Categoria: Forró


20:46 · 13.12.2018 / atualizado às 09:28 · 14.12.2018 por
Sanfoneiro completaria 106 anos em 2018 (Foto: Reprodução/Instagram)

Nesta quinta-feira, 13 de dezembro, é comemorado o Dia Nacional do Forró. A data foi escolhida para homenagear o cantor, compositor e sanfoneiro Luiz Gonzaga. Se vivo, ele completaria 106 anos de idade. Chambinho do Acordeon, Kátia Cilene, Xand Avião e Zé Cantor falaram ao Puxa o Fole sobre a importância do mestre da sanfona nos dias atuais.

“É um dia especial para todos os forrozeiros. Não teria dia melhora para homenagear o movimento. Tive a oportunidade de interpretar umas das maiores canções na voz de Luiz Gonzaga que foi Asa Branca”, declarou Kátia Cilene.

Confira vídeo:

O forrozeiro Xand Avião cantou, em vídeo, a música Juazeiro. Ele aprendeu a letra com o pai. “Ele propagou o forró para o mundo inteiro. Tive o prazer e honra de conhecer ele”, diz o forrozeiro.

Para Zé Cantor, o sanfoneiro pernambucano foi quem abriu as portas do forró no exterior. “Depois dele, muitos nomes importantes como Dominguinhos, Alcymar Monteiro e Trio Nordestino. Estou feliz com a data. O forró atingiu o patamar internacional por conta dele. Merece nosso aplauso”.

00:05 · 04.08.2018 / atualizado às 00:05 · 04.08.2018 por
Luan passou por oito estados e 45 cidades (Foto: Divulgação)

Luan Estilizado passou pelos principais palcos do São João em 2018. No roteiro, ele levou a sua nova música de trabalho “Desculpa” por oito estados do Brasil. Com o pé na estrada, passou por Pernambuco; Sergipe; Paraíba; Rio Grande do Norte; Bahia; Alagoas e Piauí. A soma de público é de mais de um milhão de pessoas, com média de 35 mil por cidade.

O forrozeiro lançou, neste período, um EP, com participação de Elba Ramalho, Fagner, Tato e Michel Teló. E foi no São João que o forrozeiro Luan Estilizado comemorou o sucesso do seu trabalho. Em tempo – A música “Desculpa” é de letra fácil e ritmo dançante e contagiante, uma canção que fica na boca do povo e é presença garantida nas baladas de norte a sul do país.

Com dois meses do seu lançamento, a canção composta por Walber Cassio e Saymon Marques, já ultrapassa três milhões de visualizações no videoclipe que contou com a participação da digital influencer, Gessica Kayane.

19:37 · 05.03.2018 / atualizado às 20:27 · 05.03.2018 por
Cantora leva na playlist o “Forró de Favela” (Foto: Divulgação)

A cantora de forró paulista Ticy Vianna gravou uma versão em forró da canção tema de abertura da série “La Casa de Papel”. A música, originalmente intitulada “My Life Is Going on”, virou “Não teve amor”. A composição vai ser lançada junto de um clipe nesta semana. Ticy Vianna vem atuando no chamado “Forró de Favela”, assim intitulado em algumas regiões do Ceará. O gênero é destacado por letras que falam de amor.

Ticy canta desde os 13 anos. Ela já passou por bandas de São Paulo como Charlys da Rocinha, Wesley dos teclados, Banda Djavú & DJ Juninho Portugal, Soró Silva, entre outras.

Confira um trecho da música:

Uma publicação compartilhada por ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ 👑TICY VIANNA👑 (@ticyvianna) em

09:44 · 30.12.2017 / atualizado às 09:54 · 30.12.2017 por

Vai ter o som da sanfona do cantor Fábio Carneirinho no Réveillon da Praia de Iracema. Em passagem ao Sistema Verdes Mares (SVM), o Puxa o Fole conversou com o forrozeiro sobre a participação dele, pela primeira vez, no Réveillon de Fortaleza. No repertório, o sanfoneiro promete canções consagradas do forró.

Confira entrevista:

11:02 · 23.11.2017 / atualizado às 11:09 · 23.11.2017 por
Cantor encerrou Encontro Nacional de Forrozeiros realizado em João Pessoa na Paraíba (Foto: JL. Rosa)

Em entrevista ao Puxa o Fole, durante apresentação no Encontro Nacional de Forrozeiro, na noite de quarta-feira (22), o cantor Alcymar Monteiro criticou a Pasta Nacional de Cultura. “O Brasil nunca teve uma política cultural certa. O Ministério da Cultura é uma tapeação. Algumas empresas fazem movimentos voltados para valorização dos artistas, mas eles ainda precisam bater na porte até se abrir. Cultura não se compra e não se venda. Cultura a gente faz”, declarou o artista.

> Confira coluna exclusiva com o forrozeiro

Durante a última apresentação de forró, o cantor soltou duras críticas ao Estado de Pernambuco e a cidade de Campina Grande na Paraíba. “Tradição do mal gosto. A culpa é de Pernambuco e Campina Grande. Eu não aceito e tenho coragem de colocar minha cara para porrada. Muitos ficam na moita, eu não fico. Nunca fique calado e não leve desaforo para casa”. A afirmação é semelhante ao posicionamento dele nas festas de São João deste ano.

Sobre a união por meio do evento, Alcymar destacou apoio.”Eu acho antes de tudo necessário esse encontro. Nossa música tem sofrido muitas agressões e cabe os seus representantes dissipar esses maus entendidos”, concluiu o músico.

02:13 · 23.11.2017 / atualizado às 11:21 · 23.11.2017 por
Carta deve ser entregue aos diferentes órgãos do poder público (Foto: JL. Rosa)

Como último ato do Encontro Nacional de Forrozeiros, realizado na Paraíba desde a última segunda-feira (20), os instrumentistas, percussionistas, pesquisadores e demais envolvidos com o forró de tradição elaboraram uma carta com recomendações aos órgãos públicos em defesa do gênero. Um dos tópicos mais importantes aponta que os investimentos do poder público em festas anuais, como o São João, devem ter cerca de 70% dos valores voltados aos profissionais do segmento.

Durante a elaboração do documento, que deve ser entregue em prefeituras e órgãos estaduais, além de Pastas nacionais, os participantes sugeriram pontos a serem adicionados. Um ponto citado a ser recomendado na Carta é direcionado à programação dos eventos. Em um dos tópicos, os músicos pedem que as apresentações de forró de tradição ocorra em dias opostos aos dos cantores e bandas de forró eletrônico ou grupos de outros gêneros. A medida, segundo os forrozeiros, visa o respeito com os músicos “de raiz”.

Outro ponto adicionado no documento, durante a elaboração da Carta, diz respeito a preservação da memória do forró por meio da criação de espaços abertos em embaixadas brasileiras. A ideia é que produtores culturais brasileiros que atuam no exterior cuidem da gestão destes ambientes. Ainda segundo o item no documento, o mesmo é recomendado aos governos municipais e estaduais onde o forró possui representações.

*O colunista João Lima Neto está em João Pessoa a convite do Governo do Estado da Paraíba e da Empresa Paraibana de Turismo (PBTur)

13:06 · 22.11.2017 / atualizado às 13:45 · 22.11.2017 por
O Puxa o Fole acompanha o encontro direto de João Pessoa (Foto: JL Rosa/Diário do Nordeste)

Iniciado no dia 20 de novembro, o Encontro Nacional de Forrozeiros reúne importantes discussões sobre a preservação do forró de raiz. Realizado em João Pessoa, na Paraíba, o evento tem a participação de produtores culturais, cantores e sanfoneiros. Entre as discussões mais quentes está a contratação de artistas pelo poder público para eventos anuais.

Agentes do Ministério Público Federal (MPF) e do Tribunal de Contas da União (TCU) escutaram diversas reclamações dos cantores e produtores culturais. As diferenças de cachês e uma melhor divisão da contratação de artistas foram os pontos mais criticados. “A legislação atual oferta condições para o MPF, que pode ser acionado para promover as ações da área criminal e de improbidade”, declara o Juiz Onaldo Queiroga.

O compositor e cantor Assisão, autor de mais de 800 letras de forró, fala sobre a falta de atenção do poder público em eventos anuais. “Você nota a diferença na produção de camarins. No palco ficamos em um pequeno espaço por conta da iluminação e som das bandas de sertanejo”, declara o cantor.

(Foto: JL Rosa/Diário do Nordeste)

Na segunda-feira (20), houve uma audiência pública da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Nordeste, presidida pela senadora Fátima Bezerra (PT-RN), cuja ata será levada ao Senado Federal com o objetivo de elaborar o projeto que transforme o forró em patrimônio imaterial.

O evento segue até quarta-feira (22). Pela manhã, são realizadas palestras, mesas redondas e oficinas para forrozeiros. Os shows-manifesto são realizados na Praça do Povo do Espaço Cultural, a partir das 19h.

*O colunista João Lima Neto está em João Pessoa a convite do Governo do Estado da Paraíba

 

19:51 · 19.10.2017 / atualizado às 19:52 · 19.10.2017 por
(Reprodução/Universo UFES)

 

POR AGÊNCIA SENADO

A Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) do Senado Federal vai discutir formas para preservar a cultura do forró, que inclui o registro do ritmo musical como patrimônio imaterial do Brasil. Foi aprovada, em reunião nesta quarta-feira (18), requerimento para realização de audiência pública sobre a proposta. O debate deve ocorrer durante o Encontro Nacional dos Forrozeiros, no dia 20 de novembro, em João Pessoa (PB).

A presidente da CDR, senadora Fátima Bezerra (PT-RN), lembrou que a Unesco já concedeu o título de Patrimônio Imaterial da Humanidade ao frevo pernambucano.

— Assim como merecidamente, acertadamente, já foi feito com o frevo, nós queremos que a mesma coisa seja feita com o forró. Seria por demais oportuno que a comissão fosse até lá como forma de a gente prestigiar toda essa mobilização, porque defender o forró é defender uma das expressões mais genuínas de identidade cultural do Nordeste e do Brasil — disse.

O senador Elmano Férrer (PMDB-PI) observou que o forró faz parte de festividades tradicionais, como as festas de São João, e tem importância cultural e social.

— Eu acho que isso faz parte da nossa tradição, da nossa cultura. Eu vejo o mérito da proposta, o alcance social e cultural sobretudo — afirmou.

Para a também piauiense senadora Regina Sousa (PT-PI), o forró é um ritmo genuinamente brasileiro.

— É importante a gente estar resgatando e reavivando as nossas expressões culturais. Tem um preconceito ainda muito grande com o nordestino e o forró é nacional, acho que nos une, não nos separa — frisou.

18:39 · 16.10.2017 / atualizado às 18:50 · 16.10.2017 por
Cantora foi apresentada como vocalista da banda em maio deste ano (Imagem: Divulgação)

Após as saídas de Joelma, Thabata Mendes e Leya Emanuelly, agora foi a vez da ex-cantora de forró da banda Limão com Mel, Michele Andrade, deixar a banda do guitarrista Ximbinha. “Oi, gente, na data de hoje estou deixando de participar da BANDA X em decorrência de descumprimentos do que foi acordado para o projeto. Fico muito triste em dar essa notícia para todos os fãs, pois sei que já estavam com as melhores expectativas para que tudo desse certo”, publicou a cantora no instagram nesta segunda-feira (16).

A assessoria de Ximbinha informou, por meio de nota, que o guitarrista foi surpreendido pela publicação da cantora Michele Andrade em perfil pessoal nas redes sociais, que informa sua saída da Banda X.

O comunicado do músico conta ainda que “em nenhum momento a cantora pernambucana avisou previamente que pretendia sair da banda e que a decisão foi unilateral e pessoal de Michele”. A saída de Michele Andrade compromete shows já agendados da Banda X e também participação em programas de TV e rádio que faziam parte do trabalho de divulgação da banda.

A assessoria também informou que Ximbinha e sua produção tomarão as medidas cabíveis para contornar a situação causada pela saída inesperada de Michele Andrade da Banda X.

Histórico

A pernambucana Michele Andrade foi apresentada como vocalista da banda de Ximbinha em maio deste ano. Com 22 anos, ela já fez parte do grupo de forró Limão com Mel por dois anos e da Companhia do Calypso. Ela substituiu Leya Emmanuelly, que saiu em abril. No instagram de Ximbinha é possível ver um dos últimos registros dos dois juntos. Uma gravação do dia 1 de outubro em homenagem ao Dia Mundial da Mùsica. Assista:

Pirei em você! Dia Mundial da música

Uma publicação compartilhada por Ximbinha 🎸 (@ximbinhaoficial) em

15:39 · 02.10.2017 / atualizado às 17:55 · 02.10.2017 por
Evento promete relembrar sucessos dos anos 80 e 90 (Foto: Kid Junior/Fernanda Siebra/ Helene Santos/ Divulgação)

Diversas gerações do forró vão poder se reunir em um show para relembrar grandes composições do gênero. Batista Lima, Eliane, Kátia Cilene e Walkyria Santos trazem para Capital cearense o o projeto “Fenômenos – As vozes de uma geração”. O evento nasceu em Fortaleza, em junho, após um encontro dos cantores em uma festa junina. O novo show acontecerá no dia 14 de novembro no Espaço Jangada do Shopping Iguatemi.

“Este é um projeto que chegou com tudo e está se consolidando a cada nova edição, tanto que hoje ele já se assemelha ao formato dos maiores festivais existentes no País!”, comenta Leonardo Sinfrônio, idealizador do evento.

De acordo com ele, a ideia inicial era criar um movimento de artistas consagrados que passaram por bandas e solos, reunindo num único evento grandes nomes que têm história no mercado e que evoluíram com essa história. “O bacana é que este evento resgata os fãs destes grandes artistas e mostra para as novas gerações o sucesso que eles têm feito ao longo da carreira. Queremos com isso demonstrar a importância destes verdadeiros fenômenos para história e para a cultura do nosso forró, pois eles são grandes representantes do gênero, da música Nordestina e da música brasileira”, finaliza.

Festival “Fenômenos – As vozes de uma geração”
Data: 14 de novembro (terça-feira)
Local: Espaço Jangada do Shopping Iguatemi
Informações: (85) 3111-2813

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Puxa o Fole

Especializado na cobertura na cobertura de forró e sertanejo. Bastidores, conteúdos exclusivos, entrevistas e vídeos.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags