Busca

16:02 · 26.11.2007 / atualizado às 16:02 · 26.11.2007 por

A edição da revista Época desta semana reserva um bom espaço, a entrevista na seção Palavra Final, à senadora do Ceará Patrícia Saboya (PDT).

Lá, Patrícia fala da emoção de ser mãe, das dificuldades que a atividade parlamentar impõe à vida familiar, da admiração pelo deputado federal e ex-marido Ciro Gomes (PSB) e pela ex-senadora Heloísa Helena. E do marco de sua carreira política: a presidência da CPI da exploração sexual de crianças e adolescentes. Fala até de sua chocolatria.

Ela não diz nada sobre sua intenção de ser candidata a prefeita de Fortaleza.

Assinantes da Época podem ler a entrevista aqui.

11:24 · 26.11.2007 / atualizado às 11:24 · 26.11.2007 por

Recebi do leitor Alexandre Freitas o seguinte comentário, para o post Profissionalização? Conta outra…:

“Quer dizer então que profissionalizar a gestão dos portos é não ter nenhum cargo de confiança na sua direção? Sua visão me parece simplista caro Roberto Maciel. Profissionalizar é muito mais que isso e os ‘nossos’ governos passam longe disso. O amadorismo impera: falta planejamento, plano de metas, capacitação dos servidores, etc…”

Cargo de confiança, na minha modesta análise, não tem vinculação obrigatória com barganha política. O mesmo me parece achar o ministro Pedro Brito, considerando um trecho da resposta que mencionei no post: “Eu e minha equipe temos um banco de dados de pessoas altamente qualificadas para ocupar essas áreas nos portos”.

Com todo o esforço que possamos fazer, e com o máximo respeito que o vereador Sérgio Novais merece, o caso da Companhia Docas do Ceará certamente não está incluído no tal “banco de dados” que Pedro Brito dispõe.

Mas observem que estão postas aqui duas opiniões, a do Alexandre e a minha. E você, o que acha?

10:51 · 26.11.2007 / atualizado às 10:51 · 26.11.2007 por

A pequena Ocara, cidade a 102 quilômetros de Fortaleza, com pouco mais de 22 mil habitantes e cerca de R$ 1 milhão arrecadados de ICMS este ano – o que não é nem metade do que a Prefeitura de Fortaleza pensa em gastar no réveillon 2007/2008 -, entrou com força no páreo para ser referência na produção de caju no Ceará. De fato, já é um dos principais pólos de plantio e processamento do fruto. O que não havia era uma sistematização, uma marca.

Pois bem: começa na próxima quinta-feira a II Cajumel – Feira do Agronegócio do Caju e do Mel de Ocara. A programação, que se estende até 1o. de dezembro, inclui seminários, palestras, cursos, comercialização de produtos e serviços e realização de clínicas tecnológicas. Também haverá shows culturais. E, como sói acontecer em eventos assim, a escolha da misse da festa. Faz parte.

Mas a II Cajumel terá, ainda, outros ares. Alguns políticos já anunciaram que estarão lá. Não é só uma forma de “prestigiar” a Prefeitura, mas de se prestigiar também. E de dizer que a festa ocorre por causa deles – o que, evidentemente, será lorota. Ou seja, cada um querendo puxar a brasa para a sua castanha.

10:32 · 26.11.2007 / atualizado às 10:32 · 26.11.2007 por

Existe um axioma cretino no Brasil: “As leis existem para serem descumpridas”. Não sei de onde veio isso, se é importado ou fruto da observação popular.

Mas é cretino, sim, e muito real. Veja só: desde o dia 3 de outubro passado, vigora em Fortaleza uma lei que proíbe o consumo de bebidas alcoólicas nas dependências de postos de gasolina entre 20 e 8h. É de autoria do vereador José Maria Pontes (PT).

A lei é ignorada. Solenemente ignorada. Tomo aqui como exemplo um posto na esquina da Avenida Abolição com a Rua Oswaldo Cruz, no Meireles, a 100 metros da Avenida Beira-Mar.

Lá, bebe-se tranqüilamente a qualquer hora. Não há fiscalização da Prefeitura de Fortaleza, não há cartazes ou o que quer que seja com recomendação nenhuma. Citei um caso, mas há outros, muitos outros.  

Pode-se argumentar em defesa do Poder Público que, embora vigorando, a lei formulada por José Maria Pontes tem um prazo para começar a aplicar punições – que variam de multas a perda do alvará de funcionamento. É verdade: somente partir de 8 de fevereiro próximo as sanções serão postas em prática. Mas esse argumento eu mesmo trato de detonar. Lei não tem somente caráter punitivo ou arrecadador, mas pedagógico. Não é o fato de os postos se encontrarem num período de tolerância, para adaptação ao novo sistema, que podem permitir o consumo de bebidas alcoólicas por seus clientes em suas dependências. Resumindo: a lei já existe, mas é descumprida.

E lá vem o tal axioma cretino outra vez.

18:50 · 25.11.2007 / atualizado às 18:50 · 25.11.2007 por

Representantes da OAB-CE se reunirão terça-feira com o procurador-geral da Justiça do Ceará. Na pauta, cultura afro e educação.

