Duelo entre Arsenal e Barcelona rende “meme jurrassic park” de Cech e trio MSN; veja vídeo

23/02/2016 - 16:01 por

(Foto: Divulgação/Arsenal)

(Foto: Divulgação/Arsenal)

O Arsenal pode até estar jogando em casa, mas grande parte dos especialistas de futebol apontaram o Barcelona como grande favorito para avançar depois do duelo pelas oitavas-de-final de  Champions League, nesta terça -feira (23). Um dos motivos para esse tipo de análise é o bom desempenho do ataque do time catalão, com Neymar, Messi e Suárez, que vem “amassando” as defesas adversárias.

Mas o trio MSN terá pela frente o goleiro Petr Cech, que mantém um tabu de nunca ter sido vazado por Lionel Messi. O goleirão do Arsenal não terá vida fácil, o que acabou gerando algumas brincadeiras no internet. Uma delas é um vídeo que brinca o filme “Jurassic World“, onde o personagem principal tenta controlar três dinossauros, mas Cech terá pela frente três “monstros” um pouco mais agressivos. Confere aí:

Categoria: Champions League, Futebol Europeu

Comentários

Enviar para o Kindle

Jornal britânico elege Neymar como terceiro melhor do mundo de 2015

04/01/2016 - 10:50 por

Foto: Agência REUTERS/Albert Gea

Foto: Agência REUTERS/Albert Gea

Não resta dúvidas de que Neymar é um dos melhores jogadores do mundo na atualidade, mas a discussão sobre em que colocação o brasileiro estará no prêmio da Bola de Ouro da Fifa parece não ter chegado ao fim. O “The Guardian”, jornal britânico, parece já ter resolvido a polêmica, colando o ex-santista no terceiro lugar, atrás de Messi e Cristano Ronaldo.

Em 2014, Neymar ficou com a 7ª posição do ranking.

O jornal nomeou os 100 melhores jogadores de 2015, dando uma indicação do que poderemos ver no prêmio de melhor do mundo da Fifa, no próximo dia 11 de janeiro. Dentre os 10 melhores estão 3 jogadores do Barcelona (Messi, Suaréz e Neymar), 3 do Bayern de Munique (Thomas Müller, Robert Lewandowski e Manuel Neuer), 2 da Premier League (Sergio Agüero e Alexis Sánchez), 1 do Real Madrid (Cristiano Ronaldo) e 1 do PSG (Zlatan Ibrahimovic).

Além de Neymar, outros brasileiros integram a lista dos 100 melhores. O destaque fica para Douglas Costa (Bayern de Munique), Thiago Silva (PSG) e Philippe Coutinho (Liverpool) os únicos dentro dos 50 melhores. Willian (Chelsea), Daniel Alves (Barcelona), Hulk (Zenit), Marcelo (Real Madrid) e Alex Teixeira (Shakhtar Donetsk) completam os “brazucas” da “premiação”.

Confira o top 10 e a posição dos Brasileiros:

1. Lionel Messi
2. Cristiano Ronaldo
3. Neymar
4. Luis Suaréz
5. Robert Lewandowski
6. Thomas Müller
7. Zlatan Ibrahimovic
8. Manuel Neuer
9. Sergio Agüero
10. Alexis Sánchez

32. Douglas Costa
41. Thiago Silva
46. Philippe Coutinho
52. Willian
58. Daniel Alves
59. Hulk
88. Marcelo
89. Alex Teixeira

Time de Fora seleciona alguns momentos marcantes do Mundial de Clubes da Fifa

09/12/2015 - 12:25 por

Em 2011, Messi e Neymar protagonizaram a final do Mundial de clubes. Na ocasião, o Barcelona goleou o Santos por 4 a 0. (Foto: Divulgação/Fifa)

Em 2011, Messi e Neymar protagonizaram a final do Mundial de clubes. Na ocasião, o Barcelona goleou o Santos por 4 a 0. (Foto: Divulgação/Fifa)

Pode até ser que os times europeus cheguem no Mundial de Clubes sem muitas pretensões, encarando-o, muitas vezes, como uma obrigação de calendário, mesmo que algumas das equipes do velho continente tenho afirmado que ganhar o título seria obrigação. Por outro lado, sempre que um time brasileiro chega ao torneio é aberta a discussão sobre o nível do futebol praticado pelos “brasucas”, e esta edição é especial para Neymar, que pode conquistar o título pela primeira vez, com o Barcelona.

