Roberto Moreira

Categoria: Prisão


08:14 · 29.01.2019 / atualizado às 08:14 · 29.01.2019 por

Investigações apontam suspeita de fraude em documentos. Foram presos em SP dois engenheiros que prestaram serviço para a Vale e três funcionários da empresa em MG.

Cinco pessoas foram presas na manhã desta terça-feira (29) suspeitas de atestar segurança na barragem 1 da Mina do Feijão, em Brumadinho (MG), que se rompeu na sexta-feira (25). Dois engenheiros da empresa TÜV SÜD que prestavam serviço para a mineradora Vale foram presos em São Paulo. Em Minas, foram presos três funcionários da Vale.

Na noite de segunda-feira (28), a Defesa Civil de Minas Gerais informou que há 65 mortos e 279 desaparecidos após a tragédia provocada pelo rompimento da barragem da mineradora Vale, na região metropolitana de Belo Horizonte. Nesta terça-feira, começa o quinto dia de buscas no local.

Os investigadores do Ministério Público e da polícia apuram se documentos técnicos, feitos por empresas contratadas pela Vale e que atestavam a segurança da barragem que se rompeu, foram, de alguma maneira, fraudados.

A prisão dos engenheiros Makoto Namba e André Yassuda em São Paulo ocorreu nos bairros de Moema e Vila Mariana, Zona Sul da cidade. Eles foram levados para a sede da Polícia Civil e deverão ser encaminhados em seguida para Minas Gerais, após embarcarem no Aeroporto Campo de Marte, Zona Norte de São Paulo. A reportagem tenta contato com a defesa dos presos.

As ordens da Justiça são de prisão temporária, com validade de 30 dias, e foram expedidas pela Justiça no domingo.

Por meio de nota, a Vale informou que “está colaborando plenamente com as autoridades”. “A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas”, diz a nota divulgada após a prisão dos engenheiros.

Fonte: G1

17:09 · 25.01.2019 / atualizado às 17:09 · 25.01.2019 por

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) voltou a ser preso nesta sexta-feira (25). O político foi detido na casa dele, em Curitiba, por volta das 7h. De acordo com a Justiça Federal, a ação que deu origem à prisão faz parte de uma investigação que apura supostos crimes na concessão de rodovias do estado. O contador da ex-primeira dama Fernanda Richa, Dirceu Pupo Ferreira, também foi preso.

Segundo o juiz Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba, as prisões de Richa e Pupo foram determinadas porque os dois tentaram influenciar os depoimentos de testemunhas da investigação. Os pedidos de prisões foram feitos pelo Ministério Público Federal (MPF).

Nesta ação, Beto Richa é investigado pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Tanto ele quanto Pupo foram levados para a Superintendência da Polícia Federal (PF), na capital paranaense.

O ex-governador do Paraná já tinha sido preso em setembro de 2018, no âmbito da Operação “Rádio Patrulha”, em investigação que apura esquema de superfaturamento de contratos para manutenção de estradas rurais e pagamento de propina para agentes públicos. Quatro dias depois, Beto Richa foi solto após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes.

 

11:27 · 22.03.2017 / atualizado às 11:27 · 22.03.2017 por

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) negou, nesta terça-feira (21/03), liberdade para José Roberto Alves da Costa, vereador do Município de Nova Russas, acusado de participar de associação criminosa para praticar assaltos. O relator do processo foi o juiz convocado Francisco Carneiro Lima.

“Entendo pela manutenção da prisão preventiva, visto que restaurar a liberdade seria, em última análise, expor a coletividade novamente ao desassossego, em face de sua periculosidade, evidenciada pela gravidade concreta do delito”, disse o relator.

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Ceará (MPCE), o vereador participava de um grupo cujo intuito era praticar roubos a carros fortes e agências bancárias, entre outros crimes. Ele foi preso em flagrante no dia 18 de novembro de 2016, no Município de Guaraciaba do Norte, distante 301 km de Fortaleza. Na ocasião, estava acompanhado de outros quatro acusados.

Posteriormente, o Juízo da Vara Única daquela Comarca converteu a prisão em preventiva. Para requerer a liberdade, a defesa impetrou habeas corpus com pedido liminar (nº 0629085-81.2016.8.06.0000) no TJCE. Alegou que ele estaria sofrendo constrangimento ilegal em razão da ausência de fundamentação que decretou a prisão, além da condição de ser réu primário, ter bons antecedentes criminais, residência fixa e ser vereador do Município de Nova Russas.

Em parecer, o MPCE opinou pela denegação do pedido sob o argumento de que a prisão preventiva encontra-se devidamente fundamentada. Ao analisar o processo, a 1ª Câmara Criminal negou o pedido, acompanhando o voto do relator. “Com relação às alegações de que o paciente [acusado] possui condições pessoais favoráveis, como o fato de ser primário, possuir bons antecedentes e residência fixa, sabe-se que essas, por si só, não afastam a possibilidade de determinação da segregação preventiva, quando estiverem os requisitos autorizadores da mesma, o que ocorreu no presente caso concreto”.

07:44 · 07.03.2017 / atualizado às 07:44 · 07.03.2017 por
14:21 · 15.02.2017 / atualizado às 14:21 · 15.02.2017 por

A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) negou, nesta terça-feira (14/02), liberdade para padre acusado de abusar sexualmente de adolescentes no Município de Juazeiro do Norte, na Região do Cariri. O processo teve a relatoria do desembargador Raimundo Nonato Silva Santos.

“O magistrado, pautando-se pelos elementos informativos que denotam a materialidade e relevantes indícios de autoria delitiva, ponderou os riscos que a liberdade do paciente imporia à ordem pública, considerando os danos e desgastes psicológicos que poderiam acometer os adolescentes supostamente vítimas”, disse.

Segundo denúncia do Ministério Público do Ceará (MPCE), o padre, valendo-se de sua condição, vinha explorando sexualmente adolescentes. Para isso, oferecia dinheiro em troca de favores sexuais, bem como de estímulo à pratica de atos libidinosos e troca de material pornográfico. Os atos ilícitos do religioso ocorriam na casa de sua irmã.

Ainda segundo o órgão ministerial, tanto os responsáveis pelos adolescentes, como as próprias vítimas denunciaram o caso. Por isso, o Juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca de Juazeiro do Norte decretou a prisão do sacerdote no dia 7 de outubro de 2016.

Ao ingressar com habeas corpus (nº 0628789-59.2016.8.06.0000) no TJCE, a defesa alegou que o juiz julgou antecipadamente o caso na formação de convencimento para a fundamentação da prisão. Disse que a prisão é injusta e abusiva, o que caracteriza constrangimento ilegal. Explicam que o padre é réu primário, possui residência fixa e ocupação lícita, e, por isso, não oferece riscos à sociedade.

Em parecer, o MPCE opinou pela denegação do pedido, sob o argumento de que a situação concreta justifica a decretação da prisão preventiva com fundamento na garantia da ordem pública e para assegurar a instrução criminal.
Ao analisar o caso, a 3ª Câmara Criminal negou à unanimidade o pedido, acompanhando o voto do relator. “Conforme entendimento jurisprudencial consolidado pelo Superior Tribunal de Justiça, não há constrangimento ilegal quando a custódia cautelar encontrar-se fundamentada pela gravidade concreta do crime, o que comprometeria a ordem pública”, explicou.

09:30 · 30.01.2017 / atualizado às 09:30 · 30.01.2017 por

eike_batista
“Vc tem que pagar pelos erros que cometeu, eu não cometi”, foi o desabafo do empresário Eike Batista antes de embarcar para o Brasil onde será preso.

Eike Batista disse que apoia a lava Jato “O Brasil vai mudar. Agora quem for melhor leva”.

O empresário desembarcou no Rio de Janeiro, saiu do avião e entrou no camburão da Polícia Federal.

06:10 · 22.01.2017 / atualizado às 18:32 · 21.01.2017 por

IMG_4506
O vereador mais votado do município de Itapiúna (a 114 quilômetros de Fortaleza) nas últimas eleições municipais, Francisco Alberto Leite, o Albertin (PDT), deixou a cadeia municipal da cidade para tomar posse na Câmara na sexta-feira(20).

O político, estava preso por suspeita de homicídio, foi ovacionado por vários eleitores e cabos eleitorais quando saía da cadeia.

O vereador do PDT foi preso no último dia 4 de novembro sob suspeita de matar um homem no dia da votação do primeiro turno das eleições de 2016, em outubro. Além do pedetista, o pai do vereador também foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo.

Ao tomar posse na Câmara, Albertin também foi aplaudido e alegou que sua prisão teria sido injusta. Este é o terceiro mandato do político como vereador do município.

Para os eleitores do município, Albertin é considerado inocente e teria sido preso injustamente. Por esse motivo recebeu tanto apoio quando saiu da cadeia. “Ele foi o mais votado da cidade. Os adversários políticos dele acham que ele tem culpa no cartório, mas isso não é verdade. Ele é tão querido que todo mundo foi lá dar apoio”, conta Juliete Freitas, atendente de uma farmácia do município.

Apesar da liberação da Justiça para tomar posse, Francisco Alberto só poderá participar das sessões na Câmara caso elas tenham novas decisões autorizando o deslocamento do parlamentar. Horas depois da solenidade de posse, o político retornou à delegacia.

15:09 · 14.12.2016 / atualizado às 15:09 · 14.12.2016 por
Segundo a entidade, há atualmente 348 jornalistas, incluindo blogueiros, detidos no mundo, o que representa um aumento de 6% em relação ao ano passado. A quantia aumentou 22% no mundo e quadruplicou na Turquia, depois da tentativa de golpe de julho.
O número de mulheres jornalistas detidas também cresceu por quatro na Turquia – 21 contra 5 em 2015. Essa realidade evidencia, para a ONG, o crescimento do papel das mulheres na profissão, mas também o desastre que atravessa a Turquia.
“Na porta de entrada da Europa, uma verdadeira caça às bruxas levou para a cadeia dezenas de jornalistas, transformando a Turquia na maior prisão do mundo para a profissão. Em um ano, o regime de Erdogan esmagou o pluralismo na mídia, enquanto a União Europeia não disse virtualmente nada”, destacou o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire.
O Comitê de Proteção dos Jornalistas (CPJ), que também divulgou um balanço anual, estima que 81 repórteres estão detidos na Turquia. O número, de acordo com o CPJ, é o maior á registrado em qualquer país.
A entidade informa que quatro profissionais estão presos na América Latina. O Panamá mantém um jornalista estrangeiro preso e a Venezuela um repórter com dupla cidadania. Cuba passou a integrar a lista de países que prenderam jornalistas este ano.
Por outro lado, a RSF indica que o número de profissionais reféns reduziu em 2016 em comparação com o ano passado – 52 contra 61. Este ano, todos os reféns estão no Iêmen, Síria e Iraque. Nos dois últimos países, o grupo Estado Islâmico mantém 21 jornalistas em cativeiros.
(Portal Imprensa)
08:06 · 19.11.2016 / atualizado às 08:06 · 19.11.2016 por

IMG_2869

Preso comum, o ex-governador Sérgio Cabral tem dispensado por enquanto o arroz, feijão e bife da cadeia, mas topou o pão na manteiga e café com leite.

Acostumado a um banquete nas refeições, Sérgio Cabral terá que mudar o cardápio. Sua prisão não é temporária.

13:01 · 17.11.2016 / atualizado às 13:01 · 17.11.2016 por

Preso nesta quarta-feira pela Polícia Federal, Anthony Garotinho usou seu blog para comemorar a detenção de outro governador do Rio: Sérgio Cabral, capturado nesta quinta-feirapela mesma instituição: “A hora de Sérgio Cabral chegou”. Em texto publicado às 8h13 por seus assessores, o atual secretário de Governo de Campos, no Norte Fluminense, ressalta que “a situação de Cabral é completamente diferente do caso de Garotinho. Cabral e seu grupo são acusados de receber R$ 224 milhões em propinas cobradas em grandes obras. Garotinho é acusado por dar o Cheque Cidadão às pessoas humildes de Campos”.

Garotinho foi preso em seu apartamento no Flamengo, na Zona Sul do Rio. Ele foi levado para a Superintendência da PH do Rio. No início da noite, o ex-governador passou mal e seguiu, de ambulância, para o Hospital municipal Souza Aguiar, onde segue internado na Unidade Coronariana sem previsão de alta, segundo a Secretaria de Saúde.

Nesta quarta-feira, a ministra Luciana Lóssio, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou um pedido de liberdade movido pela defesa do ex-governador. Garotinho é suspeito de envolvimento num esquema de corrupção eleitoral.

(Extra)

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Roberto Moreira

Jornalista com mais de 40 anos de atuação acompanha de lupa os movimentos da classe política. Crítico, ácido e atuante, o blog leva ao leitor fatos reais.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags