Busca

Casos de discos-voadores e abduções tornaram Quixadá a Capital da Ufologia

12:01 · 24.06.2016 / atualizado às 14:03 · 24.06.2016 por
FOTO 1 - OVNI CLUB
Inaugurada em Abril deste ano, a OVNI Club é a primeira casa noturma com temática de ufologia. (Fotos: José Avelino Neto)

Quixadá. Cheia de pinturas de ETs e até uma miniatura de disco-voador. Por dentro, fantasias e adereços tornam o local ainda mais ambientado no clima de mistério e esculturas de alienígenas ficam espalhados pelo local. Assim é a OVNI Club, a primeira casa noturna com temática de ufologia (ciência dedicada a estudar os fenômenos de objetos misteriosos e de extraterrestres).

Idealizada pelo empresário Edney Wesley, nela, até o nome dos pratos e drinks remetem ao tema. A casa foi inaugurada no final de abril deste ano e tem capacidade para 500 pessoas. A boate é apenas mais um empreendimento que, graças ao tema, tem tornado este Município do Sertão Central do Estado, distante 167 km da Capital, cada vez mais convicto a ter uma razão para comemorar: após anos colecionando relatos de abduções e de aparições dos chamados “discos-voadores”, Quixadá se oficializou como a Capital Cearense da Ufologia, tema que é comemorado mundialmente nesta sexta-feira (24).

FOTO 2 - AVISTAMENTO
O frentista Erigleiton Fideles afirma ter visto uma luz estranha voar sobre os monólitos e passou a acreditar desde esse dia.

Relatos
Não falta quem afirme ter visto um Objeto Voador Não Identificado (OVNI). Em qualquer lugar da cidade, seja numa loja de conserto de eletrodoméstico ou num bazar de roupas, tem sempre quem diga ter avistado uma luz ofuscante ou um objeto estranho cortando o céu. “Meu pai e minha mãe já viram! Era uma luz muito forte e o objeto era muito grande”, disse Robson Costa, empresário de 43. O frentista Erigleiton Fideles, de 28 anos, também jura de pés juntos, “por Nossa Senhora!”, que viu uma luz estranha por cima dos monólitos que ficam bem defronte ao posto de combustível na saída de Quixadá, onde ele trabalha. “Eu não sei dizer o que era não, mas era uma coisa invocada. Ele ficou parado lá em cima daquelas pedras, depois foi se apagando até que sumiu”, fala ele apontando para o local do avistamento. Até então, Erigleiton não acreditava. “Mas desse dia em diante, passei a acreditar”, diz.

FOTO 3 - POSTO DE COMBUSTIVELO posto possui uma miniatura de ET e de um Disco-Voador, um dos mais famosos adereços que indicam que Quixadá é a capital cearense da ufologia. O posto fica na entrada da cidade, para quem vem da Capital, pela BR-122. “Tem muita gente que para aí para tirar foto”, fala Erigleiton. A cidade é repleta de adereços do tipo pelas lojas do Centro e de pinturas nas paredes de algumas ruas.

BARROSO
Luis Barroso Fernandes: teria sido abduzido por uma luz misteriosa em Quixadá; Morreu sem que médico soubesse o motivo. (Foto: arquivo Diário do Nordeste)

Caso Barroso
O mais famoso caso de abdução cearense aconteceu na década de 80 em Quixadá. Um agricultor saia no início da manhã em sua carroça, quando teria sido abatido por uma luz. Este é o enredo do Caso Barroso, como ficou conhecida a história de Luis Barroso Fernandes. Até hoje, a cidade ainda mantém fresca na memória os relatos do acontecido que ganhou repercussão na época. Sua morte pode ter sido provocada pelos fenômenos que se sucederam após o fato “Ele não sabia andar, foi perdendo a memória, ficando mais fraco. O Barroso morreu de um jeito que nenhum médico da época soube dizer o que era”, relata o ufólogo cearense Agobar Peixoto que há mais de 60 anos pesquisa relatos no Estado.

Na época, o Diário do Nordeste acompanhou o caso de perto e produziu várias matérias sobre o assunto. A repercussão da história abriu um leque de novos relatos. “Antes, Quixadá era apenas como as outras regiões e, a partir do caso Barroso, a cidade começou a ser pesquisada e os casos foram aparecendo”, diz Agobar.

O ufólogo garante ser dono do mais completo acervo particular sobre relato de OVNIs do Brasil. Em sua biblioteca particular guarda cerca de 2.600 livros sobre o tema e possui 3.400 DVDs com filmagens e documentários. “Só de fita VHS que ainda resta passar pra DVD, são mais de 1.200”. Ele conta que hoje os relatos de aparições são menores do que antes, uma média de seis por ano. Mas não restam dúvidas: “Quixadá concentra um grande número de casos incríveis. São pessoas que contam o que aconteceu com elas sob hipnose, e nesse estado, o ser humano não mente! A cidade tem algo que precisa ser estudado a fundo”, conta.

DN
Fac-Símile de edição antiga do Diário do Nordeste: tema é abordado durante anos
FOTO 4 - MONOLITOS
Monólitos quixadaenses: para ufólogos seria portal e fonte de energia dos ETs

Robson Alencar, comerciante e ufólogo quixadaense que realiza pesquisas sobre o assunto há 36 anos, concorda. “Tenho certeza que existe fora da terra. Eu mesmo já tive contato com seres e Quixadá é uma ponte destes seres aqui na terra”, afirma ele que mantém vigílias noturnas com um grupo de 20 outros pesquisadores, para reunir evidências que comprovem sua tese.

Os monólitos da cidade são um capítulo a parte no mistério: eles seriam usados como fonte de energias dos seres e como uma espécie de portal. “Existem pessoas que afirmam ter sido levadas para dentro dessas formações rochosas e lá dentro tiveram contato com os ETS”, diz Robson.

FOTO 5 - ÁREA Q
Cena de “Área Q”, lançado em 2012.

Fama e turismo
Os relatos foram se popularizando e, desde então, Quixadá foi ganhando o posto da Capital Ufológica. O fenômeno faz alavancar o turismo na região e virou até enredo de filme. “Aréa Q” (Q, de Quixadá) foi lançado em 2012 contando a história do caso Barroso e das inúmeras abduções na cidade.

A cidade cresce a cada dia com gente que sempre chega por lá olhando para o céu e procurando ver algo diferente. “Não restam duvidas de que Quixadá é a cidade preferida dos seres extra planetários”, garante Robson.

____

O Diário Sertão Central é o blog oficial do Diário do Nordeste no Sertão Central do Ceará e Maciço do Baturité.

Participe enviando a sua sugestão de notícia, vídeo ou foto através do WhatsApp 55 85 99931 3798, e do telefone (88) 9 9662 9580 ou ainda pelo email: diariosertaocentral@gmail.com

Comentários 0

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *