Busca

Categoria: História


08:00 · 27.05.2017 / atualizado às 08:35 · 27.05.2017 por

Operários que ficavam doentes eram enterrados vivos. Essa foi uma das descobertas de um projeto desenvolvido por professores e alunos da Escola de Ensino Médio Emanuel, no município de Choró (a 176Km de Fortaleza). Eles estão resgatando a história da construção do Açude Pompeu Sobrinho nesta cidade do Sertão Central. A obra foi realizada no período de 1932 a 1934 e a pesquisa escolar teve início com o ano letivo.

Equipe de pesquisadores da Escola de Ensino Médio Emanuel em Choró

Detalhes da pesquisa, que recebe o título “Preservando memórias – Conhecendo a história” podem ser vistos na reportagem publicada neste sábado (27) no caderno Regional do Diário do Nordeste. A equipe formada por sete professores e 16 estudantes do 1º ao 3º Ano ficou surpresa com as descobertas, principalmente quando ouviram relatos de testemunhas da época sobre os horrores vividos pelos cassacos, como eram conhecidos os trabalhadores.

As epidemias, principalmente de tifo e febre amarela, mataram muitos trabalhadores. Como não havia médico, quem ficava doente e moribundo era levado para o cemitério e enterrado em covas rasas. Vez por outra se ouvia gemidos e alguns chegavam a se levantar num momento de última agonia” havia relatado “Dona Totozinha” durante uma das entrevistas realizadas pelos alunos e professores. Ela tinha 17 anos quando o açude que hoje abastece a cidade foi construído.

O cemitério público de Choró fica a 1Km da barragem do açude Pompeu Sobrinho

Além de um documentário o projeto está resgatando também provas históricas, como fotografias da época. A equipe escolar pretende também lutar pela recuperação de uma das edificações da vila do engenheiros e transforma-la na Casa da Memória, será uma espécie de museu da cidade, tendo como marco inicial o Pompeu Sobrinho. Foi a partir da construção dele que a cidade surgiu, destacam os pesquisadores.

Veja também no Diário do Nordeste

Pesquisa escolar reconstrói a história do Pompeu Sobrinho

Hoje, o Açude Pompeu Sobrinho armazena 17,7 milhões de m³ o equivalente a 11,94% da sua capacidade

O Diário Sertão Central é o blog oficial do Diário do Nordeste no Sertão Central do Ceará e Maciço do Baturité. Inclua entre os seus links favoritos. Participe do Diário Sertão Central através do WhatsApp 55 88 9 9970 5161

07:00 · 22.05.2017 / atualizado às 07:10 · 22.05.2017 por

Ainda aguardando a conclusão da sua restauração a estação ferroviária de Quixadá terá seu espaço utilizado para o desenvolvimento de atividades de Tecnologia da Informação (TI). A divulgação foi feita pelo prefeito Ilário Marques no encerramento das palestras do Startup Day, promovido pelo Sebrae no último sábado (20) na Unicatólica.

No início de abril o diretor do campus da Universidade Federal do Ceará (UFC) em Quixadá, Davi Romero de Vasconcelos, divulgou que a universidade implantará um parque tecnológico de TI no próprio campus. Será o primeiro do Ceará e provavelmente do Brasil. O espaço será disponibilizado para o desenvolvimento de projetos e atividades de TI para startups e empresas de software.

Estação Ferroviária 

O antigo prédio da estação ferroviária pertencia ao acervo da extinta Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA) e passou para o domínio da CFN Transnordestina. Em em julho de 2014 foi incluído na lista do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Na época, no local funcionava a Academia Quixadaense de Letras (AQL), mas sem autorização para reformar o prédio e adapta-lo às suas necessidades, incluindo a instalação de grades nas portas e janelas, em razão dos constantes furtos no local, a AQL decidiu mudar-se do imóvel histórico.

Veja mais no Diário do Nordeste

UFC desenvolve projeto para transformar Quixadá em Vale do Silício brasileiro

O Diário Sertão Central é o blog oficial do Diário do Nordeste no Sertão Central do Ceará e Maciço do Baturité. Inclua entre os seus links favoritos. Participe do Diário Sertão Central através do WhatsApp 55 88 9 9970 5161

07:00 · 16.05.2017 / atualizado às 06:50 · 16.05.2017 por

Mais de 2 mil pessoas participaram na noite do último sábado (13) da missa celebrada ao lado do monumento de Nossa Senhora de Fátima, no monte da Via Sacra, em Baturité. O momento religioso foi realizado para festejar os 100 anos da aparição da santa às crianças Lúcia dos Santos, de 10 anos, Francisco Marto, 9 e Jacinta, 7, na Cova da Iria, na freguesia de Fátima, em Portugal.

O culto religioso teme início às 19 horas ao lado imagem da Santa, com 12 metros de altura foi celebrado pelo padre Acrízio Vale Sales, o atual diretor do Mosteiro dos Jesuítas, auxiliado pelo pároco do Município, padre Benício Nogueira e pelo vigário paroquial, padre Almir Júnior.

Segundo o diretor geral da Câmara Municipal de Baturité, Liduíno Cardoso, a romaria teve início no patamar da igreja Matriz de Nossa Senhora da Palma, 11ª igreja mais antiga do Ceará. No fim da tarde os devotos se deslocaram em transportes coletivos, veículos próprios ou subiram a pé os 365 degraus da Via Sacra Pública dividida em 14 estações.

Em seguida, como tem ocorrido nos últimos 23 anos a celebração eucarística foi realizada, reunindo fiéis do Maciço de Baturité. A partir de 2009 a homenagem a ser realizado duas vezes por ano. A primeira delas no dia 13 de maio e a segunda no dia 10 de outubro, reiniciada neste segundo mês no ano passado, pelo padre Benício Nogueira, explicou Liduíno Cardoso, devoto da santa.

Em razão da importância histórica do monumento em homenagem à santa, inaugurado em 13 de agosto de 1967 por dom José de Medeiros Delgado, então arcebispo metropolitano de Fortaleza, o representante dos vereadores de Baturité solicitou ao Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan), a viabilidade do tombamento da Via Sacra Pública e do monumento a Nossa Senhora de Fátima. A solicitação foi encaminhada faz alguns anos, quando o arquiteto Romeu Duarte era o superintendente do Iphan no Ceará. O pedido ainda não foi atendido.

O Diário Sertão Central é o blog oficial do Diário do Nordeste no Sertão Central do Ceará e Maciço do Baturité. Inclua entre os seus links favoritos. Participe do Diário Sertão Central através do WhatsApp 55 88 9 9970 5161

09:54 · 11.05.2017 / atualizado às 09:00 · 12.05.2017 por

O juiz da 23ª Vara Federal, Ricardo José Brito Bastos Aguiar de Arruda, realizou nesta quarta-feira (10) em Quixadá, Audiência Pública atendendo pedido do Ministério Público Federal (MPF) para adoção de providências de restauração e preservação do acervo arquitetônico e natural do Açude Cedro. O magistrado estabeleceu prazo de 160 dias para a diretoria do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs) apresentar um projeto de restauração do parque histórico centenário.

Na Audiência Pública o juiz federal também determinou ao Dnocs a adoção de providências para disciplinar as visitas, inclusive com efetivo necessário para a segurança patrimonial garantindo também a segurança dos frequentadores, a retirada de comércios não autorizados e apresentar ações para cessar aas invasões além de combater o uso irregular das áreas do primeiro açude público construído no Brasil.

Representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Subsecção de Quixadá, da Associação de Imprensa do Sertão Central (AISC), do Instituto Federal de Educação (IFCE), da Universidade Federal do Ceará (UFC), da Secretaria do Meio Ambiente do Estado (SEMA) e de organizações não governamentais como a Associação de Moradores do Açude Cedro e professores participaram da Audiência Pública juntamente com os procuradores federais Francisco Alexandre de Paiva Forte e Patrício Noé da Fonseca, realizada com a direção do DNOCS através de videoconferência.

Um dos responsáveis pela Ação Civil Pública (ACP) encaminhada ao MPF, o presidente da AISC, Wanderley Barbosa, considerou positiva a interseção da Justiça Federal. Para ele, além da adoção de providências de restauro e preservação do rico espaço público a iniciativa deverá inibir outras ações de destruição do Açude Cedro, que deverá ser vistoriado pelo juiz federal, acompanhado de representantes dos vários órgãos, dentre eles a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e a Associação Quixadaense de Letras (AQL) na manhã de 9 de junho próximo.

No dia 9 de abril passado um turista danificou acidentalmente pilaretes da passarela da parede do açude. O fato ganhou destaque na mídia.

Veja mais no Diário do Nordeste 

Pilaretes do histórico Açude Cedro são quebrados causando riscos e indignação

O Diário Sertão Central é o blog oficial do Diário do Nordeste no Sertão Central do Ceará e Maciço do Baturité. Inclua entre os seus links favoritos. Participe do Diário Sertão Central através do WhatsApp 55 88 9 9970 5161

09:00 · 02.05.2017 / atualizado às 09:50 · 02.05.2017 por

Começam hoje as comemorações dos 85 anos do Instituto Maria Imaculada (IMI), primeiro centro de formação educacional de Pacoti, no Maciço de Baturité, também conhecido como Escola Vicentina. A programação começa com a reinauguração do Memorial do Instituto, nesta manhã. À tarde será realizada uma oficina de artesanato e também a abertura do torneio esportivo.

Amanhã, serão realizadas atividades lúdicas e uma palestra sobre o meio ambiente. Na quinta-feira (4) está programado o tríduo de Santa Luísa na Capela de Nossa Senhora das Graças, ainda trilha ecológica seguida de um piquenique pela manhã. À tarde continuam as disputas esportivas que se encerram na sexta-feira (5), quando também haverá exposição fotográfica e a final do concurso de poesias.

A programação comemorativa se encerra no sábado (6) como missa de Ação de Graças na Capela do Instituto e confraternização dos funcionários pela manhã e à noite com entrega de comendas a personagens escolhidos pela direção. Mas a data oficial de fundação do Instituto Maria Imaculada é 1º de Maio, conforme consta no histórico da tradicional entidade educacional do Maciço de Baturité.

O Diário Sertão Central é o blog oficial do Diário do Nordeste no Sertão Central do Ceará e Maciço do Baturité. Inclua entre os seus links favoritos. Participe do Diário Sertão Central através do WhatsApp 55 88 9 9970 5161