Buffon bate recorde de tempo sem tomar gols na Itália e escreve carta… às traves

22/03/2016 - 12:14 por

(Foto: AFP)

(Foto: AFP)

Aos 48 minutos do jogo entre Torino e Juventus, pela Série A italiana, o atacante Andrea Beloti, de penâlti interrompeu uma sequência de invencibilidade de Gianluigi Buffon, mas impediu o goleiro da ‘Velha Senhora’ de se tornar o goleiro que passou mais tempo sem tomar gols pela primeira divisão da Itália.

A ‘Juve’, na ocasião, venceu o Torino por 4 a 1.

O goleiro da seleção italiana passou 973 minutos sem ser superado pelos atacantes, superando a marca de 929 de Sebastiano Rossi, que defendeu o Milan na década de 1990.

Depois de confirmar o feito, Buffon publicou uma carta nas redes rociais em homenagem… às traves, que ele tanto procurou evitar olhar. Virado de costas para as redes, o goleiro reafirmou a vontade de permanecer defendendo as cores da Juventus, citando ainda cada um dos jogadores que o ajudaram a bater o recorde, incluindo os brasileiros Hernanes e Alex Sandro.

Confira trechos dessa ode ao gol de Gianluigi Buffon:

Tinha 12 anos quando virei minhas costas a você. Reneguei meu passado para garantir um futuro seguro.
Uma escolha do coração.
Uma escolha do instinto.
No mesmo dia em que parei de olhá-lo na cara, porém, comecei a te amar.
A te proteger.
A ser o seu primeiro e último instrumento de defesa.
Prometi a mim mesmo que faria de tudo para que meus olhos não voltassem a cruzar com os seus. Ou que o faria o mínimo possível. Mas foi um sofrimento cada vez que me virei e percebi que eu o havia decepcionado.
Novamente.
E novamente.
Sempre fomos opostos e complementares, como a Lua e o Sol. Forçados a vivermos um ao lado do outro, sem podermos nos tocar. Companheiros de vida aos quais o contato foi negado.
Mais de 25 anos atrás eu fiz o meu voto: jurei protegê-lo e guardá-lo. Fui um escudo contra os seus inimigos. Sempre pensei no seu bem, colocando-o sempre à frente do meu. E, todas as vezes que me virei, tentei apoiar a sua expressão decepcionada com a cabeça erguida, mas conscientemente me sentindo culpado.
Tinha 12 anos quando virei as costas para o gol.
E continuarei a fazê-lo, enquanto minhas pernas, minha cabeça e meu coração permitirem.

Nenhum recorde é filho de uma única pessoa e não se é número 1 fora de um grupo: logo, quero agradecer…
… Neto pela tranquilidade que passa ao time sempre que sobe ao gramado
… Rubinho, líder paciente e silencioso
… Chiellini, porque #atéofimdalinha ele não desiste
… Caceres, pelo entusiasmo que demonstra mesmo nos momentos mais difíceis
Alex Sandro porque vê-lo passar por um homem é sempre um prazer
… Barzagli: precisamos cloná-lo, rápido
… Bonucci, pela sua personalidade, sempre de cabeça erguida, sempre ao serviço da equipe
… Rugani, porque escutar é um dom raro
… Stephan (Lichtsteiner), as pernas e o pulmão desta Juve
… Evra, se não fosse nosso, precisaríamos comprá-lo
… Khedira, o homem certo no lugar certo
… Marchisio, o único jogador que conheço nas cores preto e branco
… Pogba, porque ele não vive o futebol, ele o inventa
Hernanes, porque toda equipe precisa ter o próprio Profeta
… Lemina, simplesmente um da Juventus
… Padoin, joga onde o colocarmos e joga bem
… Asamoah, sua vontade de jogar futebol é mais forte que qualquer lesão
… Sturaro, “lutar, cair, levantar e sempre vencer”
… Pereyra, porque a fantasia é o sal deste esporte
… Zaza, nascido para fazer gol de qualquer lugar
… Morata, para ele, há sempre uma necessidade
… Cuadrado, porque sempre que sai correndo parece dizer “prenda-me se for capaz”
… Mandzukic, o primeiro atacar e o primeiro a defender
… Dybala, se depois de Thuram, Zidane e Pirlo, recebeu a camisa 21, há um motivo
… e ao treinador, um vencedor no templo da vitória!

Categoria: Campeonato Italiano, Futebol Europeu

Enviar para o Kindle

Posts relacionados

blog comments powered by Disqus

Time de fora?

Blog sobre futebol da editoria Jogada, do Diário do Nordeste.

Autores