilhões de transistores. Ele tem CPU de 6 núcleos e GPU com 4 núcleos. Tudo isso promete deixar o celular muito mais rápido (até 50%) e abrir aplicativos até 30% mais veloz.

Fotografia
A promessa da Apple é que este conjunto ajude em melhores fotos. Através do Neural Engine, irá detectar cenas e rostos em tempo real, ajustando seus sensores com o recurso Smart HDR. O objetivo é entregar uma imagem perfeita.

Os modos Retrato e Iluminação de Retrato prometem melhorias nesta versão. E isso deve ocorrer por conta da inteligência artificial.

Bateria
Ponto fraco seguirá sendo a bateria. No Xs o ganho será apenas de 30 minutos enquanto no Xs Max de 1h30. Muito pouco para um aparelho tão caro.

Antigos
A Apple seguirá vendendo os modelos de iPhone 7 e 8. Os iPhones 7 começam em US$ 449 e a família 8 começa em US$ 599. Já o iPhone 8 Plus começa em US$ 699 enquanto o iPhone 7 Plus inicia em US$ 569.

10:51 · 08.09.2018 / atualizado às 10:51 · 08.09.2018 por
Novos iPhone XS e XS Plus vazados pelo blog 9to5Mac

O site alemão MacerKopf arriscou que os preços dos novos iPhones. Segundo eles, a apresentação do próximo dia 12 de setembro trará um iPhone de tela LCD de 6,1 polegadas como aparelho de entrada (talvez nomeado de iPhone 9), um iPhone XS com mesma configuração do atual iPhone X (com tela OLED de 5,8 polegadas), e um iPhone XS Plus (com tela OLED de 6,5 polegadas) e com preços iguais aos dos iPhones 8, 8 Plus e X de 2017. Confira abaixo:

Em 2017, o iPhone 8 tinha os seguintes preços:

64GB por US$ 699
256GB por US$ 849

Logo, em 2018, o iPhone LCD (talvez nomeado de iPhone 9) teria os seguintes preços:

64GB por US$ 699
256GB por US$ 849

Em 2017, o iPhone 8 Plus tinha as seguintes configurações e preços:

64GB por US$ 799
256GB por US$ 949

Logo, em 2018, o iPhone XS teria os preços:

64GB por US$ 799
256GB por US$ 949

Por fim, em 2017, o iPhone X teve os seguintes preços e configurações:

64GB por US$ 999
256GB por US$ 1.149

Logo, em 2018, o iPhone XS Plus viria com os seguintes preços e configurações:

64GB por US$ 999
256GB por US$ 1.149

Lógico, tudo isso é no campo da especulação. Só saberemos ao certo preços, nomes e configurações no evento do dia 12 de setembro. Vamos aguardar!