Com jogadores irregulares, Crateús pode perder até 13 pontos e salvar Ferroviário da queda

16/04/2012 - 15:15 por

O Ferroviário poderá permanecer na primeira divisão do Campeonato Cearense de 2013. A defesa do clube Coral, que ficou em 10º com 21 pontos ganhos neste campeonato, reuniu provas que garantiriam o Ferrão na elite e rebaixariam o estreante Crateús. O argumento dos Corais é que três jogadores da equipe interiorana atuaram de forma irregular em três partidas distintas, o que pode lhes custar pontos que conseguiriam salvar o Ferroviário do descenso. O que pode ser confirmado pelas súmulas das partidas.

Crateús deverá ser rebaixado para a segunda divisão do Cearense de 2013

De acordo com o clube da Capital, os jogadores Erilson Morais Maciel (Erilson), William da Silva de Lima (William Carioca) e Bruno Leandro Raposo Santana (Bruno Recife), não poderiam ter atuado, respectivamente, nas partidas Crateús 2×1 Crato (11/03), Ferroviário 3×3 Crateús (28/03) e Ceará 2×1 Crateús (05/04). Seguindo o que diz o regulamento da competição, a equipe perderia os pontos que conquistou nestas três partidas (no total de quatro) e ainda perderia mais três pontos por cada jogo (totalizando nove pontos). Somando, o Crateús poderá ter 13 pontos a menos em seus 26 pontos atuais. Com isso, a equipe iria a 13 pontos e ficaria à frente apenas do Itapipoca.

Erílson

Erilson Moura Maciel, zagueiro, 25 anos: O atleta tomou o primeiro cartão amarelo na derrota para o Horizonte por 3×2 no dia 22/01. O segundo cartão foi na partida seguinte, quando da vitória sobre o Ferroviário por 2×1, no Estádio Juvenal Melo. O terceiro amarelo veio no empate contra o Tiradentes por 1×1 também em Crateús. E nesta mesma partida, Erilson tomou ainda um quarto cartão amarelo. Como foram dois numa partida, ele levou um vermelho. Pelo que diz o  Regulamento Geral de Competições 2012, o zagueiro deveria cumprir uma partida de suspensão, mas ao retornar, ainda lhe restariam os dois cartões amarelos que ele tinha antes da partida. Erilson cumpriu suspensão em um jogo, e voltou a tomar cartão amarelo em 01/03, na derrota para o Icasa por 2×1, no Romeirão. Aí, ele completou a série de três cartões e deveria ter sido suspenso. Mas o Crateús escalou o jogador na partida seguinte, na vitória contra o Crato por 2×1, no Juvenal Melo, em 11/03. Com isto, o clube perderia seus primeiros seis pontos, três da partida e três por ter utilizado um jogador irregularmente. Isso já seria suficiente para o Ferroviário escapar do descenso.

Mas não para por aí. Erilson viria ainda a tomar mais um cartão amarelo na rodada seguinte, na vitória sobre o Guarany/Sobral por 1×0 no Junco, em 14/03. O jogador ainda foi escalado nas duas partidas seguintes, contra o Itapipoca (4×2, em casa, em 18/03) e contra o Trairiense (derrota por 2×0 no Barrosão, em 21/03). Nesta última partida, o atleta ainda tomou mais um cartão amarelo. Só então, na partida seguinte, na derrota por 4×1 para o Guarani/Ju em 25/03, no Juvenal Melo, Erilson cumpriu a suspensão, quando já contabilizava cinco cartões amarelos tomados.

William Carioca

William Silva de Lima, meia-atacante, 30 anos: O primeiro cartão amarelo de William Carioca foi na derrota para o Horizonte, por 3×2, no Domingão, em 22/01. Na rodada seguinte, em 25/01, o Crateús venceu o Ferroviário por 2×1 no Juvenal Melo, e o atacante levou seu segundo amarelo. Quase dois meses depois, em 21/03, o Trairiense venceu o Crateús por 2×0 no Barrosão e William Carioca tomou um cartão amarelo e um cartão vermelho direto. Pelo Regulamento Geral de Competições 2012, ele deveria assim ter ficado 2 jogos fora, um pela sequência de 3 amarelos e outro pelo vermelho.

O atleta ficou de fora da partida seguinte, na derrota para o Guarani/Ju por 4×1 em 25/03, mas retornou no jogo seguinte, no empate em 3×3 contra o Ferroviário, em 28/03, no PV. Nesta partida, William ainda tomou outro cartão, que seria o seu quarto amarelo. No jogo seguinte, no empate contra o Horizonte em 1×1, em 31/03, William finalmente cumpriu sua suspensão.

Bruno Recife

Bruno Leandro Raposo Santana, zagueiro, 25 anos: Logo na primeira rodada, no empate em 2×2 contra o Guarani/Ju, no Romeirão, em 18/02, Bruno Recife tomou o primeiro cartão amarelo. Na rodada seguinte, na derrota por 3×2 para o Horizonte em 22/01, Bruno tomou dois cartões amarelos e um vermelho. Com isso, ele deveria cumprir suspensão em uma partida, e retornaria ainda com um cartão amarelo acumulado (o primeiro, visto que os dois amarelos se anulam pelo vermelho tomado em conjunto, apenas).

Bruno cumpriu suspensão automática na partida seguinte na derrota por 1×0 para o Crato em 28/01 no Mirandão. Em 12/02, o Crateús empatou em 1×1 com o Tiradentes no Juvenal Melo e Bruno levou mais um cartão amarelo – o seu segundo, no somatório. Então, em 31/03, no empate em 1×1 com o Horizonte, no Juvenal Melo, Bruno Recife tomou mais um cartão amarelo, o seu terceiro. Ao invés de cumprir a suspensão automática pelos três cartões, Bruno atuou na derrota por 2×1 para o Ceará, em 05/04, no PV. Na ocasião, ele ainda tomou seu quarto cartão amarelo. E Bruno ainda jogou na partida seguinte, na derrota para o Tiradentes por 3×2, no PV, em 09/04, quando o zagueiro ainda tomou mais um cartão amarelo – o seu quinto, em sequência, cumprindo a suspensão apenas na última rodada, na derrota para o Fortaleza por 2×1, no último domingo (15/04), no Juvenal Melo.

Crateús se defende

“O que nós olhamos no regulamento é que quando o jogador recebe numa partida um amarelo e depois outro amarelo seguido do vermelho, o regulamento diz que prevalece o vermelho. Na nossa contagem de amarelo, ele eliminava o segundo cartão que provocou o vermelho. No caso, a gente contabiliza o primeiro cartão”. Esta foi a afirmação de defesa do presidente do Crateús Esporte Clube, Franzé Martins. E foi aí o equívoco da equipe. Como diz o  Regulamento Geral de Competições 2012, o atleta deve cumprir uma partida de suspensão, mas ao retornar, ainda lhe restam os cartões amarelos que tinha antes da partida.

Para o dirigente, a hora é de esperar o que vai acontecer, para só então pensar numa defesa. “Estamos esperando que o Feroviário dê entrada na Federação para ver o que iremos fazer. Estamos tranquilos”, afirmou.

De acordo com Franzé, os atletas William Carioca e Erilson deixaram o Crateús no final de março e estão defendendo o Boa Viagem na segunda divisão deste ano. Apenas Bruno Recife permanece no elenco, até o momento.

Franzé afirmou que quem faz a contagem dos cartões no Crateús é um supervisor. E por conta disso, o clube está confiante em não ser punido. “Estamos tranquilos, pela lei que lemos, estamos entendendo que seja desse jeito. Acho que jogamos limpo, estamos com o regulamento embaixo do braço e o que tínhamos de fazer era jogar bola, e ganhamos dentro de campo. Agora, se os outros não fizeram e querem recorrer, é um direito que lhes assiste. Mas estamos conscientes de nosso trabalho, que foi feito com transparência e tranquilidade. Estamos aguardando, pois quem tem que provar são eles”, concluiu.

Representação Coral

Pelo lado Coral, quem tomou a frente foi o vereador e ex-presidente do clube Carlos Mesquita. “Não tenho interesse em ir para diretoria ou presidência do clube. Mas estou nessa briga e vou até o fim para manter o Ferroviário na primeira divisão”, afirmou categórico. Segundo o ex-presidente, haverá uma reunião às 8h da próxima terça-feira (17) com o advogado que representará o Ferroviário junto à Justiça Desportiva e a Federação Cearense de Futebol.

O que diz a lei

Vejamos o que diz o Código Brasileiro de Justiça Desportiva, em seu artigo 214:

Art. 214. Incluir na equipe, ou fazer constar da súmula ou documento equivalente, atleta em situação irregular para participar de partida, prova ou equivalente. (Redação dada pela Resolução CNE nº 29 de 2009).
PENA: perda do número máximo de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente, e multa de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais). (NR).
§ 1º Para os fins deste artigo, não serão computados os pontos eventualmente obtidos pelo infrator. (NR).
§ 2º O resultado da partida, prova ou equivalente será mantido, mas à entidade infratora não serão computados eventuais critérios de desempate que lhe beneficiem, constantes do regulamento da competição, como, entre outros, o registro da vitória ou de pontos marcados. (NR).
§ 3º A entidade de prática desportiva que ainda não tiver obtido pontos suficientes ficará com pontos negativos.
§ 4º Não sendo possível aplicar-se a regra prevista neste artigo em face da forma de disputa da competição, o infrator será excluído da competição. (NR).

E aqui, o artigo do Regulamento Geral das Competições 2012:

Art. 55º – O atleta expulso de campo ficará automaticamente impedido de participar de partida subsequente do mesmo campeonato ou torneio, de acordo com as normas vigentes.
 Parag. 1º – Se o julgamento ocorrer depois do cumprimento da suspensão automática e o atleta for suspenso por partidas, será deduzida da penalidade imposta à partida não disputada em consequência da expulsão.
Parag. 2º – O atleta advertido com o 3º (terceiro) cartão amarelo também ficará automaticamente impedido de participar da partida subsequente da mesma competição.
Parag. 3º – Se a partida subsequente for adiada o cumprimente ocorrerá na partida imediata posterior.
Parag. 4º – Os atletas que por motivos disciplinares estejam impedidos de participar de uma partida, suspensa ou anulada, continuarão impedidos de atuar, quando a mesma for remarcada.
Parag. 5º – O controle da contagem do número de cartões amarelos e vermelhos recebidos pelo atleta é de exclusiva responsabilidade das entidades de prática disputantes da competição.
Parag. 6º – Quando um atleta foi advertido com um cartão amarelo e, porteriormente, for expulso de campo com a exibição direta de cartão vermelho, serão considerados o cartão amarelo e o cartão vermelho.
Parag. 7º – Quando um atleta foi advertido com um cartão amarelo e, posteriormente, receber o segundo cartão amarelo, com a exibição consequente do cartão vermelho, será considerado apenas o cartão vermelho.

Veja entrevista com Carlos Mesquita, ex-presidente do Ferroviário:

Categoria: Arquivo

Enviar para o Kindle

Posts relacionados

blog comments powered by Disqus

Time de fora?

Blog sobre futebol da editoria Jogada, do Diário do Nordeste.

Autores