Busca

Categoria: Vacina na cura da acne


01:06 · 17.01.2013 / atualizado às 01:06 · 17.01.2013 por

Olá, galerinha!

Você têm problemas com acne? Acompanhe as dicas da doutora Luciana Costa e saiba como elas surgem e como podem ser tratadas. Confira!

Foto: Zilda Queiroz

“O nosso sistema imune foi forjado juntamente com a vida bacteriana e viral. Temos em nosso corpo células que reagem prontamente a esses seres (que aqui chamaremos de antígenos, pois são substâncias estranhas ao nosso corpo) originando os sinais que reconhecemos como infecção: febre, coceiras, dores de garganta, calafrios dentre outros. São todos resultados dessa interação entre ser humano e micróbio”, esclarece.

            Segundo a especialista, no caso da acne esse modelo se adéqua perfeitamente, pois na presença da bactéria causadora da acne, chamada Propionebacterium acnes, a pessoa poderia desenvolver a infecção, que seria a própria acne, vulgarmente conhecida como “espinha”, que nada mais é do que uma resposta do corpo na tentativa de expulsar a bactéria infecciosa. Essa reação pode ser classificada como leve, moderada ou grave.

           “Nos casos moderados a graves teremos aquela reação acneica com pústulas dando as cicatrizes em momento posterior. Já os casos leves, seriam aqueles que a “briga” entre o portador e a bactéria é branda.  Durante anos, perseguimos um tratamento eficaz contra esse problema de saúde, mas uma abordagem infecciosa surgiu há pouco mais de trinta anos. A vacina consiste em “driblar” o sistema imune para que este não entre em confronto direto com a bactéria e assim não der origem às “espinhas”, podemos por outro lado aumentar também a imunidade. Ambas as ações são benéficas. Ambas conseguidas com a vacina”, afirma.

 

 

Foto: Zilda Queiroz

Para um resultado eficaz, Luciana Costa diz ser  necessário nove doses, sendo uma a cada dois ou três meses. “Uma dose custa em torno de 350 reais. A melhora ocorre a partir da terceira dose, porém há relatos de mulheres que tomaram a primeira dose e já sentiram melhora.  Como resultado podemos ter a cura ou a pessoa poderá ficar tomando uma vacina por ano de manutenção, a depender de cada caso”, conclui a especialista.