Campanha surpreendente do Equador se explica pela fome de vencer e pelo ritmo intenso

18/11/2015 - 17:56 por

Dupla de ataque é responsável diretamente por 66,6% dos gols equatorianos. (Foto: Divulgação/ FEF)

Dupla de ataque é responsável diretamente por 66,6% dos gols equatorianos. (Foto: Divulgação/ FEF)

Líder das Eliminatórias Sul-Americanas, com 100% de aproveitamento, melhor ataque e melhor defesa. Surpreendentemente, esta equipe é o Equador, ao término das 4 primeiras rodadas e do ano de 2015. Apesar da pouca tradição e do elenco humilde, se comparada aos adversários, a seleção “tricolor” está fazendo por merecer vencer cada jogo.

A carta de intenções da seleção equatoriana foi dada logo na estreia, diante de nada mais nada menos que a Argentina, fora de casa. Os comandados de Gustavo Quinteros não se assustaram com o “bicho papão”, jogaram de igual para igual e, com muita fome, foram mais agudos e eficientes.

Os dois gols da “zebra” aconteceram apenas depois dos 35 minutos do segundo tempo, quando a alviceleste cansou e deixou mais espaços para o visitante acreditar, chegar ao ataque com mais frequência e alcançar o objetivo.

Entretanto, a rede argentina poderia ter balançado mais vezes durante toda a partida. Na velocidade, o Equador chegou ao gol até com facilidade, principalmente pela direita com o “papaléguas” Valencia, mas perdeu as oportunidades por falta de competência no último passe ou na finalização.

Apesar das deficiências, a surpresa sul-americana não tem medo de arriscar: pressiona a saída de bola da outra equipe, tenta passes nas costas da defesa adversária e finaliza sempre que possível.

O roteiro se repetiu na segunda rodada, com nova vitória por 2 a 0, desta vez sobre a Bolívia em casa. Os tentos aconteceram novamente faltando 10 minutos para o fim do jogo, o que mostra o preparo físico e a gana de vencer da equipe tricolor.

Jogo solto

Com um início inesperado, o Equador se soltou nas rodadas seguintes e conseguiu emplacar um jogo ofensivo ainda mais intenso e rápido – que, em contrapartida, expõe a defesa. Com a ajuda da altitude de Quito, a dona da casa bateu o Uruguai pelo placar de 2 a 1, que poderia ser ainda mais gordo. E mais um “gigante” do continente se rendeu ao “azarão” e à sua dupla de ataque inspirada e mortífera: “Felipao” Caicedo e Fidel Martínez.

Contra a lanterna Venezuela, o time de Quinteros não tomou conhecimento, abriu 3 a 0, mas acabou sofrendo um gol por causa das suas constantes e inocentes falhas defensivas (principalmente pelo meio, que deixa muitos buracos), que se repetiram em todos os jogos e pode ser o “calcanhar de Aquiles” da equipe para conquistar ou não uma vaga na Copa do Mundo da Rússia 2018.

Equipe tem brigado muito, por todas as bolas, durante os 90 minutos. (Foto: Divulgação/ FEF)

Equipe tem brigado muito, por todas as bolas, durante os 90 minutos. (Foto: Divulgação/ FEF)

Fazendo diferente

A ótima campanha do Equador também é fruto das atuações individuais. Domínguez tem fechado o gol com segurança; Paredes e Walter Ayoví estão fechando bem as laterais na defesa e apoiando o ataque com qualidade; Noboa tem dominado o meio-campo; Valencia é uma flecha pela direita quando joga; e Martínez e Caicedo já fizeram, juntos, 6 dos 9 gols da seleção (sendo 4 apenas do “Felipao”).

O sucesso é dividido com o treinador Quinteros, que assumiu a seleção após a Copa do Mundo do Brasil em 2014 (quando a equipe foi eliminada ainda na fase de grupos) e deixou a formação mais equilibrada. Ele levou o capitão e dono das bolas paradas Ayoví para a lateral-esquerda (que ganhou força), inseriu meias mais rápidos e vigorosos e apostou em uma nova dupla de ataque (ainda sem Enner Valencia, considerado o principal jogador avançado da seleção).

O cenário é de deixar os equatorianos esperançosos. Nas Eliminatórias para 2014, a seleção começou com duas vitórias e duas derrotas nos quatro primeiros jogos que disputou e ainda chegou ao 4º lugar, com 25 pontos. As quatro primeiras colocadas vão direto para o Mundial e a 5ª irá disputar a repescagem.

Categoria: Futebol Sulamericano

Comentários

Enviar para o Kindle

Por uma vaga na Libertadores, irmãos Milito se enfrentarão na Argentina

10/11/2015 - 16:05 por

Irmãos também já se enfrentaram dentro de campo, e em um dos maiores clássicos da Argentina: Indepiendente x Racing Foto: Diário Olé

Irmãos também já se enfrentaram dentro de campo, e em um dos maiores clássicos da Argentina: Indepiendente x Racing
Foto: Diário Olé

O complicado regulamento do futebol argentino – até meio controverso, se é que me permitem – reservou um duelo bastante interessante para o final da temporada do futebol hermano. Trata-se do confronto Gabriel Milito x Diego Milito ou melhor Estudiantes x Racing, por uma vaga na Libertadores de 2016.

Ambas as equipes disputarão a chamada Liguilla, que é formada pelos quatro primeiros times que não conseguiram se classificar de forma direta para a competição continental ou seja 4°, 5°, 6° e 7° colocados. Os confrontos ficaram assim: Estudiantes x Racing; Independiente x Belgrano. As partidas,  em jogo único, ainda não possuem datas marcadas. Os vencedores se enfrentam em uma final para decidir quem vai para a Libertadores.

Atualmente treinador do Estudiantes, o ex-zagueiro do Barcelona, Gabriel Milito, falou recentemente em entrevista para o jornal espanhol Mundo Deportivo, que possui vários conceitos de Pep Guardiola, seu antigo comandante. Gabri também contou que em 2009, ainda pelo Barça, momentos antes da final do Mundial de Clubes contra seu atual clube, deu sua primeira preleção a pedido de Guardiola. “Contei para o grupo o valor que nós, sul-americanos, damos a final do Mundial. Que a importância que damos é maior do que os europeus dedicam”, disse.

Agora, o time do jovem treinador precisa se desdobrar para superar o Racing de seu irmão dentro do El Cillindro.

Categoria: Futebol Sulamericano

Comentários

Enviar para o Kindle

Torcida da Chapecoense recepciona River Plate com gritos de ‘ão ão ão segunda divisão’

27/10/2015 - 14:29 por

Equipe argentina desembarcou em Chapecó/SC na noite desta segunda (26) Foto: Ricardo Goulart/Reprodução Twitter

Equipe argentina desembarcou em Chapecó/SC na noite desta segunda (26)
Foto: Ricardo Goulart/Reprodução Twitter

A torcida da Chapecoense está aproveitando de todas as maneiras a participação da sua equipe na Copa Sul-Americana de 2015. E isso é perfeitamente compreensível. Após eliminar Ponte Preta e Libertad, o time catarinense se viu ante o River Plate, poderoso clube argentino e atual campeão da Libertadores. Independente do resultado final do confronto, a Chape já está fazendo história.

Depois de perder a partida de ida por 3 a 1, no Monumental de Núñez, em Buenos Aires, a Chapecoense agora recebe o River Plate nesta quarta-feira (28), às 21h, na Arena Condá em Chapecó. Para a chegada dos argentinos, que aconteceu na noite da última segunda (26), um grupo de torcedores alviverdes preparou uma recepção especial no aeroporto da cidade.

Munidos de instrumentos, o grupo, formado por 40 torcedores, fez barulho e entoou o famoso grito “ão ão ão segunda divisão” para relembrar a inédita queda dos Milionários para a Série B do futebol argentino. A atitude dos torcedores ganhou destaque no periódico esportivo Olé, famoso por várias manchetes bem humoradas e as vezes até algumas alfinetadas ao futebol brasileiro.

Categoria: Futebol Sulamericano

Comentários

Enviar para o Kindle

Time de fora?

Blog sobre futebol da editoria Jogada, do Diário do Nordeste.

Autores