Busca

Tag: Kaspersky Lab


07:01 · 07.03.2018 / atualizado às 07:21 · 07.03.2018 por

Nos últimos anos, mais e mais mulheres têm ocupado posições importantes no mundo dos negócios, servindo como modelos para jovens. Apesar disso, a área de cibersegurança é inexplorada pelas mulheres, representando apenas 11% do total da força de trabalho no setor, de acordo com o estudo “Beyond 11 Percent: A Study into Why Women are not Entering Cybersecurity” da Kaspersky Lab, que mostra os motivos pelos quais a carreira em cibersegurança continua sendo um obstáculo para as mulheres.

Por exemplo, mulheres que trabalham com segurança cibernética se deparam com uma realidade comum: ser a única representante do sexo feminino em uma sala repleta de homens – este pode ser um dos principais motivos para que a maioria decida não seguir uma carreira na área de TI. É importante ressaltar que a falta de mulheres pode gerar uma bola de neve: quanto menos mulheres no setor, mais cedo elas perdem a vontade de querer ingressar na área. O Global Information Security Workforce Study, realizado pela (ISC)² e seu Centro de Educação e Segurança cibernética, mostra que 42% dos participantes concordam que é importante ter um modelo do próprio gênero em suas carreiras e metade das mulheres prefere trabalhar em um ambiente com uma distribuição igualitária entre os sexos. “Como o relatório confirma, muitas vezes, as jovens não conhecem, não se sentem preparadas e não veem referências importantes que as motivem a trabalhar em cibersegurança”, disse Stuart Madnick, professor de tecnologia da informação e fundador do MIT Interdisciplinary Consortium for Improving Critical Infrastructure Cybersecurity.

O estudo também mostra que, em geral, as mulheres desconhecem as habilidades que os empregadores procuram e não têm certeza se possuem os atributos certos para o papel. Quando perguntado por que eles não decidiram perseguir uma carreira de segurança cibernética, as mulheres eram mais propensas do que os homens a afirmarem que não possuem experiência em codificação (57% vs. 43%), não têm interesse em computação (52% vs. 39 %), não têm conhecimento de cibersegurança (45% vs. 38%) e que não são suficientemente boas em matemática (38% vs. 25%). Claramente, a questão é de consciência, já que as empresas hoje não estão apenas procurando por codificadores. Habilidades como pensamento crítico e resolução de problemas são cruciais para uma carreira na área, mas a percepção da indústria de fora tende a se concentrar principalmente no lado técnico.

Noushin Shabab, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab

Foi caso de Noushin Shabab, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab que, desde que se mudou do Irã para a Austrália para prosseguir com sua carreira na área de engenharia reversa, notou que é uma das poucas mulheres no mar de homens que compõe o setor de segurança de TI. “Quando jovem era sempre fascinada por enigmas e jogos de tabuleiro, que se tornaram em amor por programação e, eventualmente, como uma carreira como pesquisadora de segurança. Trabalhando com outros especialistas na Equipe de Pesquisa e Análise Global da Kaspersky Lab (GReAT), investigo ataques cibernéticos sofisticados e descubro APTs, campanhas de ciberespionagem, malware importante, ransomware e outras ameaças. O meu trabalho requer não só habilidades técnicas, mas também persistência, criatividade e colaboração para pensar de forma diferente e acompanhar os invasores mal-intencionados”, diz Shabab.

Para Shabab, quando as mulheres começarem a descobrir a tal de segurança de TI, ela se tornará rapidamente uma escolha de carreira popular entre as candidatas. “Eu sou uma das sortudas que teve essa descoberta sozinha e, agora, quero incentivar mais mulheres a seguir minha liderança. Um componente interessante de ser uma pesquisadora de segurança é que, embora algumas pessoas enviem e recebam 100 e-mails por dia, posso proteger milhares delas de fraudes online o quanto antes. Além disso, o próprio fato dos hackers não trabalharem no horário normal, significa que meu papel é totalmente flexível. As pessoas podem me encontrar trabalhando em um laboratório, escritório, de casa ou mesmo do meu café favorito. Meu trabalho molda meu estilo de vida e me deixa constantemente pensando em novas formas de proteger pessoas ou empresas contra malware mal-intencionados – e eu adoro isso”, finaliza.

Ainda de acordo o estudo “Beyond 11 Percent”, outra razão que 78% das jovens nunca pensem na possibilidade seguir carreira nessa área é por causa dos estereótipos associados à cibersegurança. Na maioria das vezes, a terminologia associada à indústria, como “hackers”, “geeks” e “nerds”, geralmente é considerada como tendo conotações negativas.

“A imagem desse profissional está mudando, e com o WannaCry, mais da metade das jovens mulheres (58%) se depararam com a área na TV, rádio e notícias online – segundo outros estudos que realizamos. É uma questão de converter este interesse em algo mais”, reforça Shabab.

Para reverter as estatísticas em relação às mulheres e a cibersegurança, a Kaspersky Lab conta com iniciativas, como a Kaspersky Lab Academy, que auxiliam na profissionalização e educação para o setor de segurança. Com programas como o Kaspersky Cybersecurity Certification Program e o Kaspersky Cyber Days, a empresa pretende intensificar e valorizar quaisquer características relevantes destas profissionais para a área.

A empresa de segurança russa também reforçou seu apoio em mitigar a diferença de gênero ao apoiar a primeira expedição euro-arábica apenas com mulheres ao Polo Norte. Juntamente com a exploradora Felicity Aston, a Kaspersky Lab irá levar 11 mulheres para uma expedição de 10 dias na região. Para Kaspersky Lab, essas 12 aventureiras, com origens tão diversas e únicas, servem para lembrar que qualquer pessoa, independente do gênero ou origem, podem alcançar coisas extraordinárias.

“Por ser uma empresa com mentes femininas brilhantes, que desafiam o status quo ao se tornarem codificadoras, programadoras e pesquisadoras de segurança online, nós queremos encorajar e capacitar as mulheres mais jovens a serem corajosas e fazer o inesperado – seja isso em direção ao Polo Norte, ou aprendendo a codificar e ingressar no mundo da cibersegurança”, afirma Alex Moiseev, diretor de negócios da Kaspersky Lab.

06:00 · 22.02.2018 / atualizado às 08:06 · 21.02.2018 por

Segundo o relatório “Spam e phishing em 2017” da Kaspersky Lab, nos últimos 12 meses os criminosos têm acompanhado os assuntos internacionais e usado temas em alta para enganar os usuários e roubar dinheiro ou informações pessoais. Os remetentes de spam se mostraram agentes atentos, monitorando instantaneamente questões globais com o objetivo principal de chamar e explorar a atenção das vítimas.

A pesquisa contínua da Kaspersky Lab de atividades de spam e phishing confirma que os métodos usados pelos remetentes de spam são efetivos devido à atenção reduzida dos usuários e ao aumento da confiança incondicional. Esses fatores, combinados, implicam que as pessoas estão mais propensas a seguir instruções falsas.

Enquanto, em 2017, o mundo se preparava intensivamente para o campeonato mundial de futebol deste ano, os remetentes de spam propagaram e-mails relacionados ativamente. Assim, enviaram às vítimas mensagens fraudulentas com logotipos oficiais do evento, incluindo informações dos organizadores e das marcas dos patrocinadores, que avisavam aos usuários sobre prêmios de sorteios e até prometendo ingressos gratuitos.

Um outro tema em alta nos spams e golpes de phishing em 2017 foi a moeda criptografada ou criptomoeda, pois o preço do bitcoin aumentou drasticamente. Os pesquisadores da Kaspersky Lab já tinham registrado um crescimento nos golpes com temas relacionados ao blockchain no terceiro trimestre de 2017. Até o final do ano, foi observado um amplo arsenal de ferramentas de envio de spam.

De acordo com as descobertas da Kaspersky Lab, os criminosos têm usado truques como sites disfarçados de bolsas de criptomoeda, serviços falsos oferecendo mineração na nuvem, ou seja, o uso de data centers especializados para locação. Mas, em todos os casos, os usuários se tornaram vítimas e perderam dinheiro, em vez de ganhar. Em esquemas de fraude mais tradicionais, como prêmios falsos de loterias, os criminosos também começaram a usar os bitcoins como isca. E, além dos bancos de dados de endereços visados anunciados por meio de spam, também foram oferecidos para compra bancos de dados com e-mails de usuários de criptomoedas, prometendo ótimas oportunidades.

A proporção de spams no tráfego de e-mail em 2017

Além disso, os criminosos distribuíram diversos tipos de malware em e-mails de spam disfarçados de utilitários para ganhar bitcoins ou instruções de negociação de moeda criptografada. No entanto, devemos destacar que menos cryptolockers, cujos criadores exigiam o pagamento de um resgate em bitcoins, foram detectados em cartas de spam do que no ano anterior.

No todo, a quantidade média de spam em 2017 diminuiu para 56,63%, o que representa 1,68 pontos percentuais menos que em 2016. Ao mesmo tempo, o número de ataques de phishing aumentou. O sistema antiphishing da Kaspersky Lab foi acionado 246.231.645 vezes nos computadores de usuários da Kaspersky Lab. Isso representa quase 59% mais que em 2016.

“Embora em 2017 tenhamos observado uma pequena redução nas atividades de spam, no decorrer do ano os remetentes de spam não deixaram passar qualquer motivo para roubar informações pessoais dos usuários, mantendo os olhos atentos sobre o que acontecia no mundo. Com a ocorrência de eventos esportivos, como o próximo campeonato mundial de futebol ou outros, sua atividade só vai aumentar”, disse Darya Gudkova, especialista em análise de spam da Kaspersky Lab. “Além disso, em 2018 esperamos a evolução e o crescimento do spam e phishing relacionados à moeda criptografada, com mais diversidade além do bitcoin, que foi amplamente usado no ano anterior, e com esquemas ‘pump and dump’”.

Outras tendências e estatísticas importantes de 2017 destacadas pelos pesquisadores da Kaspersky Lab incluem:
– A fonte de spam mais popular foram os EUA (13,21%), seguidos da China (11,25%) e do Vietnã (9,85%). Outros dos dez países mais importantes incluem Índia, Alemanha, Rússia, Brasil, França e Itália.
– O país mais visado por envios de e-mails maliciosos foi a Alemanha (16,25%), com um leve aumento de 2,12 pontos percentuais em relação a 2016. Outros países dentre os dez principais incluem China, Rússia, Japão, Reino Unido, Itália, Brasil, Vietnã, França e Emirados Árabes Unidos.
– A maior porcentagem de usuários afetados por phishing ocorreu no Brasil (29,02%). No todo, 15,9% usuários exclusivos dos produtos da Kaspersky Lab no mundo todo foram atacados por golpes de phishing.

07:00 · 27.01.2018 / atualizado às 06:50 · 26.01.2018 por

O ano está apenas começando e, com isso, muitas pessoas desejam abandonar maus hábitos que afetam diferentes aspectos de suas vidas. Agora que estamos cada vez mais imersos na vida digital, também é importante corrigir alguns hábitos que colocam em risco a integridade dos nossos dados e a nossa segurança. De acordo com um estudo da Kaspersky Lab, quase metade dos usuários da internet tiveram a terrível experiência de perder os dados por meio de seus diferentes dispositivos: 47% de seu smartphone, 52% de seus computadores e 20% de um tablet.

Todos os usuários de internet têm sua própria rotina online, desde revisar as notificações em suas redes sociais, até verificar seus e-mails em qualquer momento e local. Essas ações normais devem ser pensadas duas vezes, porque se elas não forem feitas de maneira correta, podem colocar em risco a segurança online dos usuários.

Dentro dessa rotina, existem 9 hábitos que a maioria dos usuários faz automaticamente e que talvez eles não pensem que poderiam representar qualquer risco. Confira 9 hábitos que a Kaspersky Lab acredita que você deveria mudar:

1. Baixar qualquer aplicativo. Se você é alguém que está antenado sobre o mais recente app de música ou de exercícios e corre para baixar, pressionando o botão “Aceito” sem realmente saber o que está aceitando, tome cuidado! Muitos aplicativos pedem muitas permissões para os dispositivos, incluindo algo sério que possa prejudicá-lo. Além disso, estima-se que pelo menos 30% dos aplicativos que você baixa para o seu celular nunca serão usados, então, por que baixá-los?

2. Ignorar as atualizações. Você sabia que 99% dos computadores Windows estão propensos a serem hackeados por vulnerabilidades com apenas oito aplicativos? Incluindo os navegadores mais populares, players de mídia e plugins Flash que certamente todos nós usamos. Todos estes são monitorados muito de perto pelos cibercriminosos, uma vez que suas vulnerabilidades podem ser usadas para atacar o máximo de usuários possível. Então, certifique-se de instalar todas as atualizações para tornar seu sistema ainda mais seguro.

3. Levantar do seu computador sem bloqueá-lo. A maioria das pessoas sentadas na frente de um monitor considera irritante e lento bloquear e desbloquear o computador toda vez em que levantam de suas mesas. De acordo com um estudo da Kaspersky Lab, 52% destes usuários experimentaram perda de dados de seus computadores por não terem o bloqueado e/ou colocado uma senha segura de desbloqueio. Evite fazer parte desta estatística.

4. Registrar-se em sites usando o mesmo nome de usuário de redes sociais. “Faça login com sua conta do Facebook” é uma das formas mais comuns de se registrar em sites diferentes. O problema é que, quando você efetua login, o site obtém acesso parcial aos dados em sua conta e, mesmo que seja apenas para informações públicas, são dados que já estão nas mãos de outras pessoas.

5. Fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Ser uma pessoa multitarefa nem sempre é uma coisa boa. Pesquisas recentes revelam que, além de afetar a concentração e a produtividade, fazer várias tarefas ao mesmo tempo também afeta a segurança dos usuários, uma vez que, com tantas distrações na tela, os usuários tendem a prestar menos atenção ao que abrem e acabam clicando e fazendo download de arquivos que não sabem a procedência em sites maliciosos. Então, é melhor tentar fechar as infinitas abas no seu navegador e concentrar-se no que você realmente deveria. Seja o que for, você irá fazê-lo mais rápido, melhor e mais seguro.

6. Ser muito curioso. Com certeza você já clicou em um link apenas por considerá-lo interessante, não é mesmo? Se a curiosidade insistir com frequência, provavelmente é hora de mudar seu comportamento. Tente, especificamente, evitar sites com títulos chamativos, que são os que geralmente são maliciosos.

7. Aceitar os termos e condições de serviços sem realmente prestar atenção. Quantos termos e condições você já leu antes de aceitar determinado serviço? Nenhum? Está na hora de mudar e prestar atenção, uma vez que os desenvolvedores geralmente se beneficiam do fato de que ninguém sabe o que está escondido neles; por exemplo, você sabia que 83 de 100 aplicativos têm acesso a suas contas, contatos, mensagens, chamadas e arquivos armazenados? Pois é, todo esse acesso foi permitido lá no começo, quando você aceitou os termos sem ler com atenção. Por isso, demore alguns minutos lendo o que está aceitando para evitar uma dor de cabeça futura.

8. Registrar-se em todos os lugares. De todas as contas on-line que você tem, quantas você realmente usa? Você usa a mesma senha para todos? O que aconteceria se um dos serviços, dos quais você não se lembra, sofre um vazamento de informação? Com isso, informações valiosas, como seu e-mail, número de telefone, senha e entre outras, estarão expostas sem que você nem imagine para quem. A melhor coisa será eliminar todas as contas que você não usa.

9. Publicar em excesso tudo o que você faz. Você sabia que tudo o que você publicou, de uma fotografia, para o seu celular, nunca mais será privado? Além disso, pessoas mal-intencionadas podem até usar essas informações que compartilham para representar sua identidade. De acordo com a Kaspersky Lab, apenas 7% dos usuários da Internet não compartilham informações em suas redes, então pense duas vezes e não faça parte dos outros 93% que disponibilizam na internet qualquer informação.

“Estas são ações que as pessoas fazem com frequência de forma automática, sem parar para pensar por um momento nas consequências – como é o caso dos mais de 50% dos usuários online que sofreram perda de informações de seus dispositivos. Para que isso seja evitado, os usuários têm que estar mais conscientes dos riscos enfrentados e mudarem esses hábitos. Só assim conseguirão proteger da melhor maneira não somente seus dados, mas também a si mesmos”, diz Thiago Marques, analista de segurança da Kaspersky Lab.

Estas regras são simples, fáceis de serem seguidas e podem significar a diferença entre a segurança digital e problemas futuros graves, até. Preste atenção, então!

07:08 · 22.01.2018 / atualizado às 07:21 · 22.01.2018 por

A indústria de jogos on-line se tornou muito lucrativa em pouco tempo, e um número inédito de usuários têm contas para jogar. De acordo com a pesquisa da Kaspersky Lab, no Brasil, 27% das pessoas jogam online regularmente, e esse número aumenta para 32% entre os jovens de 25 a 34 anos e para 30% entre os usuários de 16 a 24 anos. Mas esses números apresentam um potencial de lucro para criminosos virtuais, pois é possível vender contas de jogos invadidas no mercado negro. Apesar do perigo, muitas vezes os jogadores deixam suas contas online vulneráveis a invasão, arriscando sua evolução no jogo, seus dados pessoais e, possivelmente, sua renda.

Estima-se que, atualmente, o público mundial de jogos, baseado em plataformas online como Steam, PlayStation Network e Xbox Live, esteja entre 2,2 e 2,6 bilhões de usuários, e ele continua crescendo. Isso torna o setor um alvo óbvio para criminosos virtuais, que buscam perturbar as operações online e obter acesso a dados, como senhas e informações de cartões bancários. Isso foi mostrado claramente pelos ataques recentes às plataformas Xbox e PlayStation.

Mais da metade das pessoas joga online regularmente; assim, os criminosos virtuais têm uma fonte enorme de possíveis alvos para escolher. Além disso, os jogos se tornaram uma parte importante das vidas de muitas pessoas, e os usuários recorrem a eles quando ficam entediados ou solitários e como meio de socialização. Portanto, ataques bem-sucedidos podem causar grandes transtornos às vítimas. Além de ter seus dados roubados, os usuários que têm suas contas de jogos invadidas também podem ser afetados emocionalmente por não conseguir acessar seus jogos favoritos (temporária ou permanentemente), pelas horas que gastaram construindo seu perfil e pelo dinheiro que podem ter investido no jogo.

Dentre os brasileiros que já sofreram uma tentativa ou um ataque bem-sucedido a suas contas online, 19% identificaram as contas de jogos como um alvo. Esse percentual é de 30% no caso dos usuários do sexo masculino.

Evidentemente, essas contas são extremamente importantes para seus proprietários. Em vez de ser uma atividade reservada para a casa, os jogos estão inseridos no cotidiano dos brasileiros: cerca de 13% usa o smartphone regularmente para jogar online. Embora os dispositivos não sejam naturalmente seguros, quase um quarto (22%) das pessoas usa redes Wi-Fi públicas para entrar em suas contas de jogos, e 39% dizem não tomar precauções de segurança adicionais ao usar redes públicas, o que gera riscos óbvios a sua segurança. Esse perigo é ainda maior porque apenas 3% dos usuários consideram que suas contas de jogos sejam uma das três que precisam de senhas mais fortes.

Além disso, como atualmente muitos perfis online estão conectados, as vítimas podem facilmente perder o acesso a várias contas, como de e-mail e de mídias sociais, que são importantes para elas de maneiras diferentes. Talvez isso afete emocionalmente quem joga por lazer, mas os jogadores profissionais podem sofrer um impacto ainda mais grave, perdendo possivelmente uma renda valiosa.

“Como hoje temos um tesouro valioso em informações pessoais disponíveis online, os criminosos virtuais têm mais oportunidades do que nunca para colocar as mãos em dados particulares dos usuários, que podem ser vendidos no mercado negro digital”, comenta Andrei Mochola, chefe de negócios ao consumidor da Kaspersky Lab que cita o Kaspersky Password Manager como um produto que já traz um gerenciador de senhas que promete manter os dados do usuário seguros. “É compreensível que os usuários de jogos online, tanto amadores quanto profissionais, se preocupem com a invasão de suas contas ou com a impossibilidade de acessá-las por ter esquecido suas senhas. Esse é um dilema que eles vivem todos os dias, e muitos escolhem a opção menos segura, usando a mesma senha para todas as suas contas ou usando senhas simples, fáceis de serem adivinhadas pelos hackers. No entanto, somente com as precauções adequadas e o uso de senhas fortes e exclusivas os usuários terão a segurança de que suas contas valiosas estão protegidas e que todo o seu empenho no jogo não foi em vão”.

