Blog de Turismo

Categoria: MTur


13:15 · 22.07.2014 / atualizado às 13:15 · 22.07.2014 por

No país do futebol, a praia foi o principal atrativo do estrangeiro que desembarcou no Brasil durante a Copa. É o que revela uma pesquisa realizada pelo Ministério do Turismo (MTur), em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). A maioria dos turistas (78,9%) aproveitou para curtir o sol e os belos cenários de praia do País.

Além do litoral, a gastronomia (74,7%) e as compras (68,1%) aparecem entre as atividades mais praticadas pelos visitantes de fora. A diversão noturna (65%), as visitas culturais (53,7%), os passeios turísticos (37,9%) e o encontro com parentes e amigos (35,9%) também foram mencionados pelos turistas.

Entre os destinos de praia visitados pelos estrangeiros estão as capitais Rio de Janeiro, Natal, Fortaleza, Salvador e Recife, além de Jericoacoara, Ipojuca, Búzios, Angra dos Reis e Parati. Os visitantes internacionais, que permaneceram em média 13 dias no País, estiveram em pelo menos 378 municípios brasileiros, além das capitais dos jogos. A pesquisa se baseou, até o momento, nos relatos de 6.627 estrangeiros.

Apesar de a Copa ter sido realizada com o público que teve o Mundial como principal motivação, a opção de assistir a jogos ou participar de eventos esportivos motivou pouco mais de 33% dos entrevistados, ficando na nona posição entre as atividades praticadas na visita ao Brasil.

O estudo ainda revela que o País recebeu turistas de, pelo menos, 203 nacionalidades e que a maioria (61%) ainda não conhecia o País e elogiou os serviços de infraestrutura e turismo. Os itens mais bem avaliados foram a hospitalidade e gastronomia, com 98% e 93% de aprovação respectivamente.

O turismo de sol e praia é o que atrai mais visitantes estrangeiros ao País, de acordo com estudos mais antigos do Ministério do Turismo. Em 2006, o turismo de praia foi a opção de 54,7% dos visitantes em férias no país. Em 2012, o percentual subiu para 64,2%, de acordo com a Demanda Turística Internacional, na qual são ouvidos 31 mil visitantes internacionais.

 

14:08 · 27.06.2014 / atualizado às 14:14 · 27.06.2014 por

A chegada de turistas estrangeiros ao Brasil pode aumentar entre 5% e 10% após a Copa do Mundo. A previsão foi feita pelo ministro do Turismo, Vinicius Lages.

Lages se baseou na média de elevação das chegadas internacionais na Alemanha e na África do Sul, últimas sedes do torneio, e ressaltou que cerca de 500 mil torcedores de 186 países já adquiriram ingressos para jogos, o que deve ampliar a promoção do País no exterior.

O Ministério do Turismo estima que a audiência da Copa chegue a 3,6 bilhões de telespectadores. A visibilidade gera um aumento de interesse pelo País, o que reflete em um acréscimo das visitas. “Na África do Sul, você teve um incremento no ano seguinte (à Copa) de 6%”, comparou.

O ministro ressaltou que, durante a Copa do Mundo, os 3,7 milhões de brasileiros e estrangeiros que circularão pelo País devem movimentar R$ 6,7 bilhões. Lages lembrou ainda que, segundo pesquisas, mais de 90% dos visitantes internacionais que vêm ao Brasil manifestam intenção de voltar.

Vinicius Lages também disse apostar em ações como capacitação profissional de trabalhadores do setor, sinalização turística, obras de acessibilidade e investimentos em Centros de Atendimento ao Turista (CATs), todas ações de responsabilidade do MTur para a Copa, vão proporcionar uma boa experiência para visitantes.

São esperados cerca de 600 mil turistas estrangeiros durante o Mundial, sendo que 62% deles estarão no Brasil pela primeira vez. As nacionalidades que mais visitam o País são os argentinos, com 1,6 milhão de turistas em 2012 (29% do total); seguidos pelos norte-americanos, com 586 mil de turistas (10% do total) e os alemães, com 258 mil (4,6% do total).

13:47 · 27.06.2014 / atualizado às 13:47 · 27.06.2014 por

A partir desta sexta-feira (27), o Ministério do Turismo (MTur) estreia a campanha #PartiuBrasil, de incentivo a viagens pelo País. O objetivo é aproveitar o período de férias e de promoções durante a Copa para estimular o brasileiro a conhecer os destinos turísticos do País.

A campanha do MTur será veiculada em canais de TV fechada, nas principais rádios das capitais brasileiras e regiões metropolitanas e, ainda, por meio de sites na internet. O investimento deve ultrapassar os R$ 4 milhões.

As peças publicitárias mostram a variedade de roteiros, a gastronomia, a receptividade dos moradores e a facilidade de acesso, pontos que contam a favor das viagens internas, além do prazer das experiências que uma viagem proporciona.

Segundo a diretora de marketing do Ministério do Turismo, Luciana Paiva Fernandes, “a ideia é aproveitar o bom momento do turismo com a realização do Mundial de futebol e estimular o brasileiro a viajar pelo País”.

O Ministério do Turismo se mobiliza para consolidar o apoio de algumas entidades ligadas ao setor, entre elas a Associação Brasileira de Operadoras de Turismo (Braztoa), além da Visual, Trend, TAM Viagens e CVC.

Uma das entidades que vai apoiar as ações da campanha do MTur, a Braztoa, tem abrangência nacional e 95 associados entre operadoras de turismo e empresas do setor. A Braztoa é responsável por 90% dos pacotes de turismo comercializados no Brasil. A campanha se estende até o dia 4 de julho.

13:42 · 13.03.2014 / atualizado às 13:42 · 13.03.2014 por

Os brasileiros estão mais empenhados em viajar sozinhos. É o que mostra uma pesquisa do Ministério do Turismo (MTur), que mede a intenção de viagem do brasileiro pelos próximos seis meses. O percentual atingiu 17,7% dos brasileiros que pretendem viajar. Em fevereiro do ano passado, esse valor era de 13,1%.

O aumento ocorreu em todas as faixas etárias, sendo mais acentuado entre os turistas de até 35 anos, grupo que registrou alta de dez pontos percentuais. A pesquisa não revela as razões pelas quais a turma dos viajantes solitários ganha cada vez mais adeptos, mas a independência financeira das mulheres é uma das razões apontadas por especialistas.

Também chamou a atenção o fato de os turistas jovens aderirem, cada vez mais, a hospedagens na casa de amigos e parentes. Estima-se que 38,1% dos turistas de até 35 anos escolham este meio de estada em suas próximas viagens. Em fevereiro do ano passado, o índice era de 27,2%. O mesmo não ocorreu entre os mais velhos, entre 45 e 60 anos, grupo que registrou queda de preferência de 26,7% para 17,2% por casas de amigos e parentes.

A pesquisa também revela um aumento das viagens de carro entre os mais ricos. O aumento foi substancial entre os entrevistados das duas maiores faixas de renda. Entre os que ganham R$ 4.801,00 e R$ 9.600,00 a alta foi de dez pontos percentuais (passando de 20% para 30,7%). Entre os que ganham mais de R$ 9.600,00 o número mais que dobrou (de 6,9% para 16,5%). São comparados os meses de fevereiro de 2013 e fevereiro de 2014. As viagens de avião, no entanto, ainda ocupam a primeira posição entre os deslocamentos em viagens.

A relação entre escolaridade e realização de viagens sempre foi direta: os mais estudados são também os mais viajados. Mas, nesta última sondagem, a diferença entre os mais e os menos estudados foi mais acentuada. Enquanto entre os pós-graduados a intenção de viagem passou de 38,4% para 39,7%, entre os entrevistados que declararam o primeiro grau incompleto, a queda foi de 10,6% para 3,7%.

Dados gerais

A Sondagem do Consumidor, Intenção de Viagem, mostra que 26% dos pesquisados têm intenção de arrumar as malas no próximo semestre, período que compreende a Copa do Mundo. O percentual é 7% maior que o registrado no mesmo mês do ano anterior. Fato curioso na capital do país: Brasília registrou um aumento de dez pontos na intenção de viagem. O percentual chegou a 34% em fevereiro de 2014, contra 24% no ano anterior.

Na hora de viajar e escolher o destino, a maioria dos brasileiros ainda pretende ficar dentro do País (68%) contra 28% que pretendem ir para o exterior. A região Nordeste está entre as preferidas dos turistas (54%), seguida da região Sudeste (26%), e da região Sul (17%).

No quesito hospedagem, os turistas domésticos optam pelo conforto dos hotéis e pousadas, que são a preferência de 54% dos brasileiros. Em segundo lugar, como opção de estadia, 34% dos brasileiros procuram a casa de parentes e amigos. Para deslocar-se de um destino a outro, o avião continua sendo o meio de transporte preferido dos brasileiros, com 57% da preferência. O carro é o segundo preferido por 26% dos entrevistados, e por último, o ônibus (10%).

A pesquisa Sondagem do Consumidor – Intenção de Viagem é realizada todos os meses com duas mil pessoas em sete capitais brasileiras: Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiros, Salvador e São Paulo, e mede a perspectiva de viagem dos brasileiros em seis meses.

14:01 · 05.03.2014 / atualizado às 14:01 · 05.03.2014 por

O turista que compara as diárias dos meios de hospedagem, investiga o transporte para os principais pontos de interesse e consulta os restaurantes do local antes de sair de casa tem grandes chances de economizar algum dinheiro sem perder o melhor da viagem.

A melhor estratégia para controlar os gastos inclui, especialmente, um boa pesquisa dos serviços turísticos e antecedência para fechar negócio. A boa notícia é que boa parte dos viajantes já faz a lição de casa, de acordo com um estudo do Ministério do Turismo (MTur). O turista brasileiro planeja a viagem cerca de 100 dias antes da data prevista e reserva os serviços, como hotéis e passagens, 52 dias antes do embarque.

Algumas cidades brasileiras se destacam nesse quesito. Entre as 11 capitais monitoradas, os moradores de Goiânia são os mais precavidos: programam o passeio com 120 dias de antecedência. Em compensação, quando o assunto é fechar negócio, os brasilienses saem na frente: compram os serviços 78 dias antes da data da viagem.

A maior parte dos entrevistados que se autodeclararam turistas afirma que viaja menos do que gostaria (80,6%). Entre os viajantes mais frequentes destacam-se os moradores de Curitiba: 3,3 vezes por ano, seguidos pelos cariocas e moradores de Recife, ambos com uma média de 3,2 viagens por ano.

Os passeios turísticos estão entre as cinco prioridades de investimento pessoal, ao lado dos estudos, moradia, poupança e negócios próprios, segundo o estudo. O alto grau de satisfação com o destino turístico (95,1%) explica o elevado índice de retorno a roteiros já conhecidos: a maioria (57,4%) afirmou que a última viagem foi para um destino que já conhecia.

Os hotéis (45,1%) e as pousadas (22,2%) correspondem aos meios de hospedagem preferidos, assim como os destinos de praia (45,1%) e as pousadas (22,2%) referem-se aos meios de hospedagem preferidos. Paga-se à vista (63%) pelos serviços relacionados ao turismo, comprados, em sua maioria, fora de pacotes (78%).

A atividade turística aparece associada principalmente ao descanso e à tranquilidade (30%), mas também à diversão (24,8%) e a belezas naturais (12,5%). O atrativo de maior peso, no entanto, é justamente a beleza natural (33,9%) do território.

Foram entrevistados 2.322 pessoas de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Salvador, Recife, Fortaleza, Brasília e Goiânia.

11:59 · 03.01.2014 / atualizado às 11:59 · 03.01.2014 por

O Ministério do Turismo (MTur) estabeleceu os critérios para o uso dos recursos de programação – aqueles que podem ser utilizados livremente pela pasta. A Portaria nº 335/13 trouxe duas novidades. A primeira delas determina que, pelo menos, 90% deve ser aplicado em cidades do mapa de regionalização do turismo. O mapa foi elaborado em conjunto com Estados e municípios e traz regiões consagradas pelo turismo, além de apostas em roteiros e locais de potencial atração de turistas.

A segunda delas determina que, pelo menos, metade da utilização do orçamento de programação seja feita por chamada pública. Além da transparência ao processo, a medida permite incentivar segmentos e ferramentas específicas para desenvolvimento do turismo no Brasil.

“Iniciamos o ano com um novo instrumento que reforça transparência da utilização dos recursos. A portaria 335 permite a concorrência e disciplina de gestão para a utilização do recursos públicos em segmentos e regiões com maior potencial para o desenvolvimento do turismo”, afirma o ministro do Turismo, Gastão Vieira.

O ministério, ao longo do ano, deve ainda categorizar os municípios do mapa de regionalização. A ideia é que, dependendo do grau de desenvolvimento turístico, o Mtur direcione melhor os investimentos de infraestrutura, de apoio a eventos e de divulgação.

15:44 · 10.12.2013 / atualizado às 15:44 · 10.12.2013 por

O transporte de passageiros com finalidade turística poderá ser realizado somente por agências de viagens com frota própria e empresas de transporte cadastradas no Ministério do Turismo. As novas regras constam da Portaria nº 312/2013, assinada pelo ministro do Turismo, Gastão Vieira, para regulamentar o artigo nº 28 da Lei Geral do Turismo.

Todo veículo utilizado para transporte de turistas deverá, a partir de agora, ser identificado com um selo do Cadastur. O objetivo é tornar público o número de registro da empresa no cadastro nacional de prestadores de serviços turísticos gerenciado pelo MTur.

A legislação trata também dos tipos de veículos e das condições de conforto e segurança que devem ser observados pelos transportadores, bem como define quatro modalidades de transporte turístico: pacote de viagem, passeio local, traslado e especial. O transporte turístico poderá ser realizado por ônibus, micro-ônibus, utilitários e automóveis.

As novas regras incluem, ainda, restrições para os deslocamentos dos veículos de turismo. Somente ônibus e micro-ônibus podem realizar viagens de turismo internacionais e interestaduais, com exceção para a modalidade especial. Vans e carros de passeio só podem circular dentro dos limites geográficos do Estado onde são contratados.

A portaria, que entra em vigor em 60 dias, é fruto de discussões realizadas no âmbito do Grupo de Trabalho de Turismo Rodoviário, coordenado pelo MTur. Um dos integrantes do GT é a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), responsável pela regulamentação do transporte de passageiros no País.

13:52 · 04.12.2013 / atualizado às 13:52 · 04.12.2013 por

Representantes do Ministério do Turismo e das 12 cidades-sede da Copa do Mundo da Fifa 2014 discutiram o plano operacional para organizar, ampliar e divulgar programas de hospedagem alternativa durante o megaevento. O encontro foi realizado  em Brasília-DF.

“Desejamos dar oportunidade para aqueles que não podem se hospedar em hotéis. Sem a participação das cidades-sede é impossível fazer qualquer plano de hospedagem alternativa. Temos que planejar em conjunto”, disse o ministro do Turismo, Gastão Vieira, na abertura do encontro.

Estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), em parceria com o ministério, mapeou cerca de 60 mil leitos de hospedagem alternativa nas 12 sedes, entre albergues, pensões de hospedagem (como o programa Cama e Café), motéis e aluguel para a temporada. Mas, esse número é muito maior, segundo o coordenador-geral de Competitividade e Inovação do MTur, Jair Galvão Neto. “Ao fazer um mapeamento in loco, certamente conseguiremos potencializar substancialmente esses números”, disse.

