Sopa de Livros

Categoria: Evento


11:44 · 15.03.2016 / atualizado às 12:01 · 15.03.2016 por

Os livros-reportagem “Auri, a anfitriã”  e “Na Marca do pênalti: o sonho de ser jogador de futebol” serão lançados durante a Aula Magna do semestre 2016.1 do Curso de Jornalismo da Universidade Federal do Ceará, nesta quarta-feira, dia 16, na área II do Centro de Humanidades da Universidade. As obras, de autoria das jornalistas Aline Moura e Bárbara Almeida e de Allan Barros e Jéssica Welma, trazem o selo Imprensa Universitária.

Sobre as obras

“Auri, a anfitriã” traz um apanhado de narrativas sobre trajetórias que se cruzam nos corredores do único presídio feminino do Estado do Ceará, localizado no município de Itaitinga. Orientado pela Profª Naiana Rodrigues, o livro é escrito em primeira pessoa, tendo como narradora a própria “entidade-presídio”. É Auri quem nos conduz pelo seu interior, apresentando várias histórias de erros, dores e também sonhos com a liberdade.

 

Auri
Essa foi a capa da edição lançada pelo Catarse, em 2015

 

Em 2014, a obra foi agraciada com cinco prêmios: melhor Livro-reportagem no Expocom Nordeste, melhor Edição de Livro no Expocom Nordeste, melhor Livro-reportagem no Expocom Nacional, melhor Edição de Livro no Expocom Nacional e melhor Trabalho de Conclusão de Curso no prêmio de Gandhi de Comunicação. Em 2015, a obra foi publicada com a ajuda do projeto Catarse, que financia o lançamento de livros.

“Na Marca do Pênalti” é assinado pelos também jornalistas Alan Barros e Jéssica Welma e versa sobre outro tipo de sonho: o de ser atleta profissional. Os repórteres acompanharam a “peneira” de jovens talentos que almejam uma vaga nas divisões de base do futebol cearense e investigaram a fundo a realidade de jogadores e técnicos de sucesso. A orientação ficou a cargo do Prof. José Ronaldo Salgado.

Debate
Além do lançamento, está prevista uma mesa-redonda sobre o gênero com os autores e presenças docentes. Uma delas será do Prof. José Ronaldo Salgado, mestre em Letras, pesquisador da área de Jornalismo Literário e professor orientador do Laboratório de Jornalismo Impresso do Curso de Jornalismo da UFC. A segunda convidada é Mayara de Araújo, especialista em Docência no Ensino Superior, professora substituta do Curso de Jornalismo da UFC e autora do livro-reportagem “Histórias de Beco: quando a poeira assenta, entrevemos rostos, punhos e corações” (2011).

O projeto Livros-Reportagem foi concebido em 2011 pela Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional para dar a oportunidade de trabalhos desse gênero produzidos pelos concludentes do Curso de Jornalismo da UFC ultrapassarem as bibliotecas acadêmicas e chegarem às mãos da comunidade leitora externa. Embora consista em uma atividade letiva para os novos ingressantes, a programação é gratuita e aberta ao público.

capa auricapa penalti

Essas são as edições a serem lançadas pela UFC amanhã.

Serviço:

Aula Magna do Curso de Jornalismo e lançamento dos livros “Auri, a anfitriã” e “Na Marca do Pênalti”
Quando: 16 de março de 2016, às 18h
Onde: Auditório da Pós-Graduação em História da UFC
(Av. da Universidade, 2762 – Benfica – 1º andar)
Horário: 18h

12:13 · 18.12.2015 / atualizado às 12:18 · 18.12.2015 por

Pois é, o fim de semana está recheado de atrações para os leitores fortalezenses. Confira:

> Festa Literária do Humor Cearense

Desde o dia 10 e até domingo (20), Fortaleza recebe a Festa Literária do Humor Cearense. Na vasta programação, palestras, oficinas, exposições, lançamentos literários e, como não poderia deixar de ser, shows de humor.

Integrante do evento, o escritor Totonho Laprovitera participa de sessão de autógrafos de sua nova  obra, “Causos”, a partir das 19:30h, no Museu do Humor Cearense (Av. da Universidade, 2175).

Causos, por Totonho Laprovitera
“Causos”, por Totonho Laprovitera

Já amanhã, também às 19h30, um dos humoristas participantes, Jader Soares, realiza o lançamento de livro biográfico “PAULA NEI – O Primeiro Humorista Brasileiro”. A obra, escrito em 2008, só agora é publicada. Com apresentação feita pelo humorista Chico Anysio, este é o sexto livro do autor.

Jader Soares
Jader Soares

A programação completa do evento, você confere aqui.

 

> Sessão de autógrafos com Xico Sá e Eduardo Spohr

Já a Livraria Cultura recebe neste sábado (19) os autores Xico Sá e Eduardo Spohr para sessões de autógrafos.

2b951bff1b50ec9c387fe21e7d9768cb7ef91bec
Xico Sá

O jornalista e escritor Xico Sá está em Fortaleza para divulgação da obra “Os machões dançaram”, livro que completa a trilogia de crônicas composta ainda por “Modos de macho & modinhas de fêmea” (2003) e “Chabadabadá – aventuras e desventuras do macho perdido e da fêmea que se acha” (2010). Os livros retratam as mudanças de comportamento nas relações entre homens e mulheres do final do século XX até hoje.

O encontro acontece a partir das 16h.

Já o escritor brasileiro de fantasia Eduardo Spohr (com quem conversamos por telefone e postaremos uma entrevista em breve) visita a capital cearense para o lançamento de “Paraíso Perdido”, terceiro e último livro da série Filhos do Éden (composta ainda por “Os Heróis de Atlântida” e “Anjos da Morte”).

Eduardo Spohr
Eduardo Spohr

Ele recebe os fãs para bate-papo e sessão de autógrafos na Cultura também a partir das 16h.

 

Viu? Esse fim de ano promete!

Comemorando

 

 

*Por Rosiane Melo – Estagiária do Núcleo de Entretenimento

 

09:00 · 10.12.2015 / atualizado às 09:22 · 10.12.2015 por

Victoria-Ceridono-1

A jornalista e editora de beleza da revista Vogue Brasil e do site Dia de Beauté, Vic Ceridono, participa hoje em Fortaleza do lançamento do seu livro “Dia de beauté – um guia de maquiagem para a vida real”. O evento acontecerá na Livraria Leitura do Shopping RioMar, a partir das 18h.

> Confira a entrevista com Vic Ceridono para o Zoeira

A obra, lançada pela editora Paralela, reúne dicas de maquiagem para iniciantes e para aqueles que já fazem uso dos produtos de beleza.

R$ 63,90
R$ 63,90

 

SERVIÇO

Noite de autógrafos do livro “Dia de beauté – um guia de maquiagem para a vida real”

Local: Livraria Leitura Shopping RioMar

Endereço: Rua Des. Lauro Nogueira, 1500 — Fortaleza, CE

Horário: a partir das 18h

 

 

*Por Rosiane Melo – Estagiária do Núcleo de Entretenimento

09:57 · 28.11.2015 / atualizado às 09:58 · 28.11.2015 por

12248087_10153964859300579_6959904830375865188_o

Isabela Freitas, autora de “Não se apega, não” e “Não se iluda, não”, participa de sessão de autógrafos, além de um bate-papo com os fãs na Livraria Cultura do Shopping Varanda Mall neste sábado, a partir das 14h.

No total, serão disponibilizadas 350 senhas para o evento, que começam a ser distribuídos a partir das 10h. A autora autografará até 2 livros de sua autoria.

Mais informações no evento do facebook: https://www.facebook.com/events/1007259739331507/.

11951252_858484457574902_1038732861471509061_n

Já a vlogueira e escritora Kéfera Buchmann, acompanhada da comediante Bruna Louise, se apresenta na capital cearense hoje e amanhã, a partir das 18h, no Teatro RioMar em Fortaleza, com a peça DEIXA EU TE CONTAR.

O valor dos ingressos varia entre R$120 e R$80 (inteira).

Mais informações: http://www.teatroriomarfortaleza.com.br/programacao.php?id=42_DEIXA+EU+TE+CONTAR

 

12065934_916298775111431_7456299267147419181_n

Hoje também acontece encontro de fãs de Star Wars na Livraria Cultura, a partir das 16h, para um bate-papo descontraído sobre uma das mais famosas franquias. Brindes devem ser distribuídos para os presentes.

Mais informações no evento do facebook: https://www.facebook.com/events/1650041718590739/

 

 

*Por Rosiane Melo – Estagiária do Núcleo de Entretenimento

 

08:00 · 13.11.2015 / atualizado às 10:12 · 13.11.2015 por

Hoje e amanhã, a editora Substânsia realiza o lançamento de duas novas obras de seu catálogo. Trata-se de “Tudo que é feio, sujo e necessário”, do jornalista e ativista LGBT Júnior Ratts, e “Todo mundo tem direito a um segredo”, da artista plástica Lia Sanders.

SOBRE OS LIVROS

> “Tudo que é feio, sujo e necessário”, de Júnior Ratts

junior1

Sinopse:

“Em 7 (sete) histórias comoventes, que tratam sobre as alegrias e tristezas do mundo homossexual masculino, as narrativas possuem personagens fortes e profundos, que, por meio sua dramaticidade e sua vida ao limite, fazem com que o leitor perceba a humanidade e a paixão que envolve todo e qualquer ser humano. Cristian Paiva, professor de Sociologia da Universidade Federal do Ceará, na orelha do livro, comenta: “Este livro trata de desencontros, agonias e insistências. Nas sete histórias aqui reunidas, a solidão é narrada a partir de uma dicção homoerótica. […] A solidão perpassa, assim, vários contos, transbordando a angústia de relações desrealizadas, sem potência de parir ‘a palavra do dia seguinte’”.

Lançamento: Hoje (13), às 19h, no Brechó Rimbaud – Rua Aratuba c/ 13 de Maio, número 2142

 

> “Todo mundo tem direito a um segredo”, de Lia Sanders

todo

Sinopse:

“Os mistérios da vida são inúmeros, e a vida de uma moça órfã de pai e mãe acaba por ser feita de inúmeros “furos”, que apenas pouquíssimas pessoas têm conhecimento. Rebeca, a avó que tudo esconde, mas que, aos poucos, vai tecendo sua história por sua neta, acaba revelando os momentos esquecidos, transparecendo, aos poucos, como em uma fotografia que lentamente flui do invisível para o visível. É assim que Lia Sanders inaugura na literatura. Seu primeiro romance, intitulado Todo mundo tem direito a um segredo, foi contemplado, em 2013, como uma das três menções honrosas do Prêmio Sesc de Literatura. Agora, a autora traz ao lume uma história carregada de emoções que irá fazer o leitor se apaixonar.”

Lançamento: Amanhã (14), às 16h, no Bar do Mincharia – Rua Pacajus, número 05, Praia de Iracema

 

*Por Rosiane Melo – Estagiária do Núcleo de Entretenimento

10:54 · 12.11.2015 / atualizado às 10:58 · 12.11.2015 por

Hoje o Sopa está a todo vapor! A Livraria Cultura recebe, na noite desta quinta-feira,  sessão de autógrafos com o Pedro (sem sobrenome mesmo, para não distrair a imaginação), autor de “Um Cartão”, com quem nós batemos um papo por telefone.

Pedro

Mas antes da entrevista em si, vamos falar um pouco sobre o Pedro. Inspirado na “filosofia” da gentileza, ele começou a escrever mensagens/frases autorais que falam sobre amor, afeto e, é claro, gentileza. Seus cartões começaram a serem postados no Instagram, através da página Um Cartão, no estilo “Eu me chamo Antônio”. Logo o sucesso das mensagens conquistou milhares de seguidores e fãs do trabalho do Pedro.

Com o sucesso no Instagram, ele migrou para o Facebook e logo foi anunciado que o Pedro lançaria um livro, pelo selo Fábrica231 da Rocco, com a compilação das melhores postagens da página homônima do Insta.

Não há muitas informações sobre o autor, apenas o essencial: que ele escreve um manifesto pela gentileza.

Capa de "Um Cartão"
Capa de “Um Cartão”

Confira nossa entrevista:

1) Como surgiu o gosto pela escrita na tua vida?

Eu sempre gostei de escrever. Sempre fui muito emotivo e encontrei nas palavras um jeito de fazer o meu coração sorrir.

2) E como é a tua rotina de escrita?

Não existe um roteiro ou uma ordem certa ou determinada do que escrever ou quando escrever. Quando o meu coração é tocado de alguma forma as palavras vêm naturalmente.

3) Quais inspirações para criar a página Um Cartão?

A inspiração maior vem da vida e de tudo o que me cerca. Temos infinitas fontes de inspiração, é só uma questão da gente se permitir emocionar.

4) E de que forma esses pequenos cartões diários te influenciaram como pessoa?

Os cartões me mudam sempre. Cada cartão tem a sua história e me mudou de algum jeito. Hoje sou um homem melhor, um filho melhor, um amigo melhor. Toda a energia boa mora dentro da gente, só precisamos ajustar os olhos da alma pra encontrar isso.

Umcartãofosforo

5) Por que escrever sobre gentileza?

Estamos habituados a um mundo onde só encontramos notícias tristes e exemplos a não serem seguidos. Vivemos sob o medo e a desconfiança. Desaprendemos a acreditar nas pessoas, a confiar que tudo pode sim ser mais bonito e fácil desde que a gente se ajude, desde que a gente se entregue, se divida. Escrever sobre gentileza e sobre as outras tantas coisas bonitas que podem mudar tudo é o melhor jeito de dizer pro mundo que o amor um dia vai vencer. Isso só depende da gente.

6) Como é interagir com os internautas que seguem o teu trabalho? Você esperava que a página ficasse tão conhecida?

Eu costumo dizer que não tenho seguidores ou fãs. Eu tenho amigos que ainda não conheci, afinal, quem lê o meu coração várias vezes por dia e há tanto tempo merece todo o meu carinho e a minha gratidão. Nada foi planejado ou arquitetado. As coisas aconteceram de uma forma natural e isso me deixa extremamente feliz e motivado, porque mais gente quer participar dessa corrente, mais gente acredita que a gente pode mudar tudo com a força que vem dos nossos corações e isso não tem preço.

Umcartãotenis (1)

7) O que os leitores podem esperar do livro Um Cartão?

Quando o livro foi pensado, quis que ele fosse interativo do ponto de vista do coração. Por isso as páginas são destacáveis, por isso você pode marcar literalmente os amigos, os irmãos, os pais. É um jeito de mostrar que quando a gente se divide a gente vai mais longe, a gente deixa de ser um pouquinho da gente pra ser um pouquinho do outro e assim crescer junto. O livro é o Instagram da vida real.

8) Você começou a turnê de divulgação da obra recentemente. Como está sendo a experiência do contato olho no olho com os leitores que antes te acompanhavam apenas online?

Está sendo mágico! A energia das pessoas é realmente contagiante. Cada abraço, cada mensagem de carinho, cada olhar trocado me deixam tão feliz. Sou e sempre vou ser muito grato e eu preciso das pessoas para poder escrever. Elas me abastecem com as relações que eu preciso pra continuar colocando o meu coração no papel. Elas fazem tudo acontecer. É por elas e sempre vai ser.

Ou é o que a gente acha_arte

9) E os projetos futuros?

Eu tô tão feliz e empolgado com essa que ainda estou anestesiado sobre o que vai acontecer no futuro. Penso com todo o carinho do mundo em tudo o que pode ser feito, em todas as possibilidades e guardo pra maturar mais um pouquinho a ideia, pra ver como isso pode sair de um jeito bem lindão do papel. Hoje existem outros produtos além do livro. Fiz para cada cidade da turnê uma caneca especial, colocando toda a minha gratidão por todo mundo estar me recebendo tão bem. Existem também os Cadernos de Sentimentos, que são os cadernos que uso para fazer os frases que vão para o Instagram e as Notas de Amor, que são pequenas doses de amor em um caderninho todo especial.

 

SERVIÇO

Sessão de autógrafos do livro “Um Cartão”, com Pedro

Livraria Cultura Varanda Mall, a partir das 18h

 

Onde encontrar o Pedro

Site: http://www.umcartao.art.br/

Facebook: https://www.facebook.com/umcartao/?fref=ts

Instagram: https://www.instagram.com/umcartao/

 

*Por Rosiane Melo – Estagiária do Núcleo de Entretenimento

07:28 · 09.10.2015 / atualizado às 07:28 · 09.10.2015 por

O escritor Paulo Razoni lança seu livro de estreia, “Cáctus”, neste sábado, dia 10, a partir das 17 horas, na Livraria Ler do Shopping Aldeota.

A obra, editada pela Premius, foi a vencedora do Prêmio Oliveira Paiva de Ficção, iniciativa da Secretaria Municipal de Educação e da Secultfor.

Ao todo, são 16 contos e entre os assuntos abordados, estão a brevidade da vida, os meandros de quem vive a escassez na aridez do sertão, assim como a natureza humana e suas limitações. A linguagem do autor é bem próxima de quem é nordestino e, principalmente, de quem mora ou já morou em Fortaleza, já que são citados vários elementos daqui, como a linha de ônibus Circular 1, o bairro das Goiabeiras e a Avenida Leste Oeste. Os contextos urbano e rural também se mesclam nas narrativas, fazendo com que o leitor se identifique com alguns contos.

12041991_1690680654494792_325178830_n
Livro traz 16 contos com temáticas que incluem o sertão e também o ambiente urbano

 

Serviço: 

O quê: Lançamento do livro Cáctus

Quando: Dia 10, das 17h às 20 horas

Onde: Livraria Ler do Shopping Aldeota (Av. Dom Luís, 500)

08:43 · 07.10.2015 / atualizado às 08:59 · 07.10.2015 por

No ano em que comemora 10 anos, o projeto Baú da Leitura, uma iniciativa da Coelce, em parceria com a ONG Casa do Conto, prepara um grande evento com uma série de atividades e ações sociais em sua programação, que se inicia a partir de hoje até próximo dia 9.

_D2V9140

Durante sua existência, a campanha de incentivo a leitura já distribuiu cerca de 123 mil livros a escolas públicas, ONG’s, associações e bibliotecas públicas e comunitárias de 86 municípios cearenses. Neste ano, 46 instituições serão beneficiadas.

O evento, que acontece na sede da companhia, é destinado ao público infantil e adolescente e reúne oficinas e palestras de discussão sobre o papel da leitura na sociedade, estimulo ao mundo das letras, a importância da música na sensibilização durante as contações de histórias. Na ocasião, ainda acontece o sorteio de 15 baús (cada um com 400 livros) de leituras para escolas públicas cearenses.

309 baús já foram doados desde o surgimento da campanha. Além da doação, durante a entrega acontecem contação de histórias e oficinas de capacitação para agentes de leitura nas comunidades beneficiadas na capital e no interior cearense.

_D2V9259

 

Para Almir Rocha, contador de histórias e diretor da Casa do Conto, “a proximidade com a comunidade é o gancho do Baú”.  Ele ainda reforça que a entrega dos baús, com livros de qualidade no acervo, abastece bibliotecas de diversas cidades com um catálogo variado, o que desperta o interesse da população local pela leitura.

Segundo Débora Pinho, responsável Integração com o Entorno Social da Enel Brasil, “a companhia acredita que a leitura pode despertar neste público o interesse por uma nova realidade, apostando no desenvolvimento e inclusão social”.

A grande maioria das histórias são fictícias, adquiridas do catálogo de quase 50 editoras, embora narrativas educativas sobre meio ambiente e consumo consciente também estejam presentes, como explica Almir Rocha, contador de histórias e diretor da Casa do Conto: “Em sua maioria, o acervo é literatura, livros de coleções como a Vaga-lume, Para gostar de ler, contos de Julio Verne, Machado de Assis, mas há outros gêneros também”.

Raimundo Moreira é ator, diretor e contador de histórias. Por mais de 17 anos, atuou também como professor de História e confessa que “a forma que eu tinha de passar o conteúdo para as crianças era contando histórias”. Na edição deste ano do Baú da Leitura, ele estará à frente da oficina “A arte de contar histórias: a contação de histórias como premissa básica para formação de novos leitores a partir do acervo que compõe o Baú de Leitura”, que acontece hoje, das 10 às 12h.

Para ele, “a grande recompensa humana [do projeto] é encontrar o outro, primeiro através das crianças, que estão trilhando um novo caminho, e a gente dá um suporte”.

Já Teddy Williams, produtor e ministrante da oficina sobre musicalização infantil, afirma que o mais importante é “saber que você está contribuindo para a transformação social”, além de conhecer autores e colecionar experiências.

Confira a programação completa do evento:

> Quarta (07)

08h – Café da manhã e credenciamento para oficinas

08h30 – Abertura – Pequeno histórico sobre o Baú da Leitura e suas ações nas comunidades com Débora Pinho (Enel Brasil)

09h – Palestra – “O retrato da leitura no Brasil e no Ceará”, com o secretário adjunto da Secult, Fabiano dos Santos, e a coordenadora da COPLA/Secult, Mileide Flores

10h às 12h – Oficina – A arte de contar histórias: a contação de histórias como premissa básica para formação de novos leitores a partir do acervo que compõe o Baú de Leitura, com Raimundo Moreira

10h às 12h – Musicalização infantil: a música como instrumento para sensibilização nas contações de histórias e rodas de leitura, primando aproximar os pequenos leitores das bibliotecas, com Teddy Williams

13h30 – Apresentação artística

14h às 17h – Oficina – Dinamização do acervo: como desenvolver um projeto de leitura que tenha como premissa básica contribuir para a formação de novos leitores a partir do acervo do projeto Baú de Leitura, com Mara Monteiro

14h às 17h – Oficina – Criando repertório de histórias contadas e lidas para o público de diferentes etapas, com Luisete Carvalho

 

> Quinta (08)

08h30 – Apresentação cultural no pátio da Coelce

09h às 12h – Acervo e afetividade: vivências de leitura – noções básicas de organização de acervos nas bibliotecas comunitárias, com Ana Maria de Sá

13h às 16h30 – Oficina – Musicalização infantil: a música como instrumento para sensibilização nas contações de histórias e rodas de leitura, primando aproximar os pequenos leitores das bibliotecas, com Teddy Williams

14h às 17h – Oficina – Contação de histórias: Quem conta as histórias que nos fazem voar?, com Tâmara Bezerra

 

> Sexta (09)

08h30 – Informes sobre o Sistema Estadual de Bibliotecas, com Aparecida Lavor e Valdenir Braga

10h – Entrega de 15 Baús de Leitura, com presença do presidente da Coelce

 

*Por Rosiane Melo – Estagiária do Núcleo de Entretenimento

 

12:10 · 28.09.2015 / atualizado às 12:48 · 28.09.2015 por
Affonso Solano recebe fãs em evento na Livraria Cultura, no domingo
Affonso Solano recebe fãs em evento na Livraria Cultura, domingo

Olha que legal! O Sopa de Livros entrevistou, por telefone, o podcaster e escritor de fantasia Affonso Solano, que esteve ontem (27) na Livraria Cultura de Fortaleza para bater um papo com seus leitores e aproveitou para lançar na capital cearense sua nova obra, “O Espadachim de Carvão e as Pontes de Puzur”.

O livro é o segundo volume da saga “O Espadachim de Carvão”, que narra as aventuras do herói Adapak, um jovem semideus de pele negra e olhos brancos, que vive em um universo fantasioso chamado Kurgala. “O primeiro livro foca no Adapak, como uma ferramenta de apresentação daquele mundo. No segundo livro, a gente expande o mundo de duas pessoas, há uma nova personagem e a história é contada em diversos pontos de vista, todos convergindo em um objetivo final”, adianta o autor.

———————————————————————

Sinopse:

Capa de "O Espadachim de Carvão e as Pontes de Puzur" (R$ 27,90)
Capa de “O Espadachim de Carvão e as Pontes de Puzur” (R$ 27,90)

 

“Ninguém viaja mais rápido que Puzur.” Lutando para se adaptar ao mundo dos mortais, Adapak se refugia no navio de Sirara, farto de lidar com os segredos do passado. Mas quando um antigo diário cai em suas mãos, o Espadachim de Carvão acaba por mergulhar nos registros de alguém responsável por influenciar não somente sua vida, mas a história de Kurgala – uma menina forçada a acompanhar a jornada de um ladrão desesperado, disposto a violar as regras mais antigas que os Quatro Que São Um deixaram para trás. Quem foi Puzur? O que procurava? Enquanto viaja pelas páginas do tempo, Adapak desconhece que sua curiosidade está prestes a colocá-lo sob a ameaça de algo que ele mesmo possa ter desencadeado.

 

 

——————————————————————–

Se você não conhece o escritor brasileiro, podemos apenas dizer que Solano faz um pouco de tudo e é bastante “idolatrado” no universo nerd. Além de ilustrador, storyboarder e colunista do site Omelete, ele é mais conhecido por ser co-criador do projeto Matando Robôs Gigantes (hoje incorporado ao grupo Jovem Nerd), em que discute, através de podcasts e videocasts semanais, tudo sobre o mundo do cinema, games e quadrinhos, ao lado de Diogo Braga e Beto Estrada.

“Com certeza eu sou nerd”, ele responde quando interrogado sobre as influências do universo geek em sua vida.  Para ele, “o nerd é uma pessoa que precisa descobrir e saber mais sobre tudo que consome”.

O gosto por essa cultura começou na infância, período em que ele se define como “tímido”. Ser um observador não-participante, segundo ele, foi um aspecto fundamental para que se descobrisse escritor. “Pela instrospecção, você é muito mais observador do que a maioria das pessoas. Você entende como elas se comportam.”

Foi a família que o fez criar gosto pela fantasia, após tentativas frustradas em simpatizar com os clássicos. “Não me identificava”, confessa. O pai, um fanático por histórias em quadrinhos, e mãe, assídua leitora, o introduziu a Julio Verne e tantos outros autores do gênero. Na adolescência, já explorava sua veia artística ao desenhar quadrinhos.

Affonso Solano
Affonso Solano

Ler fantasia era simples, mas escrever no gênero foi um processo difícil. “Quando eu me inseri no cenário da fantasia nacional, ele ainda sofria muito preconceito, mas assim que me lancei nesse universo, encontrei um ambiente muito mais receptivo”, admite.

Esse clima de “receptividade” tem uma explicação. Quando lançou seu primeiro livro de fantasia, “O Espadachim de Carvão”, em 2013, Solano já era bastante conhecido no meio em que atua. O número significativo de fãs e admiradores de seu trabalho, ele aponta, facilitou o sucesso da obra.

No entanto, o autor que precisou terceirizar muitas de suas atividades para se dedicar diariamente em uma rotina rígida de escrita – escreve das 8h às 12h todos os dias, religiosamente -,  afirma que teve todo o cuidado para não cair no estereótipo “biografia de blogueiro/vlogueiro”, que é uma verdadeira febre atualmente no mercado editorial.

A complexidade e imersão de suas histórias é um ponto bastante elogiado pelos leitores e críticos. Solano se dedica ao mundo de “O Espadachim de Carvão”, que surgiu como um bem-sucedido projeto de HQ para o Omelete, há 10 anos e faz questão de enfatizar que o sucesso que hoje possui foi construído com dedicação.

“Você tem que sangrar para outras mídias, fazer as viagens, ir a feiras, encontros, ser uma pessoa pública. Se o seu material não vencer por conta própria, ele não continua”, afirma.

Como prova de sua disposição integral para proporcionar aos fãs a maior diversidade da experiência, Solano esteve na Bienal do Livro do Rio para lançar “O Espadachim de Carvão e as Pontes de Puzur”, onde permaneceu por quatro dias de autógrafos, das 15h às 22h. Além da sessão de autógrafos, a editora Leya levou um cosplay de Adapak para interagir com os fãs. O próprio Solano diz que, nos encontros, gosta de fazer apresentações de slides sobre todo o seu processo criativo, apresentando desde o surgimento da ideia para um livro, até a construção das ilustrações, da capa e a impressão.

Uma estátua colecionável do herói semideus, esculpida por Eddie Vieira,  também responsável pelos colecionáveis das Graphics MSP, que já criam colecionáveis para a Turma da Mônica, também está em pré-venda para o delírio dos fãs.

Estátua de Adapak, primeiro colecionável da saga "O Espadachim de Carvão"
Estátua de Adapak, primeiro colecionável da saga “O Espadachim de Carvão”

Em dezembro, o autor participa da Comic Con Experience, um dos maiores eventos geek da América Latina, que acontece em São Paulo. Ele adiantou para o Sopa que estará lançando no evento uma história em quadrinhos com um conteúdo extra (e inédito) sobre as aventuras de Adapak.

PROJETOS 

Sobre o futuro literário de O Espadachim de Carvão, Solano é aberto: “Não é uma trilogia, é uma série de livros. Não quero limitar a história apenas aos livros. Estou focando em consolidar o nome da série.”

E com esse intuito, o autor revelou que será produzida uma animação de 10 episódios sobre a história. Atualmente, Solano estuda vender o produto final para canais nacionais e internacionais, sem descartar serviços de streaming como o Netflix e a própria internet.

E os projetos vão para além da saga. “Gostaria de lançar outros livros. Estou produzindo uma antologia de contos de horror com os meus irmãos, e pretendo lançar uma série de ficção científica”.

EVENTO NA CULTURA

Affonso Solano pousa ao lado de fãs em evento na Livraria Cultural
Affonso Solano pousa ao lado dos leitores Maggie Paiva e Lucas Bernardo em evento na Livraria Cultura

Como dissemos anteriormente, Affonso Solano esteve na Livraria Cultura, na tarde de ontem, e recebeu dezenas de fãs.

Um dos fanáticos pelo escritor, o estudante Lucas Bernardo Reis admite que o escritor brasileiro possui um diferencial em sua escrita: “Eu conheci o Affonso pelo podcast do MRG e só depois que vi os escritos dele no Omelete. O que eu acho legal é que ele cria uma fantasia muito diferente, mas também porque o personagem Adapak é muito cativante. Os livros são pequenos e é uma leitura mais rápida”.

Fortaleza foi a última cidade da turnê de lançamento de “O Espadachim de Carvão e as Pontes de Puzur”, que já passou por cidades como São Paulo, Brasília e Porto Alegre.

 

*Por Rosiane Melo – Estagiária do Núcleo de Entretenimento

08:46 · 22.09.2015 / atualizado às 08:59 · 22.09.2015 por

 

Entre os dias 24 e 26 de setembro, o Centro Cultural Banco do Nordeste hospeda o LAMPARINA DE HISTÓRIAS: Festival Nacional de Contos Populares, evento que reúne uma programação vasta e gratuita em três dias intensos de apresentações artísticas, oficinas, exposição e venda de livros e cordéis.

fotos (1)

 

O evento pretende enaltecer o antigo e sensível trabalho de contadores de história e sua importância para a cultura popular.

Nesta edição, a tradição oral é festejada nas vozes dos poetas da terceira idade: Auristela Câmara, Terezinha de Jesus, Osamilca de Abreu, Vicente Chagas, Airton Barbosa, Aldenor Miranda e João Evangelista Ferreira; dos narradores urbanos: Paula Yemanjá, Nádia Aguiar, Marcos Melo, Tâmara Bezerra, Grupo Era Uma Vez, Cia Catirina, Casa do Conto e dos poetas, repentistas e cordelistas: Zé Maria de Fortaleza, Antônio Jocélio, Paiva Neves e Klévisson Viana. Tendo como convidados especiais na noite do dia 26 o contador de histórias de São Paulo: Zé Bocca e o musico Marcos Boi.

Vale a pena conferir!

 

Serviço

Festival Nacional de Contos Populares

Dias 24 a 26 de setembro, no Centro Cultural Banco do Nordeste

Informações: (85) 98526-1201/ 98894-2141/ 3252-3343 (Júlia Barros ou Almir Mota)

 

*Por Rosiane Melo – Estagiária do Núcleo de Entretenimento

 

Pesquisar

Sopa de Livros

Blog da jornalista Kelly Garcia, da área Entretenimento, do Diário do Nordeste.
Posts Recentes

02h03mPara marcar na agenda

02h03mEm entrevista, Jorgeana Jorge revela seu processo de criação

03h03mAutor cearense Jairo Sarfati fala sobre seu livro e novos projetos

02h03mPara marcar na agenda

11h03mUFC lança livros-reportagem nesta quarta-feira

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs