Busca

Categoria: Turismo


10:51 · 14.02.2012 / atualizado às 10:51 · 14.02.2012 por

Representantes de 12 municípios que receberão intervenções urbanas selecionadas para o Programa de Valorização da Infraestrutura Turística do Litoral Oeste vão ajustar com o secretário do cearense de Turismo, Bismarck Maia, os detalhes da execução do projeto, hoje, às 15 horas.
Visando melhorar a ambiência nas comunidades litorâneas, potencializando a atratividade turística desses locais, o programa é uma parceria do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria do Turismo (Setur), com o Banco de Desenvolvimento da América Latina – CAF.
O programa contempla melhoria da infraestrutura, qualificação profissional e empresarial, zoneamento e proteção de recursos naturais, ações de financiamento e estruturação de arranjos produtivos locais (APL) e recuperação de patrimônio histórico.
De infraestruturas, vão ser 17 intervenções nos 12 municípios, mais aduplicação da CE 085 no trecho Fortaleza – Paracuru (já em licitação), o Aeroporto Internacional do Polo de Jericoacoara, em Cruz e saneamento básico de comunidades praianas.
Dividida em quatro componentes – Desenvolvimento Social e Turístico Sustentável; Urbanização, implantação e ampliação de saneamento básico; Infraestrutura turística e Gestão do Programa – a parceria com a CAF totaliza investimentos de US$ 160 milhões, sendo 30% de contrapartida do Estado, ou US$ 47 milhões.
Essas intervenções foram amplamente discutidas com os gestores públicos (prefeitos e secretários municipais), e com representantes de organizações e da população, em reuniões técnicas e em Consultas Participativas, atendendo o padrão exigido pela CAF, que é semelhante ao do BID e de outros organismos de crédito internacionais. Uma missão oficial da instituição, em janeiro, validou a necessidade dos projetos apresentados.
Segundo Bismarck Maia, os projetos já estão prontos para  licitação. Restam, somente, ajustes finais para que depois dos trâmites legais, os valores sejam liberados, no início do segundo semestre de 2012. “Falta apenas o OK para os projetos de execução; checar a parte técnica e verificar a interseção das intervenções com as comunidades. Já podemos até iniciar as obras. E depois de firmado o contrato, a CAF vai nos reembolsar”, explicou Bismarck.
MUNICÍPIOS CONTEMPLADOS – Fortaleza (CE 085), São Gonçalo do Amarante, Paracuru, Paraipaba, Trairi, Itapipoca, Amontada, Itarema, Acaraú, Cruz, Jijoca de Jericoacoara, Camocim e Barroquinha.(Com informações da Setur-CE)

06:43 · 29.10.2011 / atualizado às 06:43 · 29.10.2011 por

A história da bela Meruoca começou nos idos de 1727, quando um povoado da missão religiosa de catequizar os índios Tapuios, também chamados de ararius, vindo da Bahia, iniciou a construção da capela de Nossa Senhora da Conceição. Os índios fugiram para a serra da Meruoca, após a expulsão do assentamento às margens do Rio Acaraú, em Sobral. A capela recebeu o patrimônio de meia légua de terras doado pelo coronel Sebastião de Sá Barroso. Esse patrimônio só foi julgado, canonicamente, em 1767, pelo visitador José Teixeira de Azeredo. A freguesia de Nossa Senhora da Conceição e o distrito foram criados pela lei 1.799, de 10 de janeiro de 1879, como pertencente a Sobral. Instituída por provisão de quatro de fevereiro de 1880, a capela teve como primeiro vigário, padre Diogo José de Sousa Lima. Pela Lei Provincial 2090, de 13 novembro de 1885, Meruoca desmembrou-se de Sobral. Depois a história conta que houve um vai e vem administrativo. Em 1920, Meruoca foi extinto como Município pela Lei 1794, de nove de outubro, passando a ser distrito de Massapê. Em 1931, pelo Decreto Estadual 193, de 20 de maio, o distrito deMeruoca sai de Massapê e volta a pertencer Sobral. Somente em 22 de novembro de 1951 é que é elevado novamente a Município pela Lei Estadual 1153. Meruoca ganha então o distrito de Alcântaras, que foi desmembrado em pela Lei 3961, de 10 de dezembro de1957. Em 1964, Meruoca recebe os atuais distritos de São Francisco, Camilos, Santo Antônio dos Fernandes e Palestina do Norte.

Meruoca, hoje, faz limite com Sobral, Massapê, Alcântaras e Coreaú. Está a 260 quilômetros de Fortaleza e localiza-se na zona fisiográfica Norte do Ceará. O Município, contam os historiadores, recebeu ainda no século XIX a chancela de “povo pobre, de aspecto triste e miserável, situada numa baixa úmida rodeada de morros altos com apenas 18 casas telhadas, caiadas, ladrilhadas, pequenas e térreas e uma praça pequena e irregular com duas ruas”.
Mas no século XX com seu desenvolvimento ganhou mais moradores atraídos pelo clima agradável e natureza exuberante. No século XX foram instalados na Meruoca engenhos e fábricas de farinha. Os padres e prefeitos deixaram um legado bom para a cidade que passou então a explorar o turismo.
Mas antes de mostrar toda potencialidade da Meruoca, porque o nome Meruoca? A origem é a seguinte. Os índios quando foram morar em Meruoca construíram suas ocas que acabaram sendo infestadas de moscas. Daí o nome  de Meru – Mosca e Oca – Casa. Meruoca significa Casa das Moscas.
Hoje, a história é bem outra. A cidade praticamente não tem mosca e nem mais ocas. Tem empreendimentos significativos para o receptivo de visitantes. São hotéis, pousadas, restaurantes, ruas, avenidas, praças, lagoas, bicas (Itacaranha, Pedra da Bandeira, Pedra do Bocão, Sabiá), açude Quebra, riachos (Meruoca e Santo Antônio), e sítios (Genipapo, Sales, Caiana e Quebra). Sua altitude é de 670 metros. O acesso se dá pela BR 222 e CE 440. Com a buraqueira na BR 222 é aconselhável ao sair de Fortaleza ir pela Rodoviária Estruturante (CE 085) até alcançar Itarema, entrar à esquerda, passando por Morrinhos, Santana do Acaraú e Sobral. Ai sim sobe na CE 440, numa distância de 17 quilômetros.
Como a agricultura e pecuária deixaram de ser a base da economia da Meruoca é o turismo seu principal atrativo. E é em cima desse potencial que Prefeitura, Câmara, moradores, investidores e Sebrae estão embuídos. Porém todo o Plano Estratégico que está sendo retomado é baseado na exploração sustentável do Meio Ambiente. “Este é um cuidado que não abrimos mão”, diz o prefeito Francisco Fonteles.
06:41 · 29.10.2011 / atualizado às 06:41 · 29.10.2011 por

Meruoca – Bonita por natureza, a Serra da Meruoca finalmente terá um Plano Diretor para ser aplicado ao Turismo Ecológico. O plano está sendo montado por técnicos do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-Zona Norte). Os técnicos trabalham a quatro mãos com a Prefeitura de Meruoca, Câmara Municipal e investidores para iniciar em 2012.

O Planejamento Estratégico do Turismo no Município da Meruoca começou a ser pensado em 2009, mas em dois anos pouco avançou. “Após, elaboração do diagnóstico, onde verificou-se pontes fortes e fracos, ameaças e oportunidades, surgiram algumas temáticas para se trabalhar as ações mediante as necessidades encontradas”, informa o analista técnico do Sebrae-Sobral, Tomaz Machado do Carmo.

As temáticas escolhidas pelo grupo gestor, que vai gerir o turismo de Meruoca são: Associativismo; Meio Ambiente; Marketing Turístico; Infraestruturas Pública e Privada; e Capacitação.

Este grupo gestor é liderado pelo prefeito Francisco Antônio Fonteles, pela secretária de Turismo, Ana Carina Oliveira Santos e tem a participação dos investidores Paulo Emílio de Andrade Aguiar, Expedito Pontes, Edivaldo Boto e Reinaldo Guimarães Carneiro.

Temos uma vasta vegetação, um bom clima, bom artesanato e estamos arrumando a cidade para bem receber os turistas, não somente no Festival de Inverno, que este ano recebeu sete mil pessoas”, informa o prefeito Fonteles que promete dotar a cidade de infraestrutura para a recepção dos turistas nas pousadas, hóteis e parques serranos.

126 anos

O Plano tem um horizonte para 2012/2014. No próximo dia 13 de novembro, data de aniversário de emancipação de 126 anos da cidade, ele será apresentado, em solenidade, no Centro de Eventos Municipal.

Tomaz Machado destaca que em função da revitalização deste plano, que teve princípio, em 2009, este novo momento já começa com uma capacitação sobre Atendimento ao Cliente. Esta capacitação será ofertada aos empreendedores pelo Sebrae/Escritório de Sobral em parceria com a Prefeitura e Câmara de Vereadores.

O curso acontecerá, no Centro de Eventos de Meruoca, de sete a dez de novembro, de 19 às 22 horas. Durante o período diurno o instrutor contratado pelo Sebrae fará visitas in loco as empresas participantes, visando complementar o trabalho de consultoria. No domingo, 13 de novembro, serão entregues os diplomas dos participantes desta primeira capacitação.

Tomaz Machado, como gestor do território da Zona Norte do Sebrae, afirma que o Plano é uma oportunidade para aproveitar o potencial turístico da Meruoca. Segundo ele, além disso, o Plano vai aproveitar o capital intelectual dos investidores, somando a isto a boa intenção da política pública municipal. “O resultado do novo Plano é acelerar o desenvolvimento do território turístico de Meruoca”, salienta técnico do Sebrae.

Morada das Moscas

No tupi guarani, Meruoca quer dizer “Morada das Moscas”. A história do município data de 13 de novembro de 1885, quando foi desmembrado de Sobral. Com uma área de 145 quilômetros quadrados, Meruoca tem um clima tropical brando com temperaturas que chegam à noite menos de oito graus celsius. A atitude chega 800 metros no Morro do Chapéu. A cidade tem destaque na sede e nos distritos de Palestina do Norte, São Francisco, Camilos e Santo Antônio dos Fernandes. É uma Área de Proteção Ambiental (APA).

Para aproveitar este potencial, o consultor do Sebrae-Sobral, Hugo Macário de Brito Pinheiro, elencou com a Prefeitura, Câmara e investidores as reivindicações para tornar o turismo serrano permanente.

Um dos primeiros pedidos é colocar acostamento da CE 440. “A estrada, que dá acesso a Meruoca está uma beleza de sinalização e pavimentação, mas é estreita e está sem acostamento”, reclama o dono do empreendimento Ytacaranha Hotel, Resort e Conventions de Serra, Reinaldo Guimarães Carneiro.

O Ytacaranha foi o precursor de grandes investimentos na Meruoca. Foi inaugurado em 1995  e hoje conta com a principal oferta de turismo na cidade. São 70 apartamentos de luxo e mais 18 atrações: restaurantes típico e internacional, american bar, centro de convenções, cinema, parque aquático, lagos, lagoas, pisicina térmica, play ground, quadras poliesportivas, academia de ginástica, sauna, capela, boate, estacionamento privado para 100 carros e o ecoturismo. “Precisamos dinamizar o nosso turismo e este plano tem essa ideia”, salienta Reinaldo Carneiro.

Quem está investindo forte na Meruoca é o professor de História aposentado na Universidade Estadual do Ceará (Uece), Paulo Emílio de Andrade Aguiar. Ele está montando a Associação Luar da Serra, que terá turismo, arte e cultura através do empreendimento Monte Alpino. “Pretendo inaugurar em julho de 2012 este empreendimento. Trata-se da ideia, que começou de um museu para contar a história da Zona Norte e se expandiu para camping, anfiteatros (um com 1,8 mil e outro para 120 pessoas), pista de cooper, bicas, adega, restaurantes e três apartamentos mobiliados para temporada”, informa o empreendedor.

Paulo Emílio salienta que o Plano Diretor pretende alavancar o turismo da Meruoca, fixando o meruoquense na sua terra. “Vamos valorizar o turismo serrano e interiorano, e não somente o de praia. Pretendemos assim aproveitar a mão de obra local e deixarmos de ser uma população emissora, provocando êxodo rural para Sobral, Fortaleza, São Paulo e Rio de Janeiro. Queremos fixar a população aqui, explorando corretamente as nossas riquezas”, finaliza.