Busca

Categoria: Cuidados com o Zika Vírus


17:53 · 05.02.2016 / atualizado às 17:53 · 05.02.2016 por

Com o carnaval chegando, é preciso redobrar os cuidados e proteção contra o Zika Vírus. Bloquinhos de rua, curtição na praia ou campo é delicioso e merecido, mas, cuidado!  A exposição aos mosquitos é maior. Por isso, é de extrema importância se proteger e usar um repelente eficaz.  Confira as dicas da bióloga Julinha Lazaretti
Como funciona o repelente? Ele repele devido ao cheiro?
Sim os repelentes agem formando uma “nuvem” de odor repulsivo aos insetos.

imagem_release_587719Tenho que passar de quanto em quanto tempo?
Como a eficácia depende de muitas variáveis, o ideal é que se use na frequência do menor tempo indicado no rótulo, pois os testes são feitos em ambientes controlados, diferente do que encontramos no dia a dia. Para os repelentes com Icaridina, o ideal é que reaplique a cada 7 horas nas temperaturas abaixo de 30ºC e a cada 4 horas nas temperaturas acima de 30ºC.

Existe um horário do dia que preciso dobrar a atenção e não ficar sem repelente?
Cada inseto possui um hábito diferente do outro. O Aedes Aegypt, por exemplo, tem o hábito de se alimentar mais ao amanhecer ou ao entardecer e costuma agir a meia altura, ou seja, nas pernas de um indivíduo em pé.

Sobre usá-lo por cima da roupa, até que ponto isso é necessário? O mosquito pode picar por cima da roupa?
Existe uma polêmica sobre este assunto. Alguns especialistas afirmam que os mosquitos podem picar por cima da roupa sim, portanto, na dúvida é recomendado o uso do repelente sobre a roupa também, principalmente as que possuem tecidos com tramas mais largas, por onde o inseto possa picar.

Como deve ser usado em relação ao protetor solar, hidratante e maquiagem?
Os repelentes de Icaridina devem sempre ser usados por último, pois sua ação se dá pela vaporização do princípio ativo que forma uma “nuvem” sobre a pele e assim repele os insetos. O ideal é que seja utilizado 15 ou 20 minutos após a aplicação de outro produto (protetor solar, hidratante ou maquiagem).

Como o repelente deve ser aplicado (em quais partes do corpo) e qual a sua durabilidade na pele?
O repelente deve ser aplicado uniformemente nas áreas expostas do corpo. Vale ressaltar que sua ação só é observada muito próxima ao local aplicado, por isso é muito importante que a aplicação seja uniforme. Para evitar a inalação direta do repelente, nas partes altas do corpo como braços, colo, pescoço e rosto, recomenda-se que a aplicação do spray seja feita primeiro na mão e depois espalhada nestas regiões.

A repelência em testes variou em torno de 7 horas, mas esta eficácia depende da temperatura ambiente já que quanto mais alta menor o tempo de repelência. É recomendado que a gestante, por exemplo, reaplique no máximo 3 vezes ao dia com intervalos de 4 horas, uma vez que estamos no alto verão e as temperaturas podem ficar bem elevadas. “É muito importante utilizar outros métodos de proteção como ficar longe dos focos de mosquito e o uso de roupas compridas. Sempre antes da utilização de qualquer produto a gestante deve consultar seu médico para que ele faça uma avalição e recomende a melhor dosagem e cuidados”, alerta a bióloga.

O uso diário desse tipo de repelente durante toda a gestação pode acarretar em quais problemas para a mãe e para o bebê?
As grávidas devem evitar qualquer tipo de repelente caseiro, pois além de não terem passado por nenhum tipo de teste de segurança como os comercializados podem não ser eficientes, deixando a gravida exposta aos riscos de contaminação pelo Zika.

imagem_release_587729Os repelentes de mercado são obrigados a passar por testes de segurança e são avaliados pela ANVISA. Os à base de Icaridina podem ser utilizados em crianças acima de 2 anos e portanto são os que conseguem oferecer a melhor eficiência com menor risco. “Embora este tipo de repelente já seja usado há mais de 20 anos na Europa e venha apresentando excelentes resultados e baixíssimos riscos, não há testes realizados em grávidas, por isso o uso deve ser criterioso e acompanhado pelo obstetra”, esclarece  a bióloga Julinha Lazaretti.