Busca

Categoria: Agricultura


09:56 · 18.11.2016 / atualizado às 09:56 · 18.11.2016 por

Sobral- Ainda neste mês de novembro, os agricultores do município de Sobral que se cadastraram no programa Garantia-Safra, referente à safra 2015/2016, começarão a receber seu benefício. A portaria que autoriza o repasse aos produtores cadastrados foi publicada no Diário Oficial da União dessa quarta-feira, 16, pela Secretaria da Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Neste ano, cerca de 2,5 mil agricultores serão beneficiados. Os pagamentos serão realizados nas mesmas datas definidas pelo calendário de pagamentos de benefícios sociais da Caixa Econômica Federal.

Programa

O Garantia-Safra é um seguro pago pelos governos Federal, Estadual e Municipal, com o objetivo de garantir renda mínima para a sobrevivência dos agricultores, em caso de perda igual ou superior a 50% da lavoura. Cada agricultor deve pagar R$ 14,90 para aderir ao Programa. Os municípios contribuem com R$ 44,63, por agricultor cadastrado e o Governo do Estado investe R$ 89,25, enquanto a União paga R$ 297,50, por agricultor.

Saiba mais

88 3611-5835.

Colabore com o Blog Zona Norte pelo whatsApp 88 9 9659-4083.

16:51 · 10.10.2016 / atualizado às 16:54 · 10.10.2016 por
Sobral/CE; Residencial Nova Caiçara irá contemplar 1.280 novas famílias - Foto: Dilvulgação
Sobral/CE; Residencial Nova Caiçara irá contemplar 1.280 novas famílias – Foto: Dilvulgação

Sobral – A prefeitura de Sobral, através do Gabinete do Prefeito e da Secretaria de Urbanismo, assinam na noite de hoje (10/10) as 18h no Boulevard do Arco no Centro de Sobral.

Serão beneficiadas 1.280 famílias, o projeto já entregou 3.364 unidades habitacionais populares no Residencial Nova Caiçara.

A solenidade será animada com uma Banda de Forró e contará com as presenças do Prefeito, Veveu Arruda e da Secretária de Urbanismo, Gizella Gomes.

Colabore com o Blog Zona Norte pelo WhatsApp (88) 99659-4083 / (88) 99609-5928

22:25 · 09.11.2013 / atualizado às 22:25 · 09.11.2013 por

Com irrigação, o Ceará também é solo fértil para o plantio de frutas de clima temperado

Tianguá. O projeto experimental de cultivo de frutas de clima temperado no Ceará tem obtido seu maior sucesso na Serra da Ibiapaba. O plantio de maçãs e peras em São Benedito e Tianguá têm alcançados os melhores resultados, sendo a Agropecuária Sem Fronteira a mais produtiva e com planos de expandir no
próximo ano.

Ernesto Emori, da Agropecuária Sem Fronteiras, em Tianguá, destaca as vantagens de produzir no Estado, colhendo frutas de cor e sabor mais acentuados fotos: Jéssyca Rodrigues

Iniciado em 2010, o projeto piloto de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Semiárido consiste na plantação de frutas temperadas como maçã, pera e cáqui em diversas propriedades pelo Ceará. De acordo com o presidente da União dos Agronegócios do Vale do Jaguaribe (Univale), João Teixeira, atualmente há fazendas em Tianguá, Russas, Limoeiro, Chapada do Apodi, Icapuí e Guaramiranga que participam do experimento.

“Essas fazendas são de empresários privados que toparam fazer esse projeto piloto com o apoio da Embrapa Semiárido, Banco do Nordeste, Sebrae e Adece. No início, eram oito empreendedores, hoje ficam seis”, destaca.

Ele conta que os empresários se candidataram para a criação de áreas de meio hectare em cada unidade experimental para testes. “É uma coisa bem atípica produzir frutas temperadas no clima do Nordeste. O maior sucesso vem sendo Tianguá”, diz.

