Buffon bate recorde de tempo sem tomar gols na Itália e escreve carta… às traves

22/03/2016 - 12:14 por

(Foto: AFP)

(Foto: AFP)

Aos 48 minutos do jogo entre Torino e Juventus, pela Série A italiana, o atacante Andrea Beloti, de penâlti interrompeu uma sequência de invencibilidade de Gianluigi Buffon, mas impediu o goleiro da ‘Velha Senhora’ de se tornar o goleiro que passou mais tempo sem tomar gols pela primeira divisão da Itália.

A ‘Juve’, na ocasião, venceu o Torino por 4 a 1.

O goleiro da seleção italiana passou 973 minutos sem ser superado pelos atacantes, superando a marca de 929 de Sebastiano Rossi, que defendeu o Milan na década de 1990.

Depois de confirmar o feito, Buffon publicou uma carta nas redes rociais em homenagem… às traves, que ele tanto procurou evitar olhar. Virado de costas para as redes, o goleiro reafirmou a vontade de permanecer defendendo as cores da Juventus, citando ainda cada um dos jogadores que o ajudaram a bater o recorde, incluindo os brasileiros Hernanes e Alex Sandro.

Confira trechos dessa ode ao gol de Gianluigi Buffon:

Tinha 12 anos quando virei minhas costas a você. Reneguei meu passado para garantir um futuro seguro.
Uma escolha do coração.
Uma escolha do instinto.
No mesmo dia em que parei de olhá-lo na cara, porém, comecei a te amar.
A te proteger.
A ser o seu primeiro e último instrumento de defesa.
Prometi a mim mesmo que faria de tudo para que meus olhos não voltassem a cruzar com os seus. Ou que o faria o mínimo possível. Mas foi um sofrimento cada vez que me virei e percebi que eu o havia decepcionado.
Novamente.
E novamente.
Sempre fomos opostos e complementares, como a Lua e o Sol. Forçados a vivermos um ao lado do outro, sem podermos nos tocar. Companheiros de vida aos quais o contato foi negado.
Mais de 25 anos atrás eu fiz o meu voto: jurei protegê-lo e guardá-lo. Fui um escudo contra os seus inimigos. Sempre pensei no seu bem, colocando-o sempre à frente do meu. E, todas as vezes que me virei, tentei apoiar a sua expressão decepcionada com a cabeça erguida, mas conscientemente me sentindo culpado.
Tinha 12 anos quando virei as costas para o gol.
E continuarei a fazê-lo, enquanto minhas pernas, minha cabeça e meu coração permitirem.

Nenhum recorde é filho de uma única pessoa e não se é número 1 fora de um grupo: logo, quero agradecer…
… Neto pela tranquilidade que passa ao time sempre que sobe ao gramado
… Rubinho, líder paciente e silencioso
… Chiellini, porque #atéofimdalinha ele não desiste
… Caceres, pelo entusiasmo que demonstra mesmo nos momentos mais difíceis
Alex Sandro porque vê-lo passar por um homem é sempre um prazer
… Barzagli: precisamos cloná-lo, rápido
… Bonucci, pela sua personalidade, sempre de cabeça erguida, sempre ao serviço da equipe
… Rugani, porque escutar é um dom raro
… Stephan (Lichtsteiner), as pernas e o pulmão desta Juve
… Evra, se não fosse nosso, precisaríamos comprá-lo
… Khedira, o homem certo no lugar certo
… Marchisio, o único jogador que conheço nas cores preto e branco
… Pogba, porque ele não vive o futebol, ele o inventa
Hernanes, porque toda equipe precisa ter o próprio Profeta
… Lemina, simplesmente um da Juventus
… Padoin, joga onde o colocarmos e joga bem
… Asamoah, sua vontade de jogar futebol é mais forte que qualquer lesão
… Sturaro, “lutar, cair, levantar e sempre vencer”
… Pereyra, porque a fantasia é o sal deste esporte
… Zaza, nascido para fazer gol de qualquer lugar
… Morata, para ele, há sempre uma necessidade
… Cuadrado, porque sempre que sai correndo parece dizer “prenda-me se for capaz”
… Mandzukic, o primeiro atacar e o primeiro a defender
… Dybala, se depois de Thuram, Zidane e Pirlo, recebeu a camisa 21, há um motivo
… e ao treinador, um vencedor no templo da vitória!

Categoria: Campeonato Italiano, Futebol Europeu

Comentários

Enviar para o Kindle

Cria do Napoli ignorou Maradona e usou primeiro salário para comprar chuteira de Ronaldo

22/01/2016 - 14:45 por

Lorenzo Insigne marcou dois gols na goleada do Napoli sobre o Milan, na atual temporada (Reuters)

Lorenzo Insigne marcou dois gols na goleada do Napoli sobre o Milan, na atual temporada (Reuters)

O Napoli, atual líder e campeão simbólico do primeiro turno do Campeonato Italiano, tem um jogador que virou xodó da torcida: Lorenzo Insigne.

Engana-se quem pensa que o atacante (24) tem Maradona (ícone do Napoli) como seu grande ídolo. Insigne vem de origem humilde. Aos 14 anos, vendia roupas como ambulante durante a manhã e treinava futebol à tarde.

O seu primeiro salário como ambulante o fez comprar logo dois pares do modelo “R9”, o mesmo que Ronaldo Fenômeno usava. Aos 15 anos, finalmente entrou para os juniores do Napoli. E apesar da admiração por Ronaldo e a idolatria por Maradona, seu maior ídolo era um jogador da rival Juventus: Alessandro Del Piero. “Alex é um campeão correto, como Lorenzo sempre quis ser. Os exemplos são importantes”, explica seu empresário Antonio Ottaiano.

Após ser admitido nas categorias de base do Napoli, precisou de seis anos para finalmente brilhar na equipe principal. A partir de 2012, se juntou a Hamsik, Cavani e companhia para formar o time que seria campeão da Copa da Itália na temporada seguinte. No mesmo ano, recebeu sua primeira convocação para a seleção italiana.

Na temporada atual, chamou a atenção ao comandar a goleada de 4 a 0 sobre o Milan em pleno San Siro, com dois gols e uma assistência. Teve até que controlar a empolgação depois do jogo: “Por favor, não me comparem com Maradona. Ele é um Deus”.

Categoria: Campeonato Italiano

Comentários

Enviar para o Kindle

No Italiano, Felipe Melo volta a mostrar porque é conhecido como ‘pitbull’, em jogo contra a Lazio

21/12/2015 - 8:32 por

Felipe Melo é conhecido por temperamento agressivo dentro de campo (Reprodução)

Felipe Melo é conhecido por temperamento agressivo dentro de campo (Reprodução)

Não é de hoje que o jogador Felipe Melo, da Internazionale de Milão apronta nos gramados pelo mundo. Nesse domingo (20), o ex-volante da Seleção Brasileira, que ficou famoso pela expulsão nas quartas de final da Copa do Mundo de 2010, ao dar um ‘pisão’ no holandês Arjen Robben, voltou a mostra suas garras ao aplicar uma voadora no argentino Lucas Biglia, da Lazio, em jogo do Campeonato Italiano.

O árbitro da partida não pensou duas vezes e tirou o cartão vermelho do bolso, mandando o brasuca mais cedo para os vestiários. Antes disso, o volante já havia cometido um pênalti infantil aos 40 minutos do segundo tempo.

Com influência direta dos lances do ‘pitbull’ a Internazionale perdeu o conforto na liderança do Campeonato Italiano. Em plena Milão, a Lazio venceu por 2 a 1 e embolou a competição.

A derrota em casa para o adversário da capital romana deixou a Inter com 36 pontos, apenas um a mais do que Fiorentina e Napoli, que venceram Chievo e Atalanta neste domingo, respectivamente. A Juventus agora também se aproxima, com 33 depois das 17 rodadas disputadas em 2015.

Confira no vídeo abaixo a voadora de Felipe Melo no argentino Lucas Biglia:

Categoria: Campeonato Italiano

Comentários

Enviar para o Kindle

Campeonato Italiano: O que fazer para ressurgir ?; Calcio tem início neste sábado

21/08/2015 - 8:00 por

Viver do passado virou rotina para vários clubes de futebol da Itália. A safra de bons jogadores é cada vez menor e o nível de competitividade no Campeonato Italiano, que já foi o melhor e mais valorizado do mundo, diminui a cada ano. As transferências de craques renomados também não fazem mais parte do dia a dia do mercado europeu em termos de Itália, já que apenas jogadores de nível intermediário ou em baixa procuram jogar no “País da Bota”.

Trio holandês rendeu grandes conquistas para a equipe italiana Foto: Divulgação

Trio holandês rendeu grandes conquistas para a equipe rossonera
Foto: Divulgação

O Milan, por exemplo, teve um esquadrão de ouro comandado pelo grande zagueiro Franco Baresi, além dos holandeses Rijkaard, Ruud Gullit e Marco van Basten, nos anos 90. O time mágico foi capaz de conquistar tanto o Campeonato Italiano (91/92) como a Liga dos Campeões (93/94) de forma invicta, além de outros grandes feitos a nível mundial.

Paolo Maldini, Clarence Seedorf, Cafu, Kaká e outros grandes craques de várias partes do mundo se encarregaram de manter a tradição e foram campeões da ULC e do mundo, em 2007. A partir daí foi a vez da Inter de Milão deslanchar em grandes investimentos e alcançar o topo do mundo em 2010, sob o comando do polêmico técnico português, José Mourinho.

E assim também foi a história de clubes como Napoli, da dupla Careca e Maradona, a Roma, liderada por Francesco Totti e Gabriel Batistuta, a Lazio, dos argentinos Juan Sebástian Verón e Cláudio Lopez, além do hoje falido Parma, que já teve estrelas como Liliam Thuram e Hristo Stoichkov .

O que os clubes italianos não contavam é que estes jogadores um dia ficariam velhos e outros centros do futebol europeu, como Espanha, Inglaterra, Alemanha e França vinham trabalhando e se preparando a cada para se aperfeiçoar, com apoio de milionários munidos com ‘petrodólares’.Os dirigentes não foram capazes de repor peças em alto nível ou investir em novos talentos.

Dupla, que deixou a Juve recentemente, ajudou a Veccia Signora na conquista do tetracampeonato italiano Foto: Reuters

Dupla, que deixou a Juve recentemente, ajudou a Vecchia Signora na conquista do tetracampeonato italiano
Foto: Reuters

Eis então que ressurge a Juventus de Turim. O clube que mais vezes conquistou o Calcio – 31 títulos no total – precisou ir ao fundo do poço, quando foi rebaixado para a Série B, devido aos escândalos de manipulações de resultados, para fazer um planejamento sério e obter bons resultados. Hoje, parece ser o único clube capaz de seguir honrando um país que já foi referência do futebol europeu.

É claro e evidente que com uma receita financeira bem abaixo dos últimos tempos, os clubes italianos sigam contratando jogadores de nível intermediário. É preciso mais do que isso para se reerguer. É necessário que o futebol italiano passe por um estudo minucioso e principalmente por uma reciclagem de dirigentes, treinadores e claro, formação de jogadores, a exemplo do que aconteceu com o futebol alemão nos últimos anos.

Equipe Time de Fora analisou o Campeonato Italiano

O Campeonato Italiano da temporada 2015/2016 começa neste fim de semana. Destaque para o confronto Fiorentina x Milan. A Viola de Paulo Sousa surpreendeu na pré-temporada batendo equipes como Barcelona e Chelsea.

Sábado (22/08)

Hellas Verona × Roma
Lazio × Bologna

Domingo (23/08)

Fiorentina × Milan
Frosinone × Torino
Sassuolo × Napoli
Internazionale × Atalanta
Juventus × Udinese
Palermo × Genoa
Empoli × Chievo

Segunda-feira (25/08)

Sampdoria × Carpi FC

Categoria: Campeonato Italiano, Futebol Europeu

Comentários

Enviar para o Kindle

Time de fora?

Blog sobre futebol da editoria Jogada, do Diário do Nordeste.

Autores