Descubra a origem do pênalti com dois toques de Messi e Suárez

15/02/2016 - 14:01 por

(Foto: Divulgação/FIFA)

(Foto: Divulgação/FIFA)

Goleada parece uma palavra corriqueira no vocabulário usado pelo Barcelona, e os catalães repetiram o feito mais uma vez neste final de semana, quando o time Luís Henrique atropelou o Celta por 6 a 1, pelo Campeonato Espanhol. Mas o destaque da partida, dessa vez, ficou para uma cobrança de pênalti bastante curiosa.

Depois de um erro de passe dos visitantes, Lionel Messi recebeu a bola, pela direita e deixou o marcador completamente desolado com um drible da vaca desconsertante. O lateral do Celta não teve outra opção, derrubando o argentino já dentro da área. Pênalti. Mas os torcedores que foram ao Camp Nou não esperavam pelo que estavam prestes a presenciar.

Messi correu para bola e, ao invés de chutar, rolou a bola para o lado, esperando que Neymar, que já havia iniciado a corrida, completasse o lance para um gol praticamente vazio. O goleiro, completamente vendido, não poderia fazer nada. Mas Suárez foi mais rápido e marcou um de seus três tentos na partida.

Um pênalti em dois toques. Um imprevisível, ou no mínimo incomum, golaço.

Mas Messi não foi o primeiro. O holandês Johan Cruyff já havia protagonizado um lance semelhante em 1982, quando ainda jogada pelo Ajax. Jogando contra o Helmond, o placar já marcava 1 a 0 para o time de Cruyff quando o juiz marcou uma falta dentro da área.

Cruyff, assim como Messi, correu para fazer a cobrança do pênalti, mas não chutou, apenas rolando a bola para o lado, encontrando o companheiro Jesper Olsen, que ainda devolveu a bola. O “goleirão” do Helmond, Otto Versfeld não soube o que fazer.

“Eu fiquei completamente surpreso, tentano entender o que tinha acontecido naquele lance”, disse Versfeld. Enquando Cruyff completou dizendo que a intenção era simples. “O jogo era perto do Natal, então a gente queria dar um presente para os nossos torcedores.

Origem

Apesar dos grandes nomes do futebol já executaram o lance. A primeira vez que ele foi de fato executado foi em maio de 1957, em jogo entre Portugal e Irlanda do Norte.

Já perdendo por 2 a 0, os lusitanos cometeram um pênalti e ofereceram uma oportunidade para os adversários abrirem ainda mais distância no placar. O capitão irlandês Danny Blanchflower foi em direção à bola e rolou para Jimmy McIlory, que chutou para o fundo da rede, sem chances para o goleiro.

Harry Gregg, goleiro da equipe da Irlanda do Norte, relembra o lance que confundiu todo mundo no estádio, até o árbitro. “Ele [o juiz] não sabia o que fazer e a torcida não sabia o que tinha acontecido, até porque nunca tinha acontecido nada como isso antes.

Categoria: Futebol Espanhol, Futebol Europeu

Comentários

Enviar para o Kindle

Time de fora?

Blog sobre futebol da editoria Jogada, do Diário do Nordeste.

Autores