Na TecFlores, em São Benedito, foram plantadas seis variedades de peras, com sucesso de colheita em quatro. No total, 413 plantas estão em fase de testes

Pioneiro

É na plantação do agroempreendedor, Ernesto Emori, que se produziu maçã pela primeira vez no Estado. A Agropecuária Sem Fronteiras cedeu parte das terras para o cultivo de seis variedades da fruta, em que três tipos delas têm se destacado: Princesa, Julieta e Eva.

Natural de São Paulo, Ernesto já está há dez anos na Chapada da Ibiapaba, onde começou plantando cenoura, cebola e batata inglesa. “De três anos para hoje, estamos plantando abacate, acerola, maçã e pera. No primeiro ano produziu pouquinho, aumentou no segundo e já foi bem relevante este ano”.

A primeira colheita aconteceu 14 meses após a plantação das mudas. A maçã se desenvolve melhor em áreas de clima temperado, como o da Serra da Ibiapaba, onde a temperatura varia entre 18 e 35 graus. Apesar de não chover constantemente em Tianguá, as árvores foram cultivadas com irrigação.

O clima temperado da serra na Zona Norte favorece o cultivo no ano inteiro, por meio da agricultura irrigada. Embrapa e empresários fazem parceria no agronegócio

Uma vantagem da produção de maçã no Ceará é que a colheita pode ser feita no período de entressafra das regiões Sul e Sudeste. “As maçãs estão bem frescas, crocantes, doces e têm cor por causa do sol. Tem tudo para dar certo. Até o aroma é mais intenso”, afirma Ernesto. A ausência de outros cultivos de maçã também trouxe vantagens para Ernesto, que não teve problemas com pragas ou doenças.

A experiência se repete em São Benedito, município vizinho a Tianguá. Na Escola Técnica de Flores (TecFlores), 0,1 hectare foi reservado para o plantio das frutas, de acordo com a coordenadora e agrônoma Patrícia Moreira Alves de Oliveira. Inicialmente, foram plantadas 13 variedades de pera e seis de maçã, sendo que apenas quatro das variedades de peras se adaptaram, enquanto metade das de maçã alcançaram boa produtividade.

“Estamos no terceiro ano de implantação e, atualmente temos em teste 413 plantas de peras e 214 de maçãs. O sabor dos frutos é muito doce e o frescor é incomparável”, destaca Patricia. Ela ressalta que a vantagem do fruto fresco produzido na serra durante o período da entressafra do Sul é não precisar ficar em câmara fria, o que pode provocar perdas de cor e sabor, tornando-se mais atrativo.

Mais informações

Agropecuária Sem Fronteiras
Sitio Poço de Areia, S/N,
Zona Rural de Tianguá
Embrapa Semiárido
Telefone: (87) 3866.3600

15:21 · 02.10.2013 / atualizado às 13:27 · 02.10.2013 por
Foto Divulgação
Foto Divulgação

Com a liberação do recurso no valor de R$ 1.432.584,89 (Um milhão, quatrocentos e trinta e dois mil e oitenta e nove centavos) para o Programa de Aquisição de Alimentos – PAA do Município de Sobral pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), os cartões da Agricultura Familiar começaram a ser entregues hoje, 2, na sede do Banco do Brasil.

O pagamento dos recursos do PAA até 2012 era realizado pelo Município por meio de transferência dentro de um Convênio assinado entre a Prefeitura e o MDS. Em 2013, por meio de assinatura de um Termo de Adesão do Município, o recebimento do pagamento da produção dos Agricultores Familiares cadastrados no PAA passa a ser diretamente realizado pelo Governo Federal, através do cartão da Agricultura Familiar, emitido pelo Banco do Brasil.

Os pagamentos serão efetuados diretamente na conta do cartão de forma automática à medida que a transação da produção agrícola for efetivada e gerada a nota fiscal.

Fonte Ascom Seagri

16:35 · 17.01.2012 / atualizado às 16:35 · 17.01.2012 por

O Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) comunicou hoje que os agricultores familiares do Semiárido Brasileiro têm assegurados o Garantia-Safra 2012 para cobrir suas perdas de safras de milho, arroz, feijão, mandioca e algodão causadas por estiagem (ou enchentes). A ação do MDA por meio da Secretaria da Agricultura Familiar (SAF) vale para toda a Região Nordeste, mais o norte de Minas Gerais, Vale do Jequitinhonha e municípios do Espírito Santo.

“Temos esse mecanismo permanente e institucionalizado de seguro que prevê a garantia de renda para agricultores e agricultoras da região que costumam viver o impacto negativo da seca em sua produção e na qualidade de vida das famílias”, explica o secretário da Agricultura Familiar do MDA, Laudemir Müller.

Laudemir aponta como fundamental no sucesso da ação do MDA o envolvimento e parceria dos estados e municípios, já que os governos municipais, estaduais e o governo federal contribuem diretamente para o Fundo Garantia-Safra e para a operacionalização do programa.

O Garantia-Safra é uma ação do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), que tem o objetivo de garantir condições de sobrevivência aos agricultores familiares de municípios sistematicamente sujeitos à perda de safra por falta ou excesso de chuva, na região do Semiárido. Foi criado na safra de 2002/2003 como estratégia permanente para o problema da seca que afeta a convivência do agricultor com as características do ambiente semiárido.

O agricultor familiar do Semiárido, com renda de até 1,5 salário mínimo, tem a garantia de receber cinco parcelas de R$ 136,00, em caso de secas ou enchentes que causem perda acima de 50% da produção. Na safra atual 2011-2012, já passa de 563 mil o número de agricultores que aderiram ao programa. O número de cotas disponíveis de adesão é de 940 mil, o que significa que o seguro pode atender a mais de 900 mil famílias.

Na safra passada (2010-2011), o Garantia-Safra beneficiou mais de 737 mil famílias na região do Semiárido.

Para ter acesso ao seguro Garantia-Safra é necessário que o agricultor faça sua inscrição no município onde vive. Para isso, deve procurar a prefeitura e o sindicato para se informar dos períodos e locais de inscrição de seu município.

As inscrições são abertas a todos os agricultores familiares que tenham a Declaração de Aptidão ao Pronaf. Podem participar agricultores que plantam entre 0,6 e 10 hectares de arroz, feijão, milho, algodão e/ou mandioca, em área não irrigada.

SEAF – O Seguro da Agricultura Familiar (SEAF), válido para todo o país, é outro mecanismo que cobre a região Nordeste. Na safra passada (2010-2011), mais de 47 mil empreendimentos foram segurados pelo SEAF no Nordeste. Entre as safras de 2004/2005 (quando o SEAF foi criado) até a safra atual (2011/2012), ainda em curso, a região NE teve mais de 660 mil empreendimentos segurados pelo SEAF.

O SEAF cobre perdas em todo o Brasil provocadas por chuva excessiva, geada, granizo, seca, variação excessiva de temperatura, ventos fortes, ventos frios, doença fúngica ou praga sem método de controle técnica ou economicamente viável. Na safra 2010/2011, foram mais de R$ 296 milhões em valor segurado no Nordeste pelo programa e na safra 2011/2012 – ainda em andamento – 54.812.841 agricultores familiares do nordeste já aderiram ao SEAF, que garante o pagamento de até 100% do valor das operações de custeio e até 65% da Receita Líquida Esperada do Empreendimento (RLE), limitado a R$3.500,00. A indenização é proporcional à perda e só podem ser indenizadas aquelas que forem maiores do que 30% da RLE.

Na safra 2010-2011, mais de 500 mil empreendimentos foram segurados pelo Seguro da Agricultura Familiar, com um valor total segurado de mais de R$ 5 bilhões.

(Com informações do MDA).