Verifique o quão forte são suas senhas atuais em nosso site Password Check.

08:42 · 25.08.2017 / atualizado às 08:42 · 25.08.2017 por
Eugene Kaspersky mostra avanço de ataques no ambiente mobile em evento em 2015, em Santiago, no Chile

A Kaspersky Lab divulgou o relatório “Spam e Phishing no 2º trimestre de 2017”, que mostra que criminosos virtuais envolvidos na distribuição de spam tentaram explorar o receio geral causado pela epidemia do ransomware WannaCry usando e-mails de spam e phishing. Além disso, durante o trimestre, houve uma quantidade maior de e-mails em massa direcionados a redes corporativas e de cavalos de Troia maliciosos.

Segundo o relatório de spam e phishing do segundo trimestre elaborado pela Kaspersky Lab, estas foram as principais constatações:

• No segundo trimestre de 2017, o Brasil (18,09%) foi o país com maior percentual de usuários afetados por ataques de phishing. Outros países incluíram Venezuela (10,56%), Argentina (9,35 %) e Nova Zelândia (12,06%).
• O volume médio de spam no trimestre aumentou para 56,97%.
• Os países com maior ocorrência de spam incluíram Brasil, Rússia, França, Irã, e Países Baixos.
• O país mais visado por envios de e-mails maliciosos foi a Alemanha. Outros alvos populares incluíram Brasil, Itália, Vietnã, França e os EUA.
• O sistema antiphishing da Kaspersky Lab foi acionado 46.557.343 vezes nos computadores de usuários da Kaspersky Lab. A maior porcentagem de usuários afetados ocorreu no Brasil (18,09%).
• Ao todo, 8,26% usuários exclusivos dos produtos da Kaspersky Lab no mundo todo foram atacados por golpes de phishing.
• Assim como no 1º trimestre, os principais alvos de ataques de phishing continuaram os mesmos e foram, principalmente, do setor financeiro: bancos, serviços de pagamento e lojas virtuais.
• O volume das malas diretas maliciosas aumentou 17%, de acordo com o novo relatório da Kaspersky Lab.

O WannaCry no spam
O ataque de ransomware WannaCry afetou mais de 200.000 computadores no mundo inteiro, causando pânico geral, e os remetentes de spam aproveitaram a oportunidade de imediato. Pesquisadores detectaram uma grande quantidade de mensagens que ofereciam serviços como proteção contra os ataques do WannaCry, recuperação de dados, além de workshops e cursos de treinamento para os usuários. Os remetentes de spam também implementaram com êxito um esquema tradicional de ofertas fraudulentas para instalar atualizações de software nos computadores afetados. No entanto, os links redirecionavam os usuários para páginas de phishing, onde os dados pessoais das vítimas seriam roubados.

Assuntos em alta no 2º trimestre
No segundo trimestre de 2017, o Facebook foi atingido por uma onda de postagens que divulgavam uma notícia falsa de que as principais companhias aéreas estavam distribuindo passagens gratuitas. Naturalmente, não havia nenhuma promoção de passagens grátis: os fraudadores criaram vários sites em que o usuário recebia os parabéns por ter ganhado uma passagem aérea e era instruído a realizar uma série de ações para receber o prêmio.

Além disso, uma das notícias mais comentadas no segundo trimestre foi sobre um ataque sobre os usuários do Uber. Páginas de phishing foram distribuídas por mensagens de spam, nas quais era oferecido um grande desconto para os destinatários que preenchessem um formulário de “registro” que, além de dados pessoais, solicitava informações de cartão de crédito. Depois de preencher o questionário, o usuário era redirecionado para o site legítimo da empresa. Como o Uber costuma oferecer promoções e descontos com frequência, os usuários tendem a não duvidar da autenticidade da oferta.

Por fim, pelo terceiro trimestre consecutivo, as três principais organizações atacadas por remetentes de phishing não mudaram. No primeiro trimestre, o Yahoo! foi a organização cuja marca foi mencionada com mais frequência nas páginas de phishing. No entanto, no segundo trimestre, ele ficou na terceira posição, dando lugar ao Facebook (8,33%) e à Microsoft (8,22%).

“Durante o segundo trimestre do ano, observamos que as principais tendências nos ataques de spam e phishing continuaram crescendo. O uso do WannaCry em mensagens em massa demonstra que os criminosos virtuais estão muito atentos e reagem rápido aos eventos internacionais. Eles também começaram a focar mais no setor B2B, considerado lucrativo. Nossa expectativa é de que essa tendência continue aumentando, e que a quantidade total e a variedade de ataques corporativos cresça”, declarou Darya Gudkova, analista de spam da Kaspersky Lab.

A Kaspersky Lab recomenda que os usuários domésticos instalem uma solução de segurança confiável para detectar e bloquear ataques de spam e phishing, como o Kaspersky Total Security.

As empresas devem usar soluções de segurança com funcionalidade exclusiva de detecção de anexos maliciosos e spam. As pequenas empresas podem se proteger com o Kaspersky Small Office Security e o Kaspersky Endpoint Security Cloud, que identificam e bloqueiam e-mails com spam.

Empresas maiores podem contar com a verificação anti-spam em tempo real assistida em nuvem de todas as mensagens do Microsoft Exchange e de servidores de e-mail baseados em Linux do aplicativo Kaspersky Security for Mail Server, incluído no Kaspersky Total Security for Business.

Nota do blog

Acredito que a maior proteção nestes casos é ter atenção com o que abre, clica e compartilha. E isso vale para as redes socais, WhatsApp e e-mail também. Até para a vida. Espalhar boatos sem confirmar a informação só vai trazer desgraças no mundo.

08:49 · 15.08.2017 / atualizado às 08:51 · 15.08.2017 por
Sarahah

Com a febre do aplicativo Sarahah no Brasil, que permite que usuários enviem mensagens anônimas para usuários inscritos, a Kaspersky Lab relembra como é importante ler o contrato de licença antes de instalar um novo app em seu dispositivo. De acordo com a pesquisa “Você é um especialista em cibernética?”, da empresa, uma parte significativa dos usuários de smartphones brasileiros instalam aplicativos em seus dispositivos sem entender quais são as possíveis consequências desse ato.

A pesquisa revela também que quase 40% dos consumidores brasileiros não ligam para o contrato de licença do aplicativo ao instalá-lo no celular, sendo que quase 15% não leem as mensagens de instalação desses programas. Ou seja, os usuários clicam em “avançar” e “aceito” sem saber o compromisso que está assumindo – é como assinar um contrato sem ler suas cláusulas. Quando os usuários não leem os contratos de licença, nem as mensagens durante o processo de instalação, eles não têm conhecimento do contrato que estão aceitando.

