Categoria: Economia


09:30 · 17.02.2019 / atualizado às 09:10 · 17.02.2019 por
Quixadá pretende seguir o modelo de Encontro de Paredões que ocorre em Banabuiú. Ideia já está sendo elogiada.

A prefeitura de Quixadá ainda está organizando o seu carnaval popular. As atrações musicais para a animação na Praça José de Barros ainda estão sendo definidas, mas de acordo com a assessoria da administração municipal uma novidade já está garantida, o Circuito de Paredões. Mais de uma dezena deles vão agitar os foliões no entorno da José de Barros e também da Praça da Cultura do fim das tardes aos inícios das noites, enquanto a festa não se inicia no palco principal.

De acordo com a organização do carnaval de Quixadá toda a área será isolada para os brincantes poderem se divertir sem riscos. Para dar mais segurança ao público, haverá um reforço especial de segurança. Uma unidade da Polícia Militar especializada em eventos será enviada ao Município A informação foi divulgada pelo secretário municipal de Turismo, Pedro Baquit, após reunião mantida com o comando do 9º Batalhão da PM.

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

09:00 · 17.02.2019 / atualizado às 18:50 · 17.02.2019 por
O carnaval de Banabuiú vai começar na beira do rio e continuar na Praça 25 de Janeiro e no Corredor da Folia. Mais de 100 mil foliões são aguardados.

Banabuiú pretende atrair mais de 100 mil foliões no carnaval deste ano. Apesar de o Açude Arrojado Lisboa estar com pouco mais de 5% de água haverá concentração com atrações musicais na beira do rio nos quatro dias. A animação começa às 10 horas e se encerra às 16h. Logo depois, a partir das 17h, os foliões poderão continuar a animação no Circuito dos Paredões, na Praça 25 de Janeiro, com muito mela-mela, se encerrando às 21h. A partir das 23h será a vez do público se reunir no Corredor da Folia. A festa continua até às 3h da madrugada.

A secretária municipal de Cultura, Turismo, Indústria e Comércio, Gerlania Nobre, acrescentou que o Carnaval das Águas será realizado de 2 a 5 de março na cidade com o apoio de dezenas de patrocinadores. Foi a fórmula encontrada pela prefeitura para evitar gastos excedentes dos cofres públicos e ao mesmo tempo garantir o aquecimento econômico da cidade nesse período. Hotéis, restaurantes, bares, barraqueiros, ambulantes, supermercados, postos de combustíveis, todos têm um ganho extra, atraindo visitantes de várias cidades da região.

Atrações musicais

Bandas e cantores de sucesso vão animar o carnaval de Banabuiú nos quatro dias. Foto > Divulgação

Este ano o Carnaval das Águas contará com 14 atrações musicais. Forró Real, Júnior Vianna, Léo Gordim, Claudio Ney e Juliana, Forró do Balançado, Forró do Orgulho, Pisada Forrozeira, os cantores Dieguim de Quixadá, André Vinícius e Igor Patyeli, além das atrações locais, Eyla Maria e Forró Quentão subirão ao palco.  Thiago Ribeiro e Paulo Júnior, destaques na atualidade, também vão animar a festa em Banabuiú.

No aspecto econômico, o prefeito Edinho Nobre está otimista. O investimento na festa será divulgado após o carnaval, mas a estimativa é de agregar pelo menos R$ 1 milhão para a cidade, como ocorreu no ano passado. “A matemática é simples. São pelo menos 20 mil visitantes por dia. Nos quatro dias somam R$ 80 mil. Cada um deles gastando apenas R$ 5,00 estaremos faturando R$ 400 mil“, ressaltou satisfeito.

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

08:30 · 15.02.2019 / atualizado às 08:26 · 15.02.2019 por

 

Pecuaristas de Quixeramobim revindicam auxílio econômico do Estado para crise do setor não se agravar.

Produtores da maior bacia leiteira do Estado estão preocupados com o agravamento da crise desse setor. Dessa vez o motivo é a chegada das chuvas na quadra invernal no Nordeste. O pasto revigorado vai elevar a produção do leite in natura e provocar prejuízos ainda maiores na base da cadeia láctea, estima um representante da categoria, Cirilo Vidal. Ele é o atual presidente do Sindicato Patronal Rural de Quixeramobim e membro da diretoria da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (FAEC).

De acordo com levantamentos realizados pelo produtor, hoje, o custo do litro de leite no balde está a R$ 1,20. O lastro na venda não ultrapassa R$ 2,00. Manter toda a estrutura de produção com apenas R$ 0,80 de saldo está levando a categoria a se endividar cada vez mais. Ao mesmo tempo a produção diária de 107 mil litros no Município tende a se elevar. As indústrias de laticínios em atividade no Ceará não têm aporte para receber toda a produção. A alternativa está na revitalização do parque industrial de Quixeramobim. Hoje, apenas duas das três usinas funcionam, mesmo assim com utilização de apenas 40% do seu parque industrial.

3.300 pequenos produtores rurais de Quixeramobim se dedicam à bovinocultura leiteira

90 mil é o número do rebanho bovino neste Município

36 mil são vacas leiteiras

Os industriais querem incentivos do Governo do Estado para revitalizarem suas máquinas. Além do aquecimento econômico local e Estadual, com o beneficiamento da matéria prima, a medida vai assegurar a manutenção de mais de 30 mil empregos no campo e gerar mais 10 mil evitando o êxodo rural. Os produtores, principalmente os pequenos, não consideram justo a atual política de negócios. Apesar de as despesas na industrialização, transporte e impostos, o valor da venda ao consumidor chega ao dobro. Nas prateleiras o litro está à venda na média dos R$ 4,00.

Parque industrial de laticínios de Quixeramobim precisa de incentivos financeiros para se revitalizar.

Barreiras Sanitárias 

Outra opção está no fortalecimento das barreiras sanitárias. Vidal estima haver entrada mensal de milhares de toneladas de queijo, do tipo mussarela. A maior parte desse produto é oriunda do Norte do País, do Pará. Cruza as estradas do Ceará sem nenhuma garantia de qualidade. Há suspeita de não possuir sequer selo de inspeção e transporte adequado. No Estado funcionam apenas 11 barreiras, mesmo assim em situação precária, acrescenta o líder classista.

O coordenador da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adragri) na região, Fernando Cristino, confirma a deficiência na fiscalização. Apesar do esforço do órgão em assegurar o controle sanitário dos produtos alimentícios destinados ao consumidor, o número de fiscais e de barreiras é insuficiente para controlar toda a circulação, incluindo as fronteiras com outros estados.

O queijo produzido em Quixeramobim é considerado de excelente qualidade, mas perde na concorrência com o produto de outros estados sem garantias sanitárias.

Parque Industrial

Para dar melhor assistência ao setor agropecuário cearense o Governo do Estado criou uma secretaria executiva do Agronegócio. A nova pasta está se estruturando. Em breve os planos e projetos serão apresentados, baseados na atual estrutura do setor, informou a assessoria da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), vinculada da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet).

Potencial produtivo

A Sedet reconhece a bovinocultura de leite no Ceará como a atividade que mais gera benefícios econômicos e sociais para o interior cearense. O segmento leiteiro é alavancado, principalmente, pelo consumo de lácteos no Estado e na região Nordeste, e, a consequente expansão das unidades industriais. Evidenciando este dinamismo, o volume de leite produzido no Ceará cresceu de 158,5 milhões de litros no ano de 1990 para 577,9 mi em 2017, um aumento de 265% no período, com crescimento médio anual de 7,9%, enquanto o Brasil cresceu 5,1% e o Nordeste 3,9% no mesmo período.

O leite é o produto do agronegócio cearense de maior valor da produção, cerca de de R$ 743 milhões em 2017, sendo o 3º do Nordeste e 10º do País e, mais importante do que isso, movimenta a economia das pequenas cidades, ajuda na distribuição de renda e gera empregos permanentes no meio rural, sendo produzido em todos os 184 municípios do Ceará, também  um dos mais promissores setores da agropecuária.

2,6 milhões é o rebanho total do gado no Ceará

577,9 milhões litros de leite in natura foram produzidos em 2017 no Estado

Todavia, de acordo com o órgão governamental,apesar de ser uma atividade secular e com forte presença no meio rural, o longo período de exploração leiteira no estado do Ceará não foi suficiente para que a bovinocultura se desenvolvesse por completo, sendo, de forma geral, uma atividade ainda explorada pela maioria em baixos níveis de tecnologia e de eficiência.

O Ceará atravessa uma crise econômica com reflexos perversos na produção agrícola, enfrentando cinco anos seguidos de chuvas abaixo da média, de 2012 a 2016, forçando a descapitalização das unidades produtivas. Por esses motivos algumas ações direcionadas à cadeia produtiva do leite estão em andamento. São executadas de forma isolada por diversas entidades ligadas à atividade, entretanto são pouco impactantes, ressalta a Adece.

Para a diretoria executiva de Agronegócio, enquanto uma agenda estratégica ampla que contemple os anseios do setor não se consolide, há necessidade de as diversas entidades públicas e privadas unirem esforços e estabeleçam um pacto garantindo o desenvolvimento dos pequenos, médios e grandes produtores, laticínios e indústrias. Os resultados esperados serão a geração de empregos, renda e arrecadação de tributos, desenvolvendo o sistema e melhorando sua competitividade frente aos demais estados produtores do Nordeste.

Diário Sertão Central. Participe pelo whats app (85) 9 8755 0154

09:30 · 16.12.2018 / atualizado às 10:00 · 16.12.2018 por
Produtores de leite do Ceará reivindicam incentivos econômicos ao Governo do Estado para superarem perdas. Foto > VCrepórter

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (FAEC), Flávio Sabóia, acompanhado do presidente do Sindilaticínios, José Antunes Mota, e de outros produtores de leite, entregou uma carta de reivindicações ao governador Camilo Santana e ao secretário estadual da Fazenda Mauro Filho. Eles pedem auxílio para setor pecuário leiteiro. O encontro ocorreu em um almoço oficial, esta semana, na sede da Federação das Indústrias do Ceará (FIEC), explicou o presidente do SindRural de Quixeramobim, Cirilo Vidal, também presente ao evento.

Na oportunidade, os pecuaristas, produtores de leite no Estado ressaltaram que vêm enfrentando diversas crises. Além da estiagem prolongada pelos últimos seis anos, a crise econômica e política, além da entrada de leite em pó hidratado, de outros estados e do Mercosul, proporcionaram uma concorrência desleal. Por esses motivos, o setor, responsável por milhares de empregos no campo, reivindica mais atenção do Governo do Ceará.

Apesar das dificuldades, o representante do município maior  produtor do Estado, Quixeramobim,  Cirilo Vidal, destacou uma recente conquista para a sua região, a inauguração do novo laboratório de análise de qualidade do leite, o LabLeite, da Faculdade Tecnologia Centec (Fatec) Sertão Central. O LabLeite contribuirá para melhorar a qualidade da produção leiteira da região. Os serviços de análise serão iniciados em janeiro de 2019.

Pecuaristas reivindicam melhores condições para produção de leite no Ceará.

Diário Sertão Central. Participe pelo fone e whats app (85) 9 8755 0154

06:30 · 11.12.2018 / atualizado às 06:35 · 11.12.2018 por
Ofertas de emprego começam a aumentar em Quixadá e Quixeramobim com proximidade do fim de ano.

O número de vagas para o comércio e a indústria está aumentando nas maiores cidades do Centro do Estado. No bolsão de ofertas do Sine/ IDT esta semana são 27 vagas em Quixadá e 16 em Quixeramobim. O maior número, em Quixadá, é para vendedor pracista, 15, e mais duas para vendedor porta a porta. As outras vagas são para Artista visual, Cabeleireiro, Caseiro, Consultor de vendas, Cozinheiro de restaurante, Esquadriador de madeira, Instrutor de cursos livres, Promotor de vendas, Supervisor de vendas comercial e Técnico optometrista, uma cada.

Em Quixeramobim, onde está concentrado o maior polo calçadista da região, com mais de sete mil trabalhadores no setor, há duas vagas para Representante comercial autônomo. Para o restante das ocupações uma vaga para Atendente de balcão, Atendente de padaria, Cozinheiro de restaurante, Eletricista, Estoquista, Fiscal de prevenção de perdas, Garçom, Gerente de transportes, Operador de caixa, Pedreiro, Servente de obras, Vendedor de serviços, Vendedor interno e Vendedor pracista.

Os interessados devem procurar os postos de atendimento do Sine/IDT em Quixadá, localizado na Av. Plácido Castelo,1559, no pavimento superior da rodoviária e em Quixeramobim na Rua Dona Francisca Santiago, 30, no Centro da cidade.

Apesar de serem fornecidos os fones (88) 3445 1044 para o Sine/IDT de Quixadá e (88) 3441 4910 para a unidade de seleção de emprego em Quixeramobim, especialistas no setor recomendam aos interessados comparecerem nos postos, com todos os documentos.

Diário Sertão Central. Participe pelo fone e whats app (85) 9 8755 0154

07:30 · 03.12.2018 / atualizado às 07:15 · 03.12.2018 por
Congresso acadêmico sobre o Sertão Central pretende discutir potencialidades da região.

Instituições acadêmicas do Centro do Estado pretendem reunir diversos segmentos sociais para discutirem as potencialidades desta região do semiárido brasileiro. O evento, I Congresso Nacional Interdisciplinar sobre o Sertão Central (Conisce), reunirá saberes da comunidade e produções realizadas na academia sobre o Sertão Central. Será o suporte para a criação de um banco de dados, reunindo conceitos empíricos e científicos, apontam os organizadores.

Os trabalhos, enquadrados em eixos temáticos: inovação, tecnologia e espaço urbano; educação, formação e direitos humanos; desenvolvimento, sustentabilidade e recursos naturais; cultura, arte, identidade; saúde, espaço agrário e sistemas biológicos, serão apresentados no Conisce, de 4 a 7 de dezembro, na Faculdade Cisne, em Quixadá.

Podem ser inscritos artigos em diversas modalidades: trabalhos de conclusão de curso, pesquisas de iniciação científica e de mestrado e doutorado.  Além de palestras e apresentações de trabalhos acadêmicos, o congresso terá atividades ligadas a áreas culturais e educacionais, economia solidária, gastronomia regional, artesanato e planejamento regional. O endereço eletrônico é http://conisce.com.br/.

Conforme a coordenadora do Congresso, professora Simone Dantas, será a oportunidade para o diálogo com vários segmentos em busca de soluções eficientes, não somente para o convívio como também o desenvolvimento da região tendo como alicerce as suas potencialidades.

Apesar de a escassez hídrica ser apontada como principal problema, recebendo sempre soluções paliativas, o planejamento, a administração e aplicação de novas tecnologias podem minimizar esses efeitos. O conhecimento está se fortalecendo na engenharia, na arquitetura, na saúde, agropecuária, na química, na ecologia e até na tecnologia da informação como opções.

O nosso sertão precisa deixar de existi r sob o estereótipo da pobreza. Sentimos com isso a necessidade de nos organizarmos, de associarmos a academia e o ator social nessa transformação. Com isso aguardamos a inscrição de propostas interessantes. A nossa expectativa é de esse espaço se consolidar como um instrumento eficaz de mudanças”.

Além da Faculdade Cisne, o Instituto Federal do Ceará (IFCE), a Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central (FECLESC), da Universidade Estadual do Ceará (UECE) e a Universidade Federal do Ceará (UFC) em Quixadá estão unidas na organização da conferência especial. Contam com o apoio da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, do Instituto de Estudos e Pesquisas sobre o Desenvolvimento do Ceará (Ipece) e da Associação dos Municípios do Sertão Central (Amusc).

De acordo com o Ipece o Sertão Central é formado pelos municípios Banabuiú, Choró, Deputado Irapuan Pinheiro, Ibaretama, Ibicuitinga, Milhã, Mombaça, Pedra Branca, Piquet Carneiro, Quixadá, Quixeramobim, Senador Pompeu e Solonópole. São 16.014,77 km² de área com população de 392.811 habitantes.

I Congresso Nacional Interdisciplinar sobre o Sertão Central (Conisce)
De 4 a 7 de dezembro – Faculdade Cisne
Quixadá – Ceará

Diário Sertão Central. Participe pelo fone e whats app (85) 9 8755 0154

06:00 · 19.11.2018 / atualizado às 06:15 · 19.11.2018 por
Chroró teve mais de R$ 500 mil do FPM bloqueados este mês. É um dos 10 municípios em situação irregular junto ao Tesouro Nacional.

Duas prefeituras do Sertão Central, de Banabuiú e Choró, tiveram seus recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) bloqueados. A divulgação foi feita pela Secretária do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda. Todavia, o órgão federal não informou os detalhes do entrave. Na maioria das vezes, ocorre em virtude de alguma pendência com o órgão responsável pela permanência dos recursos, como por exemplo a ocorrência de Débitos com o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep).

Sobre a decisão da Secretaria do Tesouro Nacional a prefeitura de Banabuiú emitiu Nota, justificando ter ocorrido por questões técnicas. A principal delas é uma multa, aplicada durante a gestão municipal dos anos de 2013 e 2014, ocasionando o bloqueio das contas somente agora. Entretanto, essas falhas já foram reparadas. Com isso, já no início desta semana, o sistema deverá estar desbloqueado o repasses, não causando prejuízo à gestão e nem aos seus compromissos financeiros.

Até a publicação desta edição a prefeitura de Choró não se manifestou acerca da posição tomada pela Secretaria do Tesouro Nacional.

De acordo com o Observatório de Informações Municipais, a estimativa de cota do FPM para Banabuiú no mês de setembro era de R$ 860.635,00; Choró, R$ 573.757,00.

Além de Banabuiú e Choró, mais 10 prefeituras do Ceará estão com o FPM bloqueado. São elas: Acarape, Cascavel, Guaiuba, Hidrolândia, Paramoti, São Luís do Curu, Tarrafas, Tauá, Tejuçuoca e Uruburetama.

Copiar conteúdo autoral sem prévia autorização é crime previsto no Artigo 184 do Código Penal. A pena é de detenção, de três meses a um ano, ou multa.

Diário Sertão Central. Participe pelo fone e whats app (85) 9 8755 0154

07:10 · 16.11.2018 / atualizado às 07:10 · 16.11.2018 por
A prefeitura de Canindé comemora a assinatura de contrato de R$ 21 mi para a construção de 300 casa populares como o Residencial Rachel de Queiroz,em Quixadá.

O Programa Minha Casa Minha Vida vai atender mais 300 casas  em um investimento de R$ 21 milhões na cidade de Canindé. A ordem de serviço foi assinada esta semana pela prefeita deste Município, Rozário Ximenes, representantes da Caixa Econômica Federal e a construtora responsável pela obra.

O Habitacional Jardins de São Francisco será construído no bairro Cachoeira da Pasta, na periferia da cidade. Deverá gerar pelo menos 250 empregos diretos pelo período aproximado de 12 meses. As obras devem ser iniciadas no máximo em 180 dias.

A gestora municipal ficou entusiasmada com a confirmação do empreendimento.O setor da construção civil é uma oportunidade para muitos trabalhadores. Nessa perspectiva ela pretende ir ao Planalto Central ainda este ano para assegurar a construção de mais 700 moradias através do programa federal MCMV, completou sua assessoria.

Copiar conteúdo autoral sem prévia autorização é crime previsto no Artigo 184 do Código Penal. A pena é de detenção, de três meses a um ano, ou multa.

Diário Sertão Central. Participe pelo fone e whats app (85) 9 8755 0154

09:00 · 13.11.2018 / atualizado às 08:45 · 13.11.2018 por
Os alunos do Colégio Menino Jesus descobriram na pesquisa escolar que o número de romeiros do Maranhão é tão grande quanto do Ceará.

Uma pesquisa sobre religiosidade divulgada na quarta-feira (7) pelo Diário do Nordeste aponta São Francisco como o preferido dos cearenses. O Colégio Menino Jesus, em Canindé, onde é realizada a maior festa franciscana da América Latina, resolveu aproveitar o período dos festejos deste ano em homenagem ao padroeiro da cidade e aplicar uma enquete com o público. Moradores do Maranhão representam o maior número de visitantes de outro estado, 36%, seguido do Piauí, com 14,3%. De todas as cidades do Ceará somam 42%.

> Pesquisa revela as crenças religiosas dos cearenses

O questionário, aplicado pelos aluno e professores também revelou que 41% dos romeiros vão a Canindé acompanhados de familiares. Os dados apontam que 27,8% seguem em grupos e 25,5% em caravanas. Apenas 4,9% viajam sozinhos para demonstrarem a sua devoção, pagarem promessas ou agradecerem por alguma graça alcançada. O percurso é realizado pela maior parte em ônibus, representando 72%. Em automóveis são 17,34%. De motocicleta apenas 1,2%, sem considerar a maior motorromaria do Pais, a de Fortaleza a Canindé, com mais de 25 mil motociclistas.

Os levantamentos ainda revelaram algumas curiosidades. Os paus-de-arara, principal transporte utilizado pelos romeiros durante mais de meio século, praticamente desapareceram. Foram incluídos nos pouco mais de 1% no item outros veículos, onde as motos foram relacionadas. Um lei nacional sancionada há dois anos passou a proibir o tráfego desse tipo de transporte nas rodovias federais. O principal acesso a Canindé é pela BR-020. Perguntados se concordavam com a proibição 59,6% responderam afirmativamente; 39,1% não foram favoráveis e 1,3% não opinaram.

Entretanto, apesar de a devoção demonstrar muita força, representando 55,5% os pagadores de promessa e 62% por alguma cura de saúde, quase 1/3, 20,2%, foram a Canindé no período festivo fazendo turismo, 11,5% queriam conhecer a cidade, sendo 6,1% acompanhados de parentes. A maioria, 39,%, se hospedou em casas particulares, 22,1% em outros locais, 21,8% em pousadas, 10,1% em abrigos e somente 6,5% ficaram em hotéis. O bom acolhimento foi quase unânime, 98,2%elogiaram a hospitalidade e apenas 1,5% reclamaram.

Conforme o diretor do Colégio Menino Jesus, professor Romeu Rocha de Oliveira, os levantamentos de campo, além de levarem aos estudantes a experiência de como as pesquisas são feitas, o seu processo, também foi a oportunidade de conhecerem a importância da religião na cidade onde nasceram e moram. De 30 de setembro a 2 de outubro eles entrevistaram 778 pessoas. Os resultados foram apresentados à administração do Santuário de São Francisco das Chagas e à prefeitura do Município. Os dados podem auxiliar no desenvolvimento de ações tanto pelo aspecto econômico como religioso.

Os alunos levaram a série a pesquisa religiosa com os romeiros em Canindé.
Os romeiros também se interessaram em colaborar com os jovens pesquisadores.
Professores acompanharam a atividade de campo dos estudantes do Colégio Menino Jesus.

Modelo Educacional

O Colégio Menino Jesus, de ensino infantil e fundamental, desenvolve vários projetos sociais. Um deles, Educação e Saber, oferece gratuitamente para crianças carentes, o primeiro ano, a alfabetização, em uma turma de 25 anos. Também é parceiro do Sistema Ari de Sá. Romeu Rocha divide a direção da instituição com Joane Laurenio, acrescenta.

Copiar conteúdo autoral sem prévia autorização é crime previsto no Artigo 184 do Código Penal. A pena é de detenção, de três meses a um ano, ou multa.

Diário Sertão Central. Participe pelo fone e whats app (85) 9 8755 0154

06:00 · 22.10.2018 / atualizado às 05:55 · 22.10.2018 por
A Femaq, é promovida desde 2014 pela Escola Adventista Arlete Afonso para promover o empreendedorismo infantojuvenil.

Uma iniciativa iniciada em 2014 está transformando estudantes do ensino fundamental da Escola Adventista Arlete Afonso, em Quixadá em jovens empreendedores. Após aprenderem os fundamentos básicos de economia, divididos em equipes, montaram seus negócios e foram à Praça José de Barros, no Centro da cidade, demonstrar suas habilidades. Setenta crianças e adolescentes exercitaram suas habilidades em 11 stands, onde montaram suas empresas. Participaram na V Feira Empresarial Adventista de Quixadá, a Femaq.

A coordenadora do projeto, professora Ranarly Teófilo Barbosa explica que a ideia surgiu para aproximar os estudantes da realidade a ser enfrentada por eles no futuro. Muitos se tornarão empreendedores e ter o primeiro contato, aprendendo a montar, gerencia, negociar e até trabalhar em equipe é um passo importante para eles. Ao invés de simulações, podendo avaliarem seus conhecimentos na prática, de forma real, é a melhor forma de entenderem como um negócio funciona, daí surgiu a Femaq. O lucro é revertido para instituições filantrópicas.

No 9º Ano, Camila Letícia Barros se uniu com os colegas e montaram a loja Amar é, um comércio de confecções e decorações. Ela já imaginava como funcionava, mas participar na prática, buscando convencer os cientes a comprarem os produtos, demonstrou a dimensão das dificuldades a serem enfrentadas. O fundamental é planejar e organizar tudo antes de “abrir as portas”. A Femaq viabilizou essa experiência e ao mesmo tempo incentivou a pensar nesse tipo de negócio para quem sabe no futuro.

Os stands das lojas são montados no entorno da praça de alimentação da Femaq.
Descontraídos, mas focados nos negócios, os pequenos empreendedores vão às vendas.
A área de confeitaria é a preferida pelos jovens empresários, afinal todos têm fome.

O casal Maurício Martins e Ana Lúcia Ribeiro passeava pela praça quando se surpreendeu com o mini shopping montado naquele local. Se depararam com uma área de alimentação, ainda sete stands, a maioria na área de confeitaria, e ainda um stand de variedade e um bazar. Ficaram mais surpresos quando foram às compra e se depararam com pequenos comerciantes, mais atenciosos e educados que muitos adultos quando vão a uma loja. “Muito interessante essa iniciativa. Essa escola está de parabéns. Esse modelo deveria ser obrigatório“, completou Ana Lúcia. Ela é contabilista e o marido representante comercial.

Todos os anos a Femaq atrai um bom público à praça José de Barros.

Copiar conteúdo autoral sem prévia autorização é crime previsto no Artigo 184 do Código Penal. A pena é de detenção, de três meses a um ano, ou multa.

Diário Sertão Central. Participe pelo fone e whats app (85) 9 8755 0154

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Diário Sertão Central

Fatos diários do Sertão Central e do Maciço de Baturité em infraestrutura, polícia, economia, política, esporte e cultura. Por Alex Pimentel.

VC REPÓRTER

Flagrou algo? Envie para nós

(85) 98887-5065

Tags