Jair enumerou as medidas de apoio do MTur aos programas locais de hospedagem alternativa. Segundo ele, será dado suporte técnico às sedes, será feito um diagnóstico das acomodações, seguido de monitoramento da oferta e da demanda, e serão implantadas ferramentas de busca e de divulgação desse tipo de hospedagem. “As estratégias para divulgação passam pelos Centros de Atendimento a Turista, pelas entradas da cidade – como aeroportos e rodoviárias – além de portais na internet e campanhas promocionais”, acrescentou.

Pesquisas

De acordo com o mapeamento “Investimentos no Brasil: Hotéis e Resorts”, realizado pela consultoria de investimentos hoteleiros BSH International com o apoio do MTur, 41% dos hotéis abertos entre 2011 e 2013 foram de categoria econômica e 5% da categoria supereconômica.

“Esses números revelam uma procura significativa por hospedagem de tarifa mais baixa. A perspectiva é que haja boa demanda também para hospedagem alternativa nos grandes eventos”, disse Jean Marcel Fernandes, do Departamento de Financiamento e Promoção de Investimentos do ministério. Ele acrescentou que, atualmente, a acomodação alternativa está estimada em 8% da oferta total de leitos.

Outra pesquisa retomada durante o evento diz respeito ao perfil do turista que viajou para a África do Sul durante a Copa do Mundo da Fifa 2010. O estudo foi elaborado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em parceria com a pasta do Turismo durante o Mundial. Foram entrevistados 4.835 turistas estrangeiros. Desses, 69% ficaram em meios de hospedagem tradicional, 10% optaram por programas de Cama e Café e 21% escolheram outras alternativas. Entre os que ficaram em hotéis tradicionais, 42% se hospedaram em estabelecimentos três estrelas e 35% preferiram formas de hospedagem mais econômicas, de até duas estrelas. O restante optou por hotéis de categoria superior ou luxo. A África do Sul recebeu 310 mil turistas estrangeiros durante a Copa.

“O interessante é que a maior parte desses turistas quis conhecer cidades que não são sedes da Copa: 83% dos entrevistados fizeram outro tipo de turismo, além do  futebol. Esses turistas visitaram, em média, três ou quatro cidades que não receberam jogos da Copa”, explicou o diretor do departamento de Estudos e Pesquisas do Ministério do Turismo, José Francisco Lopes.

Cama e Café – DF

Uma das experiências compartilhadas pelos representantes das cidades-sede foi o programa de hospedagem alternativa do Distrito Federal, o “Cama e Café”. De acordo com Ariádne Bittencourt, da Secretaria de Turismo do DF, já há 277 residências cadastradas no programa. A meta é chegar ate 300 casas até o ano que vem.

Após o cadastro, são realizadas visitas técnicas aos imóveis, com o apoio da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADBV-DF), para a avaliação das residências e verificação dos pré-requisitos do programa.O morador tem que ser proprietário do imóvel e deve oferecer, no mínimo, os serviços de limpeza e café da manhã. Podem ser disponibilizados até três cômodos para o programa.

A previsão é de que o site do Cama e Café esteja no ar na primeira semana de dezembro para que os turistas possam conhecer as casas já cadastradas. O site terá fotos, descrição e outras informações sobre as residências, além do perfil dos proprietários. O site está sendo implantado pelo Sebrae-DF, em parceria com a Secretaria de Turismo do DF e a ADBV.

No período da Copa das Confederações, o Ministério do Turismo criou o site http://hospitalidade.turismo.gov.br para divulgar opções de hospedagem alternativas em Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro e Salvador.

13:38 · 04.12.2013 / atualizado às 13:38 · 04.12.2013 por

O Ministério do Turismo (MTur) premiou as quatro melhores experiências identificadas durante o processo de coleta de informações do 5º Índice de Competitividade, divulgado nesta segunda-feira (2). O objetivo é destacar ações que contribuam para o desenvolvimento do turismo e compartilhá-las com os demais destinos do País.

Ao todo foram selecionados 21 casos de sucesso de 15 destinos turísticos, escolhidos segundo a relevância e impactos positivos, possibilidade de aplicação em outros destinos, caráter inovador e recorrência com que foram mencionados. Os premiados receberam um diploma de certificação da boa prática aplicada.

O Rio de Janeiro foi premiado por sancionar um decreto (nº 5230, de novembro de 2010) com um pacote de benefícios legais para a atração de novos empreendimentos hoteleiros. O objetivo era adequar a cidade do Rio às demandas da Copa de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016. Além dos benefícios fiscais, o decreto liberou algumas áreas da cidade para a construção de empreendimentos hoteleiros e revisão de parâmetros urbanísticos.

Já na experiência de Fernando de Noronha (PE), algumas praias como a do Sueste (área do Parque Nacional Marinho) se tornaram acessíveis a cadeirantes e pessoas com algum tipo de deficiência. O projeto Praia sem Barreiras oferece esteiras para acesso ao mar, cadeiras de rodas anfíbias e profissionais qualificados para banho assistidos. O projeto é uma parceria da empresa de turismo do Estado de Pernambuco com a EcoNoronha, Instituto Chico Mendes, além da Administração do distrito estadual, governo do Estado e federal.

A cidade de Bento Gonçalves (RS) lançou em 2012 um aplicativo para smartphones que oferece acesso simplificado e gratuito a informações gerais e turísticas da cidade. Já Belém (PA) foi premiada com o Criar Amazônia, um grupo de artesãos e designers paraenses que emprestam seus valores e identidades para produzir linhas de roupas, joias, estampas que enfatizam a cultura amazônica e utilizam matérias sustentáveis.

As boas práticas são ações que ajudam os destinos brasileiros a se tornarem mais competitivos. O país obteve este ano a maior nota desde que foi criado o Índice de Competitividade do Turismo Nacional (2008), ferramenta desenvolvida pelo Ministério do Turismo, Sebrae e Fundação Getúlio Vargas para mensurar o nível de desenvolvimento do turismo nacional. Houve aumento nos três grupos analisados: média nacional (de 52,1 para 58,8), média das capitais (de 59,5 para 66,9) e média das não capitais (de 46,9 para 53,1). São considerados dados de 2008 e 2013 respectivamente.

O índice mede a competitividade nos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico do País, com o objetivo de elevar o turismo à condição de atividade econômica essencial ao desenvolvimento do País. “As boas práticas são exemplos a serem seguidos e nada melhor que podermos compartilhar ações de sucesso que possam ser aplicadas também em outras localidades. Também é uma oportunidade para que experiências semelhantes sejam disseminadas e aprimoradas”, falou o secretário nacional de Políticas de Turismo, Vinicius Lummertz.

 

17:15 · 28.11.2013 / atualizado às 17:15 · 28.11.2013 por

O Ministério do Turismo começou a receber contribuições da sociedade para a revisão da Lei Geral do Turismo. O objetivo é atualizar a legislação com dispositivos que induzam à modernidade, à simplificação, à desburocratização e a promoção dos negócios turísticos.

O MTur receberá as sugestões de entidades e profissionais relacionados ao setor do turismo e da sociedade em geral por meio do endereço eletrônico leigeraldoturismo2013@turismo.gov.br. O prazo final para o envio das propostas é 20 de dezembro de 2013.

A Lei Geral do Turismo dispõe sobre a Política Nacional de Turismo e define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor. Trata também dos direitos e deveres dos prestadores de serviços turísticos e estabelece, entre outras, regras para o cadastramento, classificação e fiscalização dos empreendimentos.

 

Pesquisar

Blog de Turismo

Diário do Nordeste
Posts Recentes

01h07mPraia é o principal atrativo do turista da Copa

01h07mRio de Janeiro realiza feira de negócios do Carnaval

10h07mSala de Exposição do Acquario será inaugurada amanhã

02h07mTurismo revela perfil do turista brasileiro na Copa

02h07mBeach Park é o segundo melhor parque aquático do mundo

Ver mais

Tags

Categorias
Blogs