Busca

Categoria: Natureza


09:00 · 22.04.2017 / atualizado às 09:25 · 22.04.2017 por

O Casarão da Inspetoria, a Casa dos Engenheiros, as Casas dos Apontadores, o Hospital, a Estação Ferroviária, o Almoxarifado, a Casa de Pólvora, marcos do flagelo da seca de 1922, em Senador Pompeu, uma cidade sertaneja do Ceará ainda considerada pequena, com pouco mais de 20 mil habitantes, foram metaforicamente engulidos pela natureza.

Hospital construído para atendimento aos trabalhadores da construção do Açude Patu

As edificações foram erguidas no período da construção do Açude Patu, na década de 1920. Apesar de abandonadas ao longo dos anos, podiam ser visitadas por quem aprecia a história da seca. Hoje, apenas algumas, à beira da estrada de acesso a barragem podem ser vistas. As outras, foram parcialmente escondidas e até invadidas pelas folhagens verdes desta época do ano.

Hoje, apenas o almoxarifado e poucas casas da Vila dos Ingleses à beira da estrada podem ser vistas. Do restante, a mata nativa, da caatinga, se encarregou de cercar após revitalizar com as chuvas das quadras invernosas dos últimos anos. Apesar de abaixo da média histórica, foram 39,5 milímetros em janeiro, 176 mm em fevereiro e 147,4 mm em março. Neste mês de abril já choveu 131 mm. A água voltou a provocar a metamorfose sertaneja.

Mesmo assim, o Açude Patu, transformado no Campo de Concentração dos retirantes da seca, não acumulou muita água este ano. A última sangria ocorreu em julho de 2011. A Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) passou a realizar o monitoramento, em 2004, quando em fevereiro daquele ano o Patu, com capacidade para 65 milhões de metros cúbicos, também sangrou.

Caso o confinamento dos flagelados ocorresse nos dias atuais a história seria outra, e por esse motivo, para preservar aquele período para muitos tenebroso, em memória dos milhares que ali sofreram e perpetua-lo como lição vergonhosa para a humanidade a atual gestão do Município assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) no compromisso de restaurar e preservar o patrimônio histórico.

O TAC foi elaborado pelo promotor de Justiça do Juizado Especial de Senador Pompeu, Geraldo Nunes Teixeira. Representando a administração municipal o secretário de Cultura e Esportes, Célio Pinheiro, assinou o documento de compromisso dos serviços de restauro e preservação. Ambos reconhecem a importância histórica e cultural do sítio histórico da seca.

A inciativa é comemorada pelas pastorais e paróquia de Nossa Senhora das Dores, o Centro de Defesa dos Direitos Humanos Antônio Conselheiro e outros personagens na luta pela preservação da história de Senador Pompeu como o advogado e historiador Valdecy Alves, autor da Ação Civil Pública encaminhada ao Ministério Público e o produtor Cultural Adriano Souza, ex-secretário de Cultura de Senador Pompeu.

Enquete
Qual a importância da preservação dos marcos do flagelo da seca de Senador Pompeu

Geraldo Nunes Teixeira
Promotor de Justiça

Quando conhecemos a história desse povo percebemos a importância e a riqueza desse acervo material e imaterial. Estamos dando o primeiro passo para garantir às futuras gerações o direito de conhece-la também“.

Célio Pinheiro
Secretário de Cultura e Esportes de Senador Pompeu

Quem é filho desta terra sabe da importância desses marcos para a história da seca. Desprezar e destruir essas provas é como apagar o nosso passado. Além desses aspetos a restauração e preservação fortalecerão a nossa economia através do turismo“.

Inspeção jornalística   

O Diário do Nordeste, que a quase duas décadas cobre a “Caminhada das Almas“, uma procissão realizada todos os anos pela igreja católica em homenagem às vítimas da seca, foi até o Campo de Concentração de Senador Pompeu, como o lugar passou a ser conhecido naqueles anos de seca severa por confinar milhares de flagelados sertanejos, muitos perdendo ali a batalha da vida contra a fome e a cólera.

As imagens mostram a atual situação do sítio histórico. O acesso a algumas edificações é difícil. Noutras nem foi possível chegar, mas onde havia acesso foi possível observar ações de vandalismo.

O Casarão da Inspetoria foi invadido pela vegetação nativa

O acesso a Casa dos Engenheiros é muito difícil com a mata fechada

Uma das Casas dos Apontadores, além de restar somente a fachada, foi encoberta pela vegetação

Veja a reportagem no Diário do Nordeste

Marcos da seca em Senador Pompeu serão preservados

O Diário Sertão Central é o blog oficial do Diário do Nordeste no Sertão Central do Ceará e Maciço do Baturité. Inclua entre os seus links favoritos. Participe do Diário Sertão Central através do WhatsApp 55 88 9 9970 5161

10:00 · 01.04.2017 / atualizado às 08:00 · 02.04.2017 por

Professores e alunos do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), campus de Quixadá, estão trabalhando na revitalização do complexo natural e turístico do Açude Cedro, nesta cidade do Centro do Ceará. Nesse processo eles também estão iniciando o reflorestamento da área, com espécies nativas como o juazeiro, o umbuzeiro, a imburana, a catingueira, o pereiro, o mulungu e o pau branco.

O Laboratório de Estudos Ecológicos e Ambientais do Bioma Caatinga (LEEABC),  do IFCE Quixadá, coordenado pelo professor Lucas da Silva, já está produzindo mudas de várias espécies. Os alunos do curso de Engenharia Ambiental, auxiliados pelo coordenador do curso, o professor Reinaldo Fontes, se encarregarão do plantio e do monitoramento das áreas reflorestadas. O objetivo é revitalizar a área do Monumento Natural dos Monólitos de Quixadá, no entorno do Açude Cedro.

Professores a alunos já fizeram um ensaio. Juntamente com uma equipe da Secretaria do Meio Ambiente (SEMA) eles plantaram mudas ao lado dos benjamins que foram sacrificados recentemente. As árvores plantadas no início do século XX, na época da construção do açude, morreram, castigadas pela estiagem prolongada e supostamente por um fungo.

A gestora dos Monólitos de Quixadá, Leyla Barros, explicou que o momento de plantio fez parte da campanha “Festa Anual das Arvores”, promovido anualmente pela SEMA nas 23 Unidades Estaduais de Conservação (UCs). A de Quixadá é uma delas. A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) e o Grupo São Geraldo também são parceiros no projeto desenvolvido na UC situada no entorno do Açude Cedro.

Conforme os professores Lucas da Silva e Reinaldo Fontes, o projeto, que conta com 10 turmas, totalizando 270 alunos, em parceria com a SEMA, Cagece e a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), está se consolidando. Dentro de no máximo uma década o parque, que inclusive é protegido como Monumento Natural, poderá voltar a respirar aliviado.

Antes da estiagem prolongada, dos fungos e do descaso humano o parque do Açude Cedro parecia um enorme jardim botânico. As fotos abaixo foram registradas pelo Diário do Nordeste em 2008.

Veja também a reportagem no Diário do Nordeste sobre o Laboratório Ambiental do IFCE de Quixadá:

Projeto busca revitalizar o espaço

O Diário Sertão Central é o blog oficial do Diário do Nordeste no Sertão Central do Ceará e Maciço do Baturité. Inclua entre os seus links favoritos. Participe do Diário Sertão Central através do WhatsApp 55 88 9 9970 5161

 

07:30 · 01.04.2017 / atualizado às 07:35 · 01.04.2017 por

Surpresa e curiosidade, estas tem sido as sensações mais comuns nos últimos dias para quem chega ao parque do Açude Cedro, em Quixadá. O motivo tem  sido a mudança radical na paisagem do lugar. O açude voltou a receber água com as últimas chuvas, alterando radicalmente o cenário natural na montante do primeiro reservatório público construído no Brasil.

Todavia, quem já teve a oportunidade de visitar este lugar fica curioso em saber porque vários benjamins, árvores seculares existentes na flora local, foram cortadas. Muitos imaginavam que estavam secas apenas por causa da estiagem prolongada no Nordeste. Com o retorno das chuvas deveriam florescer novamente, criando novamente o ambiente de um bosque.

Não foi isso o que ocorreu. O mistério está sendo pesquisado por especialistas em botânica. Somente o resultado das análises será capaz de apontar mais precisamente porque tantas árvores morreram. Certo apenas a disputa por uma sombra para os veículos automotores nos dias ensolarados. O número de árvores frondosas diminuiu, e muito.

Para perceber a diferença antes do possível ataque do fungo basta observar as imagens abaixo. Seriam belas não fosse uma situação irreversível. Essa é a opinião de quem tem o costume de visitar o Açude Cedro nos fins de semana. “Agora é esperar que a própria natureza se encarregue de revitalizar a sua flora“, comenta o professor Geraldo Ferreira.

Para entender melhor o que está ocorrendo com a vegetação e principalmente os benjamins e mangueiras no entorno do Açude Cedro, veja a reportagem no Diário do Nordeste:

Fungo misterioso ameaça de extinção benjamins do Cedro

O Diário Sertão Central é o blog oficial do Diário do Nordeste no Sertão Central do Ceará e Maciço do Baturité. Inclua entre os seus links favoritos. Participe do Diário Sertão Central através do WhatsApp 55 88 9 9970 5161

18:35 · 31.03.2017 / atualizado às 20:33 · 31.03.2017 por

Exatamente uma semana após um empresário registrar em vídeo, no seu telefone celular, a queda de um raio sobre um monólito em Quixadá, mais uma descarga atmosférica de alta intensidade foi captada em um celular nesta cidade do Sertão Central.

O motorista de carro-pipa Guilherme Lima, de Quixadá, foi o primeiro a postar o vídeo do raio nas redes sociais. Ele informou ao Diário do Nordeste que a imagem foi gravada por um amigo, que estava viajando de Fortaleza para Quixadá, pela BR-122. O raio caiu  por volta das 16 horas à margem da rodovia federal, entre Ibaretama e Quixadá.

Guilherme Lima garantiu que o vídeo é autêntico e que o motorista, o qual seguia sozinho, em princípio ficou assutado e depois, eufórico. Sem revelar o nome do autor do vídeo Lima ainda disse que após fazer o registro inusitado o amigo não perdeu tempo passou a compartilhar no Facebook.

O Diário Sertão Central é o blog oficial do Diário do Nordeste no Sertão Central do Ceará e Maciço do Baturité. Inclua entre os seus links favoritos. Participe do Diário Sertão Central através do WhatsApp 55 88 9 9970 5161