Amanhã você poderá ler mais na Coluna Comunicado, do Diário do Nordeste.

18:10 · 25.11.2007 / atualizado às 18:10 · 25.11.2007 por

Uma característica da política brasileira não recomenda que se escreva o que políticos dizem – o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que eu saiba, foi o único que teve coragem suficiente para sugerir que os poucos que leram suas teses de sociólogo esquecessem o que ele escreveu.

Outros, por natureza própria ou por contágio, digamos assim, costumam criar versões fantasiosas para dar alguma sustentação ao que fazem.

E mais outros, por fim, dizem uma coisa e mal fecham a boca vem um superior e mostra-lhe que sua vontade não é preponderante e o que vale é a necessidade política. É o caso do ministro da Secretaria Especial de Portos, o cearense Pedro Brito.

Em setembro, Brito deu uma longa entrevista à revista Fale!, de circulação regional. O afilhado político do deputado federal Ciro Gomes, enfatizou se persegue, ou perseguia, considerando-se o rumo dos fatos, “profissionalizar” a gestão dos portos brasileiros. A entrevista foi publicada na edição de outubro.

Veja uma pergunta e uma resposta:

Revista Fale! – O senhor terá a liberdade para profissionalizar a gestão dos portos?
Pedro Brito – Essa liberdade é do presidente da República. Ele está consciente de que não há como fazer a mudança portuária se não através de uma gestão profissionalidade. Toda a parte da eficiência na execução do PAC, de conclusão dos projetos, de melhorias das condições operacionais do porto, de redução de custo; todo esse programa só poderá acontecer com uma profissionalização da gestão portuária. Todos os diagnósticos dos portos já foram feitos. Eu e minha equipe temos um banco de dados de pessoas altamente qualificadas para ocupar esses áreas nos portos. Caberá ao presidente da República escolher aqueles que ele achar melhor para ocupar essas áreas”.

Pois é. Hoje, o vereador e engenheiro Sérgio Novais (PSB) é o presidente da Companhia Docas. Foi nomeado em outubro, mais ou menos. O lugar mais ligado à água onde Novais trabalhou é a Companhia de Água e Esgoto do Ceará, a Cagece. Ele entende de portos tanto o quanto eu e você, leitor, entendemos da influência da física quântica na migração das avoantes.

O desejo de profissionalizar a gestão dos portos brasileiros pode ser até legítimo no discurso de Pedro Brito, mas nem passa perto das conveniências do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

12:44 · 25.11.2007 / atualizado às 12:44 · 25.11.2007 por

O cantor Luiz Melodia fez show ontem no Centro Dragão do Mar. Quem não foi terá nova chance hoje, às 20 horas.

Mas esse post não é propriamente sobre a apresentação.

É, sim, para dizer da chiadeira danada que ele fez ontem. Em determinado momento, Luiz Melodia – nada sorridente, ao contrário da foto ao lado – parou de cantar para fazer um pequeno mas agudo discurso contra a falta de segurança pública. Criticando a greve dos policiais civis no Ceará, o cantor disse que parte de sua equipe de produção foi assaltada em frente ao hotel onde está hospedada.

Alguns fãs o aplaudiram de pé.

Agora, leia o que Luiz Melodia declarou ao Diário do Nordeste sobre sua turnê na Região e foi publicado sexta-feira passada no caderno Zoeira: “Tem acontecido maravilhas. Estou sorrindo à toa. Sempre gostei do público do Nordeste. As pessoas são receptivas. Me sinto muito bem”.

Irônico, né não?

12:08 · 25.11.2007 / atualizado às 12:08 · 25.11.2007 por

O vereador Iraguassu Teixeira (PDT), como costuma fazer há anos, convocou uma audiência pública sobre o carnaval em Fortaleza. Será amanhã, às 9h30min, na Câmara Municipal.

O curioso é que, aliado que é da Prefeitura de Fortaleza, Iraguassu nem cogita em tratar do réveillon. Nem o de 2006/2007, repleto de denúncias de irragularidades, nem o de 2007/2008, que torrará quase R$ 600 mil só em fogos de artifício. 

Como diria Hebe Camargo, graciiiiiinha.

17:30 · 24.11.2007 / atualizado às 17:30 · 24.11.2007 por

O senador Inácio Arruda, o ministro Orlando Silva, dos Esportes, e o deputado federal Aldo Rebelo (SP) estão entre as figuras de expressão do PCdoB que participarão de jantar segunda-feira em Fortaleza, para arrecadar o vil metal necessário para a compra de uma sede própria para o partido. Será num hotel bem chique, o Marina Park – mais burguês, impossível.

Mas Inácio, Orlando e Aldo não são as únicas celebridades que estarão por lá.

Para não fazer feio, o PCdoB convidou também a deputada federal Manuela D’Ávila (RS). Ufa!

17:17 · 24.11.2007 / atualizado às 17:17 · 24.11.2007 por

Escolas que desabam podem inspirar a polícia não só a prender engenheiros inaptos ou desonestos, mas gestores públicos que compram notas fiscais.