Busca

Categoria: Jazz


06:04 · 08.01.2016 / atualizado às 06:04 · 08.01.2016 por
O inglês é o aniversariante do dia! Parabéns, queridão!
O inglês é o aniversariante do dia! Parabéns, queridão!

Nesta sexta-feira (8), o Camaleão completa 69 anos e quem ganha presente são os fãs. Em seu aniversário, David Bowie resolveu celebrar a vida e sua obra lançando “Blackstar“, o 28º registro de estúdio, que já pode ser adquirido hoje pelos fãs em formatos físico e digital.  O que torna o trabalho mais especial é o repertório integralmente inédito.

>Aniversariante nesta sexta (8), saiba o que Bowie fazia na sua idade; faça o teste!

São 7 canções com cerca de 40 minutos em que o astro britânico explora elementos do jazz e batidas eletrônicas com influências ainda do hip hop. Novamente a produção fica a cargo de Tony Visconti, parceiro das antigas do cantor e responsável inclusive pelo “The Next Day” (2013). Participam ainda do trabalho o rapper Kendrick Lamar e James Murphy do LCD Soundsystem, além de um grande time de músicos experientes oriundos do jazz.

Bowie super ativo!

Apesar de não querer conversa com negociações envolvendo shows, o veterano nunca esteve tão ativo. Além do novo álbum, Bowie trabalhou intensamente no musical “Lazarus”co-assinando roteiro e produzindo a trilha sonora do espetáculo, que conta  com o ator Michael C. Hall (do seriado “Dexter”) no papel principal. Por sinal, a canção-título da peça, a dramática “Lazarus”, faz parte do “Blackstar” e teve clipe divulgado ontem (dia 7).

No vídeo sombrio, Bowie sofre alucinações e reencarna novamente o “Button Eyes“, uma “persona” estranha que usa uma máscara com botões que já havia aparecido no primeiro clipe, “Blackstar”.  De acordo com o diretor sueco Johan Renck, “um tipo de introvertido, um cego atormentado”. Veja:

YouTube Preview Image

Também pediram ao Bowie que produzisse a música-tema de “The Last Panthers”, série britânica sci-fi dirigida pelo mesmo Renck (parece ser o seu novo BFF hehehe). O nome da faixa é “Blackstar”, que também inspira o novo lançamento, aspirante já a um dos melhores discos de 2016 😉

YouTube Preview Image

 

12:01 · 21.10.2015 / atualizado às 12:01 · 21.10.2015 por
O projeto Jazzin acaba de retornar de apresentações em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte
O projeto Jazzin acaba de retornar de apresentações em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte

A Zug Choperia vem se tornando ponto de encontro para os amantes do jazz às quartas-feiras, a partir das 21h, em Fortaleza. O Jazzin é comandado por ninguém menos que Moacir Bedê, Márcio Resende, Fábio Amaral e André Benedict, alguns dos melhores músicos do Ceará. A partir da noite de hoje, o projeto ganha nova voz com Raara Rodrigues.

Raara Rodrigues tem influências de Tom Jobim à Chet Baker, Sarah Vaughan à Nara Leão, e busca traduzir a emoção dos clássicos da MPB e dos standards do jazz com a sua voz que capta o ouvinte de primeira. Iniciado na Zug Choperia, que já completa 15 anos, o Projeto Jazzin acaba de voltar de apresentações em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

 

11:59 · 30.09.2015 / atualizado às 11:59 · 30.09.2015 por
Simon-Kinny Lewis é atração nesta qarta (30) no Café Pagliuca
Simon-Kinny Lewis é atração nesta qarta (30) no Café Pagliuca

Antes de se apresentar no BSB Garage, nesta quinta (dia 1º), o guitarrista australiano Simon-Kinny Lewis inicia sua mini tour por Fortaleza hoje, a partir das 22h, no Café Pagliuca, casa que é referência na Capital no quesito jazz e blues. No show desta quarta (30), o artista se  apresenta acompanhado do baterista Tony Boyd, do baixista Hamilton de Castro e do também guitarrista Felipe Cazaux, este em participação especial.

O músico também tem agendada apresentações no Al Green’s Pub (quinta, 22h) e  no Rota 66 (sábado, 22h), além de  workshops na escola BSB Musical (sexta, 20h) e (sábado, 15h).

Simon já tocou e gravou com inúmeros artistas de seu país como Christian Howes, Simeon Cain. Possui a habilidade e influência de guitarristas como Richie Kotzen, Scott Henderson, Robben Ford e outros guitarristas. Lançou 3 álbuns de estilos diferentes, e esse ano o single da música “String pie” alcançou o primeiro lugar na lista de Country Independente.

O cara também já participou de inúmeros festivais e show pelo mundo, acompanhou músicos de renome e é professor de guitarra online, lançou o método “Tasty Blues licks”.

YouTube Preview Image

 

19:31 · 17.07.2012 / atualizado às 19:58 · 17.07.2012 por
Os inseparáveis e loucos Sal Paradise e Dean Moriarty, vividos pelos atores Sam Riley e Garrett Hedlund

Em meio a tantos blockbusters dominando os cinemas – vide “O Espetacular Homem Aranha”, “Valente” e “A Era de Gelo 4” (isso só para citar algumas das mais recentes estreias) -, o blog indica o “Na Estrada”, road movie que saiu da produtora do lendário Ford Coppola com direção do brasileiro Walter Salles.

Inspirado na odisseia homônima do tresloucado Jack Kerouac – clássico da geração beat dos anos 50 -, o longa ganhou um elenco razoável e uma trilha sonora à sua altura! Regadas a sexo, drogas, blues, jazz n’ roll (vale lembrar que na época o rock ainda estava começando!), as aventuras do hesitante escritor Sal Paradise (vivido aqui pelo  charmoso Sam Riley, que já foi Ian Curtis na ficção), do seu amigo alucinado Dean Moriarty (Garrett Hedlund) e de sua inebriante namorada Marylou (Kristen Stewart) são embaladas por canções, que não poderiam deixar de ser pra lá de alternativas.

A proposta é bem legal, mas abra a sua mente! Pra combinar com o espírito transgressor da história, prepare-se para uma coisa bem contemplativa meio cigarro de palha na beira da estrada e no meio do nada, sacou?

Kristen Stewart interpreta a musa Marylou

A coletânea é assinada por Gustavo Santaolalla, músico argentino que já trabalhou anteriormente com Waltinho em “Diários de Motocicleta” e tem ainda no currículo os longas “Brokeback Mountain”, “Babel” e “21 Gramas”.

No set list do CD, Santaolalla optou por composições próprias e incluiu também músicas de Ella Fitzgerald,  Son House e Slim Gaillard, este último chega até ser citado no livro de Kerouac. Ok, fora a Fitzgerald, podem não ser tão conhecidos do grande público, mas esses artistas marcaram a “negada” que curtia música de verdade nos loucos 50’s .

Tentei postar aqui algumas músicas do disco, mas essas faixas são bem difíceis de achar.

Segue aí uma mostrinha dessa “viagem” musical!

YouTube Preview Image YouTube Preview Image YouTube Preview Image YouTube Preview Image

 

*Trilha “Na Estrada”

1. Sweet Sixteen – Greg Kramer
2. Roman Candles
3. Yep Roc Heresy – Coati Mundi
4. Reminiscence
5. Lovin’ It
6. The Open Road
7. Memories / Up to Speed
8. I’ve Got the World on a String – Ella Fitzgerald
9. That’s It
10. Keep it Rollin’
11. Hit That Jive Jack – Slim Gaillard
12. God Is Pooh Bear
13. Death Letter Blues – Son House
14. I Think of Dean
15. Jack Kerouac Reads ‘On the Road’ – Jack KerouacGarrett Hedlund

YouTube Preview Image
08:43 · 21.03.2012 / atualizado às 08:43 · 21.03.2012 por
Herbie Hancock: o cara que fez acontecer e estabeleceu o Dia Internacional do Jazz

Achei muito justo o jazz ganhar um dia só seu! O rock também não tem o seu, que é comemorado no dia 13 de julho? Pois então… Foi Herbie Hancock, uma das maiores da atualidade no gênero, quem institucionalizou e anunciou a criação do Dia Internacional do Jazz. Para quem não sabe, o pianista é também embaixador da boa vontade da Unesco. Esse é o fraco!

Segundo o americano, a ideia é homenagear e promover o gênero no mundo. Por enquanto, só não se sabe o motivo especial para a escolha de 30 de abril, mas pode ter sido algo aleatório… Tipo, no calendário anual, foi o que sobrou… Se fosse no Ceará, certeza que a data selecionada seria o Carnaval… Acho que o Hancock não iria achar ruim não… Quatro dias de festa? Nada mal!

“Muitos países foram afetados de maneiras muito cruciais pela presença do jazz”, disse Hancock à revista norte-americana Billboard. “O jazz foi a voz da liberdade em tantos países durante a metade do século passado. (…) [Essa data] é realmente sobre o aspecto diplomático internacional do jazz e como ele foi, durante boa parte de sua história, uma grande força ao unir pessoas de vários países e culturas diferentes”, afirma o ex-integrante do Miles Davis Quintet.

A notícia é super recente. Por enquanto, ainda não foram anunciadas ações comemorativas à data no Brasil, mas, claro, deverá rolar uns showzinhos, né? Se o pessoal do festival BMW Jazz soubesse antes, talvez não teria anunciado hoje a sua segunda edição para junho (de 8 a 10, em São Paulo, e de 11 a 13, no Rio).

Comemorações

Na França, os festejos do Dia do Jazz começarão a partir de 27 de abril com um evento na sede da Unesco em Paris, com palestras, discussões e workshops, além de um show com a participação de Hancock e da brasileira Tania Maria, entre outros.

No dia 30 de abril, Hancock subirá novamente aos palcos no local em que é considerado o berço do jazz, a Congo Square de Nova Orleans, nos Estados Unidos.

Abaixo, dá uma olhada no vídeo no mestre Herbie Hancock cantando com a Céu! 

YouTube Preview Image