Busca

Categoria: Mobilidade urbana


05:19 · 27.06.2017 / atualizado às 09:20 · 26.06.2017 por

Da Coluna Comunicado, hoje:

A Prefeitura de Fortaleza planeja empatar até R$ 10,269 milhões do contribuinte na requalificação de parte do corredor Parangaba-Papicu. A obra é classificada como essencial para a mobilidade urbana – o que teria reflexos na economia, na segurança, no conforto, na saúde e no ambiente e, por isso tudo, na qualidade de vida. A ideia é executar obras e restaurações nas avenidas Silas Munguba, a partir do mergulho da rotatória da Arena Castelão, e Germano Franck. As empresas que quiserem disputar o serviço terão de apresentar experiências em pavimentação e drenagem, entre outros aspectos.

05:46 · 15.04.2017 / atualizado às 15:52 · 14.04.2017 por

Publiquei hoje na Coluna Comunicado:

O presidente da Câmara de vereadores de Fortaleza, Salmito Filho (PDT), prega aviso: é de responsabilidade do legislativo municipal tratar do transporte individual de passageiros, mediando o diálogo da sociedade e das instituições com diferentes segmentos que prestam o serviço. A fala tem um caráter interessante. É a possibilidade de abrir uma boa temporada de discussões e de entendimentos sobre como o Município deve conduzir essa questão. O mais relevante, no momento, é a perspectiva de que as representações do cidadão podem se pronunciar e influir nos debates.

Os vereadores de Fortaleza até que não têm deixado o tema do transporte urbano passar batido. Há na Câmara pelo menos sete requerimentos. Seis pedem a inclusão nos anais de material da imprensa. Um propõe audiência. Só.

06:51 · 10.04.2017 / atualizado às 17:54 · 09.04.2017 por

Totalizam R$ 1.558.781,01 os investimentos do Governo do Ceará na elaboração de planos de mobilidade dos municípios de Sobral, Coreaú, Forquilha e Aracati.

Os recursos vêm do Banco Interamericano de Desenolvimento – o BID – e vão responder por parcerias entre esferas diferentes da administração pública.

A Secretaria das Cidades do Estado foi em busca do financiamento no BID e cuidará dos lado técnico dos projetos. Já para as prefeituras, vai ficar a responsabilidade de validar os produtos para serem depois submetidos ao legislativo local como o projetos de lei, estabelecendo planos de mobilidade urbana.

07:12 · 07.11.2016 / atualizado às 07:14 · 04.11.2016 por

Publiquei na Coluna Comunicado desta segunda-feira, no jornal Diário do Nordeste:

Será mais do que cabível toda a atenção que os vereadores atuais de Fortaleza e os eleitos para assumir mandatos em 1º de janeiro possam dedicar ao Código da Cidade – projeto do Executivo que tramita na Câmara. A matéria é uma das que regulamentam o Plano Diretor e sustenta o que se refere ao ambiente natural e à certificação ambiental, aspectos que se relacionam aos espaços que o cidadão ocupa e usufrui, contemplando temas como a sustentabilidade. Não se pode, então, deixar algo vital para a cidade passar sem discussões, questionamentos e análises aprofundadas.

Em tempos de seca e de cautela no uso de recursos naturais, vale notar que o Código da Cidade tem um olhar para o tema. Inclusive determinando a instalação de medidores de água individuais nas unidades em edificações coletivas, como prédios de apartamentos e de escritórios. Cada um respondendo pelo que consome.

14:00 · 03.08.2016 / atualizado às 07:02 · 02.08.2016 por

E assim como aconteceu com as “areninhas”, as estações de bicicletas e ciclofaixas e os “cachorródromos”, os vereadores de Fortaleza estão apresentando sintomas de uma nova coqueluche.

Ou obsessão, sei lá: são os carros elétricos.

A turma da Câmara está de olho na possibilidade de posar de moderninho e se sintonizado com as demandas populares, sem largar a chance de atropelar a Prefeitura com uma frota de requerimentos pedindo pontos de veículos compartilhados aqui, ali e alhures.

Mas veja: em geral, essas matérias não vão passar de papel sem valor. Afinal, há critérios técnicos, tanto de demandas comerciais quanto de mobilidade, que devem ser obedecidos.

E isso deve ser seguido à risca, sob pena de o prejuízo financeira atropelar o empreendimento.

Os vereadores até sabem disso, mas querem é mostrar “produção parlamentar”.

10:32 · 16.06.2016 / atualizado às 05:36 · 15.06.2016 por

Publiquei hoje na Coluna Comunicado, do jornal Diário do Nordeste:

Anote aí, por obséquio: R$ 45,262 milhões. É esse o tamanho do crédito extra que o Governo quer abrir no Orçamento do Estado para bancar financeiramente o Bilhete Único da Região Metropolitana de Fortaleza. É uma dinheirama das boas – e que entra na pauta da Assembleia Legislativa bem às vésperas da temporada de caça aos votos nas eleições municipais. E não é, vale notar, uma matéria dos sonhos dos opositores. Afinal, tente descobrir se há algum deputado com coragem ou pelo menos disposição de criticar e se postar contra um recurso que facilita o uso do transporte público.

O Bilhete Metropolitano alcança 15 municípios: além de Fortaleza, abarca Caucaia, São Gonçalo do Amarante, Maracanaú, Maranguape, Guaiuba, Pacatuba, Aquiraz, Eusébio, Horizonte, Itaitinga, Pacajus, Chorozinho, Cascavel e Pindoretama. E mantém a meia-passagem.

05:23 · 12.09.2015 / atualizado às 05:59 · 09.09.2015 por

A Câmara de Fortaleza está, digamos assim, a poucas pedaladas de ter uma estação de bicicletas compartilhadas para chamar de sua. A proposta, segundo o autor, Salmito Filho (Pros), presidente da Casa, “visa a contribuir com a mobilidade urbana e com a redução da emissão de gases poluentes e de carros na cidade”. E diga-se: alguns vereadores, como Evaldo Lima (PCdoB) e João Alfredo (PSol), também são filiados ao partido ciclístico.

07:08 · 04.04.2015 / atualizado às 05:10 · 03.04.2015 por

Publiquei hoje na Coluna Comunicado, que escrevo no jornal Diário do Nordeste:

Da série “Pente fino”. A Câmara Municipal de Fortaleza está formando uma comissão especial para analisar propostas sobre o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano que tramitam na Casa. A ideia foi apresentada pelo vice-líder governista, o vereador Fábio Braga (PTN), com a justificativa de organizar melhor o fluxo de proposituras. Mas há um objetivo mais, digamos, e com perdão dos leitores pela redundância, “objetivo”: é o de filtrar matérias que têm o mesmo conteúdo, embora paridas por mandatos diferentes. Algumas, diga-se, não passam de clones de projetos de outras cidades.

O Plano Diretor é um instrumento essencial para a definição de políticas públicas. Infraestrutura, meio ambiente, malha viária, habitação, uso do solo, turismo e outros elementos urbanos são ordenados no PDDU. E é obrigatório, conforme o Estatuto das Cidades, lei de 2001, para (claro!) cidades com mais de 20 mil habitantes.

12:00 · 03.12.2014 / atualizado às 05:48 · 03.12.2014 por

Essas são para quem curte números:

1) O fluxo diário estimado pela Etufor para a linha Antônio Bezerra/Papicu/Antônio Sales, inaugurada pela Prefeitura de Fortaleza no último fim de semana, chega a 15 mil pessoas.

2) Esse contingente se desloca por 17,4 quilômetros, que é o percurso do corredor exclusivo de ônibus Antônio Bezerra/Papicu.

3) Trata-se da primeira parte do complexo que segue até o Bairro do Papicu. O investimento total vai ser de R$ 187 milhões.

05:58 · 18.11.2014 / atualizado às 05:59 · 18.11.2014 por

Do Diário do Nordeste, hoje, na Coluna Comunicado:

“Quero unir o meu partido”. O propósito, assumido pelo governador eleito Camilo Santana (PT) em entrevista ao Diário do Nordeste (veja em http://goo.Gl/TyEixm), tem endereço certo: o grupo sob o controle da ex-prefeita Luizianne Lins, eleita deputada federal. Sem conseguir se impor dentro do partido durante as eleições de outubro, a ala de Luizianne não teve constrangimento de dar as costas à campanha de Camilo. Mais ainda: o deputado Eudes Xavier chegou a anunciar apoio à candidatura de Eunício Oliveira (PMDB).

Havia, é óbvio, uma consequência direta – e favorável ao grupo de Luizianne Lins – na eventualidade da eleição de Eunício Oliveira. É que ficaria a vaga no Senado para o suplente, Waldemir Catanho, o mais próximo auxiliar da ex-prefeita. Seria um presente com prazo de validade de quatro anos. E sem Catanho ter tido um voto sequer.

Mais de Camilo: “Tive reunião com a Executiva (do PT). Pedi o apoio de todos, independente de divergências eleitorais ou políticas. O que está em jogo é o nome do partido, o projeto para o Ceará”. Uma leitura paralela, a partir da menção às “divergências eleitorais ou políticas”, pode indicar não só a atenção à gestão, mas às eleições municipais de 2016.