Em solo brasileiro (2000)

Na edição inaugural do Mundial de Clubes, em 2000, realizada no Brasil, Corinthians e Vasco fizeram uma final emocionante, marcada por muito equilíbrio, tanto que foi decidida apenas no pênaltis, com Edmundo chutando para fora a última cobrança. Nomes de peso como Marcelinho Carioca, Dida, Edílson, e Luizão, pelo Corinthians, e Romário, Edmundo e Viola, pelo Vasco, foram os protagonistas daquela edição do torneio, que ainda contou com Manchester United e Real Madrid.

Fato curioso é o recorde de público da “Copa do Mundo” dos clubes foi registrada naquele torneio, com um empate dos jogos entre Vasco x Manchester United e Corinthians x Vasco. 73.000 pessoas compareceram ao Maracanã, que sediou ambos os jogos. Na ocasião, o cruzmaltino ainda conseguiu uma vitória por 3 a 1 sobre os Red Devils. Edílson foi eleito o melhor jogador do torneio.

Parede “TRIcolor” (2005)

Vai ser difícil para os torcedores do São Paulo se esquecerem da atuação de Rogério Ceni contra o Liverpool, na final de 2005. Hoje aposentado, o goleiro do tricolor paulista, além de ter marcado um gol durante aquela edição do torneio, foi uma peça fundamental para conquista brasileira em cima do time da cidade dos Beatles. O Liverpool, na época comandado por Steven Gerrard, havia chegado no Mundial tendo perdido apenas um jogo durante a campanha do título da Liga dos Campeões da Europa da temporada 2004/2005.

Ceni, por todas as defesas que fez, ainda foi eleito o melhor jogador da competição, ficando à frente de Gerrard. Vai ser difícil esquecer do salto para impedir que cobrança de falta de Gerrard virasse gol para o time inglês. O título do São Paulo quebrava um tabu de 12 anos que um brasileiro não levava a taça em cima de uma equipe fora do continente sul-americano. O último havia sido o próprio São Paulo, em 1993, contra o Milan.

Surpresa colorada (2006)

O embalado time do Barcelona, liderado por Ronaldinho Gaúcho, Deco, Xavi e Carles Puyol, chegava a final daquele ano parecendo imbatível, mas foi surpreendido pelo esquema tático de forte marcação do Internacional do técnico Abel Braga, que consistia em forçar a saída de bola dos catalães ainda na defesa. Particularidade daquela edição foi que, mesmo com um elenco recheado de estrelas, como Fernandão, Alex, Iarley e Alexandre Pato, o único gol da partida foi marcado por Adriano “Gabiru”, um dos mais contestados do elenco do colorado gaúcho.

Messi x Neymar (2011)

Atualmente jogando lado a lado, no Barcelona, Messi e Neymar já se encontraram na final do Mundial de Clubes. Na ocasião, quando o brasileiro ainda jogava pelo Santos, o Barcelona aplicou uma goleada de 4 a 0 sobre o alvinegro praiano. O time do Santos ainda contava com a presença de Paulo Henrique Ganso e Alan Kardec. Muricy ramalho ainda sacou o meia Elano do banco de reservas, mas nem mesmo a experiência deste jogador foi suficiente para equilibrar a marcação santista.

Neymar, no entanto, ainda é dúvida para a edição deste ano, pois, machucado, o jogador talvez seja poupado da competição.

Curiosidades

Apenas 5 jogadores conseguiram ganhar o título do Mundial de Clubes com dois times diferentes. Entre eles, 3 brasileiros: Dida (com o Corinthians, em 2000 e AC Milan em 2007), Danilo (com o São Paulo, em 2005, e o Corinthians em 2012), e o brasileiro naturalizado espanhol Thiago (com o Barcelona, em 2011, e o Bayern de Munique em 2013). Completam a lista Cristiano Ronaldo (com o Manchester United, em 2008, e Real Madrid em 2014) e Tony Kroos (com Bayern de Munique, em 2013, e Real Madrid em 2014).

Ronaldinho Gaúcho é dos 3 jogadores que marcaram gols por mais de uma equipe na “Copa do Mundo” dos clubes. Completam a lista Dwight Yorke (Manchester United e Sydney FC) e Neri Cardozo (Boca Juniors e Monterrey).

Categoria: Mundial de Clubes

Comentários

Enviar para o Kindle

Bola de Ouro para Neymar é uma realidade, mas para 2017

01/12/2015 - 17:32 por

Foto: Agência REUTERS/Albert Gea

Foto: Agência REUTERS/Albert Gea

Talvez Neymar não seja eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa em janeiro de 2016, quando a entidade máxima do futebol mundial celebra o Bola de Ouro (Ballon d’Or), prêmio que não é dado a um brasileiro desde 2007, quando Kaká ainda jogava pelo Milan e foi campeão da Liga dos Campeões da Europa.

O ex-atacante do Santos terá concorrência pesada. Bater Messi e Cristiano Ronaldo é um feito conseguido apenas, justamente, por Kaká. Desde então, os dois “monstros da bola” vem monopolizando o prêmio e protagonizando uma disputa que certamente ficará para a história.

Mas se nesta temporada Neymar não deve sonhar com o título de melhor do mundo, o esquema de Luís Henrique (técnico do Barcelona) em 2015, caso ele consiga manter o nível das apresentações, pode dar ao brasileiro uma esperança para sonhar com o prêmio em 2017, mesmo jogando ao lado do craque argentino.

Sem “la pulga”, o 4-3-3 do Barça, que já havia sido adaptado para comportar a entrada de Luis Suárez no comando ofensivo e empurrar Messi para o lado direito, teve der ser invertido. O peso que deveria desequilibrar o esquema adversário ficaria sobre as costas de Neymar, que já na terceira temporada pelo time catalão, se mostrou completamente adaptado.

Caindo da esquerda para o centro, Neymar concentrou as ações do Barça, marcando 14 dos 33 gols do time no Campeonato Espanhol.

Caindo da esquerda para o centro, Neymar concentrou as ações do Barça, marcando 14 dos 33 gols do time no Campeonato Espanhol. Contundido, Messi fez apenas 4 até agora.

Mas o brasileiro acabou ganhando a liberdade para transitar por todo o gramado, forçando algumas movimentações de Suárez e de quem ocupasse faixa lateral oposta, como no gol de Iniesta contra o Real Madrid, na última edição do maior clássico do futebol espanhol. Neymar explorou o espaço por trás da linha de volantes do Real para rodar da direita para o centro do campo.

Suárez então saiu da área em direção ao lado direito e deixou o brasileiro no mano-a-mano com Sergio Ramos, dando todo o espaço para Neymar encontrar o passe para Iniesta.

Sem Messi, Neymar passou a ter mais liberdade, caindo muitas vezes pela faixa central para confundir a marcação e criar espaços para quem vem de trás, como no gol de Iniesta contra o Real Madrid.

Sem Messi, Neymar passou a ter mais liberdade, caindo muitas vezes pela faixa central para confundir a marcação e criar espaços para quem vem de trás, como no gol de Iniesta contra o Real Madrid.

Sombra de quem?

Com o argentino quatro vezes melhor do mundo voltando de uma contusão no joelho, e considerando o bom momento de Neymar, não seria espantoso os papeis se inverterem nesta temporada. O Barcelona conquistou a tríplice coroa com Messi desequilibrando as defesas adversárias partido da direita para dentro do campo. As rotações defensivas acabavam gerando todo o espaço necessário para que Neymar pudesse concluir as jogadas em gol ou até mesmo devolver a gentileza da assistência para o argentino.

Neymar 1

A rotação defensiva forçada por Messi acaba deixando Neymar em uma marcação homem a homem, dando chances claras de gol para o brasileiro, ou de dar uma assistência.

Mas Neymar já mostrou que pode ser uma referência dentro das quatro linhas, e, talvez, com Messi ainda recuperando o ritmo de jogo, pode ser que “la pulga” acabe desempenhando um papel menos centralizador, deixando a responsabilidade pela criação de jogadas um pouco mais nos pés de Neymar, mesmo que não completamente. Seria uma oportunidade para o Brasileiro sair da sombra de Messi.

Neymar, em 13 jogos pela Liga Espanhola, já acumula 14 gols. Na temporada 2014/2015, quando Cristiano Ronaldo marcou 48 vezes e Messi 46, ambos, ao chegar na 14ª rodada, tinha apenas 11 gols. Dizer que Neymar conseguirá superar os dois é brincar de vidente, mas os números impressionam.

Esperança

Messi deve ser consagrado com a quinta Bola de Ouro, enquanto que a Neymar deve ser entregue a medalha de bronze, mas, apesar de ser improvável, não se espante se o ex-santista ficar à frente de CR7. Seria uma grande vitória para um jovem de 23 anos, que carrega as esperanças de uma nação a qual um dia dominou, por anos, o mundo da bola, mas que vem sofrendo com alguns “anos de seca”.

Contra o Barça, Real de Benítez perdeu a batalha no meio campo

24/11/2015 - 12:44 por

Foto: Víctor Carretero (Real Madrid)

Foto: Víctor Carretero (Real Madrid)

Poucos dias antes do maior clássico do futebol espanhol os jogadores do Real Madrid teriam se reunido com a ideia de mandar uma mensagem para a imprensa e para os torcedores: “Benítez tem todo o nosso apoio”. O que se viu no último sábado (21) já é história, e ajudou a levantar ainda mais a poeira sob a prateleira de boatos acerca a saída do técnico espanhol do cargo de comando dos Blancos.

Mas a resposta para o fraco desempenho dos madridistas não está no apoio (ou a falta dele) a Benítez, está no meio campo e no frágil sistema defensivo organizado pelo ex-técnico do Napoli, que cedeu às pressões nos bastidores para escalar James Rodríguez ao lado de Luka Modric e Tony Kroos, o que, sem a presença de um volante de contenção, como Casemiro, acabou enfraquecendo a segunda linha de marcação do Real.

O erro, além de revelar um certo despreparo do espanhol, demonstra até uma falta de pulso, pois é esse tipo de fraqueza que o forte esquema do Barcelona de Luís Henrique adora explorar. Os gols de Suárez, Neymar e Iniesta começaram em jogadas pela lado do campo que, a partir das tabelas clássicas do 4-3-3 catalão com dois meias centrais e dois homens abertos, forçava uma movimentação para faixa central.

No primeiro gol do Barcelona, Sergio Ramos teve sair em busca de Sergi Roberto, que cortava da esquerda para dentro. A movimentação gerou espaço para Suaréz invadir a área.

No primeiro gol do Barcelona, Sergio Ramos teve que sair em busca de Sergi Roberto, que cortava da esquerda para dentro. A movimentação gerou espaço para Suárez invadir a área e chutar colocado

Com pouca combatividade e sobrecarregado, o meio campo do Madrid forçava a saída de um dos zagueiros para tentar cortar o lance, e o que se viu foi uma bola de neve no sistema defensivo de Benítez. Uma fila de dominós caindo, um após o outro.

Mas onde Benítez errou, outros técnicos acertaram. O último deles, Carlo Ancelotti, que para muitos torcedores do Real não deveria ter sido demitido. A diferença entre as duas versões do Madrid parece pequena, mas demonstra a distância entre os dois técnicos, com o italiano à frente do espanhol.

A movimentação de Neymar, Suaréz e S. Roberto, no segundo tempo, serviu para confundir ainda mais a defesa do Real. O trio trocava de posição com frequência, dando mais espaço para Iniesta aparecer entre os zagueiros e marcar o terceiro gol.

A movimentação de Neymar, Suárez e S. Roberto, no segundo tempo, serviu para confundir ainda mais a defesa do Real. O trio trocava de posição com frequência, dando mais espaço para Iniesta aparecer entre os zagueiros e marcar o terceiro gol

Jogando sob o comando de Ancelotti, os Blancos acumularam 3 derrotas e 1 vitória pelo Campeonato Espanhol, mas conquistaram o título da Copa do Rei em cima do maior rival, além de mostrarem mais força e equilíbrio dentro de campo.

O esquema do italiano contava com 4 homens de meio campo, contando com o galês Gareth Bale para fechar o lado direito. James, Modric e Kroos, geralmente completavam o setor. No comando de ataque, Cristiano Ronaldo e Benzema eram os responsáveis por finalizar as jogadas nesse 4-4-2.

 

Real Madrid de Ancelotti contava com uma linha de 4 no meio campo. Esquema mais adequado para contrapor o ataque do Barcelona do trio MSN.

Real Madrid de Ancelotti contava com uma linha de 4 no meio campo. Esquema mais adequado para contrapor o ataque do Barcelona do trio MSN.

A grande diferença não está nos números do esquema, sim na postura. CR7 e Benzema forçavam a saída de bola do Barça, enquanto James e Bale fechariam a porta para Neymar e Messi, que caiam pelo lado, com o galês pronto para sair em contra-ataque.

Foi jogando assim que o Real Madrid, mesmo sem Bale, machucado na época, venceu o Barcelona por 3 a 1 no mesmo Santiago Bernabéu, em outubro de 2014. Resta agora saber se Benítez aprendeu a lição, e se terá tempo de corrigir os erros para o próximo “El Clássico”, pois a rotatividade na parte branca de Madrid é notável. São 9 técnicos nos últimos 12 anos.

Time de fora?

Blog sobre futebol da editoria Jogada, do Diário do Nordeste.

Autores