Busca

Governo brasileiro irá para os EUA tratar caso das crianças que estão afastadas dos pais

08:27 · 14.07.2018 / atualizado às 08:27 · 14.07.2018 por

O ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, irá retornar para os Estados Unidos, neste sábado (14), para negociar o impasse das crianças brasileiras que estão separadas dos pais.

Desde maio deste ano, a política do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de tolerância zero com a imigração ilegal, levou à separação de mais de 2 mil crianças de suas famílias, pelo fato de terem passado pela fronteira entre México e Estados Unidos.

Gustavo Rocha e sua delegação vão ficar no país até o dia 20 de julho, sexta-feira, e, neste período, passarão por Nova York, Washington e Boston. Eles farão uma série de reuniões com órgãos multilaterais, como a Organização das Nações Unidas, a ONU, e a Organização Internacional para Migração, além de se encontrar com organizações da sociedade civil.

Na semana passada, ao visitar abrigos em Chicago, o ministro disse que as crianças estão bem acolhidas, mas isto não as tira de uma situação de vulnerabilidade.

“É evidente que o fato de estarem sendo bem acolhidas não afasta a situação de vulnerabilidade e a questão psicológica de crianças pequenas estarem afastadas de seus pais.”

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, já conversou com algumas crianças, que disseram que querem ficar nos Estados Unidos. Porém, segundo ele, é preciso dar assistência e suporte para que elas fiquem bem, seja lá, ou aqui no Brasil.

“Assistência significa visita, significa promover o contato com as famílias, localizar as famílias, saber onde o pai ou a mãe estão detidos, assistência psicológica e assistência jurídica.”

De acordo com o governo, aproximadamente 50 crianças brasileiras estão afastadas de seus pais e sob a guarda dos americanos.

Comentários 0

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *