Categoria: Cultura


08:00 · 22.09.2019 / atualizado às 08:10 · 22.09.2019 por

Nascido em 22 de setembro de 1918, o agricultor, vaqueiro, profeta da chuva, contador de causos, amante do sertão, da cultura popular, da poesia matuta e da vida simples da roça, Francisco Soares da Silva, o Chico Soares, comemora hoje 101 anos de vida, com muita disposição, lucidez e saúde.

A data especial vai ser festejada na comunidade de Lagoa de São João, na zona rural de Aracoiaba, no Maciço de Baturité.

Dos 16 filho, 13 vivos, 19 netos e 18 bisnetos, dos matrimônios com Francisca das Chagas Araújo, e após a sua morte, a sua segunda esposa, Luiza Uchôa Pereira, também falecida, estarão reunidos na comemoração.

Mestre Chico Soares enfrentou secas, enchentes, epidemias e pestes, farturas e misérias, lutos e festas, doenças e saúde. Nessas 10 décadas de vida, passou por muitas dificuldades e enfrentou muitos desafios, sendo morador e trabalhando em terras dos outros, pelos sistemas de semiescravidão do “fornecimento”, “arrendamento”, “meia” ou “parceria”, de onde tirava o sustento dos filhos e garantia condições dos patrões luxarem e educarem os filhos na cidade grande, com todo o conforte e riqueza“, comenta o filho Silvanar Pereira.

“Mesmo assim Chico Soares produziu muito algodão, milho, arroz, feijão, mandioca e criava gado. Mas sua emancipação se deu com a aposentadoria e ao comprar de um pedacinho de terra no final da década de 1970, onde criou a segunda família e onde mora até hoje, na Lagoa de São João.

Filho mais velho do casal Mariá Alves e José Soares, retirantes das secas e perseguidos pelo cangaço, que teve uma prole de 13 filhos, dos quais apenas dois estão vivos, ele e o caçula José Soares, enfrentaram muitas dificuldades e desafios, tendo que começar a trabalhar na roça com apenas oito anos de idade.

Ele não teve oportunidade de ir à escola, mas aprendeu tudo sobre a lida na roça, inclusive a de vaqueiro e de observador dos elementos da natureza, que são indicativos de chuva ou de seca, recebendo por isto o título de Profeta da Chuva.

Outra grande paixão de sua vida é um lindo roçado de mandioca, tanto amor que o leva a celebrar seus aniversários, com uma farinhada. Sua casa de farinha é por ele considerado o seu maior feito”, acrescentou o filho.

Sabedoria secular 

“Em sua sabedoria Seu Chico Soares imprime um jeito sério e honesto de ser nordestino, baseado no que observa da natureza e pela experiência de vida. Ele é do tipo que assegura que a honestidade é o maior valor de um homem. Sua sabedoria, consegue até mesmo algumas frases de efeito, como: “caixão não tem gavetas, mortalha não tem bolsos”, “pobre é quem só tem dinheiro”, “tudo tem ciência”, “homem que não tem palavra, não tem nada”.”, retrata o poeta popular Abelardo Nogueira, um grande amigo da família, que transformou em versos, alguns pequenos retalhos desta saga de 100 anos de Chico Soares.

Religião

Como devoto de São Francisco, São João Batista e Nossa Senhora sempre tem fé. Ele lamenta apenas que um amigo do clero não esteja fisicamente presente a este momento celebrativo, como esteve nos 80 anos, nos 90 e em tantos outros momentos, o padre José Maria Cavalcante Costa, por quem tem admiração, respeito e amizade.

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

06:00 · 17.09.2019 / atualizado às 06:00 · 17.09.2019 por
A oficina de iniciação à palhaçaria com Jonh Wellignton, diretor e fundador da Cia Lamparim, foi uma das atividades do Sertão em Cena. Foto > Casa de Saberes 

Após uma semana de atividades voltadas para as artes cênicas, em especial o teatro, com oficinas formativas, apresentações, e exposição de cenas curtas, a Casa de Saberes Cego Aderaldo, um equipamento da Secretária da Cultura do Estado do Ceará (Secult) encerra na noite desta terça-feira (17) as atividades das Artes Cênicas no Sertão Central, o Sertão em Cena.

De acordo com a direção da Casa de Saberes, a programação começa às 19h, com as boas vindas do coordenador do espaço cultural, Pedro Igor Azevedo, seguido de uma performance poética com o ator, diretor teatral e coreógrafo, Benzer dos Anjos, de Quixadá, e a apresentação do espetáculo teatral “Pedras de Sal“, com o Coletivo Cotinha de Teatro da cidade de Banabuiú.

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

08:40 · 10.09.2019 / atualizado às 08:45 · 10.09.2019 por
A Casa de Saberes Cego Aderaldo terá uma semana de atividades focadas no teatro. Foto > Alex Pimentel

A Casa de Saberes Cego Aderaldo, equipamento regional da Secretaria da Cultura do Ceará, realiza a partir desta quarta-feira (11), até a próxima terça (17), pela primeira vez, o Sertão em Cena.

De acordo com a direção da Casa de Saberes, será uma semana de atividades voltadas para as artes cênicas, em especial o teatro, com oficinas formativas, apresentações, e exposição de cenas curtas.

Todas as atividades são gratuitas. Os interessados precisam apenas fazer as inscrições prévias para as oficinas, na Casa de Saberes, na Rua Pascoal Crispim, 167, Centro de Quixadá, ou através do contato (88) 9 9950 8954 e do e-mail cscegoaderaldo@gmail.com.

Segundo o diretor da Casa de Saberes, Pedro Igor Azevedo, o Sertão em Cena foi pensado com o intuito de potencializar, discutir, formar e sobretudo criar um ambiente propício para trocas e afirmação de identidades dos grupos da região do Sertão Central.

Atendendo a uma demanda local, o projeto surge com o interesse de criar um encontro no qual os participantes possam conhecer trabalhos de outros grupos de teatros dos municípios de Quixadá, Quixeramobim, Banabuiú, Senador Pompeu, entre outros“, comentou.

O encerramento do Sertão em Cena, no dia 17, contará com a apresentação teatral da peça “Pedras de Sal”, da Companhia Cotinha de Teatro, de Banabuiú, que atua no segmento há 20 anos.

Sertão em Cena
De 11 a 17 de setembro
Casa de Saberes Cego Aderaldo
Rua Pascoal Crispim, 167 – Quixadá

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

00:00 · 03.09.2019 / atualizado às 22:00 · 02.09.2019 por
O Sr. Ventilador, do Grupo Bagaceira de Teatro (CE), será uma das atrações do FNT. Foto > Diego Souza

A Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga (AGUA) inicia nesta terça-feira (3) o 26º Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga. A abertura oficial será às 18h30, no Teatro Rachel de Queiroz, com apresentação do Grupo Arte Cultura e Memória, da Agua.

De acordo com os organizadores, a programação segue até o próximo sábado, 7, transformando Guaramiranga em ponto de encontro de artistas e entusiastas do teatro, em uma programação inteiramente gratuita, com apresentações de peças infantis e para adultos e shows musicais.

Mostra Nordeste

Companhias de cinco estados para se apresentarão na Mostra Nordeste: Clowns de Shakespeare (RN) com “Abrazo”; Pequena Companhia de Teatro (MA), com a montagem “Ensaio sobre a memória”; Grupo Bagaceira de Teatro (CE), com a espetáculo “O Sr. Ventilador”; Vilavox (BA), com o solo “Medeia Negra”; e Grupo Magiluth (PE) com “Dinamarca”.

Com exceção do Vilavox, que estará no Teatro Dona Zilda, e Magiluth, que se apresenta na Escola Professor Júlio Holanda, os demais grupos da Mostra Nordeste vão estar no palco do Teatro Rachel de Queiroz.

Neste ano quem vai promover a reflexão sobre as obras nos debates são os dois curadores, Fran Teixeira (CE), diretora do grupo Teatro Máquina, e Alexandre Vargas (RS), artista de teatro, empreendedor cultural, pesquisador e curador de artes cênicas, que se juntam a Hayaldo Copque (BA), dramaturgo, diretor teatral e professor assistente na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).

Palco Ceará e Cena Plural

Além da Mostra Nordeste, o FNTG contará com duas mostras exclusivas para as artes cênicas produzidas por grupos e coletivos cearenses, Palco Ceará e Cena Plural, que contribuem diretamente com o fortalecimento do fazer teatral do Estado, valorizando as produções de artistas de vários municípios. Serão contemplados grupos de Fortaleza, Baturité, Redenção, Russas e Guaramiranga.

São atrações este ano na Mostra Palco Ceará: Rosa Primo, com “Iracema”; Rei Leal Coletivo Teatral, com “As Malditas”; Coletivo Artístico As Travestidas, apresentando “Cabaré das Travestidas”, As 10 Graças da Palhaçaria, com “Cabaré das Desgraças” ; e a Cia de Arte Andanças, apresentando “Devoração”.

A Cena Plural terá a participação da Escola Livre de Teatro do Maciço de Baturité (ELT) com as turmas de formação básica apresentando “A moça que virou cobra”; o Grupo Arraiá da Liberdade, de Redenção, com o espetáculo “A Rede do Povo (casamento)”; a Escola Livre de Teatro Brincantes – Oficarte, de Russas, com “As faces de Antígona” ; os grupos de Dramas de Guaramiranga.

Duas intervenções também vão compor a Mostra Cena Plural, na noite de encerramento do FNT. Às 19h acontece a ocupação cênica “O circo chegou!” em praças e ruas, e às 20h, artistas de circo e teatro ocupam a Praça do Teatro Municipal Rachel de Queiroz com “O espetáculo não pode parar’.

FNT para Crianças

O público infantil também terá espaço cativo na programação do Festival. É o FNT para Crianças, que acontece diariamente na Praça da Prefeitura, mas começa com um Cortejo das Escolas pelas ruas da cidade, no dia 3, a partir das 14 horas. Em cena nesta edição o grupo Desequilibradoz apresenta “Caixinha de Surpresa”, “A Princesa e o Sapo”, “Uirapuru”, “Junto e Misturado”, “Arruaça – Circo a Céu Aberto”.

O FNT para Crianças terá também: Contação de Histórias com Mônica Rodrigues; a atriz e contadora Paula Yemanjá em “Contos que encantam”; o ator artista Edvaldo Batista com “O pequeno Ogum”; juntos, Paula Yemanjá e Edivaldo Batista apresentam o espetáculo “As fadas”; e a Cia Prisma de Artes encena “As aventuras de João Sortudo”. A programação é oferecida pelo SESC-Ce.

Música no FNT

As noites do Festiva será aquecidas com instrumentistas e cantores de Guaramiranga e artistas convidados, no Palco da Música, na Praça do Teatro Municipal ou no Odilon Bar. Começa com o show “Eu preciso cantar!” apresentado por compositores e intérpretes da cidade, dia 3, às 21 horas.

Nas noites seguintes as atrações serão Glauber Nocrato e a Escola de Música de Guaramiranga com o show “Caetanear”, Banda Samba Delas, DJs, Banda Nazirê, do Crato, e as cantoras Lorena Nunes, Di Ferreira e Pepita York no show “Las Tropicanas”.

O 26º FNT é uma realização da Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga (AGUA), com apoio institucional do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) e apoio da Prefeitura de Guaramiranga e do SESC Ceará. Tem a consultoria executiva da Quitanda das Artes. Agradecimento especial: Enel.

26º Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga
De 3 a 7 de setembro em Guaramiranga

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

18:30 · 26.08.2019 / atualizado às 18:50 · 26.08.2019 por
Entidade de apoio à juventude, Ceacri, realiza em Caio Prado programação especial por direitos humanos. Fotos > Marcelino Martins

O Centro de Apoio à Criança (Ceacri), uma OSC de Itapiúna, realizou neste fim de semana o I Festival de Juventudes do grupo A Voz da Juventude, no distrito de Caio Prado. 

De acordo com os organizadores, o evento, realizado no sábado (24), teve como tema “Mais Juventudes, Mais Direitos Humanos”  e se iniciou com um um flash mob na praça de Caio Prado, reunindo dezenas de jovens de outras comunidades do Município e ainda de Travessia, em Ibaretama; Candeia em Baturité e de Fortaleza.

A programação continuou com uma caminhada até a Escola Estadual Edimar Martins, onde várias unidades colaboradores do Ceacri se apresentaram ao público, com depoimentos, homenagens e o resgate da história do Ceacri nestes 4 anos de existência. A festa prosseguiu com oficinas de pintura em muro e em telas, de dança, de música, de lutas e teatro de rua.

Várias oficinas foram realizadas para a juventude, uma delas, de música.
Na oficina de pintura os jovens puderam expressar a sua criatividade a pinceladas.

Voz da Juventude

O grupo A Voz da juventude integra a Rede de Juventudes em Defesa de Seus Direitos Sociais (Rejudes), em busca de voz e visibilidade nas suas comunidades, a favor dos direitos sociais. O projeto é apoiado pelo ChildFund Brasil e desenvolvido pela OSC Ceacri.

Outro grupo, de Vozes de Mães e Familiares do Socioeducativo e Prisional do Ceará, também participou da pr0gramação.

A representante do Fórum Popular de Segurança Pública, Alessandra Félix, também participou da programação. Ela abordou os sentimentos que despertam nela ao ver os jovens mobilizados em busca dos seus direitos.

Os sentimentos que despertam em mim é que é válida toda política pública que está acontecendo aqui e ver o engajamento, o compromisso dos educadores, a juventude toda comprometida, se percebendo e construindo, isso não há preço que pague”, ressaltou Alessandra.

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

07:00 · 23.08.2019 / atualizado às 06:45 · 23.08.2019 por
A programação da Bienal Fora da Bienal segue até esta sexta-feira (23) na Casa de Saberes Cego Aderaldo.

Um bate-papo com o o professor e historiador Neto Camorim, a partir das 9h, e a exibição do filmeCego Aderaldo: O homem, o poeta e o mito“, às 15h, encerram nesta sexta-feira (23) a programação da Bienal Fora da Bienal na Casa de Saberes Cego Aderaldo, em Quixadá.

A programação da mostra literária especial começou na última sexta-feira (16). Foram realizadas rodas de leitura, e bate-papos com convidados especiais e exibições cinematográficas. A programação acompanha a XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará, realizada em Fortaleza.

A coordenação da Casa de Saberes, tendo hoje à frente Pedro Igor Azevedo, tem sido elogiada pela programação e  organização do evento, atraindo principalmente o público estudantil.

As atividades da casa cultural, um equipamento da Secretaria de Cultura do Ceará (Secult) são abertas ao público. Instituições, artistas, músicos, pintores, escritores, podem realizar eventos na Casa.

Bienal Fora da Bienal
Até 23 de agosto
Casa de Saberes Cego Aderaldo – Quixadá

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

07:00 · 20.08.2019 / atualizado às 07:25 · 20.08.2019 por
A interatividade entre escritores e público está sendo a tônica da Bienal Fora da Bienal. Julieta Almeida recebeu estudantes. Fotos > Redes Sociais

Aberta na última sexta-feira (16) pelo coordenador da Casa de Saberes Cego Aderaldo, Pedro Igor Azevedo, a Bienal Fora da Bienal continua a sua programação por toda a semana.

Hoje (20) pela manhã, a partir das 9h, a professora Vânia Venâncio participa do espaço “Os livros que nós amamos” – memórias e afetos na leitura e à tarde às 15h, tem Cinema e Literatura com o tema Ciclo de documentários sobre literatura.

Acompanhada de Pedro Igor, a convidada, Vânia Venâncio, abordou as memórias gastronômicas do Nordeste na Cozinha afetiva da Bienal Fora da Bienal.
A sala da “Cozinha afetiva” ficou lotada para ouvir de Vânia Venâncio suas memórias gastronômicas.

Ontem (19), na noitada literária, Vânia Venâncio participou da “Cozinha afetiva” – memórias gastronômicas do Nordeste, a partir de vivências pessoais.

Pela manhã, o espaço “Os livros que nós amamos – memórias e afetos na leitura” recebeu a escritora e presidente da Academia Quixadaense de Letras (AQL), Julieta Almeida.

A programação segue na Casa de Saberes cego Aderaldo até a próxima sexta-feira (23).

Um grupo de alunos do 7º Ano da Escola de Ensino Fundamental José Jucá, acompanhado do professor Julio Cesar, teve a oportunidade de uma conversa descontraída com a escritora convidada e trocar experiências sobre o mundo da literatura.

Bienal Fora da Bienal
Até 23 de agosto
Casa de Saberes Cego Aderaldo – Quixadá

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

08:00 · 17.08.2019 / atualizado às 07:45 · 17.08.2019 por
O distrito de Dom Maurício recebeu cuidados de limpeza e ganhou um letreiro especial. A ideia é transformar o lugar na “Guaramiranga sertaneja”. 

Hoje, o nascer do sol no distrito de Dom Maurício, na Serra do Estevão, a pouco mais de 20 km do Centro de Quixadá, foi diferente. A comunidade despertou com a sonoridade de canções clássicas, com música ao vivo de instrumentais de sopro. Assim foi aberto o segundo dia do Festival Um Barzinho & Um Violão.

De acordo com a organização do Festival, inspirado no Festival Jazz & Blues de Guaramiranga, neste sábado (17), a partir das 8h até o finzinho da tarde o público poderá participar das oficinas culturais de canto popular, gastronômicas com produção de chocolate artesanal e ambientais de reciclagem.

Antes de o sol se por, a partir das 17h, os amantes a aventura poderão percorrer uma trilha ecológica até um dos pontos de maior altitude da Serra do Estevão, a área onde ficam instaladas as antenas de TV. O local é perfeito para apreciar o sol se pondo e preparar o corpo e a mente para a noite de shows com Lia Almeida, Paulo Façanha e artistas convidados.

Na primeira noite do Festival Um Barzinho & Violão a praça principal de Dom Maurício recebeu um bom público.

O Festival, realizado pelo Grupo Cultural de Dom Maurício, conta com o apoio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Quixadá e da Fundação Cultural de Quixadá.

Festival Um Barzinho & Um Violão
Serra do Estevão – Quixadá

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

07:30 · 17.08.2019 / atualizado às 08:45 · 17.08.2019 por
Festival Sertão & Diversidade reúne produtores e amantes do cinema em Quixadá. Foto > Divulgação

Uma oficina de realização audiovisual, seguida do encontro de coordenadores das Escolas de Cinema do Ceará, da mostra de concurso de curtas, exibição de filmes de Cinema Instantâneo e uma homenagem aos 15 anos do filme O Quinze, essa será a programação de encerramento do 3º Festival Sertão & Diversidade, na Casa de Saberes Cego Aderaldo, em Quixadá.

A oficina audiovisual de Cinema Instantâneo será realizada das 8h às 18h. Os facilitadores serão Nivaldo Rodrigues, Francisco Haniel, Tiago A. Neves, Hipólito Lucena, Rebeca Souza, Ricardo Peres, Antônio Fargoni.

A partir das 9h,  Ana Paula Vieira, Augusto Cesar dos Anjos, Clara Bastos, Leonardo Câmara, Geraldo Cavalcanti, Marcos Rocha, Raylane Neres e Rúbia Mércia, coordenadores das Escolas de Cinema têm encontro o mediador Henrique Dídimo. Ele é realizador audiovisual, professor e escritor. Na área audiovisual, atua como diretor, roteirista, fotógrafo e editor de vídeo. 

Ainda de acordo com a programação, a mostra do concurso “1 Minuto Apenas”, tem início programado para às 19h. Logo depois  haverá a exibição dos filmes do Cinema Instantâneo e a homenagem ao filme O Quinze, drama dirigido por Jurandir de Oliveira e produzido por Letícia Menescal, baseado no romance homônimo de Rachel de Queiroz.

O Festival deste ano se encerra com a premiação da Mostra Competitiva. Concorrem:  Charope, de Manuel Díaz; Inside Out, de Teresa Martino; Território de Mim, de Aline Cortes, Camila Dourado, Daniela Moura, Elis Cordeiro, Lorena Oliveira, Raul Dias e Yggor Araújo; Tommy Brilho, de Sávio Fernandes; Aqueles dois, de Emerson Maranhão; Negrum3, de Diego Paulino; Aos meus pés, de Felipe Saraiva e Reforma, de Fabio Leal.

O 3º Festival Sertão & Diversidade é produzido pelo Instituto Assum Preto e Escola de Cinema do Sertão, com parceria do Núcleo de Pesquisas e Experimentos Audiovisuais (NAVI), do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) Campus Quixadá. A  Secretaria de Cultura do Ceará e a Casa Civil dão apoio cultural.

3º Festival Sertão & Diversidade
A partir das 8h
Casa de Saberes Cego Aderaldo – Quixadá

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

07:30 · 17.08.2019 / atualizado às 07:15 · 17.08.2019 por
O coordenador da Casa de Saberes Cego Aderaldo, Pedro Igor, recebeu o público na abertura da Bienal Fora da Bienal e comandou o primeiro bate papo da programação.

A Casa de Saberes Cego Aderaldo, em Quixadá, um equipamento da Secretaria de Cultura do Ceará, está realizado até a próxima sexta-feira (23) uma mostra literária especial, é a Bienal Fora da Bienal, com rodas de leitura, bate papos e exibições cinematográficas. A programação acompanha a XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará, em Fortaleza.

Nesta sexta (16), pela manhã, o coordenador da Casa de Saberes, advogado Pedro Igor Azevedo, abriu a Bienal no Sertão, com o bate papo “Os livros que nós amamos”, abordando memórias e afetos na leitura. A conversação foi sobre os livros que marcam a formação do convidado e do público como leitores.

Dando continuidade à programação do dia, às 15 horas, a Casa de Saberes recebeu o Literacine/UFC, com o filme “Dizem que os cães veem coisas”, de Guto Parente e “As Corujas”, de Fred Benevides, inspirado na obra de Moreira Campos.

As atividades da Bienal Fora da Bienal seguem na segunda-feira (19), às 9h, com o bate papo “Os livros que nós amamos”, com a escritora e presidente da Academia Quixadaense de Letras, Julieta Almeida.

À noite,  às 19h, será a vez da professora Vânia Venâncio abordar as memórias gastronômicas do Nordeste, a partir de vivências pessoais com idosos na “Cozinha afetiva” da bienal especial.

Bienal Fora da Bienal
Até 23 de agosto
Casa de Saberes Cego Aderaldo – Quixadá

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Diário Sertão Central

Fatos diários do Sertão Central e do Maciço de Baturité em infraestrutura, polícia, economia, política, esporte e cultura. Por Alex Pimentel.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags