Categoria: Olimpíadas


15:03 · 30.08.2012 / atualizado às 11:57 · 31.08.2012 por
Sarah Menezes exibe a medalha de ouro histórica conquistada na categoria feminino para o judô brasileiro, em Londres (foto: José Leomar)

Nem só de vitórias é construída a trajetória de uma grande campeã. A medalhista de ouro olímpico no judô, Sarah Menezes, revelou que tinha dificuldades em lidar com a derrota, por isso trabalhou bastante o lado psicológico para vencer em Londres, na categoria até 48Kg.

Essa experiência está sendo contada por ela mesma, nesta quinta-feira, 30, para os alunos do Colégio Christus, em Fortaleza.  Atleta só deixará a Capital cearense na sexta-feira, quando inicia a preparação para o campeonato mundial por equipe, em Salvador, onde, mais uma vez, irá defender o Brasil.

História de superação

Em 2008, em Pequim, a piauense foi derrotada na primeira luta. Porém, quatro anos depois, superou o trauma ao fazer história como a primeira brasileira a subir no topo do pódio de uma competição olímpica.

“Para mim, foi uma questão de superação vencer essa barreira de não aceitar a derrota. Na China, era minha primeira vez. Agora,  eu já conhecia o ambiente olímpico e estava mais preparada mentalmente”, afirmou.

Sarah contou que a primeira grande derrota da carreira foi difícil de engolir. “Eu fui 11 vezes consecutiva campeã brasileira. No campeonato seguinte, na minha terra (Teresina), fui derrotada. Foi um golpe muito duro de absorver”, disse a judoca, ressaltando que aprendeu bastante com essa situação.

Para o treinador de Sarah, Expedito Falcão, desde os nove anos de idade, quando começou a treinar na escola, a atleta ficou sempre entre as primeiras colocadas em todos os campeonatos que  participou. “Conversamos muito e mostramos que a diferença do primeiro para o quinto colocado em uma competição é muito pequena, tecnicamente falando. Às vezes, é a parte psicológica que faz a diferença nesses casos”, comentou.

Segundo ele, outro fator determinante que a ajudou a ter esse excelente desempenho nas olimpíadas foi o fato detreinar em casa.  “Quando a Sarah está treinando, no Piauí, ela passa a ser o foco do trabalho. Tudo é direcionado para que ela atinja o máximo do seu desempenho. No eixo Sul e Sudeste, ela seria só mais uma dentre os atletas de destaque do País. Acredito que continuar treinando em sua terra natal é um diferencial na sua carreira”, avaliou o técnico.

Treinador Expedito Falcão diz que treinar em Teresina (PI) é um diferencial para a campeã continuar vencendo competições importantes (foto: José Leomar)

Projeto Social

Foi do treinador e da atleta a ideia de implantar um projeto para crianças de vulnerabilidade social de Teresina. “Colocamos em junho antes de eu ir a Londres e está dando certo”, colocou Sarah, mostrando nos olhos a alegria e o orgulho de ver o projeto funcionando. “Hoje, temos 80 crinaças de 8 a 12 anos treinando e mais uma turma de 50 vindo por aí”, emendou o professor.

Expedito explicou que está contactando as empresas interessadas a adotar as crianças no projeto. “A Newland, por exemplo, é patrocinadora da Sarah e adotou 10 crianças do projeto superação. Estamos procurando mais parceiros como a empresa cearense que enxergou os benefícios dessa ação. Se todos fizessem coisas parecidas, com certeza, teríamos mais campeões e menos violência”.

Ele disponibiliza o email para quem estiver interessado em ser parceiro do projeto social: expeditofalcao@hotmail.com

Confira aqui trecho da  entrevista de Sarah Menezes:

Pesquisar

Faça uma busca em nosso blog:

Vai Encarar

Blog da seção Vai Encarar, da editoria Jogada, sobre lutas e artes marciais, especialmente cobertura sobre UFC.

VC REPÓRTER

Flagou algo? Envie para nós

(85) 98948-8712

Tags