Alguns apps podem ainda afetar a privacidade do usuário, iniciar a instalação de outros programas ou até alterar a configuração do sistema operacional de um smartphone de maneira legal, pois o usuário autorizou (sem saber) estes acessos durante o processo de instalação.

“É muito comum que os usuários baixem aplicativos sem observar se estão permitindo que os desenvolvedores tenham acesso a mais informações do que deveriam. Quando for instalar algum aplicativo em seu dispositivo, é importante entender quais informações foram solicitadas, se é realmente necessária para o aplicativo e o que pode ser feito com tal informação”, explica Thiago Marques, analista de segurança da Kaspersky Lab.

Pensando nisso, a Kaspersky Lab separou algumas dicas para você baixar e utilizar aplicativos com segurança em seu celular:

1. Faça download de fontes confiáveis: Os dispositivos móveis também são usados para distração, na qual baixamos jogos inofensivos para passar o tempo. É importante somente baixar apps de fontes confiáveis ou de lojas oficiais, como Google Play e Apple App Store.

2. Sempre cheque a privacidade do aplicativo: é importante ler atentamente as condições e informações ao utilizar apps de jogos e testes. Como você pode compartilhar informações de seus amigos quando você concorda em sincronizar sua lista de amigos, os apps também podem dividir suas informações. Certifique-se de alterar as configurações para controlar as categorias de informações que as pessoas podem ter acesso.

3. Verifique a lista de permissões que o app solicita: Não clique em “avançar” durante a instalação sem verificar o que está aceitando. Alguns aplicativos podem ser usados como um gancho para obter permissão para acessar informações confidenciais de usuários e outras pessoas – como contatos, mensagens privadas, localização, etc., para fins comerciais.

4. Tenha uma senha forte e única: nunca crie uma senha fácil de ser adivinhada, como datas de aniversário, lugar de nascimento, nome do pais, etc. Dados como esse são fáceis de serem encontros na internet, como Facebook. Para ter uma senha forte, combine letras, números e símbolos.

5. Proteja seu dispositivo: Use uma solução de segurança para proteger seu smartphone ou tablet contra ameaças virtuais, como o Kaspersky Security for Android. Ele promete proteção contra apps e sites fraudulentos, mantendo a privacidade do usuário graças aos recursos como filtro de texto e chamada antirroubo. Segundo a assessoria da empresa russa, o software garantirá a segurança dos dados do usuário se dispositivo for perdido ou roubado.

00:30 · 14.08.2017 / atualizado às 13:36 · 08.08.2017 por
O uso de tablets não te deixa 100% livre de ameaças, apesar de que elas estão mais presentes em sistema operacional Android que iOS

Apesar de todos os benefícios, como navegar na internet, checar o resultado do jogo de futebol, ver as notícias do dia e realizar transações financeiras, é importante estar consciente de todas as ameaças enfrentadas no dia a dia e estar protegido com uma boa solução de segurança quando usar seus dispositivos móveis.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Kaspersky Lab para apoiar a Campanha Anti-Malware para Dispositivos Móveis da Europol em 2016, apesar de 56% das pessoas acharem que seus equipamentos eletrônicos e notebooks precisarem de um software de segurança, apenas 42% pensam o mesmo sobre seus smartphones e tablets. Além disso, um em cada cinco (21%) usuários não estão cientes do que é malware para dispositivos móveis.

Em alguns casos, a proteção de dados armazenados em dispositivos móveis se limita ao uso de senhas: 81% das pessoas tem senhas de acesso em computadores e 81% protegem seus smartphones da mesma maneira. Estes resultados evidenciam uma situação preocupante e, apesar das senhas evitarem que o dispositivo físico seja utilizado por outras pessoas, elas não oferecem proteção contra malware, fraude ou ataques de phishing que possam comprometer o aparelho sem que os usuários percebam.

“Não há como negar que tanto celulares como tablets e laptops são uma parte relevante de nossas vidas. Não só permitem guardar informações, mas também podem acessar internet banking, e-mails, fotos, redes sociais, entre outros, sendo importantes meios de comunicação com os nossos entes queridos”, diz Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab. “Está evidente que a metade dos dispositivos móveis do mundo não estão protegidos contra as ciberameaças. Por isso, não proteger estes aparelhos não é uma opção, já que queremos preservar o que mais nos importa”, completa o analista.

Para manter os smartphones e tablets dos papais seguros, a Kaspersky Lab separou cinco dicas:

1. Bloqueio com senha: para evitar que pessoas não autorizadas tenham acesso à sua lista de contatos, fotos, apps, e-mails, é importante bloquear o aparelho com uma senha. Com essa simples ação, você poderá controlar o que os outros veem se perder seu telefone.

2. Evitar Wi-Fi público: Apesar dos smartphones nos manter conectados enquanto estamos em um restaurante ou estádio de futebol, os cibercriminosos podem interceptar e controlar facilmente toda a informação que está sendo enviada por meio das redes públicas de Wi-Fi – o que pode incluir o número da sua conta do banco ou cartão de crédito. Além de ter uma proteção em seu celular para que não ser vítima, como o Kaspersky Secure Connection, evite utilizar redes públicas de Wi-Fi e desabilite a conexão Wi-Fi do smartphone quando estiverem longe da sua rede doméstica. A maioria dos smartphones tentará se conectar automaticamente quando detectam um sinal de Wi-Fi, então desabilitar esse recurso manterá os dados do seu celular ou tablet seguro.

3. Proteja seus dispositivos: Qualquer dispositivo móvel com Android que é utilizado para se conectar à internet deverá ter um software de segurança, como o Kaspersky Internet Security for Android, instalado e atualizado. Ele protegerá contra apps e sites fraudulentos, mantendo a privacidade do usuário graças aos recursos como filtro de texto e chamada antirroubo, que garantirá a segurança dos dados do usuário se dispositivo for perdido ou roubado.

4. Cuidado ao baixar apps: Crianças muitas vezes utilizam os dispositivos para se distraírem. Baixam jogos que, aparentemente, são inofensivos para passar o tempo. Porém, você realmente checou se o app foi baixado de uma loja oficial? Para se proteger, apenas faça download de fontes confiáveis, como a App Store (loja oficial da Apple) e Google Play. Além disso, você também pode instalar o Kaspersky Safe Kids, que te ajudará a gerenciar as atividades dos seus filhos na internet.

5. Seja cauteloso: As fraudes online podem aparecer de vários jeitos – por meio de e-mails ou redes sociais – e as vezes pedem dados pessoais. Por isso, nunca baixe arquivos estranhos ou clique em links suspeitos, além de nunca acreditar em mensagens com erros de português. Com o Kaspersky Internet Security para Android, você pode navegar com mais segurança em seu dispositivo móvel. Outra dica importante é checar o endereço que te enviou o e-mail também uma dica importante. Se você acha que a mensagem que recebeu é real, cheque a informação. Expressões como “seu e-mail foi selecionado” ou “seu e-mail ganhou” são sinais de que a mensagem é uma fraude.

08:00 · 09.02.2017 / atualizado às 08:00 · 09.02.2017 por
Airpods pareando com o iPhone 7 e o Watch Series 2. Equipamentos da Apple também correm risco no mundo digital

Não é porque não há muitos casos de ataques a equipamentos da Apple, os iPhones e iPads, que você deve fazer vista grossa para segurança destes dispositivos que usam iOS como sistema operacional. Para tentar te ajudar, reunimos 3 especialistas em segurança digital para conversar sobre como proceder e evitar problemas de roubo de dados do seu aparelho.

A primeira coisa é clara, mas muita gente faz questão de fazer o contrário das recomendações. O trio de especialistas é claro: não faça jailbreak. Esta solução, muito usada por alguns usuários da Apple costuma remover proteções nativas do sistema e abre a porta para que o usuário instale o que quiser, de lojas de terceiros. “E aí mora o perigo. As últimas pragas que encontramos que afetavam o iPhone, todas elas afetavam apenas aparelhos com jailbreak”, garantiu Fabio Assolini, analista sênior da Kaspersky Lab.

Nelson Barbosa, engenheiro de segurança da Norton, explica mais sobre o jailbreak: “o maior benefício é que permite que os usuários de dispositivos iOS burlem algumas restrições do sistema operacional, como por exemplo, baixar aplicativos fora da loja oficial da Apple. Porém, essa prática desativa o recurso “sandboxing” nativo em todos os dispositivos da Apple. O sandboxing mantém aplicativos de terceiros fora do seu sistema operacional e apenas autoriza determinadas permissões de acesso a suas informações. Como esses aplicativos precisam de sua permissão explícita (surgem em uma janela pop-up) para examinar suas fotos, acessar seu local ou procurar seus contatos, é altamente improvável que o código mal-intencionado possa causar danos ou roubar suas informações. Ao remover o sandbox, qualquer aplicativo pode acessar todas as suas informações privadas, incluindo aplicativos maliciosos que se apresentam como aplicativos legítimos”.

Já Emilio Simoni, gerente de segurança da PSafe, acredita que o jailbreak deve ser evitado a todo custo, e não só para equipamentos da Apple. “Acreditamos que evitar jailbreak em qualquer telefone é fundamental para manter a segurança de qualquer aparelho (independente do sistema operacional)”.

Outra dica importante, e simples de cumprir, é evitar clicar em links vai e-mails, SMS ou ferramentas de mensagem instantâneas em geral como WhatsApp e Facebook Messenger. “Esse tipo de fraude que visa roubar dados da vítima por meio de links maliciosos tem se tornado cada vez mais frequente. Há até mesmo casos de páginas falsas da própria página do AppleID, onde o usuário acessa por engano e informa os dados da sua conta. A partir do momento do acesso, as informações desse cliente estão nas mãos do hacker”, afirmou Simoni.

iPhone SE. Mesmo com toda a proteção do ecossistema, usuários que fazem jailbreak podem deixar seus equipamentos Apple abertos para ameaças

Não é raro no mundo Android serem encontrados aplicativos mal intencionados ou falhos na Google Play e que podem gerar problemas se você não analisar a nota do app e verificar, ao menos, 3 páginas de comentários. Porém, segundo Fabio Assolini, no mundo Apple isso não se aplica. “Isso não se aplica aos usuários de iPhone pois a Apple aprova previamente todas as apps publicadas na sua loja, se tornando responsável pelo processo. Além disso comentários de usuários, mesmo na loja oficial, podem ser falsos”, reforça.

Para finalizar, um ataque comum no mundo mobile e que pode afetar quem usa aparelhos iOS são os chamados scarewares. Mensagens que visam assustar o usuário para que ele contrate um serviço que pode ser uma fraude e um risco total a segurança dele. “Essas mensagens são muito comuns em dispositivos móveis, e são feitas para assustar o usuário e deixá-lo sem saber qual ação tomar. O scareware mais comum é uma mensagem que avisa que o dispositivo está infectado e que é necessário instalar um software para limpá-lo. O recomendado é fechar a janela e nunca instalar aplicativos suspeitos. Somente confie em um alerta de vírus se for emitido pela solução de segurança que já está instalada no seu dispositivo”, finalizou Nelson Barbosa.

Abaixo, veja a íntegra das entrevistas.

Emilio Simoni, gerente de segurança da PSafe.

Blog na Rede – Podemos dizer que evitar jailbreak é a premissa fundamental ou única?
Emilio Simoni – Acreditamos que evitar jailbreak em qualquer telefone é fundamental para manter a segurança de qualquer aparelho (independente do sistema operacional), mas não diríamos que é a única maneira. Ao se depararem com dificuldade em fraudar dispositivos por meio de aplicativos, hackers optam por fraudes via Phishing (Email, sms ou anúncios fraudulentos), que são, inclusive, mais fáceis de viralizar. Sobre o jailbreak, vale lembrar que, quando ele é feito no aparelho, qualquer aplicativo pode ser instalado sem qualquer tipo de verificação de sua procedência, o que aumenta a vulnerabilidade do celular.

BnR – Evitar clicar em links via e-mails, SMS ou ferramentas de mensagens como WhatsApp e Facebook Messenger é outra boa dica?
ES – Sem dúvida. Esse tipo de fraude que visa roubar dados da vítima por meio de links maliciosos tem se tornado cada vez mais frequente. Há até mesmo casos de páginas falsas da própria página do AppleID, onde o usuário acessa por engano e informa os dados da sua conta. A partir do momento do acesso, as informações desse cliente estão nas mãos do hacker.

BnR – Não baixar apps sem antes validar a qualificação deles e olhar algumas páginas de comentários é uma ação segura?
ES – Definitivamente. Se o aparelho não tiver jailbreak e o usuário estiver baixando um app de lojas oficiais, ainda assim vale verificar a procedência do aplicativo pelas qualificações e comentários. No caso de o aparelho ter o jailbreak e o usuário estiver fazendo download de um app de uma loja não oficial, esse cuidado deve ser redobrado.

BnR – Para finalizar, por que aparecem mensagens de alertas em browsers às vezes, os chamados scarewares? Simplesmente para forçar o usuário a clicar em uma falsa proteção e atingi-lo? Como evitar isso? Basta fechar a janela?
ES – Esse tipo de golpe leva muito em consideração o estado emocional do usuário no momento em que a janela é mostrada. O intuito é causar pânico imediato e fazer com que o usuário seja atingido pela fraude. Os golpistas criam anúncios online ou janelas pop-up de “alerta” que parecem legítimos fazendo com que o usuário acredite que seu celular está correndo perigo. O objetivo do golpista é fazer com que o usuário clique na fraude e, a partir daí, pedir para que ele siga instruções para “limpar” o celular. O hacker pode executar uma verificação de segurança falsa e afirmar que o celular foi exposto a um vírus ou um ataque malicioso. Tendo atingido esse objetivo, o usuário é convencido a fornecer informações financeiras para adquirir um suposto software de segurança. Sabendo que nenhuma dessas ameaças é verdadeira, o usuário acaba por fornecer dados do cartão de crédito para um criminoso.

BnR – Como evitar?
ES – Em casos em que a janela de anúncio pode ser fechada, basta seguir navegando sem fornecer qualquer informação ou baixar qualquer coisa desse anúncio. No entanto, existem casos em que o usuário se vê “congelado” na tela de scareware. Para reparar este tipo de scareware, os próprios fóruns de suporte da Apple sugerem que o usuário pressione o botão Home para sair do navegador, ativar o “Modo Avião”, ir até as opções do Safari e limpar os dados de histórico e cookies do navegador.

Fabio Assolini, analista sênior da Kaspersky Lab

BnR – Segundo especialistas em iPhone não há antivírus para iOS. Nem mesmo aplicativos capazes de enfrentar a praga do malware. Olhando na Apple Store notei que seus produtos realmente falam de tudo, menos de antivírus ou anti-malware. Logo, que recomendações seus especialistas dão em termos de segurança para iPhones e iPads?
Fabio Assolini – É verdade. Nenhum produto de segurança se apresenta como “antivírus” para o iOS. Há razões técnicas para isso, a mais importante é que a Apple não permite que nenhum produto atue na segurança do produto como deveria atuar. Para um produto ser classificado como antivírus, ele precisa de acesso ao sistema completo de arquivos, memória, etc, para fazer as verificações necessárias e isso a Apple não permite que nenhum app o faça, limitando assim a ação de um possível produto. Outro fator está relacionado ao marketing, que a Apple construiu desde o lançamento dos antigos OSX, ativamente afirmando que vírus ou malware não afetam a plataforma – o que sabemos não ser verdade – existem pragas para iOS porém numa quantidade pequena se comparado com o Android.

Aqui estão documentados alguns casos, o mais relevante deles é o XCode Ghost:
https://threatpost.com/xsser-trojan-spies-on-jailbroken-ios-devices/108627
https://securelist.com/blog/research/67457/ios-trojan-wirelurker-statistics-and-new-information
https://threatpost.com/yispecter-ios-malware-abuses-apple-enterprise-certs-to-push-adware/114917
https://threatpost.com/xcodeghost-ios-malware-contained/114745

Outro problema que assola a plataforma são os apps fraudulentos, descritos aqui:
https://blog.kaspersky.com/fraudulent-apps-on-apples-app-store/2685

BnR – Logo, que recomendações seus especialistas dão em termos de segurança para iPhones e iPads? Podemos dizer que evitar jailbreak é a premissa fundamental ou única?
FA – A mais importante delas é: não faça jailbreak, que costuma remover proteções nativas do sistema e abre a porta para que o usuário instale o que quiser, de lojas de terceiros, aí mora o perigo. As últimas pragas que encontramos que afetavam o iPhone, todas elas afetavam apenas aparelhos com jailbreak. Outra recomendação importante: cuidado com redes WiFi abertas. Ao se conectar a uma delas sem usar uma devida proteção (VPNs), seus dados podem capturados durante o tráfego. Outro ataque importante que afeta donos de iPhone: phishing, recebidos por e-mail, redes sociais ou SMSs. Aí a dica é usar um navegador seguro, a Kaspersky oferece o Secure Browser gratuitamente, que irá bloquear sites de phishing, mesmo no iPhone.

iPads ficam com 40% da fatia do mercado, segundo pesquisa de tablets e também são alvos de hackers

BnR – Evitar clicar em links via e-mails, SMS ou ferramentas de mensagens como WhatsApp e Facebook Messenger é outra boa dica?
FA – Sim essa é uma boa prática de segurança, especialmente links recebidos pelo WhatsApp. Temos visto diversas campanhas maliciosas usando essa plataforma. Esses links podem não instalar malware num iOS, mas podem te direcionar para sites falsos, sites de serviços premium que irão solicitar seu número e fazer descontos da sua conta mensal, entre outras coisas ruins.

BnR – Não baixar apps sem antes validar a qualificação deles e olhar algumas páginas de comentários é uma ação segura?
FA – Isso não se aplica aos usuários de iPhone pois a Apple aprova previamente todas as apps publicadas na sua loja, se tornando responsável pelo processo. Além disso comentários de usuários, mesmo na loja oficial, podem ser falsos.

BnR – Para finalizar, por que aparecem mensagens de alertas em browsers às vezes, os chamados scarewares? Simplesmente para forçar o usuário a clicar em uma falsa proteção e atingi-lo? Como evitar isso? Basta fechar a janela?
FA – Exato, a intenção dos ataques de scareware são assustar o usuário, informando de supostas infecções, sempre pedindo que o usuário instale algo ou informe algum dado (como seu número de telefone). Nem sempre o app oferecido para instalação é malicioso, mas alguns apps trabalham com sistema de afiliados (como o Uber) e ao instalar o app sugerido, o criminoso ganha uma comissão pela instalação – portanto o criminoso se vale de um processo que provoca medo no usuário para forçar a instalação de um app, que as vezes pode ser legítimo. Para esses casos basta fechar o navegador ou a aba, nada de mal se passará ao fazer isso. Outra solução seria usar um bom produto antivírus.

Nelson Barbosa, engenheiro de segurança da Norton

BnR – Logo, que recomendações seus especialistas dão em termos de segurança para iPhones e iPads?
Nelson Barbosa – Por ser um sistema fechado, o iOS não permite a atuação de nenhum antivírus, por isso as dicas são mais voltadas ao comportamento do usuário. É importante explicar que o sistema iOS não necessariamente é mais seguro do que o Android, ele é menos visado, pois existem menos usuários e os criminosos preferem realizar ataques que infectam um maior número de pessoas. Por isso, o usuário precisa entender que o iOS não está imune a ataques. A recomendação é que os usuários leiam as solicitações de acesso ao instalar aplicativos, não façam o jailbreak, tenham cautela com e-mails suspeitos (principalmente se eles tiverem boletos anexados), não forneçam suas informações pessoais em janelas de pop-ups e sites suspeitos e estabeleçam senhas fortes e únicas para cada conta.

BnR – Podemos dizer que evitar jailbreak é a premissa fundamental ou única?
NB – A Norton recomenda que os usuários não façam o jailbreak em seus dispositivos iOS, já que essa prática deixa os dispositivos mais vulneráveis a ataques. Porém, esse não é o único cuidado que os usuários devem ter. Como citado acima, muitos ataques usam a engenharia social para enganar as suas vítimas. Golpes simples e comuns como o phishing e sites fraudulentos podem ser evitados se o usuário prestar mais atenção no que está acessando. Explicando mais sobre o jailbreak, o maior benefício é que permite que os usuários de dispositivos iOS burlem algumas restrições do sistema operacional, como por exemplo, baixar aplicativos fora da loja oficial da Apple. Porém, essa prática desativa o recurso “sandboxing” nativo em todos os dispositivos da Apple. O sandboxing mantém aplicativos de terceiros fora do seu sistema operacional e apenas autoriza determinadas permissões de acesso a suas informações. Como esses aplicativos precisam de sua permissão explícita (surgem em uma janela pop-up) para examinar suas fotos, acessar seu local ou procurar seus contatos, é altamente improvável que o código mal-intencionado possa causar danos ou roubar suas informações. Ao remover o sandbox, qualquer aplicativo pode acessar todas as suas informações privadas, incluindo aplicativos maliciosos que se apresentam como aplicativos legítimos. E os riscos são reais – em 2015, foi reportado que 225 mil IDs de usuários de iOS da China foram roubados de dispositivos com jailbreak usando um malware chamado de “Keyraider”, que se disfarça como aplicativo para roubar informações das vítimas. Nesse caso, os IDs foram usados para fazer compras dentro de outros aplicativos maliciosos.

BnR – Evitar clicar em links via e-mails, SMS ou ferramentas de mensagens como WhatsApp e Facebook Messenger é outra boa dica?
NB – Essa é uma ótima dica, independente do sistema operacional que a pessoa esteja utilizando. Outra dica é sempre manter os softwares atualizados, evitando ataques que exploram brechas de versões anteriores.

BnR – Não baixar apps sem antes validar a qualificação deles e olhar algumas páginas de comentários é uma ação segura?
NB – Sim, é uma ação muito recomendada. Além disso, é indicado que os usuários suspeitem caso o aplicativo solicite acesso à informações “desnecessárias”. Por exemplo, um aplicativo de edição de foto não precisa ter acesso à sua lista de contatos e seu GPS. Lembrando que o ideal é baixar aplicativos somente de lojas oficiais.

BnR – Para finalizar, por que aparecem mensagens de alertas em browsers às vezes, os chamados scarewares? Simplesmente para forçar o usuário a clicar em uma falsa proteção e atingi-lo? Como evitar isso? Basta fechar a janela?
NB – Essas mensagens são muito comuns em dispositivos móveis, e são feitas para assustar o usuário e deixá-lo sem saber qual ação tomar. O scareware mais comum é uma mensagem que avisa que o dispositivo está infectado e que é necessário instalar um software para limpá-lo. O recomendado é fechar a janela e nunca instalar aplicativos suspeitos. Somente confie em um alerta de vírus se for emitido pela solução de segurança que já está instalada no seu dispositivo.

12:33 · 14.10.2015 / atualizado às 12:33 · 14.10.2015 por
Eugene Kaspersky mostra avanço de ataques no ambiente mobile
Eugene Kaspersky mostra avanço de ataques no ambiente mobile

A Kaspersky Lab, uma das empresas de segurança digital com crescimento mais rápido no mundo, anuncia a renovação de seu contrato de patrocínio com a equipe de Fórmula 1 Scuderia Ferrari. O novo contrato tem duração de cinco anos e será válido de 2017 a 2021.

“Hoje é um grande dia, muito importante para nós, e estou empolgado com a continuidade de nossa parceria com a Scuderia Ferrari. Apesar de trabalharmos em setores diferentes, temos valores em comum e nos empenhamos em ser os melhores no que fazemos. Já estou na expectativa da emoção e das novas vitórias”, afirma Eugene Kaspersky, CEO da Kaspersky Lab.

A parceria entre as duas empresas foi firmada em 2010 e está crescendo ano após ano. Em paralelo com o patrocínio da Scuderia Ferrari na Fórmula 1, a Kaspersky Lab desenvolveu, com a ajuda da Ferrari, o programa Kaspersky Motorsport, que engloba todas as atividades da Kaspersky Lab: da participação em campeonatos de corrida e o apoio a jovens pilotos até a implementação de sua visão de segurança veicular.

Desde 2013, a parceria vem crescendo e a Ferrari escolheu a Kaspersky Lab como fornecedora de uma linha completa de soluções inovadoras de segurança de TI. Essa colaboração técnica estabeleceu um novo marco na relação entre as duas empresas. De seu famoso complexo industrial em Maranello até a bandeirada final, os sistemas de TI da Ferrari são protegidos por soluções de segurança da Kaspersky Lab feitas sob medida.

Sobre a renovação do patrocínio, Alexander Moiseev, diretor administrativo da Kaspersky Lab na Europa e fundador do Kaspersky Motorsport, declarou que é fácil perceber o que as duas empresas têm em comum. “Ambas priorizam a liderança tecnológica, a inovação e são apaixonadas por seu trabalho. Na Kaspersky Lab, temos muito orgulho de ter um parceiro inspirador, que nunca para de avançar”.

14:29 · 28.08.2015 / atualizado às 14:36 · 28.08.2015 por
Smartphones de todas as plataformas alvo de espionagem
Smartphones de todas as plataformas alvo de espionagem

Desde que o ex-técnico da CIA, Edward Snowden, revelou, em 2013, que governos do mundo estavam sendo investigados por agências do governo norte-americano, ficou claro que nenhum dispositivo estava totalmente livre de ser espionado, invadido.

Durante o 5º Seminário Latino-Americano de Analistas de Segurança, realizado em Santiago, no Chile, o diretor de Investigação e Análises para a América Latina da Kaspersky Lab, Dmitry Bestuzhev, deixou claro que qualquer smartphone pode ser invadido para descobrir tudo que o usuário faz diariamente e sem que ele perceba.

Apesar dos ataques comuns serem quase todos direcionados para o sistema operacional Android, quando o assunto se trata de espionagem os proprietários de Windows Phone, iPhone e até BlackBerry são vítimas em potencial.

Código usado para invadir BlackBerry
Código usado para invadir BlackBerry

Depois de instalada a ameaça, o espião consegue visualizar a lista completa de contatos, acessar fotos, vídeos e até conversas via Viber e WhatsApp, por exemplo. Saber onde o dono do celular está no momento e muito mais.

O diretor mostrou várias páginas com comandos que são usados pelos espiões para tentar visualizar todas as ações dos proprietários sem que os mesmos percebam.

Lógico que nem todo mundo será vítima de espiões, mas é sempre bom ficar atento com seus celulares para evitar que outras pessoas sigam seus passos e saibam tudo que está acontecendo com você ou saber seus projetos de lançamentos futuros.

O editor viajou para o Chile a convite da Kaspersky Lab