Busca

Categoria: WSOF


15:34 · 01.05.2014 / atualizado às 15:48 · 01.05.2014 por

Uma luta valendo o cinturão dos meio-médios do World Series of Fighting (WSOF) entre Rousimar Palhares, o Toquinho, e Jon Fitch seria, com certeza, bem divertida. Dois lutadores muito habilidosos no chão: o brasileiro sendo um finalizador nato e o norte-americano nunca tendo sido finalizado. Entretanto, o fã do bom MMA terá que esperar mais para ver os dois no ringue ao mesmo tempo. Por problemas com a saúde da sua mãe, Toquinho desistiu de enfrentar o wrestler em luta marcada para julho, em Las Vegas.

Escolhas atrapalharam carreira de Toquinho |Foto: UFC

A alegação de Toquinho foi que não teria condições psicológicas de lutar, já que mãe iria passar por uma cirurgia delicada – e não especificada. Tantas vezes atrapalhado em sua carreira por decisões controversas, Toquinho fez o que tinha que ser feito.

“Esportivamente, não seria justo com o Jon Fitch, com os fãs que me admiram, e também com o WSOF eu me apresentar sem estar nas melhores das minhas condições físicas, técnicas e psicológicas. Não seria justo com o MMA, nosso esporte determina que o atleta deve estar sempre no seu limite para competir, não existe espaço para erros,” disse em comunicado.

Para analisar a decisão, é importante relembrar todos as vezes que problemas psicológicos atrapalharam o mineiro. O lutador já declarou em algumas oportunidades ter muita ansiedade ao subir no ringue. Isso provavelmente pode ser a explicação para muito do que já aconteceu com Palhares.

Contra Nate Marquardt, o brasileiro achou que o que o adversário estava com vaselina na perna para evitar finalizações. Ele reclamou com o juiz no meio da luta, simplesmente parando de lutar. O árbitro não parou, e Toquinho foi nocauteado. No primeiro UFC Rio, contra Dan Miller, achou que o americano já havia sido nocauteado e parou de golpear, para comemorar a suposta vitória. O juiz o alertou do engano e a luta foi reiniciada. 

Mas as piores decisões que Toquinho tomou foram nas finalizações. Talvez por ansiedade, talvez por achar que precisaria ter certeza que vencera, o brasileiro segurou muito posições sem necessidade. Isso aconteceu com Helio Dipp, Flavio Luiz Moura, Fabio Negão, Tomasz Drwal e Mike Pierce. As duas últimas custaram uma punição de nove meses sem lutar, em 2010, e seu banimento do UFC, em 2013, respectivamente. Isso sem falar dos eventos de  ‘submission’, onde o Toquinho cometeu o mesmo erro. Rousimar chegou a ter acompanhamento psicológico durante seu tempo no UFC.

O brasileiro que teve a carreira marcada por escolhas erradas, agora acertou. Quando a mãe dele estiver melhor, saudável e o brasileiro não esteja preocupado com isso, aí sim queremos vê-lo de volta ao ringue.

Veja o comunicado de Toquinho

“Meus amigos, amo esse esporte e jamais irei desistir de uma luta. Aceitar qualquer desafio é a marca do verdadeiro guerreiro. Infelizmente, eu e minha família estamos enfrentando uma grande luta, a luta pela saúde, pela vida. Minha mãe teve 13 filhos, e dedicou a sua vida para educar e criar eu e meus irmãos. Neste momento, Deus me diz que preciso dedicar 100% da minha vida para cuidar da minha mãe. Estou fazendo de tudo, me dedicando ao máximo possível para garantir a saúde da pessoa que me colocou neste mundo. Esportivamente, não seria justo com o Jon Fitch, com os fãs que me admiram, e também com o WSOF eu me apresentar sem estar nas melhores das minhas condições físicas, técnicas e psicológicas. Não seria justo com o MMA, nosso esporte determina que o atleta deve estar sempre no seu limite para competir, não existe espaço para erros. Entendo que dentro do business e do mundo capitalista em que vivemos hoje essa decisão possa não agradar a todos, porém sou um ser humano e como um bom filho chegou a minha hora de cuidar da minha mãe.”

14:55 · 11.08.2013 / atualizado às 14:55 · 11.08.2013 por
Newell venceu sua décima luta |Foto: Divulgação

Nick Newell, lutador que sofre de amputação congênita no braço esquerdo, estreou no World Series of Fighting (WSOF) 4 com uma vitória incontestável. Em apenas três minutos, o wrestler finalizou Keon Caldwel com uma guilhotina, em evento realizado na Califórnia.

Durante a luta, Newell chegou a sentir um golpe do seu adversário. Mas quando se recuperou, dominou totalmente as ações da luta, levando Caldwell para o chão várias vezes e até arriscando uma cotovelada rodada.

O norte-americano alcançou sua décima vitória seguida. Seu cartel impressiona por não possuir nenhuma derrota.

Brasileiros

Gesias “JZ” Cavalcante e Jorge Santiago sofreram com os árbitros na noite de sábado. Santiago, que fechou o card preliminar, chegou a perder um ponto por segurar na grade logo antes de sofrer com um bate-estaca. Seu adversário, Gerald Harris, chegou a pensar que o juiz estava encerrando a luta, gerando uma grande confusão.

Já “JZ” venceu Tyson Griffin por nocaute técnico. O problema é que os golpes do brasileiros não estavam sendo tão efetivos no momento